Minerva - Deusa Romana da Sabedoria

Na mitologia romana, Minerva era a deusa virgem da sabedoria, bem como vários outros domínios, incluindo medicina, guerra estratégica e estratégia. O nome de Minerva deriva das palavras proto-itálica e protoindo-europeia ‘meneswo’ (que significa compreensão ou inteligência) e ‘menos’ (que significa pensamento).

Minerva era equiparada à deusa grega Atena e foi uma das três divindades da Tríade Capitolina, junto com Juno e Júpiter. No entanto, suas verdadeiras origens remontam à época dos etruscos, antes dos romanos.

Minerva - Deusa Romana da Sabedoria

O Nascimento de Minerva

Minerva era filha da titã Métis e do deus supremo do panteão romano, Júpiter. De acordo com o mito, Júpiter estuprou Métis, então ela tentou escapar dele mudando de forma. Quando Júpiter descobriu que Métis estava grávida, no entanto, ele percebeu que não poderia deixá-la escapar, por causa de uma profecia de que seu próprio filho um dia o derrubaria assim como havia derrubado seu próprio pai.

Júpiter temia que Métis estivesse esperando um filho homem que se tornasse mais poderoso do que ele e assumisse o controle total dos céus. Para evitar isso, ele enganou Métis para que se transformasse em uma mosca e então a engoliu.

Métis sobreviveu dentro do corpo de Júpiter, no entanto, e logo deu à luz uma filha, Minerva. Enquanto ela ainda estava dentro de Júpiter, Métis forjou armaduras e armas para sua filha. Júpiter estava com muita dor por causa de todo o zumbido e pulsação que acontecia constantemente em sua cabeça, então ele procurou a ajuda de Vulcano, o deus do fogo. Vulcano esmagou a cabeça de Júpiter com um martelo, na tentativa de remover a coisa que estava lhe causando dor e desta ferida, Minerva emergiu. Ela nasceu como uma adulta totalmente crescida, vestida completamente com uma armadura de batalha e segurando as armas que sua mãe havia forjado para ela. Apesar de tentar impedir seu nascimento, Minerva mais tarde se tornaria a filha favorita de Júpiter.

Em algumas versões desta história, Métis continuou dentro da cabeça de Júpiter depois que Minerva nasceu e se tornou a principal fonte de sua sabedoria. Ela estava sempre lá para aconselhá-lo e ele ouvia cada palavra dela.

Representações e simbolismo de Minerva

Minerva é geralmente retratada vestindo uma longa túnica de lã chamada "quíton", um uniforme comumente usado na Grécia Antiga. A maioria das esculturas de Minerva a mostra usando um capacete, com uma lança em uma das mãos e um escudo na outra, representando a guerra como um de seus domínios.

O ramo de oliveira é outro símbolo associado à deusa. Embora fosse uma guerreira, Minerva tinha simpatia pelos derrotados e costumava ser retratada oferecendo um ramo de oliveira a eles. Ela também criou a oliveira, tornando-a um símbolo proeminente da deusa.

Depois que Minerva começou a ser equiparada a Atena, a coruja se tornou seu principal símbolo e criatura sagrada. Normalmente chamado de "coruja de Minerva", este pássaro noturno simboliza a associação da deusa com o conhecimento e a sabedoria. A oliveira e a cobra também têm um simbolismo semelhante, mas, ao contrário da coruja, são menos comumente vistas em representações dela.

Enquanto a maioria das outras deuses eram retratadas como donzelas elegantes, Minerva era tipicamente retratada como uma mulher alta e bonita com uma construção muscular e uma aparência atlética.

O Papel de Minerva na Mitologia Grega

Embora Minerva fosse a deusa da sabedoria, ela também era responsável por muitos outros domínios, incluindo coragem, civilização, inspiração, justiça e direito, matemática, guerra estratégica, artesanato, habilidade, estratégia, força e também as artes.

Minerva era mais especificamente conhecida por suas habilidades em estratégia de batalha e era comumente retratada como uma companheira de heróis famosos. Ela também era a deusa padroeira dos empreendimentos heroicos. Além de todos os seus domínios, ela se tornou a deusa da contenção prudente, dos bons conselhos e da percepção prática também.

Aracne e Minerva

A competição de Minerva com Aracne é um mito popular no qual a deusa aparece. Aracne era uma tecelã altamente qualificada, respeitada por mortais e deuses. Ela sempre era elogiada por seu trabalho primoroso. No entanto, com o tempo, Aracne se tornou arrogante e começou a se gabar de suas habilidades para quem quisesse ouvir. Ela chegou a desafiar Minerva para um concurso de tecelagem.

Minerva se disfarçou de velha e tentou alertar a tecelã sobre seu comportamento desagradável, mas Aracne não a ouviu. Minerva revelou sua verdadeira identidade para Aracne, aceitando seu desafio.

Aracne teceu um belo pano que retratava a história de Europa (alguns dizem que retratava as deficiências de todos os deuses). Foi tão bem feito que todos os que o viram acreditaram que as imagens eram reais. Minerva era inferior a Aracne na arte da tecelagem e o tecido que ela teceu tinha imagens de todos os mortais que eram tolos o suficiente para desafiar os deuses. Era um lembrete final para Aracne não desafiar os deuses.

Quando viu o trabalho de Aracne e os temas que eles retratavam, Minerva se sentiu desprezada e indignada. Ela rasgou o pano de Aracne em pedaços e fez Aracne se sentir tão envergonhada de si mesma pelo que ela tinha feito que cometeu suicídio se enforcando.

Minerva então sentiu pena de Aracne e a trouxe de volta dos mortos. No entanto, como punição por insultar uma deusa, Minerva transformou Aracne em uma grande aranha. Aracne ficaria pendurada em uma teia por toda a eternidade, pois isso iria lembrá-la de suas ações e como ela ofendeu os deuses.

Minerva e Aglauro

Metamorfoses de Ovídio conta a história de Aglauro, uma princesa ateniense que tentou ajudar Mercúrio, um deus romano, a seduzir sua irmã, Herse. Minerva descobriu o que Aglauro havia tentado fazer e ficou furiosa com ela. Ela procurou a ajuda de Invidia, a deusa da inveja, que deixou Aglauro com tanta inveja da boa sorte dos outros que ela se transformou em pedra. Como resultado, a tentativa de Mercúrio de seduzir Herse não teve sucesso.

Medusa e Minerva

Um dos mitos mais famosos com Minerva também apresenta outra criatura amplamente famosa na mitologia grega - Medusa, a Górgona. Existem muitas variações para essa história, mas a mais popular é a seguinte.

Medusa já foi uma mulher de grande beleza e isso deixou Minerva extremamente ciumenta. Minerva descobriu Medusa e Netuno (Poseidon) se beijando em seu templo e ficou irritada com seu comportamento desrespeitoso. Na maioria das versões da história, Netuno estuprou Medusa no templo de Minerva e a Medusa não teve culpa. No entanto, por causa de seu ciúme e raiva, Minerva a amaldiçoou de qualquer maneira.

A maldição de Minerva transformou Medusa em um monstro horrível com serpentes sibilantes no lugar de cabelo. Medusa tornou-se conhecida em toda parte como o monstro terrível cujo olhar transformava qualquer criatura viva que ela olhasse em pedra.

Medusa viveu em isolamento e tristeza até que o herói Perseu finalmente a encontrou. Com o conselho de Minerva, Perseu foi capaz de matar Medusa. Ele levou sua cabeça decepada para Minerva, que a colocou em seu égide e a usou como uma forma de proteção sempre que ela ia para a batalha.

Minerva e Pégaso

Enquanto Perseu decapitava Medusa, um pouco de seu sangue caiu no chão e dele surgiu Pégaso, um cavalo alado mítico. Medusa pegou Pégaso e domesticou o cavalo antes de oferecê-lo às Musas. De acordo com fontes antigas, a fonte de Hipocrene foi criada por um chute do casco de Pégaso.

Mais tarde, Minerva ajudou o grande herói grego Belerofonte a lutar contra a Quimera, dando-lhe a rédea de ouro de Pégaso. Foi só quando o cavalo viu Belerofonte segurando o freio que lhe permitiu montar e juntos derrotaram os Quimera.

Minerva e Hércules

Minerva também apareceu em um mito com o herói Hércules. Diz-se que ela ajudou Hércules a matar a Hidra, um monstro terrível com várias cabeças. Foi Minerva quem deu a Hércules a espada de ouro que ele usou para matar a besta.

A Invenção da Flauta

Algumas fontes dizem que foi Minerva quem inventou a flauta fazendo furos em um pedaço de buxo. Ela amou a música que fez com ela, mas ficou envergonhada quando viu seu reflexo na água e percebeu como suas bochechas inchavam quando ela tocava.

Minerva também estava com raiva de Vênus e Juno por zombar de sua aparência quando tocava o instrumento e o jogou fora. Antes de fazer isso, ela colocou uma maldição na flauta para que qualquer um que a pegasse estivesse condenado à morte.

Minerva Ajuda Odisseu

De acordo com Higino, Minerva sentia simpatia pelo herói Odisseu, que estava desesperado para trazer de volta sua esposa dos mortos. Ela ajudou Odisseu mudando sua aparência várias vezes para proteger o herói.

Adoração a Minerva

Minerva era amplamente adorada em Roma. Ela era adorada ao lado de Júpiter e Juno como parte da Tríade Capitolina, três divindades que ocupavam uma posição central na religião romana. Ela também era uma das três deusas virgens, junto com Diana e Vesta.

Minerva ocupou vários cargos e títulos, incluindo:

  • Minerva Acaia - deusa de Lucera na Apúlia
  • Minerva Medica - a deusa da medicina e dos médicos
  • Minerva Armipotente - deusa da guerra e estratégia

A adoração a Minerva se espalhou não apenas por todo o Império Romano, mas também por todo o resto da Itália e muitas outras partes da Europa. Havia vários templos dedicados à sua adoração, sendo um dos mais proeminentes o ‘Templo de Minerva Medica’ construído no Monte Capitolino. Os romanos realizavam um festival sagrado para a deusa no dia do Quinquatria. Era um festival de cinco dias que acontecia de 19 a 23 de março, logo após os idos de março.

Com o tempo, a adoração a Minerva começou a se deteriorar. Minerva continua sendo uma importante divindade do panteão romano e, como a deusa padroeira da sabedoria, é frequentemente apresentada em estabelecimentos de ensino.

Fatos Sobre a Deusa Minerva

Quais são os poderes de Minerva?

Minerva foi associada a muitos domínios. Ela era uma deusa poderosa e controlava a estratégia de batalha, poesia, medicina, sabedoria, comércio, artesanato e tecelagem, para citar alguns.

Minerva e Atena são iguais?

Minerva existiu durante os tempos pré-romanos como uma divindade etrusca. Quando os mitos gregos foram romanizados, Minerva tornou-se associada a Atena.

Quem são os pais de Minerva?

Os pais de Minerva são Júpiter e Métis.

Quais são os símbolos de Minerva?

Os símbolos de Minerva incluem a coruja, a oliveira, o Partenon, a lança, as aranhas e o fuso.

Resumindo

Hoje, as esculturas da deusa da sabedoria são comumente encontradas em bibliotecas e escolas em todo o mundo. Embora já tenham se passado milhares de anos desde a época em que os romanos adoravam Minerva, ela continua a ser reverenciada por muitos como um símbolo de sabedoria.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem