Quem Foram os Deuses Primordiais da Mitologia Grega?

Os deuses primordiais foram os primeiros seres na narrativa da criação grega. Quanto você sabe sobre os deuses originais que criaram o universo?

Em todo o mundo e ao longo da história, as religiões tentaram resolver o mistério de como o universo foi criado. Embora os deuses e deusas que as pessoas adorassem pudessem ser responsáveis ​​por diferentes domínios, como esses domínios e seus deuses surgiram era uma questão intrigante.

Os gregos aplicaram as tendências das gerações de deuses em sua mitologia a essa questão. As sucessivas gerações de deuses passaram de domínios amplos para domínios cada vez mais especializados, então era lógico que o universo começasse com os domínios mais amplos de todos.

Acreditava-se que os deuses primordiais foram os primeiros a existir. A maioria das pessoas acreditava que o primeiro deles surgiu espontaneamente e depois deu origem aos outros.

Os deuses primordiais eram poderes elementais. Gaia não era simplesmente a deusa da terra, ela era a própria terra.

Então, quem foram os deuses primordiais?

Quem Foram os Deuses Primordiais da Mitologia Grega?

Caos

A maioria das releituras da cosmologia grega começa com o Caos. Normalmente descrito como feminino, o Caos era a mistura rodopiante de massa elementar que existia antes de qualquer outra coisa.

Diz-se que os primeiros deuses primordiais emergiram desse espaço caótico. O caos continha os primeiros blocos de construção a partir dos quais toda a criação surgiria.

Essa visão do Caos só existia na mitologia posterior, no entanto.

A palavra caos em grego significava “abismo”. Não foi originalmente aplicado a uma confusão confusa de massa, mas a um espaço vazio.

Na cosmologia anterior, o Caos não era a primeira parte de toda a criação. Ela era a deusa primordial da atmosfera inferior.

Seu domínio era o ar que cercava o mundo dos vivos, uma vez que o mundo foi criado. Ela representava tanto o elemento invisível do ar quanto as névoas e neblinas mais espessas que às vezes o preenchiam.

Como a primeira deusa elemental do ar, Caos era a mãe de todos os deuses do ar e da névoa que vieram depois dela.

Versões posteriores da cosmologia expandiram esse papel para fazer do Caos o progenitor de todos os deuses primordiais. O nome ainda era aplicado ao ar, no entanto.

Como a primeira deusa do ar, o Caos também era a mãe das coisas que viviam nele. Pássaros, insetos e outras criaturas voadoras foram seus primeiros filhos mortais.

Cronos

Quando se dizia que o Caos era a origem dos deuses primordiais, acreditava-se que outros emergiam dela. O primeiro deles foi Cronos.

Antes que Cronos, o deus do tempo surgisse, não havia progressão ou movimento possível. O vazio que veio antes da criação foi eterno e momentâneo.

Uma vez que Cronos surgiu, a progressão do tempo poderia começar. Pode haver uma divisão clara, por exemplo, entre coisas que vieram antes de seu nascimento e coisas que vieram depois.

De acordo com alguns relatos, no entanto, quando apenas Cronos existia, não havia ordem ou estrutura para o tempo. Seu curso era errático e imprevisível.

Outro ser primordial foi dito às vezes ter surgido mais ou menos ao mesmo tempo que Cronos. Ananque representava inevitabilidade, compulsão e necessidade.

Ananque e Cronos se entrelaçaram e a ordem foi trazida ao universo. O tempo começou a progredir em um ritmo ordenado e previsível e a manter um curso consistente que não saltava para a frente ou voltava sobre si mesmo.

Enquanto os deuses primordiais eram incorpóreos, Cronos e Ananque às vezes eram descritos como seres semelhantes a cobras. Seus corpos giravam um ao redor do outro, cercando toda a criação e constantemente em movimento.

Gaia, Urano e Tártaro

Os mais conhecidos dos deuses primordiais foram os primeiros a ter uma presença física.

Gaia é muitas vezes referida como a Mãe Terra. Como a deusa primordial do mundo, ela era a mãe de todas as coisas vivas que vieram habitá-la.

Gaia também foi um dos únicos deuses primordiais a ser mostrado rotineiramente com uma forma antropomórfica e uma personalidade distinta.

Ela apareceu na arte como uma figura feminina emergindo do chão. Embora ela nunca tenha sido totalmente separada da terra, ela poderia ser mostrada de uma maneira mais relacionável.

Gaia também apareceu com destaque em muitos mitos. Ela foi retratada como uma figura materna protetora que faria grandes esforços, incluindo violência, para proteger seus filhos.

O primeiro filho de Gaia emergiu de seu ser logo depois que ela foi formada. Este era Urano, o deus dos céus, que se tornou seu esposo.

Juntos, Urano e Gaia se tornaram os pais dos Titãs, os primeiros Ciclopes e os Hecatônquiros. Estes foram os primeiros deuses a nascer de uma união entre dois outros seres e não espontaneamente.

Urano, no entanto, não era um bom pai para seus filhos. Ele desprezou os Ciclopes e os Hecatônquiros por suas aparências monstruosas e os aprisionou em um lugar onde Gaia não poderia alcançá-los.

Sob a extensão plana de Gaia, outro ser primordial tomou forma. Este era o Tártaro, o poço.

O Tártaro era um lugar sombrio e brutal. Enquanto Gaia era um lugar de vida, o Tártaro era um reino de morte.

O poço se curvava abaixo de Gaia em um semicírculo. Enquanto eles se encontravam em suas bordas, não havia como Gaia ver dentro do Tártaro porque ele estava abaixo de sua superfície.

Urano trancou seus seis filhos nas profundezas do Tártaro, dando preferência aos Titãs mais atraentes. Isso enfureceu Gaia, no entanto, e ela pediu a seus filhos que a ajudassem a proteger seus irmãos.

Quando os Titãs se rebelaram contra Urano, eles o seguraram no ar para que ele não pudesse mais tocar Gaia. Com isso, os céus se tornaram uma cúpula sobre a terra, espelhando a curva do Tártaro e tornando o mundo físico uma esfera completa.

Oceano e os Deuses da Água

Vários dos deuses primordiais representavam os diferentes tipos e qualidades da água.

O principal deles foi Oceano, que nasceu de Gaia. Embora seu nome tenha sido posteriormente aplicado aos maiores corpos de água salgada do mundo, os gregos acreditavam que Oceano era uma divindade de água doce.

Oceano era um vasto rio que circundava inteiramente o perímetro de Gaia. Ele estava no limite do mundo físico, onde Gaia, Urano e Tártaro se encontravam em seus limites.

Oceano às vezes era antropomorfizado como um homem com chifres com cauda de serpente marinha ou peixe. Essa representação provavelmente é tirada de um deus marinho pré-grego mais antigo.

Oceano foi a origem de toda a água doce do mundo. Rios, nascentes e até nuvens de chuva estavam diretamente ligados a ele.

Essas águas nasceram da parceira de Oceano, Tétis.

Enquanto Oceano representava a própria água, Tétis era a deusa de seu fluxo e movimento contínuos. Rios e nascentes tinham sua fonte em Oceano, mas eles se moveram pelo mundo por causa de Tétis.

Os rios e outros tipos de água que vinham de Oceano e Tétis eram personificados como deuses e deusas. As ninfas oceânicas e os deuses do rio eram seus filhos em forma antropomorfizada.

Por representar o fluxo de líquido, Tétis também assumiu funções como uma deusa mãe mais geral. Seu fluxo primordial também era o poder por trás do sangue menstrual, leite materno e outras características fluidas da maternidade.

Enquanto Oceano era a origem da água doce, Ponto ou Póntos era o deus primordial da água salgada. Ele era o deus do mar.

Sua parceira era Tálassa, a representação primordial da superfície do mar. Juntos, eles foram os pais da vida marinha.

Algumas versões da cosmologia grega afirmavam que nem Oceano nem Ponto ou Póntos foram as primeiras formas aquáticas. Em vez disso, eles nomearam Hidros como a forma primordial de toda a água.

Érebos, Nix e seus filhos

Duas das divindades primordiais mais prolíficas foram Érebo ou Érebos e Nix.

Nix nasceu diretamente do Caos. Ela era a deusa da noite.

Nix foi logo seguida por Érebos, o deus das trevas. Os dois se tornaram consortes e companheiros íntimos.

Os primeiros filhos nascidos de Nix e Érebos eram, ironicamente, divindades primordiais da luz.

Éter era o deus da atmosfera superior. Ele era o azul brilhante que fazia o espaço entre a terra e os céus brilhar com luz.

Sua irmã Hemera era a deusa do dia.

Nix e sua filha se moviam através do espaço de Éter em um ciclo constante. Quando Nyx trouxe a noite para a terra, ela puxou as névoas escuras de Erebus com ela, mas quando Hemera chegou pela manhã ela baniu os dois e permitiu que Éter brilhasse.

Como Caos e Éter, Érebos era um tipo de ar. Suas brumas tinham sua própria região, assim como o Caos e o Éter habitavam as camadas da atmosfera.

Em alguns relatos, Érebos foi encontrado depois de Oceano, nos confins da criação. Outros diziam que ele se retirava para o Tártaro durante o dia e o enchia de névoas escuras.

Depois que seus filhos primordiais foram criados, Érebos e Nix tiveram muitos descendentes com formas físicas.

Numerosos deuses e deusas menores foram considerados seus filhos. Praticamente qualquer coisa associada à noite, segredo ou escuridão foi dito por pelo menos uma fonte ter nascido de Nix.

Estes eram frequentemente deuses que podiam ser vistos como ameaçadores. As Parcas ou Moiras, as personificações da morte e as Fúrias eram, às vezes, consideradas seus filhos.

Enquanto Nix e Érebos foram responsáveis ​​pela criação de muitos deuses e deusas que as pessoas temiam, no entanto, eles não eram os pais de monstros. Noite e escuridão não eram más influências, mas parte da ordem natural da criação.

Fanes e Eros

Algumas fontes afirmaram que um deus frequentemente considerado o mais jovem era na verdade um dos primeiros deuses primordiais.

Em muitas versões da mitologia grega, Eros era o mais jovem dos olímpicos. Ele era filho de Afrodite e foi descrito como um deus travesso e infantil.

Logicamente, porém, havia um problema com Eros sendo tão jovem.

Como o deus do amor, Eros era responsável por fazer homens e mulheres sexualmente atraídos um pelo outro. Sem sua influência, nenhum dos deuses teria acasalado um com o outro antes de seu nascimento.

Mesmo seu próprio nascimento teria sido impossível. A maioria das pessoas acreditava que ele era o produto do caso de Afrodite com Ares, o que nunca teria acontecido se o amor ainda não existisse.

Para a reprodução ter começado, Eros precisaria ter nascido antes que qualquer um dos deuses primordiais se unisse. Isso significava que, no mínimo, ele teria que ser mais velho que os Titãs, Hemera e os deuses do rio.

Algumas pessoas, portanto, acreditavam que Eros foi um dos primeiros deuses primordiais. Ele surgiu no início da criação, diretamente do Caos ou como um filho nascido espontaneamente de Nix.

Para conciliar as duas crenças, alguns afirmavam que Eros havia nascido duas vezes. Ele foi destruído quando Urano perdeu o poder, mas sua essência foi contida e renasceu de Afrodite.

Para distinguir entre as duas encarnações do deus do amor, o Eros primordial às vezes era chamado de Eros Protogonos ou Protogenos.

Em alguns cultos de mistério, ele era conhecido como Fanes. A história de Fanes apresentou uma narrativa de criação muito diferente da maioria da religião dominante na época.

Em vez do Caos, alguns iniciados do culto acreditavam que a criação havia começado com um ovo de prata. O ovo primordial continha todos os elementos necessários para colocar o universo em ordem.

Fanes nasceu deste ovo e começou a reunir os elementos ao seu redor em formas primordiais. Isso fez dele o deus criador original, enquanto a cosmologia grega mais tradicional sustentava que os deuses primordiais surgiram mais espontaneamente.

Essa história de Fanes e o ovo provavelmente foi tirada de influências estrangeiras, principalmente a história da criação egípcia. Foi usado na Grécia, no entanto, para elevar o status de Eros e explicar as contradições em torno de seu nascimento.

A Sucessão Dos Deuses Primordiais

A mitologia grega é marcada de muitas maneiras pela ideia de progressão. Gerações sucessivas de deuses tinham domínios mais especializados e poderes precisos.

Como os primeiros deuses, as divindades primordiais representavam amplos aspectos da criação. Seus filhos, netos e gerações posteriores dividiriam esses domínios até que representassem lugares, ideias ou poderes muito específicos.

Os deuses primordiais eram as forças mais básicas e amplas que compunham a criação. Deles nasceram todos os outros deuses e todas as formas de vida.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem