Quem Era Taranis na Mitologia Celta?

Como Taranis era um dos deuses mais reverenciados da Europa e sobre quem menos se sabe hoje? Continue lendo para descobrir como os historiadores podem nos falar sobre Taranis, mesmo sem nenhum mito conhecido!

Quando os romanos começaram a conquistar o continente europeu, eles entraram em contato com uma variedade de culturas sobre as quais nada sabiam.

Embora essas culturas fossem estranhas aos romanos, seus deuses muitas vezes pareciam muito semelhantes. Eles os compararam a suas próprias divindades, acreditando que o panteão que compartilhavam com a Grécia era real e que os deuses estrangeiros eram os seus com nomes diferentes.

Um deles era Taranis, a quem os romanos compararam a Júpiter. Embora eles fizessem alegações sobre como ele era adorado, no entanto, eles não disseram qual era seu domínio ou como ele era caracterizado nos mitos.

Apesar disso, os historiadores podem nos dizer muito sobre esse deus celta. Eles sabem que ele era um deus do trovão, um chefe de seu panteão, e provavelmente era conhecido por ter um temperamento explosivo e ser um guerreiro.

Como os historiadores podem saber tanto sobre um deus que não tem mitos sobreviventes? Arqueologia, linguística e mitologia comparativa lançaram luz sobre um deus que poderia ter sido um mistério completo.

Quem Era Taranis na Mitologia Celta?

A Adoração Misteriosa de Taranis

Taranis era um deus que sabemos ser amplamente venerado, mas temos poucos detalhes sobre ele.

Os povos celtas da Europa não tinham seu próprio sistema de escrita nos tempos antigos. Suas histórias foram passadas oralmente até depois do Império Romano.

Portanto, muito do que sabemos sobre seus deuses foi registrado pelo povo romano que entrou em contato com eles.

Os romanos, no entanto, não costumavam se preocupar em registrar a mitologia das tribos germânicas e celtas que encontraram como as terras conquistadas do norte. Frequentemente, eles nem mesmo registravam os nomes que os celtas usavam para seus deuses, mas em vez disso os comparavam às divindades greco-romanas.

Na escrita romana, Taranis é frequentemente comparado a Júpiter ou Brontes, um ciclope.

Como Júpiter, Taranis era um deus do trovão. Ele usava seu raio como uma arma da mesma forma que um guerreiro humano usaria uma lança.

Os romanos diziam que ele era semelhante a um rei, embora isso possa ter acontecido porque o associaram ao seu próprio deus do céu. A maioria dos historiadores acredita que Taranis compartilhou o poder com dois outros deuses, Esus e Toutatis, em um triunvirato.

Além do raio que carregava, o símbolo mais proeminente de Taranis era a roda. A prevalência de estátuas de rodas, esculturas e amuletos em toda a Europa é uma das melhores evidências sobreviventes do culto generalizado do deus.

A evidência também vem de algum material de origem posterior. As lendas irlandesas, escritas por monges cristãos na Idade Média, usam o nome irlandês para a divindade, Tuireann.

Essas lendas irlandesas, escritas depois que a religião celta nativa já estava em declínio, fornecem pouco mais informações do que os relatos romanos anteriores. Dizem que ele era o pai de divindades importantes como Brigid, Brian e Goibhniu (ou Goibniu).

Os mitos irlandeses também dizem que Tuireann morreu. Depois que três de seus filhos foram mortos por Lugh como vingança pelo assassinato de seu pai, Tuireann morreu de tristeza.

Os escritores romanos não mencionaram uma história semelhante em suas descrições de Taranis, entretanto, não se sabe se a crença em sua morte era generalizada ou apenas conhecida na Irlanda.

Na verdade, os escritores romanos estavam menos preocupados com a mitologia de Taranis do que com seus rituais. Eles alegavam que ele recebia sacrifícios humanos, embora os arqueólogos não tenham encontrado nenhuma evidência direta disso em nenhum dos locais sagrados da Europa.

Interpretação Moderna

Embora muito pouco tenha sido escrito sobre Taranis ou Tuireann em fontes antigas, os historiadores ainda têm uma boa ideia de onde ele se encaixa na mitologia dos celtas.

Os romanos o associavam com sua própria divindade suprema, Júpiter. Esse vínculo geralmente era feito não por causa da posição que um deus ocupava em seu panteão, mas por causa dos poderes que ele comandava.

Júpiter, como seu homólogo grego Zeus, era o deus do trovão. Ele usava seus raios como armas e geralmente era retratado segurando-os.

Imagens de Taranis podem, portanto, ser identificadas por este atributo, embora nenhuma inscrição esteja presente. Como essas imagens geralmente incluem a roda também, os arqueólogos sabem que a roda era um de seus símbolos.

Isso é encontrado em todas as áreas celtas da Europa. Irlanda, Grã-Bretanha, Espanha e o vale do rio Danúbio forneceram aos arqueólogos evidências de que Taranis era um dos deuses mais amplamente reconhecidos na Europa.

Taranis também é semelhante a Júpiter na crença de que ele existia como parte de uma tríade.

Júpiter tinha dois irmãos, Dis Pater e Triton ou Tritão, que eram quase iguais. Embora Esus e Toutatis possam não ter desempenhado exatamente os mesmos papéis que esses deuses greco-romanos, os três deuses compartilhando e dividindo o poder fornecem outro elo entre Taranis e o deus do trovão.

A linguística também prova que Taranis desempenhou um papel semelhante em sua mitologia, como Júpiter fez na de Roma.

O nome Taranis está ligado aos de muitos outros deuses do céu, incluindo Thor e Perun. Os linguistas acreditam que esses nomes compartilham uma raiz protoindo-europeia. Torano, que significa "trovão".

Esses deuses geralmente ocupavam posições de poder. Eles eram considerados grandes guerreiros conhecidos por seus temperamentos rápidos e tendências violentas, refletindo a violência imprevisível das tempestades.

O arquétipo do poderoso deus do trovão foi muito difundido nas religiões indo-europeias. Até o Senhor judaico-cristão é um exemplo de tipo semelhante.

Por causa das semelhanças escritas, linguísticas e artísticas entre Taranis e outros exemplos deste arquétipo, os historiadores podem estar virtualmente certos de que ele era um deus do trovão de temperamento explosivo e fisicamente forte que era um dos governantes supremos, se não a divindade principal, de seu panteão.

A idade desse arquétipo também pode explicar por que existe pouca mitologia a respeito de Taranis.

Embora a obscuridade do deus celta seja em grande parte devido à falta de registros escritos, o deus irlandês está quase igualmente ausente. Apesar de um número relativamente grande de fontes escritas, Tuireann aparece apenas como um personagem secundário em um dos principais mitos.

A mitologia irlandesa acompanhou os deuses por várias gerações. Seus deuses viveram e morreram da mesma forma que os humanos, embora tivessem um enorme poder e vivessem muito mais tempo do que os mortais.

Como um deus irlandês, Tuireann era membro de uma geração mais velha do que as divindades primárias, muitas das quais eram seus filhos.

Os historiadores geralmente interpretam os deuses irlandeses como representantes de crenças sucessivas à medida que evoluíram de diferentes populações ao longo do tempo. Parece provável, dada sua relação com os outros deuses irlandeses e a idade de seu arquétipo, que Tuireann fosse visto como parte de um panteão mais antigo que não era mais relevante.

Uma maneira pela qual Taranis se desviou dos membros típicos de seu arquétipo, entretanto, foi em seu simbolismo.

As rodas são usadas como um símbolo para o sol em outras religiões. Eles representam a passagem do tempo e as carruagens que puxam o sol em muitas tradições.

Sem outras evidências, seria razoável para os arqueólogos usarem esse simbolismo para chamar Taranis de divindade solar em vez de deus do trovão.

Ambos os tipos, no entanto, estão ligados ao céu. É possível que Taranis fosse considerado um deus do céu como um todo, incluindo o sol e o trovão, ao invés de apenas um aspecto do poder do céu.

Resumindo

O deus celta Taranis, chamado Tuireann em irlandês, é atestado em apenas um punhado de fontes romanas. Os próprios celtas não tinham uma linguagem escrita na época, então esses escritores romanos fornecem as únicas fontes escritas para o nome do deus.

Eles o compararam a Júpiter e deram a entender que ele era um rei. Caso contrário, nenhum mito ou conexão familiar foi contado.

As lendas irlandesas, escritas algum tempo depois, fornecem pouco mais. Tuireann era o pai de outros deuses proeminentes que morreram depois que três de seus filhos foram mortos.

Apesar da falta de material de base, os historiadores foram capazes de reunir informações sobre que tipo de deus Taranis era.

A comparação com Júpiter e as semelhanças linguísticas com outras divindades europeias mostram que ele era um deus do trovão, parte de um arquétipo difundido. Esse conhecimento permitiu que os arqueólogos descobrissem evidências do culto ao deus em toda a Europa.

Deuses desse tipo geralmente são líderes e guerreiros. Eles são conhecidos por seu temperamento explosivo, imprevisibilidade e o uso da violência para fazer cumprir suas leis.

É provável que Taranis se encaixe nesse arquétipo. O conhecimento de outras religiões da Europa permitiu aos historiadores interpretar Taranis como um personagem, embora sua mitologia esteja perdida.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem