Fortuna: Deusa da Sorte na Mitologia Romana

Se a sua sorte é boa ou má, depende inteiramente dos caprichos da Fortuna. Continue lendo para aprender mais sobre Fortuna, a deusa da sorte na Roma Antiga!

Se você já ouviu alguém invocar Senhora Sorte ou esperando que a sorte sorria para eles, você pode não ter percebido que eles estavam invocando uma antiga deusa romana.

Fortuna, a deusa da sorte e do acaso, era uma figura poderosa na Roma antiga. Embora o destino possa ter decidido o destino de uma pessoa, era Fortuna quem distribuía a fortuna que se abatia sobre eles.

As ações da deusa da fortuna eram frequentemente descritas como inteiramente aleatórias. Ela às vezes era mostrada com os olhos vendados, girando uma roda que poderia parar em boa ou má sorte sem preconceito.

Mas as ações de Fortuna eram realmente aleatórias? Mesmo na era moderna, a personificação da sorte nem sempre é vista como totalmente cega.

Fortuna: Deusa da Sorte na Mitologia Romana

A Deusa Fortuna e Acaso

Na mitologia romana, Fortuna era a deusa da sorte, do acaso e da fortuna.

Ela foi inspirada em grande parte pela deusa grega Tique. Embora Tique estivesse geralmente ligada às fortunas de uma cidade ou estado, Fortuna tinha um domínio muito mais amplo.

O povo romano invocava a Fortuna sempre que o acaso ou a sorte desempenhavam um papel em suas vidas. Ela era vista como uma deusa geral do destino, que podia influenciar os eventos em grande e pequena escala.

Como Tique ou Tyche, Fortuna poderia dar seu favor a uma cidade ou população inteira. No grande escopo do vasto Império Romano, ela poderia influenciar o destino de milhões de pessoas por meio de uma única ação.

Um dos primeiros papéis de Fortuna na vida romana não foi como uma deusa do estado, mas como uma deusa da agricultura.

Como seu pai, Júpiter, Fortuna poderia conceder recompensas àqueles que ela escolhesse. No início de Roma, ela o fazia na forma de uma boa colheita.

Os fazendeiros agradeciam a Fortuna por trazer comida farta, uma sorte que não era garantida no mundo antigo. Ela também era uma deusa protetora que mantinha as colheitas e os depósitos de grãos protegidos contra deterioração, fogo, roedores, ladrões e outros perigos.

A farta colheita trazida pela Fortuna inspirou um de seus símbolos mais conhecidos. A cornucópia, ou chifre da abundância, ainda é usada hoje em imagens de boa fortuna e abundancia.

A generosidade que Fortuna poderia trazer logo se expandiu para além das preocupações agrícolas. Fortuna também pode trazer riqueza material.

O conceito de boa fortuna se expandiu ainda mais para incluir todas as formas de sorte.

Fortuna costumava ser retratada com um gubernáculo, ou leme de navio. Ela era a deusa favorita dos marinheiros e mercadores que acreditavam que só a sorte os protegia contra os perigos do mar.

Os jogadores também invocam a Fortuna com frequência. Nos jogos de azar, oficialmente desencorajados na cultura romana, o sucesso dependia inteiramente dos caprichos da deusa.

Em quase todos os aspectos da vida, a deusa do acaso podia ser invocada. Amuletos e ícones da Fortuna eram comuns em todo o mundo romano para ganhar seu favor constante.

Como uma deusa doméstica, ela garantia a segurança e a prosperidade de todos na casa. Isso se estendeu até mesmo à casa do imperador, onde ela era responsável pela fortuna da família imperial.

Fortuna era invocada em cerimônias de casamento para dar prosperidade e felicidade ao casal. Essa boa sorte pode vir de muitas formas, desde filhos saudáveis ​​e uma vida confortável até a felicidade pessoal e a segurança da jovem noiva.

Na guerra, muitos soldados acreditavam que suas chances de sobrevivência dependiam inteiramente do acaso. A Fortuna poderia trazer sucesso para uma legião ou garantir a sobrevivência de um único soldado.

Fortuna não era uma deusa inteiramente benevolente, no entanto. A sorte e o azar se deviam à influência dela.

Vista como uma deusa geral do destino, os caprichos da Fortuna não podiam ser previstos. A má sorte era tanto domínio quanto generosidade.

A Roda da Fortuna, um dos símbolos mais duradouros da deusa, foi mencionada pela primeira vez no século 1 aC. Representava a natureza imprevisível e frequentemente mutável da sorte.

Quando dois potenciais herdeiros ao trono morriam inesperadamente, por exemplo, esse era o resultado da Fortuna. Qualquer azar, desde desastres naturais a pequenos inconvenientes, era tanto resultado da Fortuna quanto boa sorte.

Interpretação Moderna

Fortuna era frequentemente retratada com os olhos vendados, outro símbolo de sua natureza inconstante. A maioria dos romanos acreditava, entretanto, que a sorte não era inteiramente aleatória.

Os romanos vinculavam fortuna e sorte ao destino e à virtude. Embora uma delas estivesse fora do controle humano, a ideia de que a fortuna dependia da virtude tornava Fortuna uma deusa menos caprichosa do que parecia inicialmente.

Virtus, ou força de caráter, era um atributo essencial na cultura romana. Os líderes, em particular, causavam azar se não tivessem essa virtude.

Desta forma, as ações da Fortuna eram feitas de forma menos aleatória. Embora as pessoas nem sempre entendessem as razões de seu favor, ou da falta dele, amarrar Fortuna à ideia de virtus contradizia a ideia de uma deusa cega girando a Roda da Fortuna.

Fortuna podia ser imprevisível, mas a falta de virtude dava razão para eventos que de outra forma seriam incompreensíveis. A confiança de Fortuna na virtus em sua tomada de decisão garantiu que a ordem, a lei e a justiça fossem mantidas.

As representações duplas de Fortuna como completamente aleatórias e um resultado de virtuosidade persistiram na era moderna.

A personificação da sorte continuou popular na cultura europeia muito depois de outras representações de divindades antigas terem se tornado menos comuns. Representações de Fortuna, ou Senhora Sorte, ainda são comuns na Itália hoje.

Como no passado, os caprichos da fortuna são frequentemente considerados imprevisíveis, ilógicos e incompreensíveis. A ideia de que a sorte está ligada à virtude, no entanto, nunca foi totalmente esquecida.

O cristianismo definiu a virtude de maneira diferente, mas deu a ela tanta importância quanto os romanos em eras anteriores. Embora o destino fosse menos enfatizado pela maioria das tradições cristãs, ainda se acreditava que a virtude desempenhava um papel intrínseco na boa ou na má sorte de uma pessoa.

Portanto, ainda é comum ouvir as pessoas questionarem como ganharam a má sorte ou se merecem a boa fortuna. Enquanto a Senhora Sorte ainda é mostrada cegamente girando uma roda, ela também distribui favores e punições com base em conceitos antigos de virtude.

Resumindo

Fortuna era a deusa romana da sorte, do acaso e do destino. Ela foi inspirada pela deusa grega Tique, mas teve um papel muito maior na vida cotidiana.

Muitos romanos viam Fortuna em grande parte como uma deusa que poderia conceder generosidade e segurança por meio de uma boa colheita. A cornucópia, o chifre agrícola da abundância, era um de seus muitos símbolos que perdurou até a era moderna.

A influência de Fortuna sobre a prosperidade se expandiu em todos os aspectos da vida romana. Riqueza, segurança, saúde e até vida e morte podem estar sujeitas à deusa da sorte.

Fortuna costumava ser mostrada com os olhos vendados, simbolizando a aleatoriedade do acaso. Ela dava sorte e azar sem preconceito ou preferência.

Isso também era simbolizado pela Roda da Fortuna, um de seus atributos mais comuns. A roda giratória poderia parar em qualquer tipo de sorte.

Fortuna não era vista como totalmente caprichosa, no entanto. Ela era um agente do destino e suas bênçãos estavam em grande parte ligadas aos ideais romanos de virtude.

Uma pessoa virtuosa, acreditava-se, poderia atrair mais sorte. Em assuntos pessoais, isso influenciava o curso de suas próprias vidas, mas quando essa pessoa era um líder ou imperador, suas virtudes podiam influenciar todo o Império.

Fortuna permaneceu um símbolo popular de destino e acaso na era moderna. Embora a Senhora Sorte ainda seja frequentemente retratada como inconstante, a ideia de que seus caprichos estão ligados à virtude pessoal também permanece.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem