A Lenda de Erígone e Maera

Uma lenda ateniense explicou como três constelações surgiram no céu. Continue lendo para conhecer a história de Icário, Erígone e seu fiel cão Maera.

As constelações que conhecemos hoje nos vêm da palavra antiga. Suas imagens e seus nomes foram transmitidas aos astrônomos modernos de fontes gregas e romanas.

Embora cada cultura do mundo tenha suas próprias versões de imagens no céu, as constelações greco-romanas são algumas das mais duradouras. Elas não são apenas bem conhecidas do público ocidental hoje, mas duraram milhares de anos antes mesmo que os gregos escrevessem sobre elas.

Os gregos não inventaram suas constelações, mas as adotaram de influências do Oriente Próximo. Quase todas as constelações que conhecemos hoje se originaram na antiga Babilônia, não na Grécia.

Enquanto os gregos adotaram as imagens no céu noturno, no entanto, eles não adotaram as histórias que as acompanhavam. Eles vieram com suas próprias explicações para as formas que os babilônios tinham feito.

Essas histórias nem sempre concordavam. As origens das constelações eram muitas vezes uma questão de folclore local e não de doutrina religiosa, então havia muitas variações nessas histórias.

Algumas das lendas mais conhecidas vêm de Atenas, fruto da proeminência literária e científica daquela cidade. Uma delas fala de um herói local chamado Icário, sua filha Erígone e o cão fiel que foi leal até a morte.

A Lenda de Erígone e Maera

Icário, Erígone e Maera

Segundo a lenda, Icário de Atenas foi um herói fundador da Ática. Ele se estabeleceu na periferia da cidade e estabeleceu a cidade de Icária.

Quando Dionísio começou a viajar pela Grécia, Icário foi uma das primeiras pessoas a reconhecê-lo como um deus. Embora outros desprezassem o novo atleta olímpico e duvidassem que ele fosse verdadeiramente divino, Icário tornou-se um seguidor entusiasmado.

Ele se tornou a primeira pessoa na região a aprender a fazer vinho. Icário esperava compartilhar os ensinamentos de Dionísio com seus vizinhos e espalhar a alegria que isso lhe trazia.

Ele primeiro saiu para o campo ao redor de Atenas e encontrou os pastores que cuidavam de seus rebanhos. Ele lhes deu um jarro de vinho, acreditando que eles iriam gostar tanto quanto ele.

Os pastores, no entanto, não estavam preparados para os efeitos desorientadores do álcool. Acreditando que Icário os havia envenenado, eles o mataram com raiva.

A filha de Icário, Erígone, se preocupou quando seu pai não voltou para casa. Ela partiu atrás dele, acompanhada por seu fiel cão Maera.

Erígone logo encontrou o corpo de seu pai depois que Maera seguiu seu cheiro. Inconsolável, Erígone enforcou-se no local da morte do pai.

Maera ficou igualmente perturbada, tanto com a morte de Icário quanto com a de Erígone. O cão fiel atirou-se de um penhasco.

Quando Dionísio soube o que havia acontecido com seu primeiro seguidor, ficou furioso. Ele decidiu punir toda Atenas por negar seus presentes.

Dionísio enviou loucura sobre a cidade, afetando todas as mulheres solteiras. Uma a uma, as jovens de Atenas se enforcaram, assim como Erígone.

A praga não acabou mesmo quando o povo da cidade aceitou a divindade de Dionísio e seu presente de vinho. O deus só lhes concedeu um adiamento quando estabeleceram ritos honoríficos para homenagear Icário e Erígone.

Ele também colocou os três mártires de sua causa no céu para que fossem lembrados para sempre.

Icário tornou-se a constelação conhecida em latim como Boötes, o Boieiro. Erígone foi homenageada como a constelação de Virgem.

Seu fiel cão Maera também foi imortalizado. Ela se tornou Procyon ou Prócion, a estrela mais brilhante de Canis Major.

Minha Interpretação Moderna

Muitas histórias da mitologia grega contam como as estrelas e constelações se formaram. A maioria dessas características não eram originais da cultura grega, no entanto.

As formas gerais da maioria das constelações foram estabelecidas muito antes da Grécia Clássica. Na época de alguns dos primeiros registros escritos na Babilônia, muitos eram reconhecíveis.

A figura feminina de Virgem, por exemplo, foi representada no Oriente Próximo pela deusa agrícola Shala. A mitologia grega primitiva também usava Deméter para essa forma antes que a história de Erígone se tornasse popular em Atenas.

Da mesma forma, Boötes foi originalmente mostrado como o deus babilônico Enlil, o chefe do panteão e o patrono dos agricultores. Várias explicações foram dadas para a forma masculina na Grécia antes que a história ateniense de Icário fosse contada.

As duas estrelas do cão, Sirius e Procyon, foram nomeadas para personagens humanos na Babilônia. Na antiga Macedônia, no entanto, eles eram conhecidos como os dois lobos.

Os mitos dados para as constelações na mitologia grega não criaram formas inteiramente novas. Em vez disso, eles forneceram explicações para as formas que já eram vistas há gerações.

A maioria dos historiadores acredita que as constelações e os aglomerados de estrelas foram introduzidos no grego diretamente de fontes do Oriente Próximo. Embora muitas vezes sejam consideradas partes muito diferentes do mundo, elas estavam intimamente ligadas no passado antigo.

A cultura grega foi fortemente influenciada pela dos fenícios, um grupo semita que viveu principalmente no que hoje é o Líbano.

Os fenícios foram uma das primeiras grandes potências marítimas do Mediterrâneo. As constelações teriam sido particularmente importantes para eles por causa de seu uso na navegação.

Embora alguns aspectos da religião fenícia tenham entrado na cultura grega, a maioria de suas contribuições foi cultural. Eles são mais conhecidos por introduzir o primeiro alfabeto na região, que foi adaptado primeiro pelos minóicos e depois pelos gregos micênicos.

A introdução precoce das constelações na cultura grega levou a uma variedade de lendas locais que explicavam suas formas. A maioria centrava-se em uma figura heroica ou trágica que foi imortalizada pelos deuses por um sentimento de pena.

Embora ainda houvesse alguma variação nas formas no início da história grega, com fontes de diferentes culturas levando a formas e explicações ligeiramente diferentes, as constelações tornaram-se mais padronizadas à medida que o estudo da astronomia avançava. No século 4 aC, as imagens nas estrelas eram bem conhecidas.

As histórias, no entanto, continuaram a evoluir e têm diferenças locais.

Na Arcádia, por exemplo, dizia-se que Boötes era a imagem de Arcas, o filho assassinado de Zeus e Calisto, que deu o nome à região.

Em muitos casos, as versões atenienses dessas histórias são as mais bem preservadas simplesmente por causa do número de escritores e filósofos que vieram daquela cidade. As histórias de Atenas não eram necessariamente as mais conhecidas em outras partes do mundo grego, mas porque a literatura e as ciências prosperaram lá, há mais escritos sobreviventes.

A história ateniense de Icário, Erígone e Maera não foi registrada até a Era Clássica, e é provável que fosse desconhecida antes disso. A história não era um mito particularmente antigo, mas uma explicação local para imagens que eram reconhecidas há séculos.

Resumindo

De acordo com uma lenda ateniense, Icário era um herói local da Ática. Ele se tornou o primeiro seguidor de Dionísio da área.

Icário tentou apresentar à população local a nova criação de seu deus, o vinho. Não familiarizados com o álcool, os pastores bêbados acreditaram que haviam sido envenenados e mataram Icário.

Sua filha Erígone partiu para encontrar seu pai desaparecido. Seu cachorro Maera seguiu seu cheiro e o levou até o corpo.

A descoberta foi tão dolorosa que Erígone se enforcou no local. Sempre leal, Maera se jogou de um penhasco ao invés de viver sem seu mestre e senhora.

Dionísio puniu a cidade com uma praga que fez com que mulheres solteiras se matassem da mesma forma que Erígone. Ele só cedeu quando eles o aceitaram como um deus e estabeleceram ritos em homenagem a Icário e sua filha.

Ele também imortalizou os três nas estrelas. Icário tornou-se a constelação de Boötes, Erígone foi como Virgem, e seu cão Maera tornou-se uma das estrelas de Canis Major.

As formas dessas constelações foram estabelecidas muito antes do surgimento da lenda ateniense. Na antiga Babilônia, Boötes e Virgem tinham as mesmas formas.

Os gregos tomaram as formas das constelações de fontes do Oriente Próximo, mas criaram suas próprias lendas em torno delas. Havia muitas variações locais para esses contos; a história de Icário, Erígone e Maera é apenas uma das muitas histórias regionais que ligavam as constelações babilônicas ao povo e aos deuses da Grécia.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem