8 Mitos Romanos Mais Famosos

A mitologia romana é conhecida por suas ricas histórias. A maioria das histórias da mitologia romana foi quase inteiramente emprestada do grego, mas há muitas lendas locais que se desenvolveram em Roma e se tornaram nitidamente romanas.

Aqui está uma lista dos mitos mais famosos que foram desenvolvidos localmente pelos romanos ao longo dos anos.

Enéias

O poeta Virgílio, que ficou famoso, pediu, enquanto estava em seu leito de morte, que seu manuscrito para a Eneida fosse destruído, pensando que ele havia falhado na tentativa de criar um mito que delineasse as origens de Roma e enfatizasse sua grandeza. Felizmente para os homens e mulheres que viveram depois de sua época, o imperador Augusto decidiu preservar o poema épico e distribuí-lo abertamente.

A Eneida conta a história de Enéias, um mitológico príncipe expatriado troiano que fugiu de seu país após a Guerra de Tróia. Ele carregou consigo as estátuas das divindades, Lares e Penates, e procurou encontrar um novo lar para reconstruir seu reino.

Depois de desembarcar na Sicília, Cartago, e descer ao Mundo Inferior em uma dramática reviravolta nos eventos chamada Catábase, Enéias e sua companhia chegaram à costa ocidental da Itália, onde foram recebidos por Latino, o rei dos latinos.

O rei Latino soube de uma profecia que dizia que sua filha deveria se casar com um estrangeiro. Por causa dessa profecia, ele deu a Enéias sua filha em casamento. Após a morte de Latino, Enéias se tornou rei, e os romanos o consideravam um ancestral de Rômulo e Remo, os fundadores de Roma.

8 Mitos Romanos Mais Famosos

A Fundação de Roma

A lenda de Rômulo e Remo fala da fundação de Roma. Os gêmeos seriam filhos de Marte, deus da guerra, e Reia Sílvia. No entanto, o tio dos gêmeos, Rei Amúlio, temia que Rômulo e Remo crescessem para matá-lo e assumir seu trono. Para impedir que isso acontecesse, ele ordenou que seus servos os matassem quando eram apenas crianças. Os criados, porém, sentiram pena dos gêmeos. Em vez de matá-los como haviam sido ordenados, eles os colocaram em uma cesta e a colocaram à tona no rio Tibre.

Os bebês foram encontrados e cuidados por uma loba e depois de algum tempo, foram descobertos por um pastor. O pastor os criou e quando se tornaram adultos, cumpriram a profecia e mataram seu tio Amúlio, o rei de Alba Longa.

Tendo restaurado o antigo rei, Numitor (que, sem o conhecimento deles, era seu avô), os gêmeos decidiram fundar uma cidade própria. No entanto, eles não conseguiram chegar a um acordo sobre onde construir a cidade e discutiram sobre isso. Rômulo escolheu o Monte Palatino, enquanto Remo escolheu o Monte Aventino. Incapazes de chegar a um acordo, eles tiveram uma briga que resultou na morte de Rômulo por seu irmão. Ele então passou a fundar a cidade de Roma no Monte Palatino. Alguns estudiosos dizem que esse ato sangrento de fundação deu o tom para a maior parte da violenta história de Roma.

O Estupro Das Mulheres Sabinas

Roma teve muitos vizinhos no início, incluindo a Etrúria localizada no noroeste e Sabina no nordeste. Como a população da Roma antiga era composta quase inteiramente de homens (bandidos, párias e expatriados), Rômulo elaborou um plano para que eles se casassem com várias mulheres das cidades vizinhas. Ele fez isso na esperança de fortalecer ainda mais a cidade.

No entanto, as negociações foram interrompidas quando as mulheres sabinas se recusaram a se casar com os romanos, temendo que se tornassem uma ameaça para sua própria cidade. Os romanos planejaram sequestrar as mulheres durante o festival Neptune Equester, do qual compareceram pessoas de todas as aldeias, incluindo os sabinos.

Durante as celebrações, Rômulo deu um sinal aos seus homens tirando a capa de seus ombros, dobrando-a e jogando-a novamente em volta dele. Ao seu sinal, os romanos sequestraram as mulheres sabinas e lutaram contra os homens. Trinta mulheres sabinas foram raptadas por homens romanos no festival. Supostamente, elas eram virgens, exceto por uma mulher, Hersília, que era casada na época. Ela se tornou a esposa de Rômulo e dizem que mais tarde ela interveio, pondo fim à guerra que se seguiu entre os romanos e os sabinos. Observe que, neste contexto, a palavra estupro é cognata com rapto, que significa sequestro nas línguas românicas.

Júpiter e a Abelha

Essa história é frequentemente contada pela moral que ensina às crianças. Segundo o mito, havia uma abelha que estava cansada de humanos e animais roubando seu mel. Um dia ela levou a Júpiter, o rei dos deuses, mel fresco da colmeia e pediu ajuda ao deus.

Júpiter e sua esposa Juno ficaram encantados com o mel e concordaram em ajudar a abelha. A abelha pediu ao rei dos deuses um ferrão poderoso, dizendo que se algum mortal tentasse roubar o mel, ela seria capaz de protegê-lo picando-o.

Então Juno sugeriu que Júpiter atendesse ao pedido da abelha, desde que a abelha estivesse pronta para pagá-lo. O pagamento era que qualquer abelha que usasse seu ferrão teria que pagar por isso com a vida. A abelha estava apavorada, mas era tarde demais pois Júpiter já havia lhe dado o ferrão.

A abelha, depois de agradecer ao rei e à rainha, voou para casa e percebeu que todas as outras abelhas da colmeia também haviam recebido ferrões. No início, elas ficaram muito felizes com seus novos ferrões, mas ficaram horrorizadas quando descobriram o que havia acontecido. Infelizmente, não havia nada que pudessem fazer para remover o presente e é por isso que ainda hoje, qualquer abelha que usa seu ferrão paga por isso com sua vida.

O Submundo e o Rio Styx

Quando Enéias desceu ao Mundo Inferior, ele conheceu Plutão, o deus da morte (equivalente grego Hades). A fronteira entre a Terra e o Mundo Inferior é formada pelo Rio Styx, e aqueles que tiveram que cruzar o rio tiveram que pagar a Caronte o barqueiro com uma moeda. É por isso que os romanos enterravam seus mortos com uma moeda na boca, para que pudessem pagar a passagem para atravessar o rio.

Uma vez no submundo, os mortos entravam nos domínios de Plutão, que ele governava com mão forte. Ele era mais rígido do que o resto dos deuses. De acordo com Virgílio, ele também era o pai das Fúrias, ou das Erínias, que eram divindades cruéis de vingança. As Erínias julgavam e destruíam qualquer alma que tivesse feito um juramento falso em vida.

Júpiter e Io

Ao contrário de Plutão, que Virgílio afirma ser monogâmico, Júpiter teve muitas amantes. Uma delas era a sacerdotisa Io, a quem visitava secretamente. Ele se transformava em uma nuvem negra para ficar perto de Io, para que sua esposa Juno não soubesse de sua infidelidade.

No entanto, Juno foi capaz de reconhecer seu marido na nuvem negra e ordenou a Júpiter que nunca mais visse Io novamente. Claro, Júpiter não foi capaz de atender ao seu pedido e transformou Io em uma vaca branca para escondê-la de Juno. Esse engano não funcionou, e Juno colocou a vaca branca sob a vigilância de Argos, que tinha cem olhos e sempre poderia vigiá-la.

Júpiter então enviou um de seus filhos, Mercúrio, para contar histórias a Argos para que ele adormecesse e pudesse libertar Io. Embora Mercúrio tenha conseguido, e Io tenha sido libertada, Juno ficou tão brava que enviou um moscardo para picar Io e finalmente se livrar dela. Eventualmente Júpiter prometeu não perseguir Io nunca mais, e Juno a deixou ir. Io iniciou uma longa viagem que a levou ao Egito, onde se tornou a primeira deusa egípcia.

Lucrécia

As opiniões dos historiadores estão divididas quanto ao fato de a história de Lucrécia ser um mito ou um fato histórico real. Mas, seja qual for o caso, é o evento responsável pela forma de governo de Roma passar de uma monarquia para uma república. Ela era uma nobre romana e esposa de Lúcio Tarquínio Colatino, um cônsul romano.

Enquanto o marido de Lucrécia estava na batalha, Tarquínio, filho do rei romano Lúcio Tarquínio Soberbo a estuprou, fazendo com que ela se suicidasse por vergonha. Isso levou a uma rebelião imediata contra a Monarquia, liderada por todas as famílias mais importantes.

Lúcio Tarquínio Soberbo foi derrubado e uma República foi estabelecida em Roma. Lucrécia tornou-se para sempre uma heroína e um modelo para todos os romanos, já que sua história foi contada de maneira grosseira por Tito Lívio e por Dionísio de Halicarnasso.

Apolo e Cassandra

Apolo era um dos deuses mais importantes dos panteões grego e romano. De acordo com esse mito, Cassandra era a filha incrivelmente bela do rei Príamo de Tróia. Apolo não pôde deixar de se apaixonar por ela e lhe fez todo tipo de promessas, mas ela o rejeitou. Finalmente, quando ele ofereceu a ela o dom de profecia, ela concordou em ficar com ele.

No entanto, Cassandra ainda não estava apaixonada por Apolo e uma vez que recebeu o presente, ela recusou os avanços de Apolo. Isso irritou Apolo tanto, que ele começou a amaldiçoá-la. A maldição era que ninguém acreditaria quando ela profetizasse algo.

Cassandra agora tinha o dom de profecia, mas não tinha como convencer os outros de que o que ela estava dizendo era verdade. Ela foi considerada uma mentirosa e uma mulher traiçoeira e foi presa por seu próprio pai. Claro, ninguém acreditou quando ela tentou avisá-los da queda de Tróia, que acabou se tornando realidade.

Resumindo

Os mitos romanos muitas vezes tinham uma parte da realidade e uma parte da ficção. Eles modelaram o comportamento dos romanos e até motivaram mudanças históricas. Eles contaram histórias de deuses e deusas, homens e mulheres, tanto neste mundo quanto no submundo. Muitos deles foram emprestados do grego, mas todos eles têm um sabor tipicamente romano.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem