É estranho pensar em um mundo muito antigo, quando os homens não sabiam nada do grande mar salgado que banhava suas praias, e nada das terras maravilhosas, que ficavam além. Cada dia o sol se levantava e se punha como hoje, mas eles não sabiam o motivo: os rios corriam pela terra, mas não sabiam de onde vinham nem para onde iam.

Esses homens de antigamente conheciam um grande fato. Eles sabiam que deveriam morar em uma terra onde houvesse muita água. De que outra forma poderiam suas ovelhas e bois mantar sua sede? De que outra forma eles e seus filhos deveriam comer e beber? E como deveria o grão crescer para salvar a terra da fome?

O Lar de Abraão, o Patriarca

Então, onde quer que um homem se estabelecesse com sua família nos velhos tempos, ele escolhia algum lugar perto de um rio ou nascente. Talvez outros vagassem pela terra até chegarem ao mesmo rio, e lá eles se estabeleceriam também, até que houvesse uma pequena colônia de famílias todas atraídas para o mesmo lugar pelo fato de que água fresca e limpa estava fluindo a terra.

E foi assim que, há muito tempo atrás, as velhas histórias nos falam de um grupo de homens, mulheres e crianças que vieram e se estabeleceram ao redor de um grande rio, chamado Eufrates, no extremo Oriente. Era um dos quatro rios que regavam o jardim do Éden - um local muito bonito e fértil.

Esse pequeno grupo de colonos - conhecidos como os caldeus - cultivava milho em seu país rico e se tornava muito próspero, enquanto outros homens vagavam pela terra sem terras, sem moradas ou ligações fixas.

Esses caldeus aprenderam muitas coisas. Eles fizeram tijolos e construíram casas para morar, olharam para o profundo céu azul sobre suas cabeças e aprenderam sobre o sol; perambulavam de noite e aprendiam sobre a lua e as estrelas, dividiam seu tempo em sete dias e chamavam os dias depois de sete estrelas, ensinavam-se aritmética e geometria. Claro que não tinham papel e canetas para escrever, mas arranhavam imagens simples em pedras e tijolos. Por exemplo, um pequeno desenho de um prego significava a figura I., dois pregos significavam II, três pregos seguidos significavam III e assim por diante.

Mesmo hoje, os homens saem para este país antigo, que há muito tempo deixou de tomar parte na história do mundo, e encontram as velhas pedras e tábuas arranhadas pelos caldeus e aprendem mais sobre esse povo trabalhador.

Os caldeus sabiam muito, mas não sabiam nada além de seu próprio país, pois como deveriam? Não havia carroças, nem trens, nem pontes sobre os rios, nem navios naqueles primeiros dias. Viajar era muito lento e difícil. Nas costas de camelos ou jumentos, as viagens deveriam ser feitas sob o sol ardente e sobre a terra deserta sem trilhas: comida deveria ser carregada, e até mesmo água; pois como poderiam dizer onde os rios corriam naquelas regiões desconhecidas e inexploradas?

Mas o dia estava à mão quando um homem com toda a sua família deveria viajar desta terra além do Eufrates, viajar longe da vida agitada das cidades Caldéias para um país novo e desconhecido.

Esse homem era conhecido como Abraão.

Ele era um grande homem no extremo oriente; ele lia bem as estrelas e aprendera muito sobre o nascer e o pôr do sol e da lua. Por que ele foi chamado para deixar sua terra natal não é conhecido. Saia da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para uma terra que eu te mostrarei.
Estas eram as ordens dadas a Abraão.

O Lar de Abraão, o Patriarca

E um dia ele se levantou, e levando seu velho pai Tera, sua esposa Sara e seu sobrinho jovem órfão Ló, com camelos e jumentos carregando todos os seus bens, ele deixou a Caldéia.

O pequeno povo viajou por um dia, talvez até mais, até chegarem à fortaleza fronteiriça de seu próprio país, e ali o velho pai Tera morreu antes mesmo de cruzar o rio que delimitava a terra de seu nascimento.

E Abraão começou novamente a viajar para a terra desconhecida. O grande rio Eufrates rolou seu vasto volume de águas entre ele e o país para o qual seus passos estavam inclinados. Dois dias de viagem o levariam aos altos penhascos de calcário, dos quais ele poderia ignorar o amplo deserto ocidental. Largo e forte jazia o grande riacho abaixo.

Ele cruzou, provavelmente perto do mesmo ponto em que ainda é atravessado. Ele atravessou e ficou conhecido como o hebreu - o homem que havia atravessado a corrente do rio - o homem que vinha de além do rio Eufrates.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem