Antes de entrar nas muitas crenças estranhas dos gregos antigos e no número extraordinário de deuses que eles adoravam, devemos primeiro considerar que tipo de seres essas divindades eram.

Na aparência, supunha-se que os deuses se assemelhavam aos mortais, a quem, entretanto, superavam em beleza, grandeza e força; eram também mais imponentes em estatura, sendo a altura considerada pelos gregos um atributo de beleza no homem ou na mulher. Eles se assemelhavam a seres humanos em seus sentimentos e hábitos, casando-se e tendo filhos, e necessitando de nutrição diária para reunir forças e de um sono reparador para restaurar suas energias. Seu sangue, um fluido etéreo brilhante chamado icor, nunca gerava doenças e, quando derramado, tinha o poder de produzir nova vida.

Mitos e Lendas da Grécia e Roma Antiga

Os gregos acreditavam que as qualificações mentais de seus deuses eram de uma ordem muito mais elevada do que as dos homens, mas, no entanto, como veremos, eles não eram considerados isentos das paixões humanas, e frequentemente os vemos atuando por vingança, engano e ciúme.

Eles, entretanto, sempre punem o malfeitor e visitam com terríveis calamidades qualquer mortal ímpio que se atreva a negligenciar sua adoração ou desprezar seus ritos. Frequentemente ouvimos falar deles visitando a humanidade e participando de sua hospitalidade, e não raramente ambos deuses e deusas tornam-se apegados aos mortais, com os quais se unem, a descendência dessas uniões sendo chamados de heróis ou semideuses, que geralmente eram renomados por sua grande força e coragem.

Mas embora houvesse tantos pontos de semelhança entre deuses e homens, permaneceu uma grande distinção característica, a saber, que os deuses gozavam da imortalidade. Ainda assim, eles não eram invulneráveis, e muitas vezes ouvimos falar deles sendo feridos e sofrendo em consequência uma tortura tão primorosa que oraram fervorosamente para serem privados de seu privilégio de imortalidade.

Os deuses não conheciam limitação de tempo ou espaço, podendo se transportar a distâncias incríveis com a velocidade do pensamento. Eles possuíam o poder de se tornarem invisíveis à vontade e podiam assumir as formas de homens ou animais conforme lhes convinha. Eles também podem transformar seres humanos em árvores, pedras, animais, etc., seja como uma punição por seus crimes, ou como um meio de proteger o indivíduo, assim transformado, do perigo iminente.

Suas vestes eram como as usadas pelos mortais, mas eram perfeitas na forma e muito mais finas na textura. Suas armas também se assemelhavam às usadas pela humanidade; ouvimos falar de lanças, escudos, capacetes, arcos e flechas, etc., sendo usados ​​pelos deuses. Cada divindade possuía uma bela carruagem que, puxada por cavalos ou outros animais de raça celestial, os transportava rapidamente por terra e mar de acordo com seu prazer.

A maioria dessas divindades vivia no cume do Monte Olimpo, cada uma possuindo sua habitação individual, e todas se reuniam em ocasiões festivas na câmara do conselho dos deuses, onde seus banquetes eram animados pelos doces acordes da lira de Apolo, enquanto as belas vozes das Musas derramaram suas ricas melodias para seu acompanhamento harmonioso.

Templos magníficos foram erguidos para sua honra, onde foram adorados com a maior solenidade; ricos presentes eram apresentados a eles, e animais, e até mesmo seres humanos, eram sacrificados em seus altares.

No estudo da mitologia grega encontramos alguns curiosos, e o que podem à primeira vista parecer noções inexplicáveis. Assim, ouvimos falar de gigantes terríveis arremessando pedras, levantando montanhas e provocando terremotos que engolfam exércitos inteiros; essas ideias, entretanto, podem ser explicadas pelas terríveis convulsões da natureza, que ocorreram em tempos pré-históricos. Mais uma vez, os fenômenos diários recorrentes, que para nós, que sabemos que são o resultado de certas leis bem verificadas da natureza, são tão familiares que não suscitam comentários, eram, para os primeiros gregos, matéria de grave especulação, e não raramente de alarme.

Por exemplo, quando eles ouviam o terrível rugido de um trovão e viram clarões vívidos de relâmpagos, acompanhados por nuvens negras e torrentes de chuva, eles acreditavam que o grande deus do céu estava zangado, e eles tremiam com sua ira. Se o mar calmo e tranquilo se tornasse repentinamente agitado, e as ondas com cristas elevassem as montanhas, lançando-se furiosamente contra as rochas e ameaçando destruir a todos ao seu alcance, o deus do mar deveria estar furioso. Quando viam o céu brilhando com os matizes do dia que se aproximava, pensaram que a deusa do amanhecer, com dedos rosados, estava puxando o véu escuro da noite, para permitir que seu irmão, o deus-sol, iniciasse sua brilhante carreira.

Personificando assim todos os poderes da natureza, esta nação muito imaginativa e altamente poética via uma divindade em cada árvore que crescia, em cada riacho que fluía, nos raios brilhantes do sol glorioso e nos raios claros e frios da lua prateada; para eles, todo o universo vivia e respirava, povoado por mil formas de graça e beleza.

A mais importante dessas divindades pode ter sido algo mais do que meras criações de uma imaginação ativa e poética. Eles eram possivelmente seres humanos que se distinguiram tanto em vida por sua preeminência sobre seus semelhantes mortais que após a morte foram deificados pelas pessoas entre as quais viviam, e os poetas tocaram com sua varinha mágica os detalhes de vidas, que, em tempos mais prosaicos, simplesmente teriam sido registrados como ilustres.

É altamente provável que as supostas ações desses seres deificados fossem comemoradas por bardos, que, viajando de um estado a outro, celebravam seus louvores com canções; portanto, torna-se extremamente difícil, ou mesmo quase impossível, separar os fatos nus dos exageros que nunca deixam de acompanhar as tradições orais.

Para exemplificar isso, suponhamos que Orfeu, o filho de Apolo, tão conhecido por seus extraordinários poderes musicais, existisse nos dias atuais. Devíamos, sem dúvida, tê-lo classificado entre os maiores de nossos músicos e honrado como tal; mas os gregos, com sua imaginação vívida e licença poética, exageraram seus dons notáveis ​​e atribuíram à sua música influência sobrenatural sobre a natureza animada e inanimada.

Assim, ouvimos falar de feras domesticadas, de rios poderosos interrompidos em seu curso e de montanhas sendo movidas pelos tons suaves de sua voz. A teoria aqui apresentada pode possivelmente ser útil no futuro, sugerindo ao leitor a base provável de muitos dos relatos extraordinários que encontramos no estudo da mitologia clássica.

E agora algumas palavras serão necessárias sobre as crenças religiosas dos romanos. Quando os gregos se estabeleceram na Itália, encontraram no país colonizando uma mitologia pertencente aos habitantes celtas, que, de acordo com o costume grego de reverenciar todos os deuses, conhecidos ou desconhecidos, eles prontamente adotaram, selecionando e apropriando-se das divindades que tinham a maior afinidade com os seus próprios, e assim formaram uma crença religiosa que naturalmente trazia a marca de sua origem grega antiga.

Como os primitivos celtas, entretanto, eram um povo menos civilizado do que os gregos, sua mitologia era de caráter mais bárbaro, e esta circunstância, combinada com o fato de que os romanos não eram dotados da imaginação vívida de seus vizinhos gregos, deixa de ser marca na mitologia romana, que é muito menos fértil em conceitos fantasiosos e deficiente em todas aquelas histórias de fadas e ideias maravilhosamente poéticas que caracterizam tão fortemente a dos gregos.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem