"E Abraão desceu ao Egito para peregrinar lá" Gênesis 12:10

A terra de Canaã estava agora diante dele. Era um país de baixa altitude, agora marcado em mapas modernos como a Síria - a velha estrada entre a faixa de terra conhecida como Ásia e conhecida agora como África.

Sua costa foi banhada pelo mar azul, conhecido pelos homens do passado como o Grande Mar, sobre cujas águas ninguém ainda se aventurara a confiar.

Como os peregrinos viajam agora no Oriente, Abraão também teria viajado através desta terra de Canaã, com sua esposa e o jovem Ló. Com todas as suas posses empilhadas nas costas de camelos e jumentos, com seus escravos correndo ao seu lado, com seus rebanhos de ovelhas e cabras se movendo sob as formas elevadas dos camelos, ele começava lentamente a entrar no novo país. O próprio Abraão, em um manto escarlate, como chefe da tribo, guiaria a marcha, estabelecendo-se onde a tenda noturna deveria ser armada e arrumando pasto e água para os rebanhos e manadas. Mais e mais, sob o sol ferozmente ardente, a longa caravana viajava lentamente, sempre viajando para o sul.

Continua a Saga de Abraão - Na África

Ele foi o primeiro explorador de uma nova terra de quem há um relato completo.

Mas enquanto ele ainda viajava, veio uma das secas às quais a terra de Canaã sempre esteve sujeita, quando dia após dia o céu estava azul e sem nuvens, quando não chovia para regar a terra sedenta, e Abraão continuou ainda mais longe rumo ao sul até chegar à África.

Agora, enquanto a grande colônia às margens do rio Eufrates estava crescendo e prosperando na Ásia, outra colônia estava crescendo ao longo das margens do Nilo - o maior rio da África. Aqui, família após família chegara, atraída pela terra fértil regada pelo Nilo, exatamente da mesma maneira que os caldeus haviam se estabelecido no rio Eufrates. E este país era conhecido como o Egito - o presente do Nilo.

Assim, fora da área sombria do início da história, obtemos esses dois assentamentos - os caldeus no Eufrates na Ásia e os egípcios no Nilo na África. Estavam a centenas de quilômetros de distância, e embora os homens possam ter viajado anteriormente de um para o outro, ainda assim Abraão é o primeiro viajante de quem temos algum registro.

Deve ter sido com sentimento de reverência que ele se aproximou da terra do Egito. Poderia ter sido negado a ele o milho que ele tinha vindo buscar, ele poderia ser morto, perigos desconhecidos e dificuldades podiam estar diante dele. Ele deve ter ficado surpreso com o que encontrou no Egito, afinal. Ele encontrou um assentamento muito antigo, tão antigo quanto - talvez mais antigo - daquele de onde ele havia vindo.

Os egípcios podiam contar-lhe histórias de um rei que os governara há milhares de anos, chamado Menés, um rei que construiu a sua maravilhosa cidade de Memphis no Nilo, onde hoje se encontra a moderna cidade do Cairo. Eles poderiam apontar suas trinta pirâmides, os túmulos de seus reis e o grande templo da Esfinge, em volta de sua antiga cidade, inclusive alguns deles estão ao redor da cidade de Cairo ainda hoje.

Eles poderiam contar a Abraão a história de como essas pirâmides foram construídas; dos imensos blocos de granito que foram trazidos quinhentos quilômetros; da grande calçada, que levou dez anos para ser construída, ao longo da qual esses blocos poderiam ser transportados; dos vinte anos que levou para construir uma pirâmide e os milhares e milhares de homens empregados no trabalho.

E sob essas estruturas maciças, os antigos reis orientais dormiram seu último sono; enquanto hoje ainda nos maravilhamos com a indústria e a paciência dos antigos egípcios.

"Soldados", disse o grande Napoleão, enquanto liderava o exército francês pelo coração do Egito, há cem anos - "soldados, do alto destas pirâmides, quarenta séculos vos contemplam".

De fato, mais tarde, quando as estradas cortavam os países da terra e os navios navegavam nos mares, essas antigas pirâmides do Egito foram classificadas entre as Sete Maravilhas do Mundo.

Esta terra estranha para a qual Abraão tinha vindo era uma terra de abundância; havia milho crescendo ao longo do vale fértil, pois o poderoso Nilo não dependia das chuvas locais para regar a terra. E o grande rei, ou Faraó, como era chamado, tratou bem a Abraão. Diz-se que o explorador caldeu ensinou aos egípcios a astronomia; ele certamente fez bem na terra estranha, e quando ele partiu, Faraó deu-lhe ovelhas e bois, servos e servas, e Abraão era um homem muito rico.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem