Como a Itália foi salva no final

Foi no final da primavera, quando o céu brilhava azul e as flores floresciam, que Roma primeiro teve a notícia da Batalha de Canas. O jovem patrício Cornélio Lêntulo trouxe a terrível notícia. Ao chegar furiosamente à cidade, os cidadãos correram ansiosos para encontrá-lo, pois desde que o exército saíra de Roma - 88.000 homens valentes e fortes, liderados por Paulo Macedônico e Varrão - esperavam por notícias.

Aníbal e a Batalha de Canas

"Desta vez", pensaram eles, "temos a certeza de ouvir boas novas. Varrão não prometeu conquistar Aníbal em um dia? Ele não jurou nos mostrar que Fábio estava errado em evitar a batalha, e não é Varrão como bom general como Fábio Máximo, mais ousado e mais jovem, e um homem do povo como nós? Sim! Mil vezes sim! A vitória é certa!"

"Salve, Cornélio Lêntulo", eles gritaram, "que notícias de Canas?"

Ah, que novidades! Cornélio voltou o rosto angustiado ao povo e, ao vê-lo, recuou, sussurrando desconfortavelmente entre eles, sem se atrever a fazer outra pergunta.

Para o cansado mensageiro veio Fábio, que estava então em Roma, tendo desistido da ditadura após seis meses, segundo o costume.

"Fala, Cornélio", disse ele. "Nós sabemos pela sua aparência que você não traz boas notícias para Roma, e estamos preparados".

"Ai de mim que eu devo falar! Ai de você que você deve ouvir!" gritou Cornélio. "Nosso exército não é mais de 70.000 romanos mortos no campo terrível de Canas!"

As pessoas gemeram e gritaram em voz alta, aterrorizadas, mas Fábio, calmamente dizendo-lhes que ficassem em silêncio, disse: "Conte-nos mais. E quanto aos nossos cônsules? O que dizer de Varrão e Paulo Macedônico?"

"Varrão fugiu para Venusia com os poucos que ainda estão vivos, e lá ele procura fazer mais uma posição contra o inimigo."

"E Paulo Macedônico?", Questionou Fábio ansiosamente; porque Paulo Macedônico era querido para ele, sendo um dos que tinham tomado sua parte contra Varrão.

"Trago-lhe suas últimas palavras", respondeu o mensageiro com tristeza. "Quando a sorte foi contra nós e todos fugiram, Emílio, ferido e de coração partido, não deixou o campo, e quando eu rezei para ele com lágrimas para pegar meu cavalo e salvar a si mesmo, ele não iria, preferindo a morte a fuga. Eu digo a você, Fábio Máximo, que ele seguiu suas ordens fielmente até o fim, mas que ele foi primeiro vencido por Varrão, e então por Aníbal. E eu darei testemunho diante de todos vocês que isso é verdade. Escute, Romanos. Seguindo o costume, cada cônsul comandava as tropas por turno, e o que quer que Paulo Macedônico fizesse em um dia para impedir os soldados de lutar, Varrão desfazia no dia seguinte, levando-os para a frente, até que chegou o dia em que Varrão fez o manto vermelho ser pendurado sobre sua tenda, tão certo estava ele da vitória, tão ansioso estava ele para nos libertar de nosso inimigo.

"Ai!" ecoou as pessoas aterrorizadas. "Os deuses estão contra nós! Nosso exército está perdido, nossos filhos estão mortos, Aníbal vai marchar sobre Roma e nossa cidade será tomada!" e alguns, loucos de medo, tentaram fugir pelos portões.

Mas Fábio com outros bravos romanos se esforçou para acalmar seus medos, colocou um guarda nos portões, nomeou novos cônsules e começou a levantar outro exército, e pouco a pouco o povo tomou coragem, e com o passar do tempo e Aníbal não veio, eles começaram a esperar de novo.

Varrão foi chamado de volta de Venusia. Pobre Varrão, ele voltou triste e envergonhado, lamentando amargamente o erro que cometera e a tristeza que trouxera ao seu país.

Mas os romanos eram um povo de grande coração. Eles entenderam que o que ele tinha feito era por amor ao seu país e não por uma questão de ganhar honra para si mesmo, e quando ele chegou, todo o Senado e todo o povo foram até os portões para recebê-lo.

"Quando houve silêncio, os senadores, entre os quais Fábio, elogiou Varrão por ter tentado reunir um exército novamente em Venusia, e por voltar a Roma pronto para fazer o que pudesse ser pedido a ele. Isso eles fizeram para consolar e confortar, e para mostrar que ainda tinha confiança, Varrão recebeu muitas coisas importantes para fazer durante a guerra. Depois da derrota em Canas, quase todas as cidades da Itália se renderam a Aníbal, mas em Roma o povo não se desesperou. Levantaram exército após o exército, dando livremente de seu dinheiro e suas joias para pagar o custo da guerra.

Um grande número de soldados nem sequer foram pagos, mas isso não os fez menos ansiosos para defender seu país. Muitos generais foram enviados contra Aníbal, mas os dois maiores deles foram Fábio Máximo e Marcelo. Os romanos nomearam-lhes a Espada e o Escudo de Roma, Fábio eles chamaram de o Escudo, porque ele estava sempre ansioso pela defesa, enquanto Marcelo era a Espada, porque ele amava; nada melhor do que o ataque.

Estes dois juntos conseguiram manter o inimigo distante. De fato, depois de algum tempo, Aníbal começou a temer os dois. Como Fábio havia predito, seu exército crescia cada vez menos, e ele foi derrotado mais de uma vez.

A sorte se voltou contra ele finalmente. As cidades italianas, uma a uma, voltaram a Roma. Seu próprio país o abandonou em sua dolorosa necessidade. Quando implorou aos cartagineses que lhe enviassem mais soldados, eles não queriam, e os romanos começaram a esperar que seus problemas logo terminassem. Cipião Africano, o grande general que depois conquistou Aníbal na África, foi com um exército para a Espanha e expulsou os cartagineses de lá. O irmão de Aníbal, a caminho de invadir a Itália, foi morto por outro general romano, e o próprio Aníbal, com seus poucos homens remanescentes, foi empurrado para um canto da terra perto do mar.

Dois ou três anos ele lutou bravamente lá, até que Cartago mandou que ele voltasse imediatamente para liderar um exército contra Cipião. Então, depois de quase dezesseis anos lutando, depois de ganhar quase toda a Itália e perdê-la novamente, o grande general deixou a Itália para sempre.

Fábio Máximo, que era velho quando a guerra começou, viveu para ver seu país libertado de seu terrível inimigo. Os cidadãos agradecidos, lembrando que foi ele quem primeiro lhes mostrou que Roma não precisa temer nenhum inimigo, por maior que fosse, deu a ele a maior honra que era possível para Roma dar. A Coroa de Flores do Bloqueio - uma grinalda simples feita de grama que havia sido arrancada no lugar onde um exército havia sido sitiado e resgatado novamente.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem