Thor e o Duelo Com o Jotun Hrungnir

O Jotun Hrungnir (“O Briguento”) era o mais poderoso de todos os gigantes, os espíritos das trevas, do inverno, da noite e do túmulo, que muitas vezes eram os inimigos dos deuses.

Um dia, Hrungnir recebeu uma visita de Odin em Jotunheim, a terra dos gigantes. Hrungnir não reconheceu o deus a princípio e, em vez disso, perguntou-se em voz alta quem poderia ser aquele estranho, cujo cavalo poderia cavalgar no ar e na água, como vira o cavalo fazer quando o deus se aproximava.

$ads={1}

Odin apostou sua cabeça que seu cavalo - ninguém menos que o corcel xamânico Sleipnir de oito patas - poderia ultrapassar qualquer cavalo em Jotunheim. Hrungnir ficou insultado com a provocação e imediatamente aceitou a aposta e montou em seu próprio cavalo, Gullfaxi (“Juba Dourada”).

Os dois correram pela lama e riachos, por colinas íngremes e rochosas e entre as árvores em florestas densas. Antes que o gigante percebesse, ele havia passado pelos portões de Asgard, o lar dos deuses. E, claro, ele ainda não tinha alcançado Odin e Sleipnir. Os deuses, aparentemente de bom humor, o convidaram para beber com eles.

Depois de ficar bêbado, ele se tornou beligerante e se gabou de que mataria todos os deuses, exceto Freya e Sif, a esposa de Thor. Ele carregaria essas duas lindas deusas de volta para Jotunheim com ele. Só Freya era forte o suficiente para continuar enchendo seu chifre. Em seguida, ele berrou que beberia até a última gota da cerveja dos deuses. Os deuses logo se cansaram de sua raiva e mandaram chamar Thor, que estava em outro lugar lutando contra outros gigantes.

Quando Thor chegou e descobriu a situação, ele ergueu seu martelo e se preparou para matar Hrungnir ali mesmo. O gigante belicoso (e ainda assim, podemos suspeitar, interiormente temeroso) acusou Thor de covardia por ter a intenção de matar alguém que estava desarmado. “Seu nome seria considerado uma honra muito maior”, declarou o gigante, “se você aceitar meu desafio para um duelo”. Nunca perdendo a oportunidade de ganhar renome e provar suas habilidades, Thor aceitou.

Quando chegou a hora combinada, Hrungnir caminhou até o campo perto de Jotunheim, onde o duelo seria realizado. Ele usava uma armadura de pedra, brandia um escudo de pedra e agitava ameaçadoramente uma pedra de amolar, sua arma escolhida, no ar acima dele. De repente, ele viu um relâmpago e ouviu o estrondo de um trovão acima dele, e Thor rugiu para o campo de batalha.

Thor arremessou seu martelo Mjolnir contra o gigante Hrungnir, e o gigante atirou sua pedra de amolar no deus. A pedra explodiu contra a testa de Thor e se despedaçou, e esta é a origem de toda a pederneira na terra. O martelo de Thor também atingiu a cabeça de Hrungnir, mas desta vez foi a cabeça do gigante que foi despedaçada.

Mas um pedaço da pedra de amolar de Hrungnir estava alojado na testa de Thor. Então Thor procurou a feiticeira Groa ("Prosperando"), que cantou feitiços sobre a pedra para removê-la da testa do deus. 

Quando Thor sentiu a pedra se mover, ele disse à feiticeira muitas coisas alegres para encorajá-la, principalmente que ele havia encontrado seu marido perdido, que logo estaria em casa. Mas Groa ficou tão emocionada ao ouvir isso que esqueceu seus cantos, e a rocha permaneceu alojada na testa de Thor até sua morte em Ragnarok, o antigo apocalipse nórdico.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem