Aquiles [Guerra de Tróia] Foi Uma Pessoa Real?

Os heróis da Guerra de Tróia foram alguns dos homens mais idealizados da mitologia grega. Existe uma chance de que heróis como Aquiles fossem pessoas reais?

Os eventos e personagens da Guerra de Tróia são tão lendários que é quase impossível acreditar que haja alguma verdade neles.

A própria guerra estava em uma escala além de qualquer coisa conhecida do mundo antigo. Segundo a Ilíada, duzentos mil gregos partiram para Tróia e participaram de um cerco que durou dez anos completos.

As façanhas de homens individuais na história são igualmente inacreditáveis. Os descendentes dos deuses, os heróis da Guerra de Tróia realizaram feitos quase sobrenaturais de força, coragem e resistência.

Talvez nenhum herói da Guerra de Tróia se destaque tanto quanto Aquiles. O principal dos lutadores gregos, ele era tão imbatível na batalha que se dizia que seu corpo era quase totalmente impermeável a lesões.

Durante séculos, assumiu-se que tal personagem, como a guerra em que lutou, era inteiramente produto de lendas. Estudos mais recentes mostraram, no entanto, que pode haver um pouco de verdade na história de Aquiles e seu papel na Guerra de Tróia.

Aquiles [Guerra de Tróia] Foi Uma Pessoa Real?

Aquiles na Guerra de Tróia

Aquiles era conhecido como um dos maiores heróis da Guerra de Tróia. Apresentado pela primeira vez na Ilíada de Homero, ele se tornou um personagem favorito de escritores e artistas posteriores.

Na mitologia, Aquiles era um semideus. Sua mãe Tétis era uma ninfa nereida que havia se casado com Peleu, rei de  Phthia ou Ftia.

Embora a Ilíada não faça menção a Aquiles ter qualquer tipo de invulnerabilidade sobrenatural, histórias posteriores afirmaram que Tétis tentou tornar seu filho imortal. Dependendo da fonte, ela o mergulhou no rio Styx ou o segurou sobre o fogo para queimar sua essência mortal.

Ela foi interrompida, no entanto, pelo marido que temia que ela estivesse prejudicando seu filho. Sua tarefa ficou inacabada e Aquiles ficou com a fraqueza humana no calcanhar pelo qual ela o segurou.

O que Homero deixou claro, no entanto, foi que Tétis e seu filho sabiam que ele estava destinado a morrer ainda jovem. Tétis foi informada por um oráculo que Aquiles teria a escolha entre uma vida longa, mas normal, ou curta e gloriosa.

Embora Tétis tentasse protegê-lo de ir à guerra, Aquiles escolheu o caminho da glória. Ele navegou para Tróia com uma companhia de 2.500 guerreiros mirmidões ou mirmídones.

Segundo Homero, Aquiles se destacou durante a longa guerra de dez anos. Aquiles liderou as forças gregas com o objetivo de manter sua própria honra.

Quando essa honra foi violada por Agamenon, que roubou prêmios de guerra que Aquiles acreditava que deveriam ser seus, o herói decidiu abandonar inteiramente o esforço de guerra. Ele não lutaria se não lhe fosse oferecida a glória que ele ganhou.

Convencido de que a ausência de Aquiles ajudaria a causa troiana, seu companheiro mais próximo, Pátroclo, roubou sua armadura e tomou seu lugar no campo de batalha. Pátroclo foi morto no lugar de Aquiles, e o herói voltou à luta com um renovado senso de propósito.

Aquiles não lutou mais apenas por seu próprio senso de glória, mas também para vingar a morte de seu amigo. Sua raiva era tão grande que Zeus temia que, se não fosse controlado, anularia o próprio destino.

Aquiles atravessou dezenas de combatentes troianos antes de finalmente derrotar Heitor, o homem que matou Pátroclo. Aquiles desonrou o príncipe troiano arrastando seu corpo atrás de sua carruagem para zombar de seus compatriotas dentro das muralhas de Tróia.

A Ilíada termina com Aquiles concordando com uma curta trégua para que os troianos possam enterrar o corpo de Heitor com dignidade, mas trabalhos posteriores continuaram sua história.

Na Ilíada, as últimas palavras de Heitor foram uma previsão de que Aquiles morreria no final da guerra. Ele seria atingido com uma flecha por Páris.

Escritores posteriores expandiram essa parte da história. Em histórias expandidas da Guerra de Tróia, Aquiles morreu durante o saque final da cidade.

A maioria dos escritores dizem que ele foi baleado com uma flecha envenenada, geralmente por trás. Isso negou a Páris qualquer honra ou glória, pois ele não derrotou Aquiles em combate.

Depois que a história de seu calcanhar vulnerável se desenvolveu, os escritores afirmam que foi ai que ele foi baleado. Isso fez com que sua morte fosse predestinada e resultado de sorte acidental por parte de Páris.

A maioria dos escritores também concordou que Aquiles recebeu grande honra após a morte. Seus ossos foram misturados com os de Pátroclo e enterrados com grande respeito e cerimônia.

Embora os leitores modernos possam ver Aquiles como arrogante, os gregos acreditavam que ele representava um ideal para guerreiros e líderes. Seu foco em honra e glória foi visto como louvável e justificado, enquanto sua fúria pela morte de seu companheiro sintetizava o vínculo entre os soldados.

Interpretação Moderna

Os personagens e eventos da Guerra de Tróia há muito são considerados inteiramente míticos. Ao longo do último século, no entanto, uma quantidade crescente de evidências surgiu para desafiar essa suposição.

No século 19, as ruínas de uma cidade da Idade do Bronze tardia foram descobertas no que hoje é a Turquia. A localização e as características desta cidade correspondiam à descrição de Homero da cidade de Tróia.

Os historiadores geralmente acreditam que Homero escreveu por volta do ano 700 aC. Com base em sua linha do tempo de eventos, isso significaria que a Guerra de Tróia foi travada em aproximadamente 1200 aC.

O sítio arqueológico de Tróia mostra sinais de destruição da mesma época. Isso confirma para muitos que houve uma grande guerra travada naquele local perto da época da lendária Guerra de Tróia.

O local também produziu artefatos que mostram ter sido uma cidade próspera e bem defendida na época. Artefatos micênicos de Tróia mostram que as pessoas de lá estavam em contato próximo com seus vizinhos gregos, tornando ainda mais provável um conflito entre os dois.

Além disso, arqueólogos que trabalham em outros lugares do Mediterrâneo descobriram evidências de que outros locais mencionados por Homero eram habitados na época. A cidade de Micenas, por exemplo, foi descoberta com muitos artefatos do final da Idade do Bronze.

A própria cidade de Aquiles, Phthia, foi por muito tempo considerada mítica também. Trabalhando perto de onde se dizia, no entanto, os arqueólogos descobriram assentamentos anteriormente desconhecidos da mesma época.

Todas essas descobertas parecem indicar que o relato de Homero sobre a Guerra de Tróia não foi inteiramente baseado na ficção. Os lugares associados à Ilíada e possivelmente ao próprio conflito já provaram ter existido cerca de 500 anos antes da época de Homero.

A questão ainda permanece, no entanto, se algum dos personagens específicos que Homero mencionou era real. Aquiles e os outros heróis podem ainda ter sido produtos da imaginação do escritor.

Os historiadores acreditam, no entanto, que alguns outros heróis lendários podem ter tido raízes de fato.

Hércules, por exemplo, teve muitas aventuras que desafiaram a crença racional. Despojados de seus elementos mais fantásticos, no entanto, eles parecem ser as histórias de um caçador habilidoso cujas façanhas se tornaram cada vez mais lendárias à medida que eram recontadas.

Nos cinco séculos em que as histórias da Guerra de Tróia teriam sido recontadas antes de chegarem a Homero, é inteiramente possível que o mesmo processo tenha ocorrido.

Quando os elementos obviamente míticos da lenda de Aquiles, como sua mãe divina e a armadura que ele usava, feita pelos deuses, são removidos, ele se torna uma figura muito mais realista. Sem esses elementos da mitologia, Aquiles é um habilidoso lutador e invasor que busca a glória na batalha.

Tal personagem não é de todo implausível no mundo real. Também é fácil ver como a lenda de um lutador particularmente valente e bem-sucedido poderia crescer até atingir um status quase divino.

Homero creditou a Aquiles, por exemplo, a invasão de vinte e três cidades ao longo da guerra. Assim como a duração do cerco e o tamanho da frota grega, isso provavelmente foi um exagero de uma figura original que era impressionante, mas mais realista.

Com base no que foi descoberto sobre a história da Grécia e Tróia no final da Idade do Bronze, parece cada vez mais plausível que Aquiles e outros heróis da Guerra de Tróia possam ter sido baseados nas lendas que foram transmitidas de verdadeiros guerreiros do século XIII BC.

Resumindo

Como a maioria dos aspectos da Guerra de Tróia, o personagem de Aquiles há muito é considerado inteiramente mítico. Personagem principal na Ilíada e nas palavras posteriores sobre a guerra, Aquiles era visto como uma representação idealizada de glória e honra na batalha, mas não como uma figura histórica.

Ao longo dos últimos cem anos, no entanto, a arqueologia interrompeu crenças de longa data sobre a história da Idade do Bronze.

O sítio de Tróia foi descoberto no século XIX. Desde então, muitas outras descobertas confirmaram a existência de muitos lugares descritos por Homero.

Alguns, como Troia, até mostram possíveis evidências físicas da suposta época da Guerra de Tróia que podem confirmar partes da história. Artefatos gregos e danos aos edifícios da cidade em Tróia, por exemplo, mostram tanto que os gregos estavam presentes lá quanto que a cidade foi atacada por volta da época da guerra de Homero.

Essa evidência levou os historiadores a investigar as crenças anteriormente mantidas não apenas sobre a guerra, mas também sobre as pessoas que lutaram nela.

Muitos historiadores agora acreditam que figuras como Aquiles podem ter sido baseadas em pessoas reais. O habilidoso invasor que lutou pela glória pode ter sido uma pessoa real cuja lenda se expandiu até atingir um status quase divino.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem