Lete ou Léthê era um dos cinco rios do submundo na mitologia grega. Os outros quatro eram Aqueronte, Cócito, Flegetonte e Estige. Às vezes,

Lete também era chamado de "Ameles potamos" ou "rio da negligência". O nome do rio vem da palavra grega antiga para "esquecimento" ou "ocultação", e beber de suas águas induzia o esquecimento total.

Lete – O Rio do Esquecimento na Mitologia Grega

Tudo Sobre Lete – Rio e Deusa

Às vezes, Lete era descrito como localizado em uma planície sombria e árida com o mesmo nome. O rio era frequentemente descrito como estando próximo dos Campos Elísios, onde as almas mais virtuosas e heroicas passavam a vida após a morte. Essas almas beberiam do rio Lete para esquecer sua existência anterior. Outros escritores sustentavam que todas as almas tinham que beber do rio Lete.

Algumas religiões misteriosas sustentavam que o submundo tinha um sexto rio chamado Mnemosine ou Mnemósine, que permitia aos mortos reter suas memórias e até ganhar onisciência. Os seguidores dessas religiões acreditavam que os mortos poderiam escolher de que rio beber e aconselhavam as pessoas a beberem do Mnemosine.

Lete também foi descrito como fluindo em torno de uma caverna onde Hipnos ou Hypnos, o deus do sono, vivia. O rio emitia um som característico de murmúrio que fazia os ouvintes se sentirem sonolentos.

Lete também era o nome de uma deusa que negligenciava o rio Lete. Algumas fontes realmente descrevem a deusa como a personificação do esquecimento e do esquecimento. Em sua "Teogonia", Hesíodo (por volta de 700 aC) descreveu Lete como filha de Éris, a deusa da discórdia. Lete teve inúmeros irmãos, incluindo Ponos (Dificuldade), Disnomia ou Dýsnomia (desordem cívica e a ilegalidade), Horcos ou Hórkos (Juramento) e Limos (Fome).

Quem Foi Trofônio?

Trofônio era o centro de um culto que possuía um oráculo em Lebadaea (atual Livadiá). Consultar seu oráculo envolvia um ritual de dias que incluía tomar banho em um rio chamado Herkyna e sacrificar animais a uma série de deuses. A pessoa que consultava o oráculo, então, bebia do Lete e do Mnemosine e descia para uma caverna.

As águas de Lete faziam com que o visitante esquecesse o que estavam pensando, enquanto as águas de Mnemosine asseguravam que se lembrariam de sua estada na caverna. Depois de voltar à superfície, eles se sentavam em uma cadeira consagrada a Mnemosine, onde um sacerdote do oráculo anotava tudo o que diziam e os compunha em um oráculo.

Trofônio era o centro de um culto que possuía um oráculo em Lebadaea

Conheça o Mito de Er

O Mito de Er é uma lenda que Platão (428 - 348 aC) contou no final de sua "República". Er era um soldado que se acredita ter sido morto. Ele visita o submundo, mas depois volta à vida para alertar as pessoas sobre o que a vida após a morte tem reservado para elas. Ele descreve uma vida após a morte em que os bons são recompensados ​​enquanto os iníquos são punidos.

O Mito de Er também descreve o processo de reencarnação. As almas elegíveis para a reencarnação poderiam escolher uma nova vida, e suas escolhas refletiam o estado de sua alma. Uma pessoa desencantada com a condição humana podia optar por reencarnar como animal. As pessoas também podiam retornar como o sexo oposto ou com status social ou financeiro diferente. Independentemente de suas escolhas, todos tinham que beber do rio Lete antes de renascer.

Lete é um cenário com um conceito interessante e incomum, especialmente porque existe uma deusa associada a ele. É, no entanto, amplamente tratado como uma característica do submundo.
Postagem Anterior Próxima Postagem