A Lenda do Halloween
A Lenda do Halloween
A Lenda do Halloween, é muito popular nos Estados Unidos e Inglaterra, celebrada no dia 31 de outubro. Popularmente conhecido como  o Dia das bruxas. 

Na ocasião é costume talhar aboboras em forma de face humana e dentro colocar velas acesas para dar a ideia de terror.


Os sacerdotes Druidas da Gra-Bretanha Antiga acreditaram que as bruxas, demônios e espíritos de pessoas mortas ficavam pairando na véspera de 1 de novembro.


Para se proteger dos maus espíritos, os Druidas ofereciam a eles coisas para comer e se disfarçavam com mascaras, para que os espíritos não lhes fizessem mal. Levado para os Estados Unidos pelos colonizadores, o Halloween, hoje em dia, eh uma das festas mais populares em muitos países, inclusive aqui no Brasil.


A igreja católica designou o dia 1 de novembro para honrar todos os santos (All Saints or All Hallows). A noite anterior ao Dia de Todos os Santos (All Saints Day) era chamada Noite de Todos os Santos (All Hallows Even). 


A igreja católica designou o dia 1 de novembro para honrar todos os santos (All Saints or All Hallows). A noite anterior ao Dia de Todos os Santos (All Saints Day) era chamada Noite de Todos os Santos (All Hallows Even). 


Na Véspera do Dia de Todos os Santos.

Alguns significados simbólicos do Halloween

Abóbora: simboliza a fertilidade e a sabedoria

Vela: indica os caminhos para os espíritos do outro plano astral.

Caldeirão: fazia parte da cultura - como mandaria a tradição. Dentro dele, os convidados devem atirar moedas e mensagens escritas com pedidos dirigidos aos espíritos.

Vassoura: simboliza o poder feminino que pode efetuar a limpeza da eletricidade negativa. Equivocadamente, pensa-se que ela servia para transporte das bruxas.

Moedas: devem ser recolhidas no final da festa para serem doadas aos necessitados.

Aranha - simboliza o destino e o fio que tecem suas teias, o meio, o suporte para seguir em frente.

Morcego - simbolizam a clarividência, pois que vêem além das formas e das aparências, sem necessidades da visão ocular. Captam os campos magnéticos pela força da própria energia e sensibilidade.

Sapo - está ligado à simbologia do poder da sabedoria feminina, símbolo lunar e atributo dos mortos e de magia feminina.

Gato preto - símbolo da capacidade de meditação e recolhimento espiritual, autoconfiança, independência e liberdade. Plena harmonia com o Universo

Simbologia das Cores do Halloween:

Laranja - cor da vitalidade e da energia que gera força. Os druidas acreditavam que nesta noite, passagem para o Ano Novo, espíritos de outros planos se aproximavam dos vivos para vampirizar a energia vital encontrada na cor laranja.

Preto - cor sacerdotal das vestes de muitos magos, bruxas, feiticeiras e sacerdotes em geral. Cor do mestre.

Roxo - cor da magia ritualística. 
A Lenda do Chocolate
A Lenda do Chocolate
A lenda diz que o chocolate era considerado sagrado por essas duas civilizações, tal qual o ouro.

Na Europa chegou por volta do século XVI, tornando rapidamente popular aquela mistura de sementes de cacau torradas e trituradas, depois juntada com água, mel e farinha.

O chocolate foi consumido, em grande parte de sua história, apenas como uma bebida.


Em meados do século XVI, acreditava-se que, além de possuir poderes afrodisíacos, o chocolate dava poder e vigor aos que o bebiam. Por isso, era reservado apenas aos governantes e soldados.


Além de afrodisíaco, o chocolate já foi considerado um pecado, remédio, ora sagrado, ora alimento profano. Os astecas chegaram a usá-lo como moeda, tal o valor que o alimento possuía.


Com o século XX, os bombons e os ovos de Páscoa são criados, como mais uma forma de estabelecer de vez o consumo do chocolate no mundo inteiro.


É tradicionalmente um presente recheado de significados. E não é só gostoso, como altamente nutritivo, um rico complemento e repositor de energia. Não é aconselhável, porém, consumí-lo isoladamente. Mas é um rico complemento e repositor de energia.


E quem não aprecia um bom chocolate! 


Lenda do Tesouro da Fazenda do Retiro Minas Gerais
Fazenda do Retiro em Mariana Minas Gerais, era conhecida como mal-assombrada. Altas horas da noite arrastavam, pela casa, correntes de ferro pesadas e ouviam-se os lamentos dos escravos torturados pela flagelação que dilacerava os corpos dos escravos.

Um dos últimos moradores do velho solar, Antônio Fernandes Ribeiro do Carmo, foi o único que teve coragem de dormir na Fazenda, a fim de constatar o fenômeno.
Lenda do Tesouro da Fazenda do Retiro Minas Gerais
Fumando tranquilamente, em dado momento, ouviu um grito de alarme. Corajosamente entrou pela casa adentro, no escuro, intimando os que o perturbaram para o devido acerto de contas:

- Venha e diga logo o que deseja, alma de Deus! ...

- Posso sair?

- Sim - respondeu Ribeiro do Carmo. À sua frente, à luz baça do azeite, caiu um braço humano.

Continuou Ribeiro do Carmo:

- Sim, pode cair, mas não à prestação. Venha tudo de uma só vez. Em cada lugar do quarto caiu uma parte de corpo humano, caindo finalmente a cabeça, que lhe falou tranquilamente:

- Procure suavizar a pena dos que padecem no outro mundo, porque se negaram a socorrer os necessitados embora acumulando riqueza. Ajuntaram muito ouro que não puderam carregar.

Nesta fazenda está oculto um grande tesouro, que a ganância dos condenados escondeu.

Em seguida ruflou suas asas luminosas em busca do além.

No outro dia Ribeiro do Carmo espalhou a notícia assanhando a cobiça de populares. Arrombaram o portão dos fundos e alojaram-se na fazenda.

Um gemido forte apontou o lugar exato em que se encontrava centenas de barras de ouro.