Momo: O Deus do Sarcasmo

Poucos dos deuses foram expulsos permanentemente do Monte Olimpo. Leia mais para saber por que Momo, o deus do sarcasmo, não era bem aceito na companhia dos deuses!

Os gregos tinham muitos deuses que personificavam aspectos da vida e do mundo natural. Os daimones podem representar emoções, ações, estados de ser ou as partes da sociedade como um todo.

Entre as centenas de deuses e deusas menores, alguns personificavam traços ou emoções negativas. Estes às vezes eram desprezados pelos outros deuses, embora muitos servissem a divindades cujos domínios se alinhavam de alguma forma com os seus.

De acordo com algumas fontes, no entanto, um desses deuses menores era mais detestado pelos olimpianos do que qualquer outro. Eles acharam sua presença tão insuportável que ele foi expulso do Monte Olimpo e nunca mais voltou.

Momo não era um deus particularmente violento, mas mesmo assim era um dos mais perigosos. Como a personificação do sarcasmo, das burlas e do deboche. Momo tinha o poder de fazer até os deuses mais poderosos do Monte Olimpo parecerem tolos!

Momo: O Deus do Sarcasmo

As Palavras Mordazes de Momo

Na mitologia grega, Momo era um dos daimones, ou personificações de uma ideia. Ele era a personificação do sarcasmo, das burlas e da ironia.

Dizia-se que era filho de Nyx, a deusa primordial da noite. De acordo com Hesíodo, Momo não tinha pai.

Muitas fontes disseram que Momo tinha uma irmã gêmea. Esta era Oizus, a deusa da depressão e da miséria.

De acordo com as histórias que foram contadas sobre ele, Momo era o mais contrário dos deuses. Enquanto muitos dos olímpicos tinham temperamento explosivo e personalidade dura, Momo era conhecido por nunca ter uma palavra gentil para ninguém.

Às vezes, a zombaria do deus parecia alegre. Para menosprezar Zeus, por exemplo, ele uma vez grafitou o Olimpo com mensagens glorificando a grandeza de Cronos.

Outras vezes, porém, Momo podia ser perigoso. Uma fonte do século VIII aC disse que ele havia iniciado os conflitos da Guerra de Tróia por nenhuma razão além de não gostar da humanidade e desejar ver a população diminuir.

Embora a história completa não sobreviva, alguns escritores até mencionaram que Momo foi expulso do Olimpo por sua constante negatividade. Os deuses não estavam dispostos a suportar as críticas intermináveis ​​e palavras afiadas dirigidas a eles pelo deus contrário.

A única sobre a qual Momo não tinha nada de negativo a dizer, segundo o poeta Calímaco, era Afrodite. Quando ele não conseguia encontrar falhas na deusa da beleza, ele recorreu a dizer que suas sandálias rangiam quando ela andava.

A história mais conhecida de Momo e sua língua afiada, no entanto, não é um verdadeiro mito. Ele foi destaque em uma das fábulas de Esopo.

A história dizia que três dos deuses mais poderosos, Zeus, Atena e Poseidon, discutiam sobre quem poderia fazer a coisa mais verdadeiramente boa. Eles decidiram cada um criar algo novo e fazer com que Momo julgasse seu trabalho.

Poseidon criou o touro. Quando Momo o viu, ele comentou que deveria ter sido dado olhos sob seus chifres para que pudesse mirar melhor quando fosse ferir algo.

Zeus criou o homem, mas Momo também encontrou falhas nisso. Ele disse que o coração de um homem deve ser visível para que outros possam discernir seus verdadeiros pensamentos.

Finalmente, Atena fez uma casa para o homem morar. Embora Momo reconhecesse sua excelente construção, ele acreditava que teria sido melhor com rodas presas para que uma pessoa pudesse se mover como quisesse.

A fábula ilustrou o traço mais proeminente de Momo. Em qualquer situação, ele foi capaz de encontrar falhas e feliz em apontá-las.

Interpretação Moderna

Momo era conhecido por suas palavras mordazes e críticas constantes, mas nem todos acreditavam que isso era uma característica totalmente negativa.

O satirista Luciano de Samósata, que escreveu no século 2 aC, na verdade se inspirou no deus da crítica. Ele acreditava que Momo poderia ser usado para fazer críticas válidas à sociedade.

Em sua obra “Os Deuses no Conselho”, por exemplo, Luciano de Samósata fez Momo assumir um papel de liderança em um debate entre os deuses. Ele argumentou que os deuses estrangeiros que estavam sendo convidados para o Olimpo estavam tornando o lar dos deuses menos perfeito e divino.

Com isso, as opiniões duras de Momo tornaram-se um substituto para as críticas do próprio escritor à sociedade. As críticas imaginadas aos deuses bárbaros refletiam os próprios sentimentos de Luciano de Samósata sobre os estrangeiros não gregos se tornarem mais proeminentes em sua sociedade.

Durante o Renascimento, as críticas políticas e sociais abraçaram Momo como parte da tendência da época de olhar para a cultura grega e romana. Com a proliferação de novas ideias na Europa, muitas das principais mentes da época viram no deus da crítica uma fonte de inspiração.

No século 16, por exemplo, Erasmo de Roterdão comentou que Momo era impopular entre os deuses antigos não porque ele era cruel, mas porque a maioria das pessoas não era capaz e não queria aceitar críticas de si mesmas.

Em vez de uma fonte de má vontade, os escritores renascentistas viam Momo como um renegado que estava disposto a desafiar as autoridades estabelecidas do Monte Olimpo. Criticar Zeus e os outros olímpicos não era uma injustiça, mas um questionamento legítimo de sua superioridade.

Usando Momo como um substituto para si mesmos e outros pensadores, os escritores do Renascimento foram capazes de criar contos alegóricos que criticavam os líderes políticos e sociais de suas próprias sociedades. Nobres, a Igreja e mercadores poderosos tornaram-se os novos alvos do desprezo de Momo.

Nem todos esses trabalhos eram peças sérias de comentários políticos, no entanto. Escritores de outros gêneros se inspiraram no tom mais alegre das fábulas de Esopo e na poesia lírica da Grécia antiga.

Na comédia, Momo tornou-se uma figura mais alegre. Em muitas partes da Europa, ele assumiu um papel semelhante ao de Arlequim nas comédias francesas e italianas.

Nessas peças, Momo era um personagem inteligente que usava seu raciocínio rápido e insultos mordazes para superar aqueles com mais poder do que ele. O personagem usava o humor preferido das pessoas comuns contra homens nobres e bem-educados.

Tanto em trabalhos sérios quanto cômicos, Momo foi usado como forma de criticar aqueles que ocupavam posições de poder. O deus antigo mal-educado tornou-se uma ferramenta para a mudança política e social durante o Renascimento.

Resumindo

Momo era o daemon, ou deus personificado do sarcasmo, da crítica, reclamação e zombaria na Grécia antiga. Suas constantes críticas aos outros deuses eram tão irritantes que ele foi expulso do Monte Olimpo por causa deles.

Na literatura antiga, Momo era tipicamente retratado com uma atitude muito negativa. Ele encontrava falhas em tudo e em todos.

Às vezes, ele também instigou disputas aparentemente sem nenhum motivo além de causar conflitos. Um autor afirmou que ele começou a Guerra de Tróia porque não gostava da humanidade, enquanto outra história dizia que ele elogiou Cronos apenas para minar Zeus.

A aparição mais conhecida de Momo na literatura antiga estava em uma das fábulas de Esopo. Ao julgar as criações dos deuses, ele encontrou falhas em tudo o que fizeram.

Alguns escritores gregos, no entanto, viram uso nas críticas de Momo. Os satiristas usavam suas interações com os deuses como uma alegoria para suas próprias queixas sobre a estrutura social e política em que viviam.

Esse uso de Momo como receptáculo para as críticas do autor cresceu no Renascimento, quando a mitologia clássica foi usada para refletir a cultura contemporânea. Escritores como Erasmo de Roterdão viam Momo como uma forma de nivelar críticas válidas às pessoas e instituições de elite de sua própria sociedade.

Momo também se tornou uma figura cômica no Renascimento. Usando linguagem comum e raciocínio rápido, ele zombava de figuras mais poderosas em peças alegóricas.

Enquanto a primeira ideia de Momo era como um deus desagradável e insuportável, a visão do daemon mudou com o tempo. Tanto no mundo antigo quanto nas eras posteriores, ele se tornou um personagem que podia falar livremente as verdades desagradáveis ​​que outros não desejavam ouvir.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem