Admeto e Alceste – Amor Verdadeiro

O Escravo

Em uma pequena cidade ao norte de Delfos, e não muito longe do mar, vivia um jovem chamado Admeto. Ele era o governante da cidade e, portanto, era chamado de seu rei; mas seu reino era tão pequeno que ele poderia percorrê-lo em meio dia. Ele sabia o nome de cada homem, mulher e criança da cidade, e todos o amavam porque ele era tão gentil e amável e ao mesmo tempo um rei.

Certo dia, tarde, quando a chuva caía e o vento soprava frio das montanhas, um mendigo apareceu à sua porta. O homem estava maltrapilho, sujo e faminto, e Admeto sabia que ele devia ter vindo de alguma terra estranha, pois em seu próprio país ninguém passava fome. Então o bondoso rei o levou para dentro de casa e o alimentou; e depois que o homem se banhou, deu-lhe seu próprio manto quente e pediu aos servos que lhe arranjassem um lugar para dormir durante a noite.

De manhã, Admeto perguntou ao pobre homem seu nome, mas ele balançou a cabeça e não respondeu. Então Admeto perguntou a ele sobre sua casa e seu país; e tudo o que o homem disse foi:

"Faça-me seu escravo, mestre! Faça-me seu escravo e deixe-me servi-lo por um ano".

O jovem rei não precisava de outro escravo. Mas ele viu que o escravo mais pobre da terra estava em melhor situação do que aquele homem, e então teve pena dele. "Vou fazer o que você pediu", disse ele. "Eu lhe darei uma casa, comida e roupas; e você me servirá e será meu escravo por um ano"

O estranho sabia fazer muito pouco e foi enviado às colinas para cuidar das ovelhas e cabras do rei. Por um ano inteiro ele cuidou dos rebanhos, encontrando os pastos mais verdes e a água mais fresca para eles, e mantendo os lobos afastados. Admeto foi muito gentil com ele, como era com todos os seus servos, e a comida e as roupas que ele lhe deu eram das melhores da terra. Mas o estranho não disse seu nome nem disse nada sobre sua parentela ou sua casa.

Quando um ano e um dia se passaram, aconteceu que Admeto estava caminhando entre as colinas para ver suas ovelhas. De repente, o som de música caiu em seus ouvidos. Não era a música que os pastores tocavam, mas mais doce e rica do que qualquer outra que ele já tinha ouvido antes. Ele olhou para ver de onde vinha o som. Ah! quem era aquele sentado no topo da colina, com as ovelhas ao seu redor ouvindo sua música? Certamente não era seu pastor?

Era um jovem alto e bonito, vestido com mantos mais leves e finos do que qualquer rei poderia vestir. Seu rosto brilhava como raios de sol e seus olhos brilhavam como um raio. Em seu ombro estava um arco de prata, de seu cinto pendurado uma aljava de flechas afiadas, e em suas mãos uma lira dourada. Admeto parou e se perguntou. Então o estranho falou:

"Rei Admeto", disse ele, "eu sou o pobre mendigo a quem você alimentou - seu escravo com quem você foi tão gentil. Eu o servi, como concordei, por um ano inteiro, e agora estou indo para casa. algo que eu possa fazer por você?"

"Sim", disse Admeto; "me diga seu nome"

"Meu nome é Apolo", foi a resposta. "Doze meses atrás, meu pai, o poderoso Júpiter, me expulsou de diante de seu rosto e ordenou que eu fosse sem amigos e sozinho na terra; e ele me disse que eu não deveria voltar para casa até que tivesse servido um ano como um homem escravo. Eu vim para você, maltrapilho e faminto, e você me alimentou e vestiu; e eu me tornei seu escravo, e você foi tão bom para mim como se eu fosse seu filho. O que devo dar a você em recompensa?"

"Senhor do Arco de Prata", disse o rei, "tenho tudo o que um homem pode desejar. Fico feliz em pensar que fui de alguma ajuda para você. Não posso pedir mais nada"

“Muito bem,” disse Apolo; "mas se chegar a hora em que você precisar da minha ajuda, me avise"

Então o príncipe brilhante se afastou rapidamente, tocando uma doce música enquanto caminhava; e Admeto, com o coração feliz, voltou para sua casa.

Admeto e Alceste – Amor Verdadeiro

A Carruagem

Do lugar onde Admeto morava, eram apenas alguns quilômetros até Iolcos, uma cidade rica à beira-mar. O rei de Iolcos era um tirano cruel chamado Pélias, que não se importava com ninguém em todo o mundo além de si mesmo. Essa Pélias tinha uma filha chamada Alceste, tão bela quanto qualquer rosa de junho e tão gentil e boa que todos a elogiavam. Muitos príncipes do além-mar tinham vindo para cortejar Alceste para sua esposa; e os jovens mais nobres da Grécia tentaram ganhar seu favor. Mas havia apenas um a quem ela ouvia, e esse era seu jovem vizinho, o rei Admeto.

Então, Admeto foi até o rude Rei Pélias para perguntar-lhe se ele poderia se casar com Alceste.

"Ninguém terá minha filha", disse o velho rei, "até que ele prove que é digno de ser meu genro. Se você a quer, deve vir buscá-la em uma carruagem puxada por um leão e um javali. Se você vier de qualquer outra forma, ela não será sua esposa". E Pélias riu e expulsou o jovem de seu palácio.

Admeto foi embora muito triste; pois quem já tinha ouvido falar de atrelar um leão e um javali numa carruagem? O homem mais corajoso do mundo não poderia fazer uma coisa como aquela.

Enquanto caminhava e via as ovelhas e cabras se alimentando nos topos das colinas perto de sua própria cidade, por acaso pensou em Apolo e nas últimas palavras que o ouviu dizer: "Quando você precisar da minha ajuda, me avise"

"Eu vou deixar ele saber", disse Admeto.

Na manhã seguinte, ele construiu um altar de pedras ao ar livre; e depois de matar o bode mais gordo do rebanho, ele acendeu uma fogueira no altar e deitou as coxas do bode nas chamas. Então, quando o cheiro de carne queimada subiu no ar, ele ergueu as mãos em direção ao topo da montanha e chamou Apolo.

"Senhor do Arco de Prata", gritou ele, "se alguma vez mostrei bondade para com os pobres e angustiados, venha agora e me ajude. Pois estou em extrema necessidade e lembro-me de sua promessa"

Mal ele terminou de falar quando o brilhante Apolo, carregando seu arco e sua aljava de flechas, desceu e parou diante dele.

"O mais gentil dos reis", disse ele, "diga-me como posso ajudá-lo"

Então Admeto contou a ele tudo sobre a bela Alceste e como seu pai a daria apenas ao homem que fosse buscá-la em uma carruagem puxada por um leão e um javali.

"Venha comigo", disse Apolo, "e eu o ajudarei"

Então os dois foram juntos para a floresta, o Senhor do Arco Prateado liderando o caminho. Logo eles arrancaram um leão de seu covil e o perseguiram. Apolo, de pés velozes, agarrou a besta pela crina e, embora uivasse e se partisse com suas mandíbulas ferozes, não o tocou. Então Admeto arrancou um javali de um matagal. Apolo também o perseguiu, fazendo o leão correr ao lado dele como um cachorro. Depois de apanhar o javali, prosseguiu pela floresta, conduzindo os dois animais, um com a mão direita, o outro com a esquerda; e Admeto o seguiu.

Era Uma Equipe Estranha

Ainda não era meio-dia quando chegaram à orla da floresta e viram o mar e a cidade de Iolcos um pouco adiante. Uma carruagem dourada estava à beira da estrada como se esperasse por eles, e o leão e o javali logo foram atrelados a ela. Era uma equipe estranha, e as duas feras se esforçaram muito para lutar uma contra a outra; mas Apolo os açoitou com um chicote e os domesticou até que perdessem sua ferocidade e estivessem prontos para controlar as rédeas. Então Admeto subiu na carruagem; e Apolo ficou ao seu lado e segurou as rédeas e o chicote, e dirigiu para Iolcos.

O velho rei Pélias ficou surpreso quando viu a maravilhosa carruagem e o glorioso cocheiro; e quando Admeto lhe pediu novamente a bela Alceste, ele não pôde recusar. Um dia foi marcado para o casamento, e Apolo levou sua equipe de volta à floresta e libertou o leão e o javali.

E assim Admeto e Alceste se casaram, e todos nas duas cidades, exceto o velho e rude rei Pélias, ficaram contentes. O próprio Apolo foi um dos convidados da festa de casamento e trouxe um presente para o jovem noivo; era uma promessa do Povo Poderoso no topo da montanha que se Admeto algum dia adoecesse e corresse o risco de morte, ele poderia ficar bom novamente se alguém que o amasse morresse por ele.

O Líder Das Sombras

Admeto e Alceste viveram felizes juntos por muito tempo, e todas as pessoas de seu pequeno reino os amavam e abençoavam. Mas, por fim, Admeto adoeceu e, à medida que ficava pior e pior a cada dia, toda esperança de que um dia iria melhorar foi perdida. Então aqueles que o amavam lembraram-se do presente de casamento que Apolo lhe dera e começaram a perguntar quem estaria disposto a morrer em seu lugar.

Seu pai e sua mãe eram muito velhos e podiam esperar viver apenas por pouco tempo, na melhor das hipóteses, e por isso pensava-se que um deles ficaria feliz em desistir da vida pelo filho. Mas quando alguém lhes perguntou sobre isso, eles balançaram a cabeça e disseram que, embora a vida fosse curta, eles se agarrariam a ela tanto quanto pudessem.

Em seguida, seus irmãos e irmãs foram questionados se eles morreriam por Admeto, mas eles se amavam mais do que seu irmão e se viraram e o deixaram. Havia homens na cidade de quem ele fizera amizade e que deviam a vida a ele; eles teriam feito tudo o mais por ele, mas isso eles não fariam.

Agora, enquanto todos balançavam a cabeça e diziam "Não eu", a bela Alceste entrou em seu quarto e chamou Apolo e pediu que ela entregasse sua vida para salvar seu marido. Então, sem um pensamento de medo, ela se deitou na cama e fechou os olhos; e um pouco depois, quando suas donzelas entraram no quarto, encontraram-na morta.

Ao mesmo tempo, Admeto sentiu sua doença deixá-lo e ele se levantou tão bem e forte como sempre. Imaginando como teria sido curado tão rapidamente, ele se apressou em encontrar Alceste e lhe contar as boas novas. Mas quando ele entrou no quarto dela, ele a viu deitada sem vida em sua cama, e ele soube imediatamente que ela morrera por ele. Sua dor era tão grande que ele não conseguia falar, e ele desejou que a morte o tivesse levado e poupado aquela a quem ele amava.

Em toda a terra, todos os olhos estavam úmidos de pranto por Alceste, e os gritos dos enlutados eram ouvidos em todas as casas. Admeto sentou-se perto da cama onde sua jovem rainha estava deitada e segurou a mão fria dela nas suas. O dia passou e a noite chegou, mas ele não a deixaria. Durante todas as horas escuras, ele ficou sentado sozinho. A manhã chegou, mas ele não queria ver a luz.

Por fim, o sol começou a nascer no leste, e então Admeto ficou surpreso ao sentir a mão que segurava ficando quente. Ele viu uma coloração vermelha entrando nas bochechas pálidas de Alceste.

Um momento depois, a bela senhora abriu os olhos e sentou-se, viva, bem e feliz.

Como Alceste foi devolvida à vida?

Quando ela morreu e deixou seu corpo, o Líder das Sombras, que não conhece piedade, conduziu-a, como ele conduzia todos os outros, para os corredores tristes de Prosérpina, a rainha do Mundo Inferior.

"Quem é esta que vem de boa vontade?" perguntou a rainha de rosto pálido.

E quando lhe contaram como Alceste, tão jovem e bela, dera sua vida para salvar a de seu marido, ela ficou comovida; e ela ordenou que o Líder das Sombras a levasse de volta para a alegria e a luz do sol do Mundo Superior.

Foi assim que Alceste ganhou vida; e por muitos anos ela e Admeto viveram em seu pequeno reino não muito longe do mar; e os Poderosos no topo da montanha os abençoaram; e, finalmente, quando eles ficaram muito velhos, o Líder das Sombras os levou embora juntos.

0 Comentários