Deméter: A Deusa Grega Dos Grãos

Se você acha que Deméter era apenas uma deusa da terra, pense novamente! Há mais em Demeter do que apenas grãos.

Deméter era a deusa grega da agricultura, especificamente dos grãos de cereais. Isso pode parecer um trabalho altamente específico para um olímpico, mas em uma cultura onde as pessoas viviam principalmente de pão, a deusa dos grãos era uma de suas divindades mais importantes.

Deméter era mais do que apenas a doadora de uma boa colheita, no entanto. A deusa da sustentação da vida também foi associada à morte e ao submundo.

Isso fica evidente na história mais famosa de Deméter, sua busca pela filha desaparecida, Perséfone. A lenda liga o crescimento e a vegetação ao submundo em um ciclo infinito de morte e novo crescimento.

Então, como uma deusa dos grãos também era uma deusa do ciclo da morte? Continue lendo para descobrir tudo sobre Deméter, a deusa grega da agricultura!

Deméter: A Deusa Grega Dos Grãos

A Família de Deméter

Deméter era um dos cinco filhos de Cronos e Reia que foram engolidos pelo pai. O governante dos Titãs foi avisado de que um de seus filhos um dia subiria para assumir o trono, então ele comeu seus filhos e filhas recém-nascidos para evitar perder o poder.

Zeus, o último dos filhos de Reia, evitou esse destino, no entanto. Sua mãe o escondeu e enganou Cronos para que engolisse uma pedra.

Quando Zeus cresceu e voltou a desafiar seu pai como foi predito, sua primeira tarefa foi libertar seus irmãos. Com a ajuda de uma simpática jovem titã, ele enganou seu pai para que engolisse uma bebida que o fez regurgitar as crianças que havia engolido inteiras.

Os irmãos de Zeus, Hades e Poseidon, juntaram-se a ele na luta. Com seus aliados, eles passaram dez anos lutando para derrubar seu pai.

Quando eles ganharam a Titanomaquia, a geração mais jovem de deuses estabeleceu sua nova sede de poder no Olimpo. Os três irmãos foram acompanhados por suas irmãs - Deméter, Hera e Héstia.

Seu primeiro relacionamento, conforme descrito por Homero e Hesíodo, foi com seu irmão Zeus. Eles tiveram uma filha juntos, Perséfone.

Zeus, no entanto, acabou se casando com sua irmã Hera. Deméter nunca se casou, embora tenha dado à luz mais alguns filhos.

Mais tarde em sua vida, ela foi perseguida por Poseidon. Ela tentou se esconder transformando-se em uma égua e se misturando a uma manada de cavalos, mas seu irmão assumiu a forma de um garanhão e a segurou facilmente.

Os dois tiveram dois filhos juntos. Despoina era uma deusa dos cultos misteriosos, enquanto seu irmão Árion nasceu como um cavalo imortal.

Deméter também teve um amor mortal, Iasião. Segundo a lenda, ela o atraiu para longe de uma festa de casamento e eles fizeram amor em um campo recém-arado.

Zeus soube imediatamente o que tinha acontecido quando viu a sujeira nas costas de sua irmã. Ele atingiu Iasião com um raio por ousar tocar uma deusa.

Embora ele e Poseidon tivessem muitos casos com mulheres mortais, tal coisa era, para ele, impróprio quando uma deusa estava envolvida.

Deméter teve dois filhos de seu caso com o humano. Filomelo era um deus menor da lavoura, enquanto Pluto era o deus da riqueza agrícola.

A Deusa da Agricultura

O papel principal de Deméter era como uma deusa da agricultura. Ela cuidava de grãos e vegetais, garantindo um bom crescimento e uma colheita abundante.

O pão era o alimento básico na dieta da maioria dos gregos, então o papel de Deméter era importante para sua sobrevivência. Por causa de sua dependência dos grãos que supervisionava, Deméter era uma das divindades mais amplamente veneradas no panteão grego.

Em seu papel de deusa da agricultura, ela foi aliada de outras deusas da terra e da fertilidade. Na verdade, pelo menos um escritor antigo sugeriu que Deméter não era irmã de Zeus, mas sim uma Reia renomeada.

Demeter e Gaia trabalharam particularmente de perto. Algumas histórias diziam que Gaia era a mãe de todas as coisas, exceto os grãos de cereais, que foram criação de Deméter.

Sem a terra fértil, os grãos de Deméter não cresceriam. Mas sem grãos, os humanos e animais que eram filhos de Gaia morreriam de fome.

Na verdade, o final do nome de Deméter contém a mesma raiz de "mãe", mais uma evidência de que ela estava intimamente ligada à terra e à fertilidade antes que os gregos codificassem sua mitologia.

Mas, de todas as deusas, Deméter não estava tão ligada a nenhuma como a Perséfone. A mãe e a filha compartilhavam um vínculo único que formou a base para uma das histórias mais memoráveis ​​da mitologia grega.

A Filha de Deméter

Perséfone, como sua mãe, era uma deusa da agricultura. Como uma donzela, ela passava a maior parte do tempo ao lado de Deméter, cuidando da vegetação.

O que Perséfone não sabia era que seu pai e rei, Zeus, estava fazendo planos muito diferentes para seu futuro.

Seu irmão Hades era o deus do submundo e raramente visitava o Olimpo ou o mundo dos vivos. Ele decidiu que precisava de uma esposa para lhe fazer companhia em seu reino.

Zeus concordou e propôs Perséfone como uma boa escolha. Eles sabiam, no entanto, que Deméter nunca consentiria que sua filha favorita fosse levada para a terra dos mortos e que a própria Perséfone se oporia a ser enviada para o reino solitário de Hades.

Em vez de discutir o assunto com qualquer uma das mulheres, os dois deuses fizeram um plano para sequestrar Perséfone. Se eles pudessem fazer isso sem sua mãe por perto, a jovem deusa estaria no submundo e se casaria antes mesmo de Deméter saber o que tinha acontecido.

Existem muitas versões da história que contam o sequestro de Perséfone e a busca de sua mãe por ela. Embora os detalhes variem, a história geral é mais ou menos a mesma.

Hades esperou até que Perséfone estivesse longe de sua mãe, colhendo flores em um prado com um grupo de ninfas assistentes. Ele saiu do submundo em sua carruagem dourada e arrebatou a deusa donzela antes que ela pudesse dar mais do que um único grito.

Muito poucos a ouviram gritar enquanto ela era levada para baixo da terra. Destes, o único que sabia exatamente o que estava acontecendo era Zeus.

Quando Deméter percebeu que sua filha estava desaparecida, ela começou uma busca furiosa por ela. Sabendo que sua filha não a deixaria de bom grado, ela vestiu roupas de luto e quase enlouqueceu de tristeza.

Ela vagou pela terra por nove dias sem encontrar nenhum vestígio de Perséfone.

Uma dor amarga se apoderou de seu coração, e ela rasgou a cobertura sobre seu cabelo divino com suas mãos queridas: seu manto escuro ela jogou para baixo de ambos os ombros e disparou, como um pássaro selvagem, sobre a terra firme e o mar fértil, procurando sua filha. Mas ninguém diria a ela a verdade, nem deus nem homens mortais; e dos pássaros do presságio nenhum veio com notícias verdadeiras para ela. Então, por nove dias, Deméter vagou pela terra com tochas acesas nas mãos, tão triste que nunca provou ambrosia e o doce gole de néctar, nem borrifou água em seu corpo.

Enquanto ela procurava, Deméter encontrou muitos deuses, homens e criaturas que não podiam lhe dar nenhuma informação. Alguns até zombaram de sua dor ou falaram mal de sua filha desaparecida.

Finalmente, na décima manhã de sua busca, Deméter chegou à caverna em que Hécate vivia. A deusa da magia e bruxaria ouviu um grito no dia em que Perséfone desapareceu, mas não viu quem levou a garota desaparecida.

Hécate teve a ideia de perguntar a Hélio se ele tinha visto alguma coisa. De sua posição alta no céu, o deus do sol tinha uma boa visão da maioria das coisas que aconteciam na terra abaixo, bem como no Olimpo.

Como Hécate havia suspeitado, Hélio viu o sequestro como aconteceu. Ele disse a Deméter que sua filha havia sido levada para o submundo, e posteriormente informou a ela que isso havia sido feito com o pleno conhecimento e consentimento de seu pai, Zeus.

Deméter ficou furiosa, mas o deus do sol tentou acalmá-la. Hades era o senhor de seu reino e irmão do rei, Hélio a lembrou, tornando-o um noivo mais do que adequado para uma deusa bem considerada como Perséfone.

As visões gregas sobre o casamento, especialmente entre as classes superiores, pesavam muito o status social. Uma vez que Hades era seu próprio irmão e senhor de um dos três reinos (o céu, os mares e o submundo), Deméter dificilmente poderia alegar que ele não era um par adequado para sua filha favorita.

A preocupada mãe não se acalmou tão facilmente. Ela voltou sua raiva para Zeus, que havia permitido que sua filha fosse sequestrada e nem mesmo disse a ela a verdade enquanto ela procurava freneticamente por ela.

Ela marchou diante do trono do rei e exigiu ver sua filha. Até que o fizesse, ela disse, ela não colocaria os pés no Olimpo ou na terra.

Foi uma ameaça séria. Sem Deméter, as plantas que eram alimento murchariam e morreriam.

A humanidade enfrentaria a fome se Deméter se recusasse a agraciar a terra.

Zeus enviou Hermes ao submundo para instruir Hades a trazer sua noiva de volta à superfície para que Deméter pudesse falar com ela.

Hades, no entanto, estava relutante. Ele não podia desobedecer a uma ordem direta de Zeus, mas temia que Perséfone se recusasse a voltar com ele assim que visse sua mãe.

Hades estava bastante satisfeito com a esposa que Zeus havia escolhido para ele e não queria arriscar perdê-la tão rapidamente.

Ele tentou tranquilizar Perséfone de que seria um bom marido, devotado, gentil e honesto.

Ao se casar com ele, ela também se tornaria rainha de seu reino. Embora o submundo possa não ter sido sua primeira escolha de lar, o casamento a tornaria uma das deusas mais graduadas do panteão.

Uma regra para deixar o submundo com segurança, entretanto, era que uma pessoa não poderia fazer isso se tivesse comido parte da comida de lá. Quando ele a levou à superfície, Hades ou enganou Perséfone para comer um punhado de sementes de romã ou ela comeu algumas em segredo sem perceber as consequências.

Assim que Deméter viu sua filha, elas correram para se abraçar. Deméter perguntou a Perséfone, antes de mais nada, se ela gostaria de ficar no Olimpo com ela e nunca mais voltar com Hades.

Perséfone havia comido as sementes de romã, no entanto. Ao fazer isso, ela se ligou eternamente às terras de Hades.

Deméter ficou horrorizada, e Zeus sabia que se Perséfone voltasse ao submundo para sempre, as colheitas estariam mais uma vez em perigo. A deusa nunca seria feliz a menos que sua filha estivesse ao seu lado.

Ele prometeu um compromisso entre Deméter e Hades. Perséfone dividia seu tempo, morando com a mãe no Olimpo, mas voltando para o marido durante um terço do ano.

Ninguém ficou totalmente satisfeito com esse arranjo, mas era a melhor opção disponível. Eles concordaram e a partir de então Perséfone passava quatro meses de cada ano como a rainha do submundo e o resto de seu tempo como uma deusa da vegetação.

Apesar do acordo, Deméter ainda caía em depressão todos os anos quando Perséfone estava com Hades. Por quatro meses, a grama parava de crescer e os grãos secavam e morriam.

As explicações de como os meses se alinham com a estação de crescimento variam entre os historiadores. A maioria interpreta o período de luto de Deméter como coincidindo com o inverno, como foi afirmado por Homero, mas alguns afirmam que as plantas murchas e a terra morta descrevem o calor brutal e a estação seca do verão.

Punições Durante a Busca

Enquanto Deméter procurava Perséfone, ela a procurou em muitas partes da terra. Essas perambulações a colocaram em contato com uma grande variedade de pessoas e deuses, alguns dos quais eram particularmente inúteis.

Como uma deusa materna responsável pelo crescimento, Deméter não era especialmente conhecida por seu temperamento. Ao contrário de sua irmã, Hera, ela raramente fazia inimigos.

Na busca por Perséfone, porém, Deméter estava nitidamente mais mal-humorada e zangada do que normalmente era caracterizada. Ela não hesitou em punir aqueles que a irritaram enquanto ela se preocupava com o destino de sua filha.

Aqueles que zombaram ou atrapalharam sua busca enfrentaram a ira de uma mãe preocupada.

Ascalabus, um homem de Argos, zombou da deusa por comer rapidamente quando devorou ​​a primeira refeição que comeu depois de muitos dias de procura. Deméter o transformou em uma lagartixa.

Minta era, em algumas versões de sua história, uma ninfa do submundo que já fora amante de Hades. Por ciúme, ela insultou Perséfone, então Deméter a transformou em uma planta de hortelã.

Colontas expulsou Deméter de sua casa quando ela procurou abrigo durante suas andanças. Por quebrar as leis da hospitalidade, Deméter incendiou sua casa com ele dentro dela.

As sirenes têm muitos mitos de origem, mas um deles é que eram as ninfas que acompanhavam Perséfone enquanto ela colhia flores. Quando elas se recusaram a ajudar Demeter a procurá-la, ela as transformou em monstros. Em outra versão, elas pediram a mudança de culpa.

O Lado Negro de Deméter

Deméter é geralmente considerada uma deusa vivificante, mas ela também tinha ligações com o reino da morte.

O mito de Perséfone explicava mais do que apenas o ciclo das estações. Também representou um equilíbrio entre a vida e a morte.

Como deusas da terra e da morte, Deméter, Perséfone e Gaia trabalharam em estreita conjunção.

Nada pode crescer sem morte, e as sementes devem ser enterradas sob a terra para germinar. A terra dos vivos estava ligada ao submundo.

A conexão entre a vida e a morte foi explorada por um culto conhecido como Mistérios de Elêusis.

Esta seita procurou aprender e compreender tanto quanto possível sobre a vida após a morte, e muito de sua adoração centrada em torno da mãe e da filha.

Eles alegaram que seu culto foi fundado pela própria Deméter em gratidão ao povo de Elêusis por oferecer refresco e hospedagem quando ela estava caçando sua filha desaparecida.

Eles acreditavam que Deméter descia ao submundo todos os anos para guiar sua filha de volta à terra dos vivos. Isso estava ligado ao ciclo anual de replantio.

Os gregos frequentemente armazenavam grãos em vasos de argila ou cerâmica que eram enterrados para mantê-los seguros. Esses recipientes eram quase idênticos às urnas funerárias que usavam para enterrar seus mortos.

No outono, os grãos eram enterrados como se estivessem mortos. Na primavera, ele era trazido de volta e usado para criar uma nova vida.

Para os seguidores dos Mistérios de Elêusis, o “enterro” e “renascimento” anual de Perséfone refletia o ciclo da vida, não apenas as estações.

Esse ciclo se aplica a mais do que apenas grãos. A descida de Deméter para gerar Perséfone representou a linha infinita em que as gerações nasceram e morreram.

Como deusas da morte e também do crescimento, Deméter e sua filha representavam o ciclo de vida e morte de ano a ano, de geração a geração e de idade a idade.

As Formas Estrangeiras da Deusa

Como uma antiga deusa da agricultura e da maternidade, Deméter tinha uma forte semelhança com a deusa de muitas outras culturas.

O arquétipo da deusa da colheita é consistente em muitas culturas. Fertilidade, nutrição e crescimento eram todos aspectos tipicamente femininos associados às divindades femininas.

Em alguns casos, no entanto, a ligação entre Deméter e outras deusas é tão forte que é provável que as histórias tenham influenciado umas às outras ou tenham um lugar de origem comum.

Os gregos relacionavam Deméter à deusa egípcia Ísis. Ísis tinha alguns aspectos de uma deusa materna, mas estava mais associada à morte e ressurreição.

Os romanos adotaram Deméter em seus próprios mitos, como fizeram com a maioria dos deuses gregos, enquanto a confundiam com uma divindade local existente. Sua deusa era conhecida como Ceres.

Imigrantes gregos e escravos levados para Roma expandiram o papel de Ceres e de sua filha, Prosérpina, para se assemelhar mais ao de Deméter. Enquanto Ceres tinha sido uma deusa materna da agricultura, esses gregos trouxeram para o submundo o simbolismo do casal.

Na Ásia Menor, Deméter era associada à deusa local Cibele.

Mesmo em suas próprias histórias, os gregos expressaram alguma confusão sobre a natureza exata de Deméter em certos mitos. Alguns acreditavam que ela e Perséfone eram na verdade a mesma, ou pelo menos aspectos diferentes do mesmo ser.

O mesmo costumava ser verdade para Reia, Gaia e outras deusas. Até Afrodite, como uma deusa da fertilidade feminina, às vezes era creditada como outro aspecto do arquétipo da deusa agrícola!

Para alguns, a história da busca de Deméter por Perséfone traz à mente outro arquétipo ligado ao ciclo de vida e morte - as deusas triplas da mãe, donzela e velha.

Nessa interpretação, Deméter e Perséfone preenchem os papéis de mãe e donzela. Hécate, a bruxa, é a velha.

Como o primeiro ser a ajudar Deméter em sua busca, Hécate como a velha auxilia a mãe a trazer a donzela para permitir que o ciclo da vida continue.

Deméter, a Deusa da Vida e da Morte

À primeira vista, Deméter pode parecer uma deusa simples de entender. Ela é uma deusa da agricultura e responsável pelos grãos que sustentam a vida humana.

Mesmo na arte, essa visão simplista é reforçada. Deméter era geralmente retratada segurando um feixe de grãos ou uma cornucópia, tornando imediatamente óbvio que seu trabalho era cultivar as coisas que mantinham a humanidade alimentada.

Mas dentro dos mitos e adoração de Deméter havia uma ideia muito mais complicada.

A vida, de muitas maneiras, depende da morte. A morte fornece fertilizante para o solo, espaço para um novo crescimento e as sementes das quais surge a próxima geração de plantas.

Deméter representava não apenas a vida, mas o equilíbrio e a relação entre a vida e a morte no mundo da Grécia antiga.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem