Quem Foi Radamanto na Mitologia Grega?

Como o irmão de Minos foi nomeado juiz no submundo? Continue lendo para saber mais sobre Radamanto, o legislador exilado de Creta!

Na mitologia grega, a ilha de Creta é representada por seu rei mais famoso. Enquanto as genealogias e a sucessão dos reis desempenham um papel importante nas histórias de outras regiões, os mitos cretenses quase sempre apresentam o mesmo personagem.

Parte da lenda do rei Minos, no entanto, era que ele teve que lutar contra seus irmãos pelo controle da ilha. Europa e Zeus tiveram três filhos que poderiam ter reivindicado o trono de Creta, mas no final foi Minos quem venceu.

Um de seus irmãos exilados era Radamanto, cuja popularidade era considerada uma ameaça para Minos. Enquanto alguns escritores afirmaram que ele se tornou o padrasto de um herói famoso, Radamanto praticamente desaparece da mitologia pelo resto de sua vida.

Após sua morte, no entanto, ele se tornou uma figura muito mais proeminente. Como um dos juízes do Submundo, Radamanto foi notado como uma figura de justiça e um líder sábio.

Então, o que qualificou o filho de Europa para ser uma das figuras mais poderosas do Submundo? A profundidade da lenda de Radamanto pode ser muito mais complexa do que os mitos parecem!

Quem Foi Radamanto na Mitologia Grega?

Radamanto, o Juiz

Quando Zeus raptou a princesa fenícia Europa e a levou para Creta, deu início ao longo envolvimento da ilha na mitologia da Grécia.

Europa deu à luz três dos filhos do deus. Quando seu caso com Zeus terminou, ela se casou com o rei cretense Astério.

Astério criou os filhos de Europa como se fossem seus. Minos, Radamanto e Sarpedão cresceram como príncipes de Creta.

Como Astério e Europa não tiveram filhos, um de seus filhos com Zeus herdaria o trono da ilha após a morte do rei. Astério não especificou qual dos irmãos seria seu herdeiro, no entanto.

Muitas pessoas presumiram que Radamanto assumiria o trono após a morte de seu padrasto. Sua sabedoria e julgamento fizeram dele a escolha popular entre os moradores de Creta.

Escritores gregos mencionaram algumas das leis aprovadas por Radamanto durante seu tempo em Creta, embora existam poucos relatos de sua juventude em geral.

Um mencionou que ele insistia que as pessoas jurassem sobre os animais. Outra lei, mais duradoura, aprovada por Radamanto era que uma pessoa não deveria ser responsabilizada por ações tomadas em legítima defesa se a outra parte cometesse violência primeiro.

Quando Astério morreu, no entanto, não foi Radamanto, de mentalidade legal, que assumiu o trono. Após uma briga entre os irmãos, Minos tomou o poder.

Sua primeira ação como rei foi banir seus irmãos de Creta. Minos desconfiava deles e achava que Radamanto em particular provavelmente se rebelaria.

Radamanto era popular o suficiente para que tal rebelião provavelmente tivesse um apoio significativo. Minos esperava que ao exilar seus irmãos, seu poder seria mais seguro.

Alguns relatos dizem que Radamanto assumiu o controle de ilhas menores do mar Egeu e as governou bem. Nesta versão de sua história, ele era casado com a filha de Minos, Ariadne; um parente mais jovem com o mesmo nome acabou ajudando Teseu a matar o Minotauro.

Outra história, no entanto, dizia que Radamanto acabou se estabelecendo na Beócia. Lá ele conheceu Alcmena, que naquele momento de sua vida era viúva, e se casou com ela. O irmão de Minos tornou-se o padrasto de Hércules.

Embora essa fosse a extensão de seu papel nos primeiros mitos, lendas posteriores fizeram de Radamanto uma figura muito mais importante na vida após a morte.

Convencido de que a estrutura do Submundo era injusta, Zeus começou a fazer reformas no reino. Uma delas era estabelecer juízes que determinariam o destino da alma de cada pessoa com base em seu comportamento e ações na vida.

Zeus não podia escolher um deus para julgar os mortos porque uma pessoa deveria ser julgada por seus iguais. Ele não podia designar um mortal comum para a posição, no entanto, porque eles eram muito falíveis e corruptíveis.

A solução foi Zeus nomear alguns de seus próprios filhos como juízes. Seu status como semideuses lhes deu um equilíbrio entre humanidade e divindade que lhes permitiria tomar decisões justas e leais.

Foi decidido que três juízes deveriam ser nomeados. O rei Éaco de Egina julgaria o povo do Ocidente enquanto Radamanto julgava os do Oriente. Caso os juízes não chegassem a uma decisão, Minos daria o voto decisivo.

Muitos escritores colocaram Radamanto nas Ilhas dos Abençoados quando ele não estava trabalhando como juiz dos mortos.

Píndaro disse que Radamanto se tornou o principal conselheiro de Cronus depois que os Titãs foram libertados do Tártaro. Cronus tornou-se o governante de Campos Elísios (também conhecidos como Elysium), enquanto Radamanto garantiu que seu reinado fosse legal.

Luciano de Samósata deixou Cronus fora de seu relato, dizendo que o próprio Radamanto era o chefe dos heróis na vida após a morte.

Embora fosse um personagem menor na história de Minos e Creta, Radamanto cresceu para ser respeitado como juiz e líder no submundo.

Minha Interpretação moderna

Na história de Minos, Radamanto desempenhou um papel relativamente menor. No submundo, no entanto, ele se tornou uma das figuras mais importantes de lá.

O contraste entre os dois retratos de Radamanto pode ser uma evidência de que seu papel original era muito mais amplo do que se tornou em mitos posteriores.

Os filhos dos deuses frequentemente demonstravam aptidão para os domínios de seus pais divinos. As filhas de Ares eram as temíveis guerreiras amazonas, o filho de Apolo, Asclépio, tornou-se médico e Erictónio era tão inventivo quanto Hefesto.

Como filho de Zeus, Radamanto herdou a dedicação de seu pai à lei. Zeus o escolheu como juiz especificamente porque ele era incorruptível em suas crenças sobre justiça e moralidade.

Esta explicação para seu status elevado no submundo não explica totalmente seu papel lá, no entanto. Há pouca evidência dada em outros lugares por sua natureza legal e Minos foi nomeado juiz apesar de ser difamado na maioria dos mitos gregos.

Os historiadores acreditam, no entanto, que muitos elementos da mitologia grega foram influenciados pela história anterior. Radamanto poderia ter sido uma figura histórica?

Se assim for, o primeiro mistério a desvendar para os historiadores seria onde a história de Radamanto se originou. Seus mitos o ligam a três regiões – Creta, Grécia Central e Ásia.

Se Radamanto foi baseado em uma figura real, provavelmente foi um governante de Creta ou Fenícia, onde Europa nasceu. Ambas as culturas influenciaram o desenvolvimento da Grécia micênica e foram incorporadas à sua mitologia.

Creta é frequentemente retratada negativamente na mitologia grega, provavelmente por causa de conflitos históricos entre as culturas minoica e micênica. A sociedade cretense é personificada por Minos, um rei mesquinho e violento.

As histórias de Radamanto como um governante justo e sábio podem ter se originado com um rei minoico. A lenda de um rei virtuoso pode ter sido minimizada como parte da difamação da cultura minoica na mitologia grega.

Também é possível que Radamanto tenha sido baseado em uma pessoa do Oriente, provavelmente Fenícia ou Ásia Menor. A ele foi dado o governo sobre esta região no submundo.

A mitologia sobrevivente de Radamanto também divide sua influência na vida entre a Ásia e Creta. Embora se diga que ele se estabeleceu na Grécia ou perto dela após seu exílio, acredita-se que seus dois filhos tenham fundado cidades na ilha de Creta e na Ásia Menor.

Embora se saiba que a cultura fenícia influenciou muito Creta e a Grécia continental, muito poucos personagens fenícios são nomeados na mitologia grega. Europa é um dos mais proeminentes deles.

Se Radamanto foi baseado em um governante fenício, ele pode ter sido imaginado como um líder cretense por causa das origens de Europa. Sua conexão com a Ásia foi mantida, no entanto, em seu papel no submundo e na identidade de seu filho.

Como Hércules, Radamanto pode ter sido um personagem semi-lendário de outra cultura que foi escrito na mitologia grega como filho de Zeus. Se ele fosse conhecido por sua dedicação à lei, a descendência do rei dos deuses justificaria sua perspicácia legal aparentemente desumana.

Na mitologia inicial, pode ter havido mais histórias de Radamanto como legislador que desde então foram perdidas. Embora a decisão de colocá-lo como juiz dos mortos possa parecer arbitrária, pode ser baseada em tradições de longa data que antecedem inteiramente a cultura grega.

Resumindo

Radamanto foi um dos três filhos de Europa e Zeus. Ele e seus irmãos foram criados como príncipes de Creta por seu padrasto, o rei da ilha.

Alguns exemplos sobreviventes na mitologia afirmam que Radamanto era um legislador muito amado. Suas regras e reformas o tornaram popular entre o povo.

Quando seu irmão Minos assumiu o poder após a morte do rei Astério, esse apelo popular fez de Radamanto uma ameaça ao seu governo. Minos exilou seus dois irmãos.

Radamanto se estabeleceu na Grécia. Segundo alguns relatos, casou-se com Alcmena e tornou-se padrasto de Hércules.

Após a morte, o cretense exilado tornou-se uma figura mais proeminente. Ele foi escolhido, junto com Minos, como um dos três juízes dos mortos no submundo.

Escritores retrataram Radamanto não apenas como um juiz no reino de Hades, mas também como um de seus governantes. Nas Ilhas dos Abençoados, ele era geralmente considerado um dos líderes dos muitos semideuses e heróis que foram enviados para lá.

A diferença entre os dois retratos de Radamanto, um como uma figura muito menor e o outro como rei e oficial legal, pode indicar que alguma parte de sua história foi perdida. É possível que Radamanto tenha se baseado, pelo menos em parte, em uma figura histórica cuja lenda foi amplamente esquecida pela Era Clássica.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato