Há muito tempo atrás, quando o mundo era muito mais jovem do que é hoje, as pessoas contavam e acreditavam em muitas histórias maravilhosas sobre coisas maravilhosas que nem você nem eu jamais vimos.

Elas frequentemente falavam sobre um certo ser poderoso chamado Júpiter, ou Zeus, que era o rei do céu e da terra; e elas diziam que ele sentava a maior parte do tempo entre as nuvens no topo de uma montanha muito alta, onde ele podia olhar para baixo e ver tudo o que estava acontecendo na terra abaixo.

Ele gostava de cavalgar nas nuvens de tempestade e lançar raios ardentes para a direita e para a esquerda, entre as árvores e as rochas; e ele era tão, tão poderoso que, quando ele se inclinava, a terra tremia, as montanhas tremiam e fumegaram, o céu escurecia e o sol escondia o rosto.

Júpiter (Zeus) e Sua Poderosa Companhia

Júpiter tinha dois irmãos, ambos companheiros terríveis, mas não tão bons quanto ele. O nome de um deles era Netuno, ou Poseidon, e ele era o rei do mar. Ele tinha um palácio dourado reluzente nas profundezas das cavernas do mar onde os peixes vivem e o coral vermelho cresce; e sempre que ele estava zangado, as ondas elevavam-se no alto da montanha, e os ventos da tempestade uivavam com medo, e o mar tentava romper a terra; e os homens o chamavam o agitador da terra.

O outro irmão de Júpiter era um ser triste de rosto pálido, cujo reino estava sob a terra, onde o sol nunca brilhava e onde havia escuridão, choro e tristeza o tempo todo. Seu nome era Plutão, ou Aidoneus, e seu país era chamado de Mundo Inferior, ou a Terra das Sombras, ou Hades.

Os homens diziam que sempre que alguém morria, Plutão enviava seu mensageiro, ou Líder das Sombras, para levá-lo ao seu reino triste; e por essa razão nunca falavam bem dele, mas pensavam nele apenas como inimigo da vida.

Um grande número de outros seres poderosos viviam com Júpiter em meio às nuvens no topo da montanha - tantos que só posso citar alguns poucos. Havia Vênus, a rainha do amor e da beleza, que era mais justa do que qualquer mulher que você ou eu já vimos.

Havia Atena, ou Minerva, a rainha do ar, que dava sabedoria às pessoas e as ensinava a fazer muitas coisas úteis. Havia Juno, a rainha da terra e do céu, que se sentava à direita de Júpiter e lhe dava todo tipo de conselho.

Havia Marte, o grande guerreiro, cuja satisfação estava no meio da batalha. Havia Mercúrio, o mensageiro veloz, que tinha asas no elmo e nos sapatos e que voava de um lugar para outro como as nuvens do verão, quando são conduzidas pelo vento.

Havia Vulcano, um ferreiro habilidoso, que tinha sua forja em uma montanha em chamas e fazia muitas coisas maravilhosas de ferro, cobre e ouro. E, além disso, havia muitos outros sobre os quais você aprenderá de vez em quando, e sobre quem os homens contavam histórias estranhas e belas.

Viviam em mansões reluzentes e douradas, no alto das nuvens - tão altas que os olhos dos homens jamais poderiam vê-las. Mas eles podiam olhar para baixo e ver o que os homens estavam fazendo, e muitas vezes diziam que eles deixavam suas casas nas alturas e vagavam por toda a terra ou pelo mar.
E de todos esses poderosos povos, Júpiter era de longe o mais poderoso.

A Era de Ouro

Júpiter (Zeus) e Sua Poderosa Companhia

Júpiter e seu poderoso povo nem sempre moraram em meio às nuvens no topo da montanha. Em tempos passados, uma família maravilhosa chamada Titãs vivia lá e governava todo o mundo. Havia doze deles - seis irmãos e seis irmãs - e eles disseram que o pai deles era o Céu e a mãe deles, a Terra. Eles tinham a forma e aparência de homens e mulheres, mas eram muito maiores e muito mais bonitos.

O nome do mais novo desses Titãs era Saturno; e, no entanto, ele era tão velho que os homens frequentemente o chamavam de Pai Tempo. Ele era o rei dos Titãs, e assim, claro, era o rei de toda a terra.

Os homens nunca foram tão felizes como eram durante o reinado de Saturno. Era a verdadeira Idade de Ouro. A primavera durava o ano todo. As florestas e os prados estavam sempre cheios de flores, e a música dos pássaros cantantes era ouvida todos os dias e a cada hora. Era verão e outono também ao mesmo tempo. Maçãs e figos e laranjas sempre pendiam maduros das árvores; e havia uvas roxas nas videiras, e melões e bagas de todo tipo, que as pessoas tinham apenas que colher e comer.

Claro que ninguém precisava fazer nenhum tipo de trabalho naquela era feliz. Não havia doença, tristeza ou velhice. Homens e mulheres viviam centenas e centenas de anos e nunca ficavam cinzentos ou enrugados ou coxos, mas eram sempre bonitos e jovens. Eles não precisavam de casas, pois não havia dias frios nem tempestades nem nada para assustá-los.

Ninguém era pobre, pois todos tinham as mesmas coisas preciosas - a luz do sol, o ar puro, a água salutar das nascentes, a grama como tapete, o céu azul como telhado, os frutos e as flores dos bosques e prados. Então, é claro, ninguém era mais rico que o outro, e não havia dinheiro, nem fechaduras; todos eram amigos de todos e nenhum homem queria mais do que seus vizinhos.

Quando essas pessoas felizes viveram o suficiente, elas adormeceram e seus corpos não foram mais vistos. Elas voaram pelo ar, e pelas montanhas, e através do mar, para uma terra florida no oeste distante. E alguns homens dizem que, até hoje, estão vagando alegremente de um lado para o outro em torno da terra, fazendo com que os bebês sorriam em seus berços, aliviando as cargas dos doentes e enfermos, e abençoando a humanidade em todos os lugares.

É uma pena que esta Era de Ouro tenha chegado ao fim! Mas foi Júpiter e seus irmãos que provocaram a triste mudança.

É difícil acreditar, mas os homens dizem que Júpiter era o filho do velho rei Titã, Saturno, e que ele mal tinha um ano quando começou a tramar como ele poderia travar uma guerra contra seu pai. Assim que cresceu, persuadiu seus irmãos Netuno e Plutão e suas irmãs Juno, Ceres e Vesta a se juntarem a ele; e juraram que expulsariam os Titãs da terra.

Depois seguiu-se uma longa e terrível guerra. Mas Júpiter tinha muitos ajudantes poderosos. Uma companhia de monstros de um olho só chamado Ciclopes era mantida ocupada o tempo todo, forjando raios no fogo das montanhas em chamas. Três outros monstros, cada um com cem mãos, eram chamados para atirar pedras e árvores contra a fortaleza dos Titãs; e o próprio Júpiter lançava seus afiados raios tão grossos e velozes que a floresta era incendiada e a água dos rios ferveu com o calor.

É claro que o bom e quieto velho Saturno e seus irmãos e irmãs não podiam resistir sempre contra inimigos como esses. No final de dez anos eles tiveram que desistir e implorar pela paz. Eles foram amarrados em correntes da rocha mais dura e jogados em uma prisão nos Mundos Inferiores; e os Ciclopes e os monstros de cem mãos foram enviados para lá para serem seus carcereiros e para guardá-los para sempre.

Então os homens começaram a ficar insatisfeitos com a sua sorte. Alguns queriam ser ricos e possuir todas as coisas boas do mundo. Alguns queriam ser reis e governar os outros. Alguns que eram fortes queriam escravizar aqueles que eram fracos. Alguns derrubaram as árvores frutíferas na floresta, para que outros não devessem comer do fruto. Alguns, por mero esporte, caçavam os animais tímidos que sempre tinham sido seus amigos. Alguns até mataram essas pobres criaturas e comeram sua carne como alimento.

Por fim, em vez de todos serem amigos de todos, todos eram inimigos de todos.

Então, em todo o mundo, em vez de paz, houve guerra; em vez de abundância, havia fome; em vez de inocência, houve crime; e, em vez de felicidade, havia miséria.

E foi assim que Júpiter se tornou tão poderoso; e foi assim que a Era de ouro chegou ao fim.

Postar comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem