Hugin e Munin: Os Corvos Informantes de Odin

Você pode estar familiarizado com os dois pássaros empoleirados nos ombros de Odin, mas sabe o que eles representam? Continue lendo para descobrir mais sobre Hugin e Munin, os corvos informantes de Odin!

Um tema recorrente na mitologia de Odin é sua busca constante por informações. Ele estava disposto a viajar para Hel, desistir de um olho e até mesmo se tornar um sacrifício humano para aprender mais sobre magia e destino.

Embora essas histórias fossem dramáticas, Odin também tinha maneiras de obter informações no dia-a-dia. A fonte mais icônica do conhecimento do deus era um par de corvos chamados Hugin e Munin.

Segundo a lenda, os corvos sobrevoavam o mundo todos os dias para coletar notícias do que estava acontecendo. Eles se reportavam a Odin durante o jantar, servindo como repórteres de notícias mitológicas.

Muitos historiadores acreditam que esses pássaros também serviram a um propósito simbólico na iconografia de Odin. Eles não eram apenas agentes práticos de informação, mas também representações das poderosas habilidades mágicas do deus.

Hugin e Munin: Os Corvos Informantes de Odin

Como Odin Usava Hugin e Munin

De acordo com os escritos do século 13, Odin tinha dois corvos que ele chamou de Hugin (Pensamento) e Munin (Memória). Eles eram seus dois companheiros mais constantes.

Todos os dias, ao amanhecer, Odin soltava os pássaros pelo mundo. Na hora do jantar, eles voltavam e relatavam tudo o que tinham visto e ouvido enquanto voavam sobre Midgard.

Esta era uma das muitas maneiras pelas quais Odin aumentava constantemente seu conhecimento. Embora os sacrifícios que ele fez para aprender sobre o destino e a magia, como olhar para o Poço de Mímir ou se enforcar por nove dias em Yggdrasil, foram eventos dramáticos, os relatos de Hugin e Munin permitiam que ele mantivesse seu conhecimento atualizado.

Além de usar seus pássaros, Odin também tinha uma visão de tudo o que acontecia no mundo de seu trono em Asgard. Hugin e Munin, no entanto, garantiam que seu conhecimento não dependesse inteiramente de sua própria percepção.

De acordo com a Edda Poética, Odin se preocupava com seus pássaros. Ele temia que aquele, particularmente Munin, não retornasse no final do dia.

Embora a autenticidade das informações nesses textos posteriores seja frequentemente questionada, as evidências arqueológicas mostram que os corvos de Odin são muito anteriores à escrita da Edda Poética.

As placas de ouro dos séculos V e VI mostram uma figura carregando uma lança a cavalo, flanqueada por dois corvos. Tanto os corvos quanto a lança se tornaram parte da iconografia de Odin, levando os historiadores a acreditar que essas eram as primeiras imagens do deus germânico.

Imagens semelhantes foram encontradas em toda a Europa, desde a costa da Inglaterra até a Rússia Ocidental. De acordo com um historiador, "representações semelhantes ocorrem em todos os lugares onde os vikings foram".

Interpretação Moderna

Hugin e Munin serviram a um propósito prático como informantes de Odin, mas muitos historiadores acreditam que eles também tinham uma função mais simbólica.

Embora não se saiba muito sobre como as pessoas da Era Viking praticavam sua religião, a maioria acredita que as práticas xamânicas desempenharam um papel importante.

Frequentemente, os xamãs se associam a uma forma animal quando entram no transe que lhes confere seus poderes. No caso de Odin, ele tinha dois conjuntos de animais para assumir essa função xamânica.

Freki e Geri eram os lobos de Odin, representando sua força física e poder na batalha. Como um animal guerreiro xamanístico, ele poderia assumir os atributos de um lobo enquanto lutava.

Hugin e Munin, enquanto isso, representavam os poderes do deus sobre o destino e a magia. Como um mestre em seidr, Odin estava intimamente ligado a esses conceitos.

Seidr era um ramo distinto da magia no pensamento nórdico. Preocupava-se principalmente em prever o futuro e influenciar os fios do destino.

Muitos dos mitos de Odin envolvem seus esforços para expandir suas habilidades de seidr. Sua busca constante por conhecimento era auxiliada por Hugin e Munin, representações físicas dessa busca.

Esse tipo de magia tinha seus riscos, entretanto. As preocupações de Odin de que Hugin e Munin não voltassem provavelmente refletiam preocupações reais sobre os usuários de magia se perderem permanentemente em seus transes.

Os corvos também eram personificações simbolicamente ideais das habilidades seidr de Odin. As culturas germânicas costumavam associar o corvo a ideias de destino.

Os corvos eram uma visão onipresente em antigos campos de batalha, levando alguns a acreditar que podiam até sentir uma luta antes que ela começasse. Na mitologia irlandesa, por exemplo, a Morrigan frequentemente assumia a forma de um corvo como a deusa do destino e da guerra.

Odin era um deus com grandes habilidades mágicas, mas também era um guerreiro. Os campos de batalha eram tipicamente santificados em sua honra, fazendo com que todo o sangue derramado ali fosse um sacrifício para ele.

Os dois corvos que o acompanhavam representavam esta conexão com o derramamento de sangue da batalha, assim como a forma de corvo da Morrigan fez na Irlanda. Eles apareciam durante ou mesmo antes da batalha para festejar os corpos dos caídos, levando os mortos como um sacrifício ao deus.

Alguns historiadores também vincularam Hugin e Munin aos conceitos nórdicos de magia conhecidos como fylgja e hamingja.

O fylgja era um tipo de ser sobrenatural que estava conectado ao destino de uma pessoa. Acreditava-se que tinha um vínculo com uma criança ao nascer, este animal totem representava a natureza interior da pessoa.

O hamingja era outro ser sobrenatural que desempenhava um papel semelhante. Desempenhando um papel na determinação da felicidade de uma pessoa, o hamingja também podia ser transmitido de geração em geração.

Nesta interpretação, Hugin e Munin representavam aspectos da personalidade de Odin, bem como suas habilidades mágicas. Seu conhecimento do destino e vigilância constante eram resultado não apenas da magia seidr, mas também uma parte inata de quem ele era.

Uma teoria combina a ideia dos corvos como um símbolo do destino e como uma representação do próprio Odin.

De acordo com alguns historiadores, as primeiras imagens dos corvos provavelmente não tinham conexão com a mente de Odin. Os nomes Hugin e Munin não foram atestados até pelo menos o século 9, então não há evidências de que eles estivessem ligados a ideias de pensamento e memória antes disso.

As primeiras imagens dos corvos provavelmente tinham um significado semelhante ao de outras culturas germânicas. Eles enfatizavam a conexão de Odin com o destino da guerra, mas não transmitiam conhecimento ou vigiavam o mundo de outra forma.

À medida que a mitologia colocava grande ênfase na magia de Odin, particularmente em sua busca por conhecimento, esses pássaros assumiram um significado adicional. Há muito tempo ligados ao destino de uma batalha, eles se tornaram associados ao destino e ao conhecimento de uma forma mais geral.

Desta forma, Hugin e Munin mostram como a percepção nórdica dos deuses e seus poderes evoluiu ao longo do tempo. De um símbolo geral, eles se tornaram uma personificação da própria essência do deus principal do panteão nórdico.

Resumindo

Na mitologia nórdica, Hugin e Munin eram dois corvos que frequentemente eram mostrados ao lado de Odin. A Edda Poética afirmava que os liberava todas as manhãs para reunir e trazer notícias do que acontecia em todo o mundo.

Muitos historiadores interpretam Hugin e Munin como animais totêmicos xamânicos. Seus nomes significavam "pensamento" e "memória", dando crédito à ideia de que eles eram parte da própria mente do deus.

Os xamãs entravam em transe e, acreditava-se, podiam ver o mundo pelos olhos de seu animal totêmico. Esses animais totêmicos também podiam ser criaturas sobrenaturais que, no pensamento nórdico, estão ligadas a uma pessoa como uma representação de sua essência.

Como tal, os dois corvos representavam o domínio de Odin sobre a magia, particularmente no que se referia ao destino. Os corvos e o destino estavam frequentemente relacionados no pensamento germânico, como pode ser visto na deusa irlandesa, a Morrigan.

Alguns historiadores acreditam que Hugin e Munin evoluíram conforme a mitologia nórdica se tornou mais complexa. Originalmente em linha com o simbolismo do corvo germânico comum, eles gradualmente se tornaram mais intimamente ligados à mente do próprio Odin.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem