Quem Foi Hedonê na Mitologia Grega?

Seria Hedonê uma deusa a ser abraçada ou temida? Continue lendo para saber porque os antigos gregos tinham um relacionamento muito complicado com sua deusa do prazer!

A palavra “hedonismo” hoje tem um significado muito específico. Refere-se a uma busca excessiva de prazer, na maioria das vezes através do prazer sexual e da indulgência extrema.

Vem até nós do mundo grego Hedonê, que originalmente não tinha tais conotações negativas. Significava “prazer”, sem qualquer moralidade específica.

Como muitos aspectos do mundo, incluindo emoções, o prazer na Grécia antiga era personificado por uma divindade. Hedonê, a filha do deus do amor Eros; era a personificação do prazer.

Enquanto algumas pessoas abraçaram Hedonê como uma deusa que lhes trouxe alegria, outras tiveram uma visão mais cética de seus poderes.

Hedonê era uma deusa que podia trazer alegria, mas algumas pessoas a viam como uma força potencialmente perigosa. As pessoas comuns podem ter abraçado a deusa do prazer, mas alguns dos principais filósofos da Grécia e de Roma a viam como uma fonte de corrupção.

Quem Foi Hedonê na Mitologia Grega?

Hedonê: O Espírito do Prazer

Na mitologia grega, Hedonê era a única filha de Eros, o deus do amor, e sua esposa Psiquê. Ela era a personificação do prazer.

Hedonê era um daemon, uma divindade menor na mitologia grega que personificava uma ideia específica. Como tal, ela não tinha mitologia ou personalidade real além de seu domínio.

Como daemon, Hedonê incorporou completamente a ideia de prazer. Era até o nome dela; como a maioria dos daemons, seu nome era a palavra para seu domínio.

Hedonê era frequentemente identificada com Afrodite, que na maioria das versões da árvore genealógica olímpica era sua avó. A mãe de Eros era a deusa da beleza, mas às vezes também era chamada pelo nome de Hedonê.

A deusa do prazer às vezes era chamada de Afrodite, embora muitos escritores gregos se certificassem de esclarecer que eram dois seres separados. Embora a beleza às vezes pudesse trazer prazer, Hedonê também estava ligada a outros aspectos da vida.

Eros era especificamente o deus do amor romântico. Seus poderes eram frequentemente interpretados como os de atração sexual; com um tiro de sua flecha, ele atraia parceiros românticos um para o outro.

A Hedonê, portanto, estava ligada especificamente ao prazer sexual. Ela era fruto do desejo e da atração que Eros inspirava nos casais.

Escritores antigos deixaram claro, no entanto, que Hedonê não era apenas uma deusa sexual. Qualquer tipo de prazer poderia ser associado ao nome dela, mesmo que o prazer sexual fosse o tipo mais comum que se dizia ser causado por sua influência.

Os romanos a chamavam de Voluptas e usavam seu nome para descrever muitos tipos de prazer. Além dos sentimentos sexuais, Voluptas também pode representar os prazeres da riqueza material e uma vida confortável.

Um poeta romano, por exemplo, afirmou que a vila de verão de um nobre era tão luxuosa que poderia ter sido projetada pela própria deusa do prazer. Tal lugar teria sido dedicado ao desfrute de banquetes, entretenimentos e conforto material.

Outro relato afirmou que Hedonê ou Voluptas era um associado próximo do deus do sono. Um poeta afirmou que Hefesto criou coisas bonitas dentro dos salões de Hipnos com Hedonê ao seu lado.

Neste poema, Hedonê está associada a sonhos prazerosos. Estes podem ser de qualquer tipo.

Como a personificação de parte da psique, no entanto, Hedonê era apenas vagamente mencionada como uma deusa. Seu nome foi mais frequentemente usado em obras filosóficas, onde ela incorporou uma parte central das obras de muitos escritores.

Embora o prazer seja, por definição, agradável, os filósofos gregos e romanos muitas vezes o encaravam de forma negativa. Para muitos, a deusa do prazer representava uma força ameaçadora.

Minha Interpretação Moderna

Era de se esperar que a deusa do prazer fosse acolhida como uma força positiva na vida das pessoas. Seja como prazer sexual ou sentimentos agradáveis ​​mais gerais, algumas pessoas abraçaram Hedonê.

Para muitos filósofos, no entanto, Hedonê era um personagem divisivo. Ela personificava um sentimento que alguns homens desconfiavam.

Aristóteles e Epicuro adotaram uma abordagem comedida da ideia de Hedonê. Embora não o tenham descartado completamente, eles alertaram seus seguidores de que o Hedonê poderia, em última análise, trazer efeitos negativos.

Aristóteles pensava no prazer como metade de um conceito maior chamado pathê. A outra metade do pathê era a dor.

Prazer e dor não eram opostos, afirmou, mas sujeitos à interpretação pessoal. Coisas que podem trazer felicidade para uma pessoa podem ser desagradáveis ​​para outra.

Aristóteles contradisse a escola cirenaica de filosofia que professava a importância de buscar o Hedonê. Em vez disso, ele advertiu que algumas formas de prazer podem causar dor.

Tipos de Hedonê que se alinhavam com a razão, a virtude e a lei natural eram aceitáveis ​​para Aristóteles. Ele reconhecia, no entanto, que algumas pessoas encontravam prazer em coisas que eram moral e socialmente negativas.

Epicuro expandiu essa ideia definindo os tipos de prazer. Hedonê, disse ele, podia ser baseado na virtude ou no vício, enquanto a terpsis era sempre virtuosa.

Ambos os filósofos acreditavam que tipos mais virtuosos de prazer eram duradouros, enquanto a Hedonê imoral provavelmente teria vida curta. Um momento de prazer, segundo os principais filósofos gregos, não trazia tanto prazer quanto uma vida vivida de acordo com seus ideais.

Outra das principais escolas de filosofia grega tinha uma visão ainda mais negativa de Hedonê e seu domínio. Os estóicos acreditavam que a deusa do prazer era uma força da maldade.

O estoicismo ensinava que as emoções eram negativas, independentemente de como elas faziam uma pessoa se sentir. As reações emocionais e os apegos iam contra a lógica e as razões, que eles acreditavam serem os ideais mais elevados.

Porque o prazer era uma das emoções mais subjetivas, e muitas vezes era causado por ações que eram totalmente contra a lógica e a virtude, era visto como totalmente excessivo e ilógico.

Ao ceder aos sentimentos de prazer, ensinavam os estóicos, a pessoa se abria para mais comportamentos ilógicos. A visão de mundo racional dos estóicos não tinha espaço para Hedonê como uma deusa cujo único papel era provocar uma emoção intensa.

Enquanto a sociedade romana, particularmente a das classes altas, é muitas vezes considerada excessiva e dedicada ao prazer, alguns romanos abraçaram os ensinamentos do estoicismo. Eles acreditavam que a busca do prazer pela qual a classe dominante era conhecida estava prejudicando a estabilidade e a ordem da sociedade como um todo.

Cícero, por exemplo, lamentou a ideia de que tais excessos tivessem sido divinizados. Enquanto Eros e Hedonê eram considerados deuses, ele chamava os vícios “viciosos e não naturais” que dominavam o instinto natural de uma pessoa para a virtude.

A visão negativa em relação ao prazer por algumas mentes importantes do mundo antigo continuou a influenciar nossa percepção dele hoje.

Embora o nome de Hedonê signifique simplesmente “prazer”, nossa compreensão moderna do mundo foi colorida por visões estoicas de excesso e vício. O hedonismo é usado hoje para descrever uma busca excessiva e possivelmente ruinosa de prazer, independentemente das consequências.

Resumindo

Hedonê era uma deusa grega que personificava o prazer. Como filha de Eros, o deus do amor e do desejo, seu nome era frequentemente aplicado especificamente ao prazer sexual.

Os romanos a chamavam de Volupta e a viam de maneira semelhante. Alguns poetas romanos também associavam a deusa aos prazeres e excessos desfrutados pela elite.

Enquanto Hedonê trouxe sentimentos agradáveis, muitos dos pensadores proeminentes do mundo antigo tinham uma visão mais negativa da deusa.

Filósofos importantes reconheceram que o prazer poderia vir do comportamento imoral e ilógico. Eles distinguiam entre essas ações e os sentimentos provocados pela virtude.

Homens como Aristóteles e Epicuro acreditavam que Hedonê poderia inspirar tanto a bondade quanto a maldade. Enquanto o prazer era derivado de atos virtuosos de acordo com a razão e a lei natural, ela poderia ser benéfica.

Os estóicos, no entanto, tinham uma visão amplamente negativa de Hedonê.

O estoicismo ensinava que toda emoção era excessiva porque ia contra a lógica e a racionalidade. Como o prazer era um sentimento forte e amplamente subjetivo, era ainda mais contra os ideais dos filósofos estóicos.

Essa visão de Hedonê influenciou a percepção moderna da ideia. Seu nome é familiar hoje no conceito de hedonismo, a busca excessiva e extrema de prazeres imorais.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem