Geb: O Deus Egípcio da Terra

A maioria das culturas vê a Terra como uma mãe protetora e nutridora. Os egípcios, no entanto, viam o solo sob eles como um pai amplamente desinteressado. Continue lendo para aprender sobre Geb, o deus egípcio da terra!

O Egito Antigo foi uma das poucas culturas que retratou a terra fértil como uma divindade masculina. Em contraste com o arquétipo da Mãe Terra comum em todo o mundo, Geb ou Gebe era o deus masculino da virilidade da terra.

Um dos principais deuses de Heliópolis, Geb representava a própria terra do Egito. Embora às vezes fosse visto apenas como o deus do fértil vale do Nilo, ele tinha um papel mais amplo como o deus de toda a paisagem.

A geografia e cultura únicas do Egito significavam que a Terra era vista como hostil e vivificante. Embora o vale produzisse comida suficiente para alimentar um império, foi abordado por um árido deserto que estava associado à morte.

A visão egípcia do deus da terra era, portanto, complexa. Embora Geb fosse uma fonte poderosa de autoridade e vida, ele também era um deus desinteressado que poderia destruir um reino poderoso sem pensar.

Geb: O Deus Egípcio da Terra

Geb e a Terra Fértil

Ao longo dos milhares de anos em que sua cultura floresceu, a mitologia egípcia antiga frequentemente incluía diferentes lendas, deuses e interpretações do mundo.

Muitos dos mitos mais conhecidos vieram de Heliópolis, uma importante cidade antiga no local do Cairo dos dias modernos. Na antiguidade, Heliópolis foi um centro de poder político e religioso em diferentes pontos de sua história.

Na mitologia de Heliópolis, um grupo de nove divindades chamadas Enéade eram os seres supremos. Eles foram os criadores do mundo e de tudo que vivia nele, incluindo a humanidade, e foram os primeiros governantes do Egito.

De acordo com o mito da criação de Heliópolis, um deus andrógino chamado Atum emergiu das águas primordiais. Ele criou Shu ou Chu, o deus do ar, e Tefnut ou  Tefnet, a deusa da umidade.

Shu e Tefnut também tiveram dois filhos. Geb e sua irmã Nut nasceram entrelaçados e resistiram a todos os esforços para separá-los.

Geb era o deus da terra e Nut era a deusa do céu. Juntos, eles eram forças poderosas da criação.

Geb e Nut logo tiveram quatro filhos. Osíris, Set, Isis e Nephthys eram seus filhos e filhas.

Eventualmente, Shu foi capaz de separar seu filho e sua filha. Ele se colocou entre eles, e é por isso que o ar preenche o espaço entre a terra e o céu.

Geb era frequentemente mostrado com seu pai e sua irmã na arte. Ele foi retratado como uma figura masculina relaxada com sua irmã coberta de estrelas arqueada acima dele e seu pai os mantendo separados.

Nessas imagens, Geb geralmente tem pele verde escura. Ele é a representação física da terra fértil do Vale do Nilo.

Originalmente, porém, Geb representava o árido deserto e também a terra arável do Egito. Enquanto mitos posteriores diziam que ele criou o deserto como uma barreira para manter o Egito seguro, lendas anteriores às vezes afirmavam que ele próprio estava conectado aos perigos.

Nessa tradição, Geb é conhecido como o pai das serpentes e também dos deuses. Ele às vezes é mostrado com um corpo humano e a cabeça de serpente para representar essa conexão.

Mais frequentemente, no entanto, Geb era visto como uma representação da fertilidade da terra. A cevada cresceu de suas costelas, estendendo-se para cima em direção sua cabeça.

Como deus da terra fértil, os egípcios acreditavam que ele representava especificamente as terras em que viviam. O papel de Geb como deus do Vale do Nilo foi mostrado na forma como ele se dividiu entre seus herdeiros.

Após a morte de Osíris, Hórus e Set discutiram sobre quem herdaria seu trono. Enquanto algumas lendas diziam que Hórus derrotou Set imediatamente, outras disseram que Geb interveio e dividiu o Alto e o Baixo Egito entre os dois deuses.

O Egito como um todo às vezes era chamado de Casa de Geb em reconhecimento tanto de sua posição como a própria terra quanto como o originador da realeza.

Interpretação Moderna

O Egito foi uma das poucas sociedades antigas a imaginar a Terra em uma forma masculina.

Na maioria das vezes, a terra era vista como feminina. As coisas que cresceram a partir dela foram comparadas a uma criança crescendo dentro de sua mãe, e os aspectos nutritivos dos produtos da terra também os ligavam à maternidade.

Geb, no entanto, representou uma reversão desse arquétipo padrão. Isso pode ser porque ele era visto como uma figura ativa em muitos mais aspectos da terra do que a deusa-mãe tradicional.

Embora ele alimentasse o povo do Egito e usasse a terra para mantê-los seguros, Geb não era necessariamente uma divindade protetora e nutridora. Muitos dos desastres naturais atribuídos a deuses secundários em outras religiões foram o resultado das ações de Geb aos egípcios.

Sua risada, por exemplo, produzia terremotos. Ele poderia causar secas à vontade, limitando sua própria natureza vegetal.

Essas ações não foram resultado de malícia ou raiva, como às vezes eram retratadas em outras tradições. Em vez disso, Geb causou esses eventos porque tinha pouco interesse direto nos assuntos da humanidade.

Terremotos, secas e outros desastres na terra não eram devido ao descontentamento de Geb, na verdade, os terremotos ocorriam quando ele estava mais feliz, mas porque as pessoas afetadas por tais eventos estavam simplesmente abaixo de sua atenção.

Esse desinteresse é provavelmente o motivo pelo qual Geb nunca teve um templo dedicado em sua homenagem em Heliópolis. Embora ele fosse um dos deuses importantes da Enéade, as pessoas acreditavam que não havia razão para apelar diretamente a ele, porque ele se preocupava muito pouco com elas.

Além de representar alguns de seus perigos, Geb também representava a própria paisagem da terra. Ao contrário de algumas outras divindades da terra, Geb formou a forma da terra em vez de suas características serem adicionadas a ele por outros meios.

Na mitologia grega, por exemplo, muitas montanhas foram formadas quando os deuses atiraram pedras em seus inimigos ou os aprisionaram sob a superfície de Gaia. Eles não eram uma parte de seu ser, mas adicionados à sua forma.

Geb, no entanto, personificou a paisagem, bem como a fertilidade da terra. Ele se reclinou com um joelho dobrado e membros estendidos que criaram as montanhas, colinas, vales e outras características da terra.

Também como a personificação da paisagem do deserto, Geb estava associado à morte tanto quanto à vida.

Os corpos dos mortos não eram enterrados no solo fértil para renová-lo mais tarde, como eram na maioria das outras culturas. Em vez disso, os egípcios enterravam seus mortos no árido deserto, onde permaneceriam por toda a eternidade.

Geb mantinha aqueles mortos dentro de si indefinidamente. Em algumas tradições, ele era visto como um psicopompo que ajudava a guiar as almas dessas pessoas mortas até seu destino final.

Para alcançar a vida após a morte, no entanto, os egípcios acreditavam que o corpo deveria permanecer intacto. Embora o deserto contivesse corpos, também poderia descobri-los.

Areias movediças e atividade sísmica podem desenterrar corpos no deserto. Conhecido como “Geb abrindo as mandíbulas”, a exposição de um corpo pode ser vista como um sinal de que o morto foi julgado indigno.

Geb também pode aprisionar as almas dos mortos dentro de si e se recusar a permitir que eles sigam em frente. Esta punição era um dos poderes mais temidos do deus.

Como Geb desempenhava tantos papéis, ele não se encaixava no molde da divindade da fertilidade que personificava a terra em muitas outras culturas. Embora representasse a terra fértil, Geb também representava a realeza, o país, a morte e os desastres naturais.

Resumindo

Na mitologia egípcia, Geb era o deus da terra. Sua crença girava em torno de Heliópolis, onde ele fazia parte do deus criador Enéade.

Geb e sua irmã, a deusa do céu Nut, eram filhos do deus primordial do ar e sua consorte. Fortemente atraídos um pelo outro, eles tiveram quatro filhos antes que seu pai pudesse se colocar entre eles.

O filho de Geb, Osíris, se tornou o primeiro rei da terra que seu pai personificou. O Egito era a Casa de Geb, e os reis lembravam de sua ancestralidade em seu governo.

Enquanto a pele verde e coberta de grãos de Geb o marcava como um deus da fertilidade da terra, os egípcios acreditavam que ele desempenhava muitos outros papéis.

Ele representava toda a paisagem. Os contornos de seu corpo criaram as montanhas e vales da terra.

Ele poderia criar desastres sem pensar em como eles afetariam a humanidade. Terremotos, por exemplo, eram causados ​​por suas risadas.

Geb também era o deserto, um lugar cruel que mantinha os mortos do Egito. Ele poderia abraçar, prender ou expulsar cadáveres.

Embora fosse um deus importante no pensamento egípcio, Geb não tinha templo próprio ou culto importante. Ao contrário do arquétipo da Mãe Terra, ele era visto como tão desinteressado e não afetado pela raça humana que eles viam pouco sentido em apelar para ele até depois da morte.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem