Quem São os Sete Deuses Japoneses da Boa Sorte?

Um grupo de sete deuses japoneses populares, o Shichi Fukujin está associado à boa sorte e felicidade. O grupo consiste em Benzaiten, Bishamon, Daikoku, Ebisu, Fukurokyu, Hotei e Jurōjin.

Eles são de origem diversa, misturando crenças xintoístas e budistas e têm raízes nas tradições taoísta e hindu. Dos sete, apenas Daikoku e Ebisu eram originalmente divindades xintoístas.

Viajando juntos no barco dos tesouros Takarabune, os Shichifukujin navegam pelos céus e para portos humanos durante os primeiros dias do Ano Novo trazendo consigo tesouros.

Os tesouros incluem:

  • A chave mágica para o depósito dos deuses
  • Uma capa de chuva que oferece proteção contra espíritos malignos
  • O martelo que traz uma chuva de moedas de ouro
  • A bolsa que nunca esvazia de moedas
  • Rolos de pano caro
  • Caixas de moedas de ouro
  • Joias preciosas e moedas de cobre
  • O chapéu da invisibilidade

A primeira menção dos sete deuses como um grupo foi em 1420 em Fushimi.

Desde o final da Idade Média, os Shichifukujin são adorados no Japão, especialmente durante a primeira parte do ano novo. Cada deus geralmente representa boa sorte, mas também carrega certas características e associações. Às vezes, os papéis de um deus se sobrepõem aos dos outros, levando à confusão sobre qual deus é o patrono de uma determinada profissão.

Quem São os Sete Deuses Japoneses da Boa Sorte?

Sete Deuses Japoneses da Sorte

1 - Benzaiten ou Benten – A Deusa da Música, Artes e Fertilidade

O único membro feminino do Shichifukujin, Benten é amplamente adorada no Japão. Na verdade, ela é uma das divindades mais populares lá. Ela é a patrona de pessoas criativas, como escritores, músicos, artistas e gueixas. Ela às vezes é chamada de “Benzaiten”, que significa a divindade do talento e da eloquência.

A deusa é comumente retratada carregando um biwa, um instrumento tradicional semelhante ao alaúde, e acompanhada por uma cobra branca que serve como sua mensageira. No entanto, ela aparece em muitas formas. Em alguns, ela é retratada como uma bela mulher tocando música. Em outros, ela é uma mulher monstruosa de oito braços segurando armas. Ela também às vezes é mostrada como uma cobra com três cabeças.

Originária da tradição budista, Benten é identificado com a deusa indiana do rio Sarasvati, que provavelmente se tornou conhecida no Japão junto com o budismo em meados do século VII. Em algumas tradições, ela é a personificação do rio que flui do Monte Meru, a residência do Buda. Ela também está associada ao mar, e muitos de seus santuários estão localizados perto dele, incluindo o famoso santuário “flutuante” de Itsukushima.

Em uma lenda, Benten uma vez desceu à terra para lutar com um dragão que devorava crianças. Para pôr fim à sua devastação, ela se casou com ele. É por isso que ela às vezes é retratada montando um dragão. Seus avatares e mensageiros são serpentes e dragões.

2 - Bishamon – O Deus dos Guerreiros e da Fortuna

O deus guerreiro do Shichifukujin, Bishamon às vezes é chamado de Bishamonten, Tamon ou Tamon-ten. Ele não é visto como um Buda, mas como um deva (semideus). Ele é o patrono dos combatentes e protetor dos locais sagrados, e muitas vezes é retratado vestindo uma armadura chinesa, parecendo feroz e carregando uma lança e um pagode. Em muitas imagens, Bishamon é retratado pisoteando demônios. Isso simboliza sua conquista do mal, especificamente, os inimigos do budismo. Como um protetor contra o mal, ele é frequentemente mostrado em pé sobre demônios mortos com uma roda ou anel de fogo em volta da cabeça, parecendo uma auréola. Sua principal característica de identificação, porém, é uma estupa.

Originalmente um deus do panteão hindu, a ideia de Bishamon foi trazida para o Japão da China. Na China antiga, ele estava associado à centopeia, que também pode estar ligada à riqueza, antídotos mágicos e proteção.

Na mitologia budista japonesa, cada uma das quatro direções da bússola tem seu próprio guardião — e Bishamon é o guardião do norte, identificado com Vaiśravaa, ou Cubera ou Cuvera. Na tradição budista, o Norte deveria ser a terra dos tesouros guardados pelos espíritos.

Como um protetor da Lei Budista (dharma), Bishamon distribui riqueza para todos que seguem a lei. Ele protege os lugares sagrados onde o Buda deu seus ensinamentos. Dizem que ele ajudou o regente japonês Shōtoku Taishi em sua guerra para estabelecer o budismo na corte imperial. Mais tarde, o templo da cidade de Shigi foi dedicado ao deus.

Em um ponto da história, ele foi retratado com uma esposa, Kichijōten, a deusa da beleza e da fortuna, mas ela foi amplamente esquecida no Japão.

3 - Daikoku – O Deus da Riqueza e do Comércio

O líder do Shichifukujin, Daikoku é o patrono dos banqueiros, comerciantes, agricultores e cozinheiros. Às vezes chamado de Daikokuten, o deus é comumente representado usando um chapéu e carregando um martelo de madeira, que traz uma chuva de moedas de ouro chamadas ryō. Este último é um símbolo do trabalho árduo necessário para se tornar rico. Ele também carrega uma bolsa que contém coisas preciosas e fica em sacos de arroz.

Associado à divindade indiana Mahākāla ou Maacala, acredita-se que Daikoku tenha se originado do budismo. Membros da seita budista Tendai até o adoram como o protetor de seus mosteiros. Na adoração xintoísta, ele é identificado com Ōkuninushi ou Daikoku-Sama, o kami de Izumo, provavelmente porque seus nomes são semelhantes. Amigo das crianças, ele também é chamado de Grande Negro.

Uma vez que Mahākāla foi aceito na mitologia japonesa, sua imagem se transformou de Mahākāla em Daikoku, e ficou conhecido como uma figura jovial e gentil que espalhava riqueza e fertilidade. Imagens anteriores dele mostram seu lado mais sombrio e irado, enquanto as obras de arte posteriores o mostram feliz, gordo e sorridente.

Acredita-se que colocar uma foto de Daikoku em uma cozinha traz prosperidade e boa sorte, garantindo que sempre haverá alimentos nutritivos para comer. Não admira que o daikokubashira, o principal pilar de uma casa tradicional japonesa, tenha o seu nome. Pequenas figuras de Daikoku podem ser encontradas em muitas lojas em todo o país. Uma das maneiras que ele é adorado no Japão hoje é derramando água de arroz sobre as estátuas dele.

4 - Ebisu - O Deus do Trabalho

Filho de Daikoku, Ebisu é o patrono dos pescadores e comerciantes. Simbolizando a riqueza do mar, ele é comumente retratado como sorridente, feliz e gordo, vestido com roupas tradicionais do período Heian, carregando uma vara de pescar e um grande peixe - chamado tai ou sargo. Ele é dito ser surdo e parcialmente aleijado. Sua adoração era mais importante na região costeira perto de Osaka. Como um dos Shichifukujin, ele ajuda os comerciantes a encontrar e acumular riqueza. Sem surpresa, no Japão hoje ele é popular entre restaurantes e pescarias.

Ebisu é o único dos sete deuses puramente de origem japonesa. Ele está associado a Hiruko, o filho primogênito do casal criador Izanami e Izanagi. Às vezes, ele está ligado ao xintoísmo kami Sukunabikona, que aparece como um viajante errante que proporciona boa sorte quando tratado com hospitalidade. Em algumas histórias, ele também é associado a Kotoshironushi, filho do herói mitológico Ōkuninushi.

Em uma lenda, Ebisu flutua de um lugar para outro, muitas vezes ao longo das margens do Mar Interior de Seto. Se um pescador o pega em uma rede, ele se transforma em uma pedra. Se a pedra é adorada e recebe oferendas de peixes e bebidas, ela fornece bênçãos ao dono. O deus também está associado às baleias, pois ele vem trazer recompensas e depois sai novamente para voltar às profundezas do mar.

5 - Fukurokuju – O Deus da Sabedoria e Longevidade

O patrono dos jogadores de xadrez, Fukurokuju é o deus da sabedoria. Seu nome é derivado dos termos japoneses fuku, roku e ju, que literalmente significam felicidade, riqueza e longevidade. Ele geralmente é retratado como uma divindade divertida, muitas vezes com outros Shichifukujin como Ebisu, Hotei e Jurōjin.

Vestido com vestes chinesas, acredita-se que Fukurokuju seja baseado em um verdadeiro sábio taoísta chinês. Ele é retratado como um velho de testa alta, quase do tamanho do resto do corpo, que os taoístas consideram um sinal de inteligência e imortalidade. Ele é o único deus japonês creditado com a capacidade de ressuscitar os mortos. Ele é frequentemente acompanhado por um cervo, garça ou tartaruga, que também simbolizam vida longa. Ele carrega uma bengala em uma mão e um pergaminho na outra. No rolo estão escritos sobre a sabedoria do mundo.

6 - Hotei – O Deus da Fortuna e do Contentamento

Um dos mais populares dos Shichifukujin, Hotei é o patrono das crianças e dos barmen. Ele é retratado como um homem gordo com uma barriga grande, carregando um grande leque chinês e uma bolsa de pano cheia de tesouros. Seu nome pode ser traduzido literalmente como saco de pano.

Como um deus da felicidade e do riso, Hotei tornou-se o modelo para o típico Buda risonho chinês. Alguns até acreditam que ele é uma encarnação de Amida Niorai, o Buda da Luz Ilimitada, pois está mais preocupado em dar e não exige muito.

Algumas tradições também associam Hotei ao benevolente monge chinês chamado Budai, que se tornou a encarnação do Bodhisattva Maitreya ou Maitria, o futuro Buda. Assim como Hotei, ele carregava todos os seus pertences em um saco de juta. Alguns também consideram Hotei como o deus da economia e da filantropia.

7 - Jurōjin - O Deus da Longevidade

Outro deus da longa vida e da velhice, Jurōjin é o patrono dos idosos. Ele é frequentemente retratado como um homem velho com barba branca, carregando um cajado com um pergaminho preso. Diz-se que o rolo traz o segredo da vida eterna. Muitas vezes confundido com Fukurokuju, Jurōjin é retratado usando um cocar de estudioso e tem uma expressão séria o tempo todo.

Perguntas Frequentes Sobre os Sete Deuses da Sorte

Por que existem apenas 7 deuses da sorte?

O mundo sempre admirou o número 7. Existem sete maravilhas do mundo e sete pecados capitais. Sete é considerado um número de sorte em muitos lugares. Os japoneses não são exceção.

Ebisu ainda é popular no Japão?

Sim, existe até um tipo de cerveja com o nome dele com uma foto de seu rosto feliz na lata!

Todos os 7 deuses japoneses sortudos são do sexo masculino?

Não. Há uma divindade feminina entre eles – Benzaiten. Ela é a deusa de tudo que flui, como água, música, tempo e palavras.

O que significa o nome de Fukurokuju?

Seu nome vem dos símbolos japoneses para várias coisas positivas – fuku que significa “felicidade”, roku, que significa “riqueza”, e ju que significa “longevidade”.

Posso comprar enfeites desses deuses para minha casa para atrair boa sorte?

Absolutamente. Esses ícones estão disponíveis em muitos sites online, como este grupo de estatuetas de vidro. No Japão, você os encontra nos mercados e barracas de rua por preços bem acessíveis.

Resumindo

Os Shichifukujin são os sete deuses japoneses da boa sorte que dizem trazer sorte e prosperidade. Muitos são adorados em torno do Ano Novo no Japão. Em todo o país, você verá pinturas e esculturas deles em templos, bem como talismãs em restaurantes, bares e lojas.

Como se acredita que dão boa sorte, é tradicional dormir com uma foto deles embaixo do travesseiro para obter um pouco da prosperidade que representam.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem