Súcubo, a Criatura Mítica e a Lenda - Mitos e Lendas

Súcubo, a Criatura Mítica e a Lenda

Hoje, na parte mais recente de nossa série de artigos sobre criaturas míticas, falaremos sobre os súcubos, as criaturas lendárias que foram objeto de muitos mitos e lendas diferentes desde os tempos antigos. O que é um súcubo? De onde isso vem? É tão mortal quanto contado nas histórias? Leia as respostas para todas essas perguntas em nosso artigo sobre súcubo, a criatura mítica.

O Que é um Súcubo?

Um súcubo é uma entidade ou demônio sobrenatural que se manifesta como uma mulher bonita. Essa criatura mítica aparece nos sonhos dos homens e os seduz a realizar atos sexuais.

Lendas e tradições religiosas afirmam que interações sexuais repetidas com um súcubo podem fazer com que um homem perca sua saúde física e mental e, nos casos mais extremos, até morra.

O folclore comparou o ato de ter relações sexuais com um súcubo a entrar em uma caverna de gelo. Nas lendas posteriores, os súcubos também assumiram a forma de sirenes, que eram belas sereias que atraíam marinheiros desavisados ​​para naufragarem em praias rochosas.

Origem do Termo, Súcubo

A palavra "súcubo" se originou no final dos anos 1300 e foi derivada do termo latino tardio, "succubare", que significa "deitar-se embaixo". Isso implica a posição sexual implícita da criatura em contraste com a posição virada para baixo do homem.

Súcubo, a Criatura Mítica e a Lenda

As Várias Aparições Dos Súcubos

Quando se trata de sua aparência real, o súcubo foi descrito de maneiras muito diferentes. Em muitas representações modernas, a criatura pode aparecer nos sonhos dos homens ou no mundo físico também.

Em muitas obras da literatura, o súcubo tem sido descrito como uma mulher extremamente bonita, voluptuosa e desejável, que geralmente tem chifres enrolados, rabo farpado, presas, asas de morcego ou olhos brilhantes.

No entanto, nas lendas mais antigas, o súcubo não era tão atraente. Durante os tempos medievais, eles foram descritos como seres grotescos e deformados, com muitas características que os demônios devem possuir.

Rostos como gárgulas, pés com garras alongadas e dedos com garras irregulares eram características comuns que se acredita serem possuídas pelo súcubo.

Em algumas histórias, o súcubo é descrito como sendo um pouco menor do que uma mulher comum, que engatinhava ou rastejava no chão em vez de ficar de pé e caminhar.

Mitos e Lendas Que Cercam o Súcubo

Existem dezenas de mitos e lendas em torno da criatura em culturas e religiões em todo o mundo.

Folclore Judaico - Cristão

Embora a origem exata do mito do súcubo não seja conhecida, Santo Agostinho de Hipona mencionou a criatura em algumas de suas obras.

A primeira menção real do termo "súcubo" surgiu no final do século 14, embora o mito tenha algumas versões diferentes. Uma versão afirma que um súcubo é um demônio feminino que se engravida seduzindo um homem humano, enquanto seu homólogo masculino, o íncubo, engravida mulheres humanas.

Outras versões afirmam que o súcubo e o íncubo são um único deslocador de forma que pode assumir as formas masculina e feminina. O demônio primeiro coleta o sêmen humano como um súcubo e depois se transforma em um íncubo para engravidar uma mulher.

Às vezes, esses demônios possuíam suas vítimas através de relações sexuais enquanto a pessoa está dormindo.

O folclore judaico-cristão conta a história de uma mulher chamada Lilith, que mais tarde se transformou em um súcubo. Acredita-se que Lilith fosse a primeira esposa de Adão, criada durante o mesmo tempo que ele, antes de Eva.

Mais tarde, ela deixou Adão e há muitas conjecturas sobre por que ela fez isso. No entanto, um dos relatos mais famosos envolve o acasalamento com o arcanjo Samael e a recusa de retornar ao Éden.

Ela então se transformou em um súcubo, e seus filhos gerados por demônios, conhecidos como lilims, foram enviados ao mundo como demônios, onde se tornaram súcubos menores.

No entanto, alguns escritores acreditam que o súcubo não era necessariamente mau. De fato, um súcubo chamado Meridiana estava supostamente envolvido com o papa Sylvester II e o ajudou a alcançar seu alto status. Antes de sua morte, Sylvester supostamente confessou seus pecados.

Ao longo da história, clérigos religiosos do cristianismo e do judaísmo têm lutado para conter os poderes dos súcubos sobre os seres humanos. O tratado mais abrangente sobre bruxaria, Malleus Maleficarum, estabeleceu maneiras de lidar com os súcubos, entre os quais o melhor incluía confissão e exorcismo.

Mitos Sumérios e Gregos

Lilith também surgiu nas lendas suméria, romana, grega e egípcia, e é considerada a mãe de todos os súcubos.

Na Suméria, Lilith foi adorada como uma deusa da fertilidade, agricultura e bruxaria. Mais tarde, na Babilônia e na Assíria, ela foi associada a demônios noturnos que roubavam bebês e os comiam.

Na mitologia grega, Lilith era conhecida como Lâmia, e recebeu uma extensa história. Na lenda, ela já foi uma mulher bonita que foi transformada em um monstro hediondo pela deusa Hera, que ficou com ciúmes de sua beleza. Depois que ela se transformou em um monstro, Lilith vagou pelo mundo, seduzindo homens e comendo crianças.

Outras referências a Lâmia afirmam que ela era a mãe dos dois filhos de Zeus. Quando Hera descobriu o engano de seu marido, em vez de punir Zeus, ela amaldiçoou Lâmia em um monstro semelhante a cobra semelhante a Medusa.

Hera então matou os filhos de Lâmia e a amaldiçoou a andar pela terra procurando seus filhos perdidos e comendo os filhos de outras pessoas.

Em outros mitos, Zeus escondeu Lâmia em uma caverna e deu permissão para matar qualquer pessoa que ousasse entrar em seu território.

Lendas Medievais Europeias

Lâmia também apareceu em antigas lendas inglesas e foi chamada de lâmia. Essa criatura apareceu na forma de uma linda mulher nos cemitérios, e atrairia os jovens para a morte se passando por uma mulher desamparada.

A lenda afirma que, se você vir uma mulher precisando de ajuda nos cemitérios, deve chamá-la. A lâmia não pode responder com uma voz humana, pois ela tem uma língua serpentina e só pode sibilar.

Na Idade Média, o súcubo aparecia à noite para seduzir os homens em encontros sexuais. Essa tradição foi especialmente explorada pelos monges celibatários, que alegavam que eram frequentemente atacados pela criatura e culpavam os súcubos por seus pensamentos e sonhos lascivos.

Mais tarde, as mulheres que “tentaram seduzir” os homens foram acusadas de serem súcubos disfarçadas, enquanto as que engravidaram fora do casamento foram acusadas de ter interações sexuais com os íncubos.

Após o advento do Renascimento, o súcubo diminuiu em popularidade quando os artistas voltaram seu foco para a bela e injustamente amaldiçoada Lâmia da mitologia grega.

Somente no final do século XVIII, quando a literatura gótica ganhou destaque, o súcubo voltou; no entanto, naquela época, eles haviam experimentado uma transformação dramática, passando das horríveis criaturas demoníacas para seres bonitos e astutos.

Se você gostou do nosso artigo sobre súcubo, a criatura mítica, consulte nossa seção de criaturas míticas no menu superior para ler sobre muitas outras criaturas lendárias. Obrigado pela leitura, até o próximo artigo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!