Forseti: O Deus Nórdico da Justiça, meditação e conhecimento

Forseti é geralmente chamado de deus da lei e da justiça na mitologia Nórdica. Entretanto, existe alguma verdade nesta interpretação?

Como poucas fontes escritas sobreviveram dessa época, muito de nossa compreensão da mitologia nórdica vem de apenas algumas histórias. Existem deuses e eventos que são mencionados apenas algumas vezes, então pouco se sabe realmente sobre eles.

Um deles é Forseti, cujo nome aparece apenas duas vezes em fontes em língua nórdica. Ele não tem mitos próprios e não desempenha um papel ativo em nenhuma história.

A interpretação de Forseti como um deus da lei vem em grande parte das raízes linguísticas de seu nome como uma única linha da Edda Poética. Outras explicações, no entanto, tornam provável que Forseti não fosse um deus nórdico.

Forseti: O Deus Nórdico da Justiça, meditação e conhecimento

As Duas Menções de Forseti

Infelizmente para os leitores modernos, Forseti é mencionado apenas duas vezes nas fontes nórdicas antigas.

A primeira menção do deus está na Edda Poética. Esta é apenas uma breve aparição, no entanto.

Embora as histórias da Edda Poética tenham sido compiladas de várias fontes originais, Grímnismál é frequentemente considerado uma das mais antigas. Pensa-se que foi escrito pela primeira vez no século 10, embora alguns historiadores acreditem que algumas seções foram adicionadas duzentos ou trezentos anos depois.

Este poema é a única referência escrita a Forseti que pode ser da Era Viking.

Em uma lista dos salões em que os deuses viviam, a décima quinta estrofe diz que Forseti mora em um lugar magnífico chamado Glitnir. Significando “resplandecente”, o nome parece adequado, pois o poema descreve os pilares de ouro e prata sobre os quais o salão foi construído.

A Edda Poética prossegue dizendo que Forseti passa quase todos os dias em Glitnir. Lá, ele acalma todas as contendas.

A segunda referência remanescente a Forseti é mais informativa, mas muitos historiadores também a consideram mais problemática.

A Edda em Prosa de Snorri Sturluson é uma das obras mais completas e abrangentes da literatura nórdica antiga, particularmente da mitologia. Infelizmente, porém, ele não foi escrito até uma data posterior, portanto, algumas de suas histórias foram questionadas.

Forseti é mencionado na Edda em Prosa, embora ainda não desempenhe um papel importante em nenhum dos mitos.

Snorri Sturluson diz que Forseti é filho de Baldur e sua esposa, Nana. Não dá nenhuma outra informação sobre ele, no entanto.

A única outra referência possível ao deus vem de um escritor inglês. Alcuíno de Iorque foi um estudioso do século 8 que foi um dos principais teólogos e professores da corte de Carlos Magno.

Em seu relato da vida de São Willibrord, Alcuíno descreve o homem santo visitando um lugar que pode ter sido ligado ao culto de Forseti.

Em uma ilha entre a Dinamarca e a Frísia, São Willibrord conheceu pessoas que coletavam água de uma fonte sagrada. Eles fizeram isso em silêncio, afirma Alcuíno, por respeito a seu deus.

Alcuíno chama a ilha de Fositesland e diz que recebeu o nome do deus da primavera. Tanto a localização quanto os nomes semelhantes sugerem que o deus mencionado pode ter sido uma versão de Forseti.

Com um conhecimento tão escasso da existência do deus, há muito pouco para os historiadores fazerem afirmações sobre quais domínios Forseti pode ter governado. Algumas teorias, entretanto, foram amplamente aceitas.

Interpretação Moderna

A primeira pista para interpretar o papel de Forseti no panteão nórdico está em seu nome.

Forseti é um nome em nórdico antigo que pode ser traduzido como "o presidente". Em islandês e feroês modernos, as línguas mais estreitamente relacionadas com a da Era Viking, ainda é usado para significar "presidente".

Isso, combinado com a descrição da Edda Poética de Forseti como aquele que põe fim à contenda, levou a maioria dos historiadores a descrevê-lo como um deus da justiça.

Embora as representações populares enfoquem a força e a agressão dos líderes da Era Viking, seu conceito de lei também desempenhou um papel importante em seus assuntos políticos. Alguns historiadores acreditam que Forseti pode ter sido visto como a contraparte divina de uma posição política importante.

Durante a Era Viking, o povo da Escandinávia desenvolveu um tipo de governo democrático. Homens livres se reuniram no Þing para resolver disputas e emendar suas leis.

Como muitas formas anteriores de governo participativo, membros de baixo escalão da sociedade e mulheres não foram autorizados a participar da Þing. As mulheres parecem ter sido aceitas em alguns casos, entretanto, quando atuaram como representantes de parentes do sexo masculino que não puderam comparecer à assembleia.

Embora a documentação de como o Þing era executado seja rara, e é provável que diferentes regiões tivessem suas próprias regras e rituais, um logogumadr, ou “orador da lei”, frequentemente presidia o evento. Como chefe cerimonial do Þing, era seu trabalho mediar e talvez declarar o julgamento final.

Forseti pode ter sido uma forma divina de orador da lei. Seu papel era similar ao de supervisionar a lei, mediando disputas e encerrando as divergências.

Também pode ser por isso que ele estava conectado a Baldur.

Snorri Sturluson descreveu Forseti como o filho do deus amado, embora alguns estudiosos tenham dúvidas sobre essa relação.

A Edda em Prosa frequentemente esclarece e simplifica eventos e relacionamentos entre os deuses para criar uma história mais coesa, levando alguns a pensar que o relacionamento familiar pode ter sido inventado para fins de organização e não como parte de uma tradição mais antiga.

Ainda assim, Sturluson não fez a conexão arbitrariamente. Na Edda Poética, a casa de Forseti é descrita como reluzente de uma forma que também costuma estar ligada a Baldur.

A descrição do século 8 de Fositesland, no entanto, coloca muito disso em dúvida.

A ilha é geralmente identificada como Helgoland ou Heligolândia moderna, um arquipélago que agora faz parte da Alemanha. Seu nome vem de uma palavra para “santo”, provavelmente refletindo uma associação antiga com um deus importante.

A população de Helgoland permanece etnicamente frísia, levando o nome de uma antiga tribo descrita em relatos romanos. Por volta do século 8, os descendentes desta antiga tribo germânica se casaram com anglos e saxões que colonizaram a área.

Os frísios, portanto, tinham uma cultura e religião relacionadas, mas não idênticas, às do povo nórdico que vivia nas proximidades. O nome de Fositesland indica que seu deus local provavelmente era relacionado a Forseti, mas é incerto.

As diferenças entre seus nomes podem ser menores, mas para os linguistas, eles podem indicar uma mudança radical no significado.

O nome Fosite pode ter sido uma variação local ou mesmo um erro de transcrição. Mas se o deus frísio era o mesmo que o nórdico, isso também poderia significar que a tradução comum de seu nome é inexata.

Alguns estudiosos apontaram para a importância da primavera na história de Fositesland como uma possível alternativa para as origens do deus. Eles acreditam que Forseti é um nome posterior, provavelmente baseado na etimologia popular com a palavra forseti, e que Fosite originalmente tinha um significado diferente.

Linguisticamente, o nome pode estar relacionado ao de Poseidon. Ele foi trazido para a área por comerciantes gregos, que são conhecidos por terem visitado a área já em 325 aC, como um deus da água.

Com o tempo, o contato com os frísios introduziu o personagem na mitologia nórdica. As semelhanças entre seu nome e as palavras relacionadas à lei em sua língua deram-lhe atributos adicionais que o levaram a ser visto como um deus da justiça.

Isso explicaria por que Forseti não aparece em mitos narrativos ou, fora da menção posterior de Sturluson, tem uma forte conexão com os outros deuses. Porque ele não era um deus nórdico nativo, não existiam histórias mais antigas sobre ele.

Uma origem externa também poderia explicar por que não há menção de Forseti nas fontes romanas.

Embora os romanos não tivessem contato direto com os nórdicos, eles tinham contato com os frísios. Embora Saxo Germanicus tenha documentado outros deuses dos frísios com alguns detalhes, ele nunca mencionou nenhum com o nome de Forseti ou Fosite.

Alguns historiadores acreditam que o culto ao deus pode ter sido local de Helgoland e se espalhou apenas para o norte, em direção à Escandinávia e fora da esfera de influência romana. Em vez de ser um conhecido deus frísio, a adoração de Fosite se limitava às ilhas que, devido à sua proximidade com a Dinamarca, também estavam em contato mais próximo com o que se tornaria a cultura nórdica.

Resumindo

O deus Forseti é mencionado apenas em duas fontes nórdicas antigas.

A Edda Poética descreve seu salão coberto de ouro e diz que ele põe fim à discórdia. A Edda em Prosa o nomeia filho de Baldur, embora os historiadores duvidem se essa era uma crença amplamente difundida ou uma invenção do autor.

Como seu nome está relacionado com a palavra nórdica para presidente, ele é frequentemente interpretado como uma representação divina de um juiz ou mediador. Este papel teria desempenhado um papel na Þing, a assembleia da Era Viking que resolvia disputas e redigia novas leis.

Esta interpretação é posta em dúvida, no entanto, por mais do que uma falta de evidência textual. Um deus possivelmente relacionado de uma cadeia de ilhas próxima poderia fornecer outra origem para Forseti.

Um escritor cristão do século 9 afirmou que o povo de uma ilha chamada Fositesland demonstrou reverência especial por uma fonte sagrada. Alguns historiadores acreditam que Fosite pode ter sido a versão frísia de Forseti.

Nesse caso, é possível que o nome seja uma variação regional ou erro de transcrição. No entanto, também poderia mostrar que o deus não era nativo da região.

Alguns acreditam que Fosite era um deus da água, trazido para a região por marinheiros gregos que adoravam Poseidon. Das ilhas, ele acabou sendo levado para a vizinha Dinamarca e para a cultura nórdica.

O nome de Forseti poderia, portanto, ser uma alteração posterior. O antigo deus da água tornou-se um deus da lei porque seu nome soava semelhante a uma palavra existente.

Em vez de provar sua função original, o nome de Forseti poderia ser uma evidência de que ele foi um dos últimos deuses a ser adicionado ao panteão nórdico.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem