Um dos personagens mais populares da série vikings é, sem dúvida, o monge Athelstan, que se encontra dividido entre os mundos viking e cristão, e sua lealdade ao seu próprio povo e sua amizade com Ragnar Lothbrok.

Mas o personagem que vemos na série Vikings é real?

A resposta curta a essa pergunta é não. Ao contrário de Ragnar e seus filhos, este Athelstan não aparece nas sagas, então ele é um personagem que foi inventado para a série.

Mas isso não significa que sua história carece de significado histórico. Nomeado em homenagem a um importante rei inglês, havia monges cristãos que teriam experimentado muitas das coisas que vemos Athelstan encontrar na série. Sua história destaca temas importantes do período Viking.

Athelstan Dos Vikings: Realmente Existiu?

O Athelstan dos Vikings (Alerta de spoiler!)

O Athelstan que vemos nos Vikings, interpretado por George Blagden, é um monge inglês de Lindisfarne, na Nortúmbria. Ele foi levado como prisioneiro pelos vikings quando invadiram o mosteiro em 793.

Ele foi levado de volta à Escandinávia por Ragnar Lothbrok como escravo e rapidamente se tornou um membro indispensável da casa de Ragnar, não apenas por causa de seu conhecimento da Inglaterra, a terra que Ragnar estava de olho.

Este Athelstan também tinha uma vantagem, pois já falava o dialeto Viking, creditando o trabalho missionário na área por esse conhecimento.

Athelstan vive com os vikings e conhece seu modo de vida. Ele pode ver o valor em seus caminhos e crenças, e assim fica dividido entre seu compromisso com sua fé cristã e seu desejo de se tornar totalmente parte de sua nova comunidade.

Ele também ensina as pessoas ao seu redor sobre as ideias cristãs, e Ragnar torna-se particularmente interessado nelas.

Isso causa conflito entre os apoiadores de Ragnar, em particular com Floki, que é muito comprometido com os deuses Viking e vê a ameaça representada pelo Cristianismo. Então, no final da terceira temporada, Floki mata Athelstan.

Mas isso não antes de Athelstan retornar à Inglaterra por um curto período de tempo para trabalhar a serviço do rei Egbert de Wessex, traduzindo textos romanos que o rei encontrou.

É importante ressaltar que lá ele também forma uma conexão romântica com Judith, a nora do rei Egbert, com quem ele é o pai do filho Alfred, que vai suceder Egbert como rei.

O Athelstan da História

O Athelstan que vemos nos Vikings foi nomeado em homenagem ao Rei Athelstan (Etelstano), o primeiro rei da Inglaterra de 927 a 939.

Longe de ser o pai de Alfredo, Athelstan era na verdade seu neto, filho do rei Eduardo, o Velho e de sua esposa Ecgwynn.

Ele é considerado o primeiro rei de toda a Inglaterra, algo que Egbert aspira ser na série, e um dos mais importantes. Na verdade, ele é conhecido por lutar com sucesso contra os vikings.

Athelstan sucedeu ao trono da Mércia após a morte de seu pai em 924, com Wessex indo para seu irmão Etelvardo. Mas Etelvardo morreu apenas três semanas depois de seu pai, deixando a realeza de Wessex vaga. No entanto, o povo de Wessex não parecia interessado em Athelstan, e ele levou vários meses para ser nomeado rei de Wessex também.

Athelstan então voltou sua atenção para York, que havia sido ocupada pelos Vikings desde que foi conquistada por Ivar, o Desossado, em 866, como vemos na série.

Athelstan retomou a cidade, colocando toda a Inglaterra sob controle inglês, o seu próprio.

Athelstan então voltou seus olhos para a Escócia, invadindo seu território e forçando seu rei Constantino II a jurar lealdade a ele.

Insatisfeitos com essa mudança de poder, os vikings de York e os escoceses combinaram forças para invadir a Inglaterra em 937. Athelstan, em aliança com o rei de Dublin, derrotou as forças combinadas vikings e escocesas, ganhando grande respeito como governante em toda a Europa.

Esta batalha também é considerada um momento importante na criação da ideia de nacionalismo inglês, com uma identidade inglesa emergindo entre os soldados e súditos de Athelstan.

Infelizmente, Athelstan morreu apenas dois anos depois, em 939, aos 45 anos. Ele nunca se casou e não teve filhos, então foi sucedido por seu irmão Edmund. Os vikings rapidamente retomaram o controle de York naquele mesmo ano e o mantiveram até 954.

Além de ser o rei que transformou a Inglaterra em um único país, Athelstan é considerado um excelente administrador, centralizando as funções do governo e deixando para trás muitos textos legais.

Ele também era um homem extremamente piedoso, traduzindo a Bíblia para o inglês e apoiando o crescimento e o desenvolvimento de mosteiros.

Mas, além do nome e da piedade geral, e uma conexão entre Athelstan e o rei Alfredo, é difícil ver muito do caráter de Athelstan que vemos nos vikings neste monarca inglês.

A Evidência Histórica Para a História de Athelstan Dos Vikings

Mas, embora o Athelstan que vemos na série Vikings não possa ser nomeado ou baseado em um personagem específico semelhante a ele, seu personagem soa verdadeiro para o período histórico.

Quando os vikings invadiram, eles não tiveram problemas em invadir igrejas, mosteiros e outros locais religiosos que a comunidade cristã considerava sagrados e intocáveis.

O ataque viking ao mosteiro de Lindisfarne é um verdadeiro evento histórico de 793. Embora não tenha sido o primeiro ataque viking em solo inglês, é frequentemente considerado o início da era viking na Inglaterra, pois atingiu o coração da nação da Nortúmbria em um espaço sagrado.

No entanto, provavelmente não foi Ragnar que conduziu a invasão, já que é um pouco cedo para ele. No entanto, muitos dos monges foram mortos ou levados de volta para o território Viking como escravos.

Era muito comum os vikings levarem homens e mulheres capturados em suas invasões de volta à Escandinávia para trabalhar como escravos, chamados de escravos. Negociar escravos era uma parte importante da economia Viking.

Os escravos que viviam na casa logo se tornariam próximos da família, trabalhando ao lado deles, como vemos Athelstan fazer na série. Existem histórias de Vikings livres morrendo para proteger seus escravos.

Também era bastante comum que os vikings emancipassem seus escravos, como vemos Ragnar fazer com Athelstan na série, exigindo lealdade em troca, que deveria ser mantida por pelo menos duas gerações.

Não é difícil ver por que Athelstan teria sido um escravo valioso para um homem como Ragnar, já que tinha conhecimento íntimo do território que Ragnar planejava invadir. No entanto, Athelstan também tem a vantagem de poder compartilhar essas informações com Ragnar, pois ele fala a língua viking.

Na série Vikings, Athelstan afirma ter aprendido a língua como um missionário, e isso é possível. Os missionários estavam ativos na Escandinávia desde o século 8, embora as conversões fossem poucas até o século 10.

Sabemos que o missionário Willibrord (Vilibrordo) estava ativo na Dinamarca desde 710, onde foi tratado com respeito, mas encontrou poucos conversos. Mais tarde, na década de 820, o monge Ansgário é atestado na Dinamarca durante o reinado de Haroldo Klak. Ele também se concentrou na conversão de comunidades suecas próximas, novamente com pouco sucesso. Mas ele conseguiu criar a primeira capela cristã na Dinamarca, em Hedeby, em 860.

Também se sabe que o cristianismo causou conflito nas comunidades, pois os seguidores da religião nórdica e da nova religião cristã lutaram entre si. Portanto, a reação de Floki e outros personagens à influência cristã de Athelstan também soa verdadeira.

Quando o rei Haroldo da Dinamarca se converteu ao cristianismo, ele enfrentou a oposição de seu filho Sueno Barba-Bifurcada, que, apesar de ter sido batizado com seu pai, se opôs à disseminação do cristianismo.

Quando Sueno chegou ao poder após a morte de seu pai, ele então destruiu igrejas cristãs na Inglaterra quando invadiu lá.

Isso resultou no massacre do Dia de São Brício na sexta-feira, 13 de novembro de 1002, quando o rei Etelredo II ordenou a execução de todos os dinamarqueses que viviam na Inglaterra. Pensa-se que os mais de 30 esqueletos encontrados durante uma escavação em Oxford em 2008 pertencem a este massacre.

Não é exagero imaginar algum cristão vivendo em território viking sendo morto por causa de suas crenças.

Se alguém como Athelstan teria tido um lugar tão privilegiado entre os vikings é questionável, assim como a questão de se ele teria sido capaz de ganhar a confiança de um rei inglês como Egbert, por ter passado tanto tempo com os vikings.

Mas, embora os Vikings celebrem e ofereçam uma visão realista do mundo Viking, seu entretenimento não é um documentário, então você pode esperar muito.

O Que Você Acha?

O que você acha de Athelstan dos Vikings? Você está desapontado por ele não ser uma figura histórica real nomeada nas sagas? Ou você está feliz por ele encarnar uma pessoa que poderia ter vivido na época dos Vikings e refletir o tipo de experiência que essa pessoa pode ter tido?

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem