Existem muitas figuras na mitologia grega. Existem os deuses e deusas típicos que conhecemos, como Zeus, Hera e Afrodite. Também existem heróis e semideuses, como Jason e Hércules. Havia também monstros e outras criaturas, como o Minotauro, e também alguns humanos que faziam parte de algumas das histórias.

Além disso, há também outro conceito que pode aparecer na mitologia grega, e esses são chamados daemons. Também pensamos neles como deuses menores. Esses daemons explicam um conceito importante que faz parte da cultura.

Os daemons eram a personificação de uma ideia abstrata. Eles não eram deuses e exibiam o mesmo nível de poder que os deuses. Eles eram entidades com fortes personalidades e características. O Horcos é uma dessas figuras mitológicas e as histórias associadas a ele abordam o quanto os gregos antigos valorizavam o processo de fazer e fazer um juramento. Aqui estão mais informações:

Conheça o Horcos ou Hórkos da Mitologia Grega

Sobre o Horcos

Fazer um juramento na cultura grega antiga era um compromisso muito sério. Fazer um juramento era igual a criar um contrato de ferro entre cada pessoa e o Horcos. Se uma pessoa fizesse um juramento e depois o quebrasse, havia sérias consequências.

Horcos não era o daemon de juramentos, mas sim de juramentos quebrados. Visto que prestar juramento era visto como ação divina, quebrá-lo era pior do que mentir. Isso significava punição severa, aplicada por Horcos.

A Família do Horcos

Horcos nasceu de Éris, a deusa da luta, discórdia, rivalidade e contenda. A identidade de seu pai é desconhecida. Horcos é o irmão de Limos, Ponos, Algas, Hisminas, Macas, Fonos, Androktasiai, Neikea, Pseudólogos, Amphilogiai, Disnomia, Ate e Lete.

História de Horcos das Fábulas de Esopo

Há um conto nas fábulas de Esopo que conta a história de um homem e seu amigo. O homem queria dinheiro emprestado, mas não tinha a intenção de devolvê-lo. O homem deixou a cidade, mas encontrou Horcos, que estava a caminho da cidade.

O homem confundiu Horcos a princípio com um companheiro de viagem, mas logo descobriu a verdadeira identidade do daemon. Horcos disse ao homem que não planejava voltar à cidade por mais trinta ou quarenta anos.

O homem voltou à cidade e negou ter pegado dinheiro emprestado do seu amigo. Horcos voltou naquele mesmo dia e arrastou o homem para um penhasco. O homem perguntou por que Horcos voltou depois de menos de um dia depois de dizer que levaria décadas antes de seu retorno.

Horcos informa ao homem que, quando provocado, ele retorna no mesmo dia para punir por quebrar um juramento. Então Horcos jogou o homem errante sobre o penhasco.

Esta história mostra como os gregos antigos valorizavam o conceito de fazer e manter um juramento. Eles acreditavam que se o juramento fosse quebrado, isso causaria uma maldição sobre eles.

Este também é um conceito importante no sistema de justiça da Grécia Antiga. Portanto, é seguro dizer que Horcos é o daemon, ou deus menor dos juramentos quebrados. Seu conto é preventivo, porque mostra como poderia haver retribuição se um juramento fosse quebrado.
Postagem Anterior Próxima Postagem