Principais Deuses e Deusas Persas

A antiga religião persa (também chamada de paganismo iraniano) existia antes que o zoroastrismo se tornasse a religião principal da região. Embora haja muito poucas evidências escritas sobre a religião persa e como ela era praticada, as poucas informações recolhidas dos relatos iranianos, babilônios e gregos tornaram possível obter um entendimento bastante bom dela.

A religião persa apresentava um grande número de deuses e deusas, com Ahura Mazda como a divindade principal, que liderava todas as outras. Muitas dessas divindades seriam posteriormente incorporadas à fé de Zoroastro, como aspectos de Ahura Mazda, a divindade suprema.

Aqui estão algumas das divindades persas mais importantes e os papéis que desempenharam em sua mitologia.

Principais Deuses e Deusas Persas

Aúra Masda (Rei Dos Deuses)

Aúra Masda, Ormasde, Ahura Mazda ou Ormuz é o deus principal dos antigos iranianos e zoroastrianos e um símbolo de pureza, redenção e sabedoria. Ele é o criador do mundo e trouxe todas as coisas à existência.

É Aúra Masda ou Ahura Mazda quem decide quem vai para o céu ou para o inferno com base em seus atos na terra. Ele luta continuamente contra o mal e as trevas. Ele está sempre em guerra com o demônio, Angra Mainiu, Ahriman, Arimã ou Arimane.

De acordo com o mito, Aúra Masda criou os primeiros humanos, que foram corrompidos pelo diabo. Enquanto eles foram barrados do paraíso, seus filhos tiveram o livre arbítrio para escolher o bem ou o mal por si mesmos.

No calendário avéstico dos antigos iranianos, o primeiro dia de cada mês era chamado de Ahuramazda.

Anaíta (a Deusa das Águas da Terra)

Em quase todas as religiões antigas, a fonte de vida e fertilidade é retratada como um ser feminino. No Irã, a deusa, cuja forma anterior e completa era Aredvi Sura Anahita, ocupava essa posição.

Anaíta é a antiga deusa persa da fertilidade, água, saúde, cura e sabedoria. Ela às vezes é conhecida como a deusa da guerra, pois os guerreiros invocavam suas bênçãos para sobreviver e vencer antes das batalhas.

Anaíta era a deusa da fertilidade e do crescimento. Por sua vontade, caia chuva e rios corriam, as plantas cresciam e os animais e os humanos procriavam.

Anaíta é descrita como poderosa, radiante, elevada, alta, bela, pura e livre. Suas representações a mostram com uma coroa de ouro de oitocentas estrelas na cabeça, um manto esvoaçante e um colar de ouro em volta do pescoço.

Mitra (o Deus do Sol)

Uma das primeiras divindades do Irã, Mitra era um deus popular e importante. Ele era adorado como o deus do sol nascente, do amor, da amizade, dos contratos, da honestidade e muito mais. É Mitra quem garante a ordem de todas as coisas. Além disso, Mitra supervisiona a lei e protege a verdade, e como tal era visto como a divindade que deu aos governantes autoridade divina para governar.

Mitra supervisiona humanos, suas ações, acordos e contratos. Ele orienta as pessoas no caminho certo e as protege do mal, enquanto mantém a ordem da noite e do dia e da mudança das estações.

Haoma (deus da saúde)

Soma/Haoma se refere a uma planta e a um deus persa. Como um deus, Haoma foi creditado por conceder saúde e força, e era o deus da colheita, vitalidade e a personificação da planta. Ele é um dos deuses mais antigos e honrados do antigo Irã, e as pessoas oravam a ele por filhos.

O nome da divindade foi derivado da planta Haoma, que tem propriedades curativas. Em algumas lendas, é dito que o extrato desta planta deu poderes sobrenaturais aos humanos. A planta era usada para fazer uma bebida inebriante, uma sensação considerada uma qualidade dos deuses. Os sucos da planta Haoma foram pensados ​​para trazer a iluminação.

Sraosa (Deus do mensageiro e guardião do homem)

Sraosa ou Sraosha é uma das figuras mais populares nas antigas crenças iranianas. Sraosa é a divindade da obediência religiosa, que foi criada por Aúra Masda como uma de suas primeiras criações. Ele é um mensageiro e mediador entre os deuses e o povo. O nome Sraosa (também chamado de Sarush, Srosh ou Sarosh) significa informação, obediência e disciplina.

Sraosa é um dos grandes deuses que se preocupa com a ordem do mundo e é o anjo da guarda dos zoroastristas. Ele também foi a primeira criação de Aúra Masda.

De acordo com algumas fontes, Sraosa e Mitra juntos guardam os convênios e a ordem. No Dia do Juízo, os dois deuses se unem para garantir que a justiça seja feita.

Azar (o deus do fogo)

Azar ou Atar ou Azar Goshasb era o deus do fogo e era o próprio fogo. Ele era filho de Aúra Masda. O fogo era um elemento importante na religião persa e, como tal, Azar desempenhou um papel importante. Mais tarde, o fogo se tornaria um aspecto integrante de Aúra Masda sob o zoroastrismo.

Azar é um símbolo da verdadeira ordem e um dos ajudantes do exército do céu que luta pelo bem. No calendário Avéstico, o nono dia de cada mês e o nono mês de cada ano têm o nome desse deus.

No antigo Irã, um festival chamado Azargan era realizado no nono dia do nono mês de cada ano. Nos mitos, Azar lutou contra dragões e demônios em batalhas que travou para erradicar o mal, e venceu.

Vohu Mana/Bamã (O Deus do Conhecimento)

Vohu Mana ou Bamã, também conhecido como Vahman ou Bahman, é o protetor dos animais. O nome Bahman significa aquele que tem boas ações. Nos mitos, Vohu Mana é retratado no lado direito de Aúra Masda e atua quase como um consultor.

Vohu Mana como "bom pensamento" é a manifestação da sabedoria de Deus que está ativa nos seres humanos e leva os humanos a Deus. Os deuses da lua, Gosh e Ram, são seus colegas. Seu principal oponente é um demônio chamado Aquan.

Mais tarde, no Zoroastrismo, Vohu Mana é descrito como um dos primeiros seis seres criados por Aúra Masda, a divindade suprema, para ajudá-lo a destruir o mal e promover o bem.

Zurvan (o deus do tempo e do destino)

Zurvan, era um deus do tempo e do destino. Inicialmente, ele desempenhou um pequeno papel no grande panteão de deuses persas, mas no zoroastrismo, Zurvan assume uma posição muito mais significativa como a divindade suprema que criou todas as coisas, incluindo Aúra Masda.

Os antigos iranianos acreditam que Zurvan foi o criador da luz e das trevas, ou seja, Aúra Masda e seu antagonista, Angra Mainiu, Ahriman, Arimã ou Arimane, o demônio.

Segundo o mito, Zurvan meditou por mil anos para dar à luz uma criança que criaria o mundo. Após novecentos e noventa e nove anos, Zurvan começou a questionar se essas meditações e orações eram úteis.

Pouco depois, Zurvan teve dois filhos. Ahuramazda nasceu das meditações e bons pensamentos de Zurvan, mas Angra Mainiu nasceu das dúvidas.

Vayu (O Deus do Vento / Atmosfera)

Vayu, também conhecido como Vayu-Vata, é o deus do vento, ou atmosfera, frequentemente descrito como tendo naturezas duais. Por um lado, Vayu é o portador da chuva e da vida e, por outro lado, é um personagem terrível e incontrolável associado à morte. Ele é um benfeitor e, ao mesmo tempo, pode destruir tudo e todos com seu poder destrutivo. Como Vayu é o vento, ele viaja tanto nos reinos bons quanto nos perversos e é angelical e demoníaco ao mesmo tempo.

Essas associações vêm da natureza de Vayu como a atmosfera ou o vento. Ele é o guardião do ar e a manifestação demoníaca do ar impuro e nocivo. Ele cria vida fornecendo chuvas através de nuvens chuvosas, mas ao mesmo tempo, ele tira a vida através de tempestades destrutivas que causam a morte.

Vayu é retratado como um guerreiro, segurando uma lança e armas douradas, pronto para correr para a batalha contra as forças do mal, mas dependendo de como o vento sopra, ele pode se virar e lutar contra as forças da luz.

Rashnu (Deus da Justiça)

Rashnu era um anjo, ao invés de um bom, que presidia as almas dos mortos, junto com Mitra e Sraosa. Ele estava na ponte Cinvat, que abrangia os reinos da vida após a morte e o mundo humano.

Era Rashnu quem lia os registros dos atos de uma pessoa acumulados ao longo de sua vida e, em seguida, julgava se essa pessoa iria para o paraíso ou para o inferno. Sua decisão sempre foi considerada justa e correta e, uma vez dada, a alma seria capaz de seguir em frente para seu lar definitivo.

Angra Mainiu (Encarnação do Mal, Discórdia e Caos)

Angra Mainiu, também conhecido como Ahriman, é o demônio e o espírito maligno da religião persa. Ele luta contra a luz e tudo o que é bom e, portanto, seu eterno adversário é Aúra Masda. Angra Mainiu é o líder dos demônios e espíritos das trevas, chamados devas.

Angra Mainiu é irmão de Aúra Masda e é mencionado na maioria das histórias iranianas antigas. Nos mitos, humanos e outros deuses e criaturas boas, todos criados por Aúra Masda, são retratados como estando em uma busca cósmica para triunfar sobre o mal na luta contra os demônios. Eventualmente, o diabo é destruído e Aúra Masda o domina.

Resumindo

Embora haja poucos registros escritos da antiga religião persa, o pouco que sabemos revela uma das religiões mais antigas do mundo, cheia de divindades coloridas, boas e más. Cada deus tinha seus próprios domínios de especialização e cuidaria daqueles que buscavam ajuda nessas áreas específicas. Muitas dessas divindades viveriam na nova religião, o Zoroastrismo, como aspectos do ser supremo Aúra Masda.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem