Pélope é uma figura famosa da mitologia grega e foi nomeado como um dos mais fortes e ricos de todos os reis da Grécia Antiga. O nome de Pélope ainda hoje vive para o Peloponeso (península do Peloponeso), em homenagem a esse rei mítico.

Pélope, no entanto, não é famoso por suas características reais, mas é conhecido por ser um membro da Casa de Atreu, a família mais amaldiçoada da mitologia grega.

A mitologia grega relata a história de um homem, Pélope, que se ergue acima da traição de seu pai e depois sucumbe às consequências de suas próprias traições. Como é típico da mitologia grega, a história de Pélope envolve tragédia, punição, amor e violência. Ele era uma figura menor em algumas das histórias mitológicas gregas. Aqui estão mais informações sobre quem ele era e seu papel nos mitos:

Conheça o Rei Pélope da Mitologia Grega

A Traição do Rei Tântalo

Pélope era filho de Tântalo. Tântalo era o rei da cidade de Sipylus e estava descontente com os deuses do Monte Olimpo. O rei Tântalo convidou os deuses para um banquete. Em vez de servir cozinha tradicional grega, ele cortou seu filho Pélope e serviu-o como prato principal. A deusa Deméter inconscientemente consumiu seu ombro esquerdo antes que o deus Zeus conhecesse essa atrocidade e promulgasse a justiça ao mandar o rei Tântalo ao tártaro para ser atormentado por toda a eternidade.

Zeus foi então as Moiras em busca de ajuda. As Moiras eram três deusas que supervisionavam o destino. Cloto girou o fio do destino, Láquesis mediu os fios, e a Átropos cortou os fios no comprimento certo. Esta é uma maneira metafórica de dizer que elas determinavam e executavam o destino de todo indivíduo que viveu. Zeus foi até elas e as fez ressuscitar Pélope, remontando suas partes cortadas. No entanto, seu ombro esquerdo não pôde ser remontado porque havia sido consumido por Demeter.

A Traição do Rei Pélope

O deus do mar, Poseidon, levou o jovem Pélope sob sua asa como aprendiz e amante. Ele ensinou Pélope a comandar a carruagem divina da qual ele acabou se tornando um mestre. Mais tarde, Pélope passou a amar Hipodâmia, a filha do rei Enomau. Enomau temia uma profecia de que seu genro acabaria por matá-lo. Ele organizou corridas de carros em que competiria contra homens que estavam interessados ​​em sua filha. O objetivo era matar todos os noivos em potencial de sua filha, a fim de impedir que a profecia se realizasse.

Pélope decidiu vencer uma dessas corridas e tomar a mão da Hipodâmia em casamento. Antes de Pélope competir, ele viajou para o mar para se encontrar com Poseidon. Ele lembrou o amor que tinham um pelo outro, e Poseidon concedeu-lhe uma carruagem dirigida por cavalos alados. Os relatos em torno da corrida em si são variados, mas a versão mais aceita parece que Pélope convenceu o cocheiro de Enomau, Mírtilo, a adulterar a carruagem de seu mestre. Pélope venceu a corrida, resultando na morte do rei Enomau, e tomou a mão de Hipodâmia em casamento. Depois de vencer a corrida, Pélope matou Mírtilo, mas antes de morrer, ele amaldiçoou Pélope e seus futuros descendentes.

A Tragédia do Rei Pélope

Como novo rei, Pélope conquistou grande parte da região circundante. Ele neutralizou seu maior rival, o rei Perseu, casando dois de seus filhos. No entanto, seu reinado chegou ao fim. A maldição concedida a eles por Mírtilo resultou no suicídio de Hipodâmia, no assassinato de seu filho favorito Crísipo por seus outros dois filhos, Atreu e Tiestes, e em vidas miseráveis ​​para cada um de seus descendentes.

A História de Pélope Após a Morte

Não há menção em textos antigos sobre a morte de Pélope, mas, quando ele morreu, seus ossos foram postos para descansar perto de Pisa, pois seu sarcófago encontrava-se perto do templo de Ártemis. Os ossos de Pélope continuariam sendo importantes na mitologia grega, e o osso do ombro divinamente feito para ele por Hefesto seria encontrado em menção adicional.

Em primeiro lugar, dizia-se que uma das condições para permitir a vitória dos Aqueus em Tróia era que o osso de Pélope estivesse presente entre os gregos. Assim, Agamenon despachou um navio para trazê-lo de Pisa; infelizmente, o navio e sua preciosa carga foram posteriormente perdidos durante uma tempestade na costa de Erétria.

Anos depois, o osso de marfim de Pélope foi escavado nas profundezas pela rede de um pescador chamado Demarmenus. Demarmenus levou o osso a Delfos para descobrir o que fazer com ele; por coincidência, um comitê de Élida também estava presente em Delfos, enquanto buscavam orientação sobre uma praga que assolava seu estado.

As duas partes foram reunidas pela pítia ou pitonisa, e assim o osso de Pélope retornou à terra natal de Pélope. Demarnenus recebeu a honrada posição de guardião do osso, e a praga que assolava Élida diminuiu.

A mitologia grega está cheia de tragédias e a história de Pélope não é diferente. O rei Pélope é considerado um dos reis fundadores mais importantes da tradição grega.
Postagem Anterior Próxima Postagem