Ceridwen: A Feiticeira Galesa

A feiticeira Ceridwen teve um papel menor, mas importante nas lendas galesas. Continue lendo para descobrir como uma feiticeira deu poder ao mais lendário bardo da Grã-Bretanha!

Ceridwen foi interpretada como uma deusa celta da poesia, renascimento ou sabedoria. Muitos estudiosos, no entanto, acreditam que a história completa de Ceridwen pode não ser um mito celta antigo.

Sua aparição mais conhecida e detalhada está no Conto de Taliesin, escrito no século XV. Embora seja baseado em lendas anteriores do famoso bardo, muitas mudanças foram feitas para se adequar às atitudes e modas do final da Idade Média.

Nessa história, Ceridwen é uma feiticeira que, tentando dar ao filho feio uma vantagem na vida, prepara uma poção poderosa de sabedoria. Um erro simples, entretanto, resulta na poção sendo consumida por outra pessoa que não era o usuário pretendido.

O que se segue é uma breve, mas emocionante história de metamorfose, perseguições, renascimento e um órfão à deriva no mar. Por meio dessa série incomum de eventos, Ceridwen se tornou a mãe de Taliesin, o lendário poeta do País de Gales.

A história de Ceridwen é realmente tão incomum, entretanto? Embora possa não ter sido um conto antigo, a estranha lenda de como Taliesin ganhou seus dons tem todos os elementos de um mito clássico.

Ceridwen: A Feiticeira Galesa

A Lenda da Poção de Ceridwen

Nas lendas do País de Gales medieval, Ceridwen foi uma feiticeira poderosa.

O relato de sua lenda aparece no conto medieval de Taliesin. Embora se diga que o poeta viveu no século VI, o Conto de Taliesin não foi escrito até quase mil anos depois, em meados do século XVI.

Este romance medieval diz que Ceridwen e sua família viviam perto do Lago Bala em Gwynedd. Ela e o marido, Tegid Foel, tiveram um filho e uma filha.

A filha deles, Creirwy, era muito amada pela mãe. Ela era uma das três garotas mais bonitas de toda a Grã-Bretanha.

Ceridwen tinha menos amor por seu filho, no entanto. Morfran, também chamado de Afagddu, era tão horrível que ela mal conseguia olhar para ele.

Ceridwen ainda amava seu filho, no entanto, esperava dar-lhe outro presente, já que ele não tinha a beleza de sua irmã.

A feiticeira tinha um caldeirão mágico. Ela decidiu preparar uma poção para Morfran que daria a ele sabedoria e inspiração poética além de todos os outros homens, chamada Awen em galês.

A poção de Awen teve que ser preparada por um ano inteiro. Ceridwen contratou um cego chamado Morda para cuidar do fogo embaixo dele e um menino chamado Gwion Bach para mexer o líquido constantemente.

Os atendentes foram avisados ​​para terem muito cuidado com seu trabalho. Enquanto as três primeiras gotas do conteúdo do caldeirão tornariam Morfran sábio, o resto era um veneno fatal que poderia matar uma pessoa em instantes.

Gwion Bach, no entanto, foi descuidado e adormeceu enquanto trabalhava um dia. Algumas gotas da poção caíram em seu polegar.

O líquido quente acordou Gwion Bach de seu sono e ele instintivamente colocou o polegar na boca para acalmar a queimadura. Ao fazer isso, ele bebeu as três gotas da poção destinadas ao filho de Ceridwen.

Sabendo que a feiticeira ficaria zangada, Gwion Bach fugiu do Lago Bala. Ceridwen, no entanto, logo soube o que havia acontecido e saiu em perseguição.

Usando a nova sabedoria que a poção havia lhe dado, Gwion Bach se transformou em uma lebre. Ceridwen se tornou um galgo para persegui-lo.

Ele se tornou um peixe e pulou em um rio para nadar para longe. Ela se tornou uma lontra e tentou tirá-lo da água.

Quando Gwion Bach se transformou em um pássaro para escapar pelo ar, Ceridwen mergulhou atrás dele como um falcão.

Finalmente, Gwion Bach tentou se esconder como um minúsculo grão de milho. Ceridwen, porém, transformou-se em galinha e engoliu o grão.

A poção deu a Gwion Bach poderes tão grandes que ele não morreu.

Ceridwen logo percebeu que estava grávida. Sabendo que a criança que carregava era a reencarnação de Gwion Bach, ela decidiu matá-lo assim que ele nascesse.

Quando chegou a hora, no entanto, Ceridwen não teve coragem de tirar a vida do recém-nascido. Ele era lindo demais para morrer.

Em vez disso, ela o colocou em um coracle e o deixou à deriva no oceano. Embora ela não quisesse que ele sobrevivesse, ela não poderia machucá-lo.

O príncipe Elffin ap Gwyddno encontrou a criança na costa perto de Aberdyfi ou Aberdovey. Ele adotou a criança e deu-lhe o nome de Taliesin, o lendário bardo do País de Gales.

Morfran não recebeu a poção de Awen, mas mesmo assim abriu seu caminho no mundo. Ele se tornou um dos guerreiros do Rei Artur e, de acordo com uma lenda, sobreviveu à Batalha de Camlann porque era tão hediondo que os lutadores inimigos pensaram que ele era um demônio impossível de matar.

Interpretação Moderna

Como a lenda de Ceridwen foi escrita em uma data tão tardia, é difícil dizer o quão longe a história vai.

Histórias anteriores inspiradas por Taliesin às vezes mencionam a feiticeira pelo nome, mas nenhum detalhe de seu papel na história sobreviveu.

Com base no estilo do texto, muitos historiadores acreditam que o Conto de Taliesin se baseia em um poema do século IX. Mesmo assim, no entanto, eles pensam que alguns elementos da história podem ter sido alterados e expandidos por escritores posteriores.

O caldeirão de Ceridwen aparece em algumas dessas fontes anteriores, mas nenhum detalhe sobreviveu a respeito do que pode ter sido preparado nele. A maioria dos historiadores acredita que ela aparece como feiticeira em obras anteriores, mas que seu papel como criadora das habilidades poéticas de Taliesin foi uma invenção da Idade Média.

Se for esse o caso, o conto não reflete a mitologia galesa antiga. Embora Taliesin seja uma figura central em muitas lendas galesas do início da Idade Média, a história da poção de Ceridwen faz pouco para lançar luz sobre as antigas crenças galesas.

Pode, no entanto, dar pistas de como os escritores galeses do final da Idade Média viam sua tradição.

Embora a história de Ceridwen provavelmente não esteja inteiramente enraizada na mitologia galesa, ela tem paralelos com muitos mitos de outras culturas. Isso não mostra a influência inicial no País de Gales, mas as influências que outras histórias tiveram em escritores posteriores.

Awen, por exemplo, é um conceito bem estabelecido na cultura galesa. Sua destilação em uma poção, no entanto, não é vista em outras lendas.

A poção de Ceridwen pode ser inspirada nos mitos nórdicos, já que foram escritos por autores do século 13. O Hidromel da Poesia de Odin é outra mistura mágica de um caldeirão poderoso que tinha o poder de conceder inspiração poética.

Gwion Bach chupando a poção do polegar provavelmente foi tirado de uma lenda do século 12 sobre a infância de Fionn mac Cumhail. Em uma história quase idêntica, o herói irlandês suga o suco do Salmão do Conhecimento de seu dedo e ganhou sua sabedoria em vez de seu destinatário pretendido.

A cena de perseguição de metamorfose ocorre em muitos mitos. Os mitos nórdicos e irlandeses usam o tema quando os trapaceiros escapam do perigo, e as deusas gregas costumam usar táticas semelhantes para escapar de pretendentes indesejados.

Da mesma forma, a gravidez por comer uma semente ou inseto é outro tema comum em religiões bem conhecidas. Étaín ou Édaín renasce dessa forma na mitologia irlandesa, algumas histórias gregas afirmam que Dionísio nasceu de uma semente e Atena porque sua mãe foi engolida.

A história do bebê à deriva no mar também é comum. A inspiração poderia ser a infância de Perseu, mas um escritor medieval também estaria muito ciente da história bíblica de Moisés.

Embora muitas dessas inspirações venham da Grécia antiga ou de outros lugares, muitas são de outras culturas celtas, especificamente da Irlanda.

Isso pode ser visto como uma evidência de que, mesmo que a história de Ceridwen não fosse um mito original, um esforço foi feito para fazer a história manter os temas e o tom de outras lendas celtas.

Resumindo

Ceridwen é mencionada em vários poemas medievais galeses, mas uma história completa não sobreviveu até o Conto de Taliesin do século XV.

Nesta história, provavelmente baseada em parte em lendas clássicas, ela é uma feiticeira poderosa. Usando um caldeirão mágico, ela prepara uma poção para conceder ao filho sabedoria e inspiração poética para compensar sua aparência horrível.

Em vez disso, as três gotas que concedem tais presentes são acidentalmente ingeridas por um jovem servo que a ajuda. Ele foge, transformando-se em muitos animais diferentes para fugir de Ceridwen.

Ela o pega, porém, quando ele tenta se esconder como um grão de milho. Ela se transforma em galinha e o come, mas fica grávida como resultado.

Sabendo que a criança é a reencarnação do menino que ela perseguiu, Ceridwen jura matá-lo. Ele é lindo demais para ser machucado, então ela o deixa à deriva no mar.

O bebê é resgatado por um príncipe. Ele cresce e se torna Taliesin, o poeta e bardo mais famoso da história do País de Gales.

A maioria dos estudiosos pensa que o papel de Ceridwen na história foi inventado, ou pelo menos altamente expandido, por escritores medievais posteriores. É óbvio, entretanto, que essa invenção foi inspirada pelo conhecimento de outros mitos.

A história de Ceridwen reflete temas de influências irlandesas, nórdicas, gregas e outras. Isso mostra que, mesmo que ela não fosse uma deusa da poesia, Ceridwen foi escrita para se encaixar no estilo e nos temas da mitologia celta.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem