A Lenda do Guaraná
Conta a Lenda que em uma aldeia dos índios Maués havia um casal, com um único filho, muito bom, alegre e saudável.

Ele era muito querido por todos de sua aldeia, o que levava a crer que no futuro seria um grande chefe guerreiro. Isto fez com que Jurupari, o Deus do mal, sentisse muita inveja do menino. Por isso resolveu matá-lo. Então, Jurupari transformou-se em uma enorme serpente e, enquanto o indiozinho estava distraído, colhendo frutinhas na floresta, ela atacou e matou a pobre criança.

Seus pais, que de nada desconfiavam, esperaram em vão pela volta do indiozinho, até que o sol foi embora.

Veio a noite e a lua começou a brilhar no céu,  iluminando toda a floresta. Seus pais já estavam desesperados com a demora do menino. Então toda a tribo se reuniu e saíram para procurá-lo. Quando o encontraram morto na floresta, uma grande tristeza tomou conta da tribo.

Ninguém conseguia conter as lágrimas. Neste exato momento uma grande tempestade caiu sobre a floresta e um raio veio atingir bem perto do corpo do menino.

Todos ficaram muito assustados. A índia-mãe disse: "...É Tupã que se compadece de nós. Quer que enterremos os olhos de meu filho, para que nasça uma fruteira, que será nossa felicidade". E assim foi feito.

Os índios plantaram os olhos do indiozinho imediatamente, conforme o desejo de Tupã, o rei do trovão.

Alguns dias se passaram e no local nasceu uma plantinha que os índios ainda não conheciam. Era o Guaranazeiro.

É por isso que os frutos do guaraná são sementes negras rodeadas por uma película branca, muito semelhante a um olho humano.

A Lenda do Guaraná
E o fruto trouxe progresso da tribo. Ajudou os velhos e deu mais força aos guerreiros.

Curiosidades sobre o guaraná:

A palavra guaraná é de origem indígena, pois deriva da palavra tupi wara’ná. É o termo dado pelos índios tupis para esta planta.

Numa outra versão da lenda, quando o bom índio nasceu, pararam as guerras que existiam entre as tribos indígenas rivais da região. Veio então um período de paz e fartura.

Guaraná (Paulinia cupana) – do tupi wara’ná. Arbusto trepador que tem propriedades excitantes, pelo conteúdo de cafeína e teobromina.

As sementes maduras do guaraná, depois de torradas e moídas, formam uma massa plásticas macia e homogênea de cor cinzenta, que, depois da defumação para secagem, muda para vermelho-escura, às vezes quase roxa, escurecendo com o tempo, devido à oxidação. É na fase de massa moldável que se preparam os “pães”, de formas cilíndricas, elípticas ou ovais, que, depois de adquirirem consistência extremamente dura e inalterável, são oferecidos no comercio.

O “pão” de guaraná é constituído por massa duríssima e, para ser consumido, precisa ser desbastado com lima de aço ou, como o fazem as populações rurais da Amazônia, limado com o osso hióide (erradamente chamado de língua) do Pirarucu.

Como refrigerante, o nome guaraná é reservado à bebida não alcoólica, gasosa, que contenha no mínimo 1% de extrato de guaraná (produto resultante do esmagamento da semente de guaraná torrada), mais açúcar, acidulantes (como o ácido cítrico) e substâncias aromáticas. Muito difundido no Brasil, o guaraná é também exportado; tem ação refrigerante e tônica, sendo rico em cafeína.

No folclore, Guaraná de figuras, são enfeites fabricados com sementes de guaraná descartadas como inaproveitáveis para a alimentação, com as quais se faz a massa plástica e que se defuma para endurecer.

Verdadeiros artistas modelam objetos (bandejas, cálices, canetas), frutas (biribás, ananás, mungubas) e animais (antas, quatis, jacarés, macacos, tatus), que são comercializados como curiosidades ou lembranças de viagem pela Amazônia.

Os índios Maués preparam uma massa comestível com as sementes desse arbusto.
Diferenças Entre Mitos e lendas
Não raro, os termos mito e lenda são empregados erroneamente como sinônimos. Embora os dois tenham uma relação e possuam elementos comuns, fazendo parte da tradição oral dos povos, são manifestações diferentes.

Tanto o mito como a lenda são narrações que contam ou explicam determinados episódios históricos ou religiosos de uma determinada comunidade, porém, existem diferenças entre os dois.

Os mitos

Diferenças Entre Mitos e lendas
O mito é uma narração de caráter fantástico, normalmente protagonizada por personagens sobrenaturais e heroicos, sendo usado para explicar fatos da realidade e fenômenos naturais que não eram compreendidos pelos povos antigos.

Este tipo de narração procura explicar a origem do mundo, os fenômenos da natureza ou determinados aspectos religiosos vinculados a uma comunidade ou civilização, com a utilização de simbologia, personagens sobrenaturais, deuses e heróis, misturados a fatos reais, características humanas e pessoas que existiram de fato.

Confira a seguir as características dos mitos:
  • Possui caráter explicativo ou simbólico;
  • Busca explicar as origens do mundo e do homem por meio personagens como deuses ou semi-deuses;
  • Explica a realidade por meio de suas histórias sagradas, que não possuem embasamento para serem aceitas como verdades.
A mitologia agrupa todos os mitos de uma determinada comunidade ou civilização. Dentre os mitos mais populares estão a caixa de Pandora, os mitos dos deuses que deram nome aos planetas do Sistema Solar e o mito de Excalibur.

As lendas

As lendas são relatos folclóricos transmitidos oralmente, com o objetivo de explicar acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais. As histórias são fantásticas e são criados com elementos de ficção que podem ser baseadas em algum acontecimento histórico.

As lendas são contadas ao longo do tempo e podem ser modificados pela imaginação das pessoas e, por este motivo, uma mesma lenda pode ser diferente entre uma população e outra, adaptando-se às circunstâncias de cada comunidade.

Este tipo de narração costuma servir para explicar algum acontecimento histórico ou de uma determinada comunidade. Também possuem um caráter literário e existem livros com este tipo de histórias.

Confira a seguir as características das lendas:
  • Ocorre a mescla da realidade dos fatos com fantasia ou ficção;
  • Faz parte da tradição oral;
  • Os fatos reais e históricos servem como suporte às histórias;
  • Por serem repassadas oralmente, sofrem mudanças ao longo do tempo.
A lenda do cavalo de Tróia é um exemplo universal deste tipo de narração. No Brasil, podemos destacar as lendas da Cuca, Saci Pererê, Curupira ou Caipora, Mula-sem-cabeça, Boitatá e Pisadeira.

Autor: Débora Silva
Graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas)
Aventuras de Perseu
A vida de Perseu era muito interessante, cheia de aventuras. Ele era o filho do deus Zeus e Dânae.

Sua reputação e caráter rapidamente o transformaram em um herói local de Argos (um lugar em Peloponeso, na Grécia). Acrísio, o avô de Perseu, perguntou a um oráculo se ele alguma vez teria filhos; a resposta que ele obteve foi chocante e levou-o a viver uma vida de paranoia.

Ele foi informado de que sua filha teria um filho que eventualmente o mataria. Acrísio, conduzido pela força do medo, manteve sua filha Dânae presa em uma caverna subterrânea com paredes de latão. No entanto, o poderoso Zeus, que tinha um olho para a beleza e um jeito com as mulheres que poucos ousavam competir, já havia visto a linda donzela.

Ele se transformou em uma chuva dourada e entrou na caverna onde Dânae era mantida. Através de sua união, Dânae deu à luz um bebê, que conseguiu manter em segredo por algum tempo.

Porém, não demorou muito para que seu pai irritado descobrisse sobre o bebê. Ele se recusou a acreditar que Zeus tinha algo a ver com isso, então ele condenou a enfermeira de Dânae, pois ele acreditava que ela havia orquestrado esse caso.

Aventuras de Perseu
Ele pensou em matar seu próprio neto, mas sua culpa não o deixaria. Desesperadamente buscando uma solução que não representaria perigo para sua vida, ele decidiu. Ele tinha uma arca de madeira construída para sua filha e seu neto, e imediatamente ordenou que os dois fossem colocados nela e se pusessem à deriva no mar.

Dias e noites se passaram, Dânae e seu bebê sobreviveram. Eventualmente, a arca de madeira foi parar na ilha de Sérifos. Lá, um pescador chamado Dictes, que era o irmão de Polidecto, o governante da ilha, encontrou a arca.

Ele gentilmente levou o jovem Perseu e sua mãe e compartilhou sua casa com eles.

Durante este tempo, Perseu tornou-se um homem forte e valente abençoado com muitos talentos, sem dúvida o resultado da graça de Deus. No entanto, Polidecto se apaixonou por Dânae, e Perseu, querendo protegê-la, manteve sua mãe sob guarda o tempo todo.

Então, Polidecto elaborou um plano; ele convidou alguns amigos para o jantar e perguntou-lhes que presente eles o traria se ele alguma vez pedisse um. Perseu respondeu que se fosse necessário, ele levaria a cabeça de Medusa, a Górgona, para ele; Medusa era um monstro temível, que transformava em pedra qualquer pessoa que a olhasse nos olhos.

O Rei concordou e pediu a Perseu para lhe trazer a cabeça da Medusa, caso contrário, ele tomaria sua mãe pela força.

Perseu empreendeu sua aventura para obter a cabeça de Medusa. Os deuses, é claro, que gostavam de intervir nos assuntos dos mortais, não deixariam Perseu indefeso.

Athena e Hermes começaram a ajudar Perseu com esse desafio. Com sua inteligência e perspicácia, Perseu conseguiu enganar as ninfas. Eles lhe deram sandálias aladas, então ele podia voar acima do chão; um saco, para que ele pudesse levar a cabeça da Medusa; e o capacete de Hades, o que o tornaria invisível.

Usando as sandálias aladas, Perseu voou acima de Medusa, olhando apenas seu reflexo usando o escudo brilhante que Athena lhe havia dado. Invisível graças ao capacete de Hades, Perseu cortou a cabeça da Medusa, colocou-a no saco e voltou para casa.

Ao voltar para casa, conheceu Andrômeda a quem ele salvou de um monstro marinho. Eles rapidamente se apaixonaram e decidiram se casar. No entanto, o tio de Andrómeda, que a queria para si mesmo, discordou e conspirou para matar Perseu. Ter a cabeça de Medusa deu a Perseu uma grande vantagem.

Ele tirou a cabeça e assim que o tio de Andrómeda a olhou, ele se transformou em pedra. Quando Perseu chegou em casa, ele fez o mesmo com Polidecto, que estava perseguindo a mãe de Perseu.

O que aconteceu, no entanto com Acrísio, o avô de Perseu?

Ao ouvir as realizações de Perseu, ele fugiu para muito longe, mas isso não foi suficiente para escapar de seu destino. Ele participava de uma cerimônia de jogos na cidade de Larissa, que foi organizada pelo rei Tentâmides. Perseu também participava do evento; quando foi sua vez de jogar o disco, ele escorregou de sua mão e bateu na cabeça de seu avô, matando-o.

Quando Perseu descobriu que ele havia matado seu avô, ele ficou profundamente triste e ele o enterrou com honra.