15 Antigos Deuses e Deusas Celtas Que Você Precisa Conhecer

Quando se trata dos antigos celtas, o escopo não é realmente sobre um único grupo de pessoas que dominou alguma região ou reino específico. Em vez disso, estamos falando de uma cultura vasta e diversificada que fez sua presença ser sentida desde a Península Ibérica (Espanha e Portugal) e Irlanda até as fronteiras da Ligúria na Itália e no alto Danúbio. Basta dizer que sua mitologia espelhava esse escopo multifacetado, com várias tribos, chefias e até reinos posteriores tendo seu próprio conjunto de folclore e panteões. Essencialmente, o que conhecemos como mitologia celta (e que conhecemos como deuses e deusas celtas) é emprestado de uma colcha de retalhos de tradições orais e contos locais que foram concebidos na Gália pré-cristã (França), Ibéria, Grã-Bretanha e Irlanda.

Além disso, esses deuses celtas regionais tinham seus cognatos e divindades associadas em outras culturas celtas, com o exemplo adequado de Lugus - como era conhecido na Gália, e Lugh - como era conhecido na Irlanda. Para tanto, neste artigo, enfocamos principalmente os antigos deuses e deusas celtas da Irlanda e da Gália, com os primeiros tendo sua narrativa mítica distinta preservada em parte pela literatura irlandesa medieval. Então, sem mais delongas, vamos dar uma olhada nos 15 antigos deuses e deusas celtas que você precisa conhecer.

1) Ana ou Danu / Dana - A Deusa Primordial da Natureza


Contada entre os mais antigos dos deuses celtas da Irlanda, Danu (também conhecida como Anu, Dana, Danu e Annan) possivelmente incorporou o escopo primordial, com seus epítetos descrevendo-a como uma deusa-mãe. Assim, a deusa celta, frequentemente retratada como uma mulher bonita e madura, era associada à natureza e à essência espiritual da natureza, ao mesmo tempo que representava os aspectos contrastantes (ainda que cíclicos) de prosperidade, sabedoria, morte e regeneração.

O papel de Danu é muito pronunciado na mitologia irlandesa, onde ela é frequentemente referida como Anu, Danu ou Dana, e é considerada a mãe divina dos Tuatha Dé Danann ('povo de Dana') - a raça sobrenatural (ou tribo) de deuses celtas que possivelmente formaram um dos principais panteões da Irlanda gaélica pré-cristã. Para tanto, seu centro de culto provavelmente era baseado em Munster, enquanto duas colinas no condado de Kerry ainda são conhecidas como Da Chich Anann ("Os Paps de Anu"). A deusa Don na mitologia galesa também era frequentemente associada a sua contraparte matronal irlandesa. Quanto ao lado histórico dos assuntos, Danu (ou suas divindades relacionadas), apesar de sua relativa imperceptibilidade nas referências folclóricas, era contada entre os principais deuses celtas não apenas na Irlanda, mas também na Grã-Bretanha e na Gália.

2) Dagda - O Alegre Chefe dos Deuses

Dagda

Uma vez que nos aprofundamos no panteão gaélico na primeira entrada, a divindade paterna mais importante no âmbito dos deuses celtas irlandeses pertencia ao Dagda (An Dagda - "o Deus Bom"). Reverenciado como o líder da tribo de deuses Tuatha Dé Danann, ele era geralmente associado à fertilidade, agricultura, clima e força masculina, ao mesmo tempo que incorporava os aspectos de magia, sabedoria, conhecimento e druidismo. Essas facetas explicam sua fama e veneração entre os druidas celtas. Muitos dos aspectos também apresentam semelhanças impressionantes com as características divinas de Odin, o chefe da tribo Aesir de antigos deuses nórdicos.

Reforçando sua natureza como a figura paterna entre os deuses celtas (especialmente na Irlanda gaélica), o Dagda era frequentemente representado como uma túnica rústica (que mal cobria sua parte traseira) vestindo um velho gorducho que carregava um imponente bastão / clava mágico ( lorg mór) que poderia matar nove pessoas com um único golpe e ainda ressuscitar os mortos para a vida. Curiosamente, o deus celta carregava também um enorme caldeirão mágico (coire ansic) que não tinha fundo - e vinha acompanhado de uma enorme concha que cabia duas pessoas, aludindo assim ao seu poder de abundância e inclinação para a comida. E apesar de suas características físicas aparentemente idiotas, o Dagda teve várias amantes, incluindo Morrigan - a deusa celta da guerra e do destino (discutida mais tarde).

3) Aengus (Angus) / Aonghus - O Jovem Deus do Amor

Aengus

O filho do Dagda e da deusa do rio Boyne, Aengus (ou Aonghus) - significando "verdadeiro vigor", era a divindade celta do amor, juventude e até inspiração poética. Na narrativa mítica, para encobrir seu caso ilícito e a consequente gravidez de Boann, o Dagda (que era o líder dos deuses celtas e podia controlar magicamente o clima) fez o sol parar por nove meses, o que resultou no nascimento de Aengus em apenas um dia. Em qualquer caso, Aengus acabou por ser um homem animado com um personagem encantador (embora um tanto caprichoso) que sempre tinha quatro pássaros pairando e cantando em torno de sua cabeça.

Foi dito que Aengus tem sua morada ao redor de Newgrange depois que ele enganou seu pai Dagda para lhe dar a posse de Brú na Bóinne - a morada espiritual do chefe dos Tuatha Dé Danann. Mas seu status na Irlanda antiga como patrono de jovens amantes era sustentado por seu próprio amor por Caer Ibormeith, uma garota que foi vista em um sonho pelo deus. Aengus foi então capaz de encontrá-la e se casar após reconhecer instantaneamente sua musa como um dos cisnes (já que Caer se transformava em um cisne a cada ano alternado). Quanto ao lado histórico das coisas, Aengus, com seu epíteto Mac Óg ("filho jovem"), foi possivelmente ligado a Maponos, um dos deuses celtas da juventude, venerado tanto na antiga Grã-Bretanha quanto na Gália.

4) Lugo / Lugus / Lugh - O Deus Guerreiro Corajoso

Lugo

Embora raramente mencionado em inscrições, Lugo ou Lugus (como conhecido na Gália) ou seus cognatos Lugh Lámhfhada (Lugh do Braço Longo) em gaélico irlandês e Lleu Llaw Gyffes (Lleu da Mão Hábil) em Galês, era uma divindade importante entre os Deuses e deusas celtas. Frequentemente reverenciado como o resplandecente deus do sol, Lugo ou Lugh também era visto como um guerreiro arrojado (e muitas vezes jovem) responsável por matar Balor - o chefe caolho dos Formorii, os velhos adversários dos Tuatha Dé Danann.

O ato heroico alcançado por um estilingue preciso no olho de Balor anunciou a ascensão dos Tuatha Dé Danann como a tribo dominante de deuses na Irlanda (sobre os Formorii, que eram retratados com características mais sombrias). Curiosamente, apesar de ser o campeão dos Tuath Dé, no sentido narrativo, o próprio Lugh descendia dos Formorii caolhos (ou unilaterais), sendo Balor seu avô materno.

Também conhecido como Samildánach (hábil em todas as artes), Lugh (ou Lugo) foi adicionalmente associado a tempestades, corvos e até linces. E condizente com seu status como um dos deuses celtas preeminentes, ele era frequentemente retratado com sua armadura, capacete e lança invencível Gae Assail. Na narrativa mítica, Lugo era percebido como o pai divino de Cú Chulainn, o mais famoso dos heróis irlandeses, cujo personagem e feitos tinham semelhanças tanto com o grego Hércules (Hércules) quanto com o persa Rostam.

Quanto à história, devido ao traço cultural romano da interpretatio Romana, Lugo foi possivelmente percebido como o equivalente gaulês do deus romano Mercúrio - e, como tal, o antigo povoado de Lugdunum (a moderna Lyon) teve seu topônimo derivado do deus celta - significando 'forte de Lugo'. Curiosamente, o próprio termo 'duende' também é possivelmente derivado de Luchorpain ou 'pequeno Lugh' - um termo genérico usado para a fada em gaélico.

5) Morrigan - A Misteriosa Deusa do Destino

Morrigan

Mórrígan ou Morrigan (também conhecida como Morrígu) era vista como uma divindade feminina misteriosa e um tanto sinistra entre os deuses e deusas celtas irlandeses, associada tanto à guerra quanto ao destino. Em irlandês moderno, seu nome Mór-Ríoghain se traduz aproximadamente como "rainha fantasma". Combinando com este epíteto enigmático, na narrativa mítica, Morrigan era capaz de mudar de forma (que geralmente se transformava em um corvo - o mau) e prever a desgraça, enquanto também incitava os homens em um frenesi de guerra. Por outro lado, em contraste com esses atributos aparentemente caóticos e "fomentadores da guerra", Morrigan também era possivelmente venerada como uma deusa celta da soberania que agia como a guardiã simbólica da terra e de seu povo.

Morrigan foi frequentemente associada a outros deuses celtas guerreiros como Macha, Badb e Nemain e, portanto, às vezes ela era apresentada como uma figura composta da trindade (que também eram retratados coletivamente como um grupo de belas mulheres com a capacidade de se transformar em gritos malignos corvos sobre os campos de batalha). E por falar na narrativa mítica, Morrigan foi romanticamente ligada ao mencionado Dagda (e teve um encontro amoroso com o chefe dos deuses no Samhain).

Consequentemente, ela o ajudou magicamente contra a guerra com os Formorii. Por outro lado, um aspecto sinistro nascente de Morrigan é revelado quando ela se instala em triunfo no ombro do herói moribundo Cú Chulainn - após o herói, sem saber, ferir a deusa em sua forma transformada. Em essência, suas caracterizações e poderes proféticos são frequentemente associados às premonições da morte violenta de um guerreiro, sugerindo assim uma ligação com o folclórico Banshees - derivado de bean sidhe ("mulher das fadas").

6) Brigid - A Deusa "Tripla" da Cura

Brigid

Em contraste com os aspectos taciturnos de Morrigan, Brigid, na Irlanda pré-cristianismo, era considerada a deusa celta da cura, da primavera e até da arte de ferreiro. Na narrativa mítica, ela é filha do Dagda e, portanto, membro dos Tuatha Dé Danann. Curiosamente, no Lebor Gabála Érenn (O Livro da Tomada da Irlanda - coleção de poemas compilados no século 11 DC), ela é mencionada por ter vários animais domesticados, desde bois, o rei dos javalis, a ovelhas - e essas criaturas costumavam gritar como um aviso para a deusa.

Além da narrativa, é a história de Brigid como um dos principais deuses celtas da Irlanda que fascina muitos aficionados. Para esse fim, continuando a tradição da deusa indo-europeia do amanhecer, Brigid era possivelmente venerada em seus três aspectos - a curandeira, a poetisa e a ferreira. Em essência, ela pode ter sido uma divindade tripla (o composto de três entidades). Além disso, sua eminência (pelo menos na Irlanda) deriva da possibilidade de que Brígida pré-cristã foi sincretizada na época medieval com a Santa Brígida católica de Kildare. Esta forma incrível de sincretismo sugere como os primeiros monges cristãos medievais desempenharam seu papel na adaptação à mudança da paisagem religiosa do reino, mantendo alguns dos elementos nativos "pagãos" mais antigos.

7) Beleno ou Belenos - O Deus Sol Refulgente

Beleno

Um dos deuses celtas mais antigos e mais amplamente adorados - que era venerado na Europa Continental, Grã-Bretanha e Irlanda, Beleno (também conhecido como Belenos, Bel e Beli Mawr) era o deus-sol por excelência na mitologia celta. Conhecido por seu epíteto "o único luminoso", Beleno também era associado ao cavalo e à roda - e seus compostos tendiam a retratá-lo como o refulgente Deus Sol cavalgando gloriosamente pelo céu em sua carruagem puxada por cavalos. Outras representações mostram Beleno apenas montando seu cavalo enquanto lança raios e usa a roda como escudo.

Dada sua eminência nos tempos antigos, não é uma surpresa que os romanos o identificassem com uma de suas próprias divindades sincréticas greco-romanas - Apolo, o arquétipo do jovem deus da luz. Assim, com o tempo, Beleno também foi associado aos aspectos curativos e regenerativos de Apolo, com santuários de cura dedicados às entidades duais encontradas em toda a Europa ocidental, incluindo o de Sainte-Sabine na Borgonha e até mesmo outros tão distantes como Inveresk, na Escócia.

Na verdade, o culto a Beleno era tão forte em algumas partes do continente que o deus era considerado a divindade padroeira de Aquileia (a antiga cidade romana situada na 'cabeceira' do mar Adriático), bem como o deus nacional de Noricum ou Nórica (incluindo partes da atual Áustria e Eslovênia). Mesmo em nosso contexto moderno, o legado de Beleno (ou Bel) sobrevive através do festival contínuo de Beltane ("Fogos de Bel") que foi originalmente celebrado para representar os poderes curativos do sol da primavera. Curiosamente, o conhecido nome galês "Llywelyn" também vem de dois deuses solares celtas, uma vez que é derivado de Lugubelinos - o composto de Lugus (ou Lleu em galês) e Belenos (ou Belyn em galês).

8) Teutates ou Toutatis - O Deus Guardião dos Gauleses

Teutates

Do escopo gaélico, passamos para a antiga Gália e seus deuses celtas. Para esse fim, em nosso contexto moderno, Toutatis tornou-se famoso pelo bordão de quadrinhos Asterix "Por Toutatis!". E embora não se saiba muito sobre o escopo mitológico, Toutatis (ou Teutates) era provavelmente uma divindade celta bastante importante, com seu próprio nome traduzindo aproximadamente como "Deus do Povo". Em essência, ele foi possivelmente percebido como uma entidade guardiã crucial que assumiu o papel de protetor da tribo e, portanto, seu nome inscrito (TOT) foi encontrado em alguns artefatos antigos na Grã-Bretanha Romana e na Gália.

O poeta romano Lucan ou Lucano do século I mencionou Teutates como um dos três maiores deuses celtas (junto com Esus e Taranis), enquanto pelo traço acima mencionado de interpretatio Romana, Toutatis era visto como o equivalente tanto de Marte quanto de Mercúrio. No lado macabro das coisas, comentaristas romanos posteriores mencionaram como as vítimas eram sacrificadas em nome do deus, mergulhando a cabeça em um barril de líquido desconhecido (possivelmente cerveja). Curiosamente, Toutatis possivelmente também tinha sua contraparte irlandesa na forma de Tuathal Techtmar, o lendário conquistador da Irlanda - cujo nome originalmente se referia à divindade epônima Teuto-valos ("Governante do povo").

9) Camulos - O Deus da Guerra

Camulos

Em vez de ser contado entre os deuses celtas centrais, Camulos era possivelmente mais uma divindade romano-céltica, frequentemente associada a Marte (ou Ares grego), e portanto era visto como um deus da guerra. No entanto, suas origens residem no deus tribal dos Remi, uma tribo belga que dominava o nordeste da Gália (compreendendo a atual Bélgica e partes da Holanda e da Alemanha).

Em qualquer caso, Camulos era considerado um dos importantes deuses celtas antigos (ou divindades romano-célticas) na Grã-Bretanha, a julgar por seu nome ter sido dado a vários lugares da região, incluindo Camuloduno ou Camaloduno (em latim: Camulodunum), o antigo nome romano para Colchester em Essex, Inglaterra. E embora, inicialmente, ele fosse apenas adorado em pedras onde eram colocadas coroas de carvalho, as caracterizações posteriores retrataram que Camulos tinha chifres de carneiro na cabeça.

10) Taranis - O Deus do Trovão

Taranis

Embora amplamente conhecido como um dos principais deuses da Gália durante a época romana, as origens de Taranis provavelmente remontam a tradições celtas muito mais antigas. Como mencionamos antes, de acordo com Lucano, Taranis formou uma tríade de deuses celtas (junto com Toutatis e Esus) e, como tal, ele era considerado o deus do trovão, fazendo comparações óbvias com Júpiter romano (e Zeus grego). Mesmo na escala visual, o deus foi retratado com um raio, tendo assim mais semelhança com Zeus. No entanto, literalmente, por outro lado, Taranis também foi representado com uma roda solar - um dos símbolos mais comuns encontrados em artefatos celtas, o que sugere sua eminência no panteão relacionado.

Além disso, Taranis estava associado ao fogo, seja o fogo do céu ou o fogo do ar. Isso levou a algumas alegações perturbadoras de outros autores romanos, incluindo o de Estrabão e Júlio César, que descreveram vítimas sacrificais sendo queimadas dentro de construções de "homem de vime" para apaziguar a divindade. Em qualquer caso, curiosamente, o próprio nome Taranis (como mencionado por Lucano) não é atestado quando se trata de inscrições históricas, embora formas relacionadas como Tanarus e Taranucno - tenham sido identificadas por arqueólogos. E por falar em arqueologia, o culto a Taranis provavelmente carregava e venerava pequenas rodas votivas conhecidas como Rouelles que simbolizavam a forma solar.

11) Cernuno ou Cernunnos - O Senhor das Coisas Selvagens

Cernuno

Indiscutivelmente o mais visualmente impressionante e um tanto portentoso dos deuses celtas antigos, Cernunnos é na verdade o nome convencional dado à divindade "Cornudo". Como o deus chifrudo do politeísmo celta, Cernunnos é frequentemente associado a animais, florestas, fertilidade e até riqueza. Sua própria representação reflete tais atributos, com os chifres conspícuos do cervo em sua cabeça e os epítetos poéticos como o "Senhor das Coisas Selvagens".

Quanto à história, há apenas uma única evidência conhecida para o nome completo Cernunnos, e ele vem do Pilar dos Barqueiros esculpido pelos marinheiros gauleses por volta de 14 DC. Considerado como um dos relevos importantes da religião galo-romana, o pilar adicionalmente representa outras divindades romanas como Júpiter e Vulcano.

No entanto, de forma bastante intrigante, as representações visuais da divindade com chifres (como um dos deuses celtas) são anteriores a essas inscrições e nomes em séculos. Para esse fim, um dos exemplos adequados seria uma figura humana com chifres apresentada em um petróglifo datado do século 7 a 4 aC na Gália Cisalpina e outras figuras com chifres relacionadas adoradas pelos celtiberos com base no que hoje é a atual Espanha e Portugal. E a representação mais conhecida de Cernunnos pode ser encontrada no caldeirão de Gundestrup (por volta do século 1 aC).

12) Ogmios / Ogma - O Deus da Eloquência

Ogma

Na maioria das narrativas míticas antigas, raramente encontramos entidades divinas associadas exclusivamente à linguagem. Bem, Ogmios, como um dos antigos deuses celtas, vai contra essa "tendência", já que ele era simplesmente considerado o deus da eloquência. O satírico e retórico sírio helenizado do século II Luciano de Samósata mencionou como Ogmios era como a versão mais antiga de Hércules na aparência, com ambos vestindo peles de leão e carregando clavas e arcos. No entanto, Ogmios se sai melhor no fator 'ostentação' por ter longas correntes (feitas de âmbar e ouro) presas à sua língua (dentro de sua boca sorridente) que o conectam com seu grupo de seguidores. Essencialmente, o escopo visual representava simbolicamente como o deus celta tinha o poder de eloquência e persuasão para ligar seus seguidores a ele.

O equivalente irlandês posterior de Ogmios, Ogma, também desempenha um papel crucial nos mitos gaélicos. Considerado filho de Dagda e, portanto, membro dos Tuatha Dé Danann, Ogma é considerado o inventor do Ogham - o sistema de escrita mais antigo da Irlanda. Dado o epíteto de "Senhor do Conhecimento", Ogam também foi retratado como um guerreiro capaz que foi matar o rei Fomoriano Indech e reivindicar uma espada mágica que poderia recontar seus feitos heroicos. Em outra versão, ele morre junto com seu inimigo Indech em um combate individual.

13) Grano ou Grannus - O Deus das Fontes Termais

Grano

Em outro exemplo fascinante de sincretismo galo-romano, Grannus era percebido como um dos (originalmente) deuses celtas da cura, que mais tarde foi associado a Apolo e frequentemente venerado como uma divindade composta de Apolo-Grannus no mundo romano. Para esse fim, Grannus era tipicamente ligado às fontes termais e frequentemente adorado em conjunto com Sirona - uma deusa celta da cura.

Não é novidade que seus centros de culto eram frequentemente focados em áreas com fontes termais e minerais, com a mais famosa pertencendo a Aquae Granni, que mais tarde ficou conhecida como Aachen - o centro real do posterior Império Carolíngio sob Carlos Magno. E deve-se notar que Grannus também era considerado uma divindade solar, associando assim simbolicamente seus poderes aos dos raios curativos do sol.

14) Epona - A Deusa Protetora dos Cavalos

Epona

Além do sincretismo, havia também deuses celtas únicos adorados no panteão da antiga religião galo-romana e até na própria Roma. Epona pertencia à rara segunda categoria. Considerada a divindade feminina e protetora de cavalos, burros e mulas (etimologicamente, a palavra 'Epona' é derivada do protocéltica - ekwos - que significa cavalo), a deusa celta também foi possivelmente associada à fertilidade - dadas as pistas visuais de patera, cornucópia e potros em algumas de suas esculturas existentes. E por falar em representações, a maioria das inscrições dedicatórias de Epona (encontradas por arqueólogos) foram feitas em latim (em oposição ao céltico), sugerindo assim sua popularidade no mundo romano. 

De fato, com seu aspecto de protetora dos cavalos, Epona era favorecida e venerada pelos cavaleiros auxiliares do Império Romano, especialmente os renomados Cavaleiros Imperiais (Equites Singulares Augusti), que eram os homólogos da cavalaria da Guarda Pretoriana. Quanto às outras culturas celtas, tem sido argumentado nos círculos acadêmicos que Epona possivelmente inspirou o personagem mítico / folclórico galês de Rhiannon - a tenaz senhora do Outro mundo.

15) Ériu / Eire - A Deusa da ‘Irlanda’

Ériu

Considerada um dos deuses celtas entre os Tuatha Dé Danann, Ériu (irlandesa moderna - Eire) tem a distinção de ter uma nação inteira com o seu nome. Para esse fim, o próprio termo Irlanda vem de Ériu (como o reino era conhecido nos tempos "antigos") e, portanto, seu nome moderno Eire foi modificado para se adequar à pronúncia atual da Irlanda. Essencialmente, Ériu serve como a personificação moderna da Irlanda.

Quanto ao lado mitológico das coisas, Ériu de muitas maneiras simbolizou o legado dos Tuatha Dé Danann depois que foram derrotados pelos Milesianos. Na narrativa relacionada, quando os Milesianos invadiram a Irlanda da Galícia, Ériu e suas duas irmãs Banba e Fódla foram saudar os recém-chegados. Como cortesia, os Milesianos prometeram dar à terra o nome dela. Mas, infelizmente para os Tuatha Dé Danann, eles só receberam o subsolo para morar pelos vitoriosos Milesianos - e este reino (sob os montes Sidhe) foi percebido como a passagem para o Outro Mundo Celta. Este último estava associado ao mundo sobrenatural e místico onde viviam fadas e deuses.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem