Atlas: Deus Titã Grego Que Segura os Céus

Você provavelmente conhece Atlas por segurar a terra em seus ombros, mas continue lendo para aprender mais sobre este deus titã mítico que segura os céus.

Mesmo se você não estiver familiarizado com a história de Atlas, provavelmente já viu sua imagem. O titã musculoso segurando um grande globo sobre os ombros é uma figura familiar.

Se nada mais, você viu seu nome em mapas, livros, navios e jogos.

A lenda de Atlas, no entanto, vai muito além de segurar o mundo em seus ombros. Na verdade, não era o mundo que ele estava segurando.

A história completa de Atlas é uma história de derrota, sofrimento e resistência. Fora de tudo isso, porém, o lendário Titã tornou-se uma das figuras mais reconhecidas em toda a mitologia.

Desde sua participação na grande guerra dos deuses até como ele ajudou o herói mais famoso da Grécia, a história de Atlas é mais do que apenas segurar um grande fardo!

Atlas: Deus Titã Grego Que Segura os Céus

Atlas e os Titãs

Antes que os deuses do Olimpo assumissem o poder, o universo era governado pelos Titãs. Gaia, a mãe terra, deu à luz esta geração mais velha de deuses que foram gerados por Urano, o deus primordial do céu.

Atlas era um dos quatro filhos do titã Jápeto ou Iápeto. Sua mãe era Clímene, a Oceânide, uma das 3.000 filhas do Titã Oceano.

Atlas era o mais corajoso e robusto dos irmãos. Menoécio era considerado o mais bonito.

Prometeu era o irmão mais inteligente dos quatro. Seu homólogo, Epimeteu, era gentil, mas temerário.

Eventualmente, Gaia ficou com raiva de seu marido e pediu a seus filhos que tomassem o poder de seu pai. Cronos era o único disposto a desafiar Urano.

O primeiro rei dos Titãs foi derrubado por seu filho. A divindade mais jovem assumiu o poder como rei e rapidamente ficou obcecada em mantê-lo.

Ele estava tão preocupado em não perder seu trono que engoliu seus próprios filhos ao nascer, em vez de arriscar que um deles, ao crescer, o desafiasse, como fizera com seu próprio pai.

Sua esposa, Reia, escondeu seu sexto filho para poupar o bebê deste destino. Zeus cresceu em segredo e voltou para libertar seus irmãos e acabar com o reinado de seu pai.

A guerra resultante contra a primeira geração de deuses é chamada de Titanomaquia. Por dez anos os deuses lutaram entre si pelo controle do universo.

Dois dos irmãos de Atlas, Prometeu e Epimeteu, aliaram-se aos novos deuses na promessa de uma maior participação no poder. Zeus jurou que qualquer um que se unisse ao seu lado receberia o reconhecimento que foi negado sob o governo tirânico dos dois primeiros reis.

Atlas e Menoécio, no entanto, mantiveram sua lealdade a Cronos. Com a maioria dos Titãs, eles lutaram contra o golpe de Zeus.

Forte e corajoso, Atlas se tornou o general dos Titãs na guerra. Por uma década, ele usou sua força e coragem para impedir Zeus de reivindicar a vitória.

No final das contas, no entanto, os novos deuses ganhariam a Titanomaquia. A própria Gaia veio em seu auxílio, embora mais tarde ela ficasse amargamente desapontada com o tratamento dispensado a seus filhos derrotados.

A maioria dos Titãs estava presa no Tártaro, a parte mais profunda do submundo grego. Guardas monstruosos e pesados ​​portões de metal os mantiveram presos por séculos.

Como um de seus líderes, no entanto, Zeus e os novos deuses do Olimpo decidiram que Atlas merecia um destino mais cruel. Ele seria escolhido para uma punição particularmente extenuante.

Os Céus e a Terra

Muitas pessoas acreditam que Atlas recebeu a tarefa de sustentar a terra, mas na mitologia seu trabalho real era sustentar o céu.

De acordo com a visão grega do universo, o céu tinha um peso físico da mesma forma que a terra ou o mar. Era um lugar pesado, uma grande abóbada.

Para punir Atlas por sua participação na Titanomaquia, Zeus ordenou que ele sustentasse o céu.

O poeta Hesíodo descreveu o lugar de punição de Atlas como o lugar onde a terra, os mares e o mundo subterrâneo se uniam. Era onde a escuridão da noite e a luz do amanhecer se encontravam ao passarem um pelo outro.

Nesse espaço liminar, seria fácil para o céu cair de suas alturas e se chocar com os outros reinos. Atlas estava lá para impedir que isso acontecesse.

Descrito antes como forte e determinado, Atlas ergueu o peso do céu sobre os ombros. Lá permaneceria por eras.

Poetas falaram sobre o grande tormento que Atlas sofreu. Em Prometeu Acorrentado, Ésquilo descreveu o Titã como um gemido de angústia enquanto suas filhas cantavam lamentações pela dor de seu pai.

Seus joelhos dobraram sob o peso e seus ombros esfolaram, mas Atlas nunca conseguiu deixar de lado seu fardo.

Outras versões do mito têm o céu sustentado por um conjunto de grandes pilares. Nessas histórias, menos comuns, Atlas tem a tarefa de guardar o pilar e garantir que elas não vacilem.

Em versões mais antigas da história, ele segurava o próprio pilar nas costas. Essa variação se tornou menos comum com o tempo, porém, e a imagem mais típica de Atlas o mostra segurando a esfera do céu diretamente sobre os ombros.

Alguns poetas antigos disseram que Atlas não estava completamente sozinho enquanto sofria. Além de tudo isso, ele era atormentado por um dragão cruel.

Os tediosos séculos segurando o céu sobre os ombros tiveram um benefício, no entanto. Atlas teve muito tempo para pensar.

De sua posição, ele podia ver o oceano e o cosmos. Ele estudou os movimentos da água e das estrelas.

Com o passar do tempo, Atlas reconheceu os padrões desses movimentos e como a lua e as estrelas afetavam o mar.

Por meio dessas meditações, Atlas se tornou um dos pais das ciências. Ele foi o primeiro a desenvolver a astronomia e a imaginar como usar a posição das estrelas na navegação.

A história cresceu, eventualmente tornando o próprio Atlas responsável por mover as estrelas pelos céus. Girando as grandes órbitas que repousavam sobre seus ombros, ele fez com que as constelações se movessem no céu com a mudança das estações.

Alguns disseram que ele divulgou suas descobertas diretamente aos humanos. Outros dizem que ele contou seus segredos a Hércules, que os trouxe de volta à humanidade.

Atlas e os Heróis

Atlas não desempenha um papel importante em muitos mitos, preso como estava em uma posição e lugar. Mas ele aparece em duas das lendas mais famosas da Grécia - as dos heróis Perseu e Hércules.

Perseu foi um dos grandes heróis da mitologia grega, famoso por decapitar a terrível Górgona Medusa e resgatar Andrômeda do monstro marinho.

Medusa tinha sido um monstro tão horrível que um olhar para ela poderia transformar um homem em pedra. Embora ela estivesse morta, a cabeça que Perseu carregava com ele retinha aquele terrível poder.

Em suas aventuras, os deuses vieram em seu auxílio. Um dos presentes que recebeu foi o uso das sandálias aladas mágicas de Hermes, o mensageiro dos deuses.

Essas sandálias não apenas o permitiam voar, mas também lhe davam a velocidade para ultrapassar qualquer oponente.

Nas primeiras versões do mito, Perseu matou Medusa e, ajudado pela velocidade das sandálias aladas, escapou de suas duas irmãs enfurecidas. A próxima cena da história o fez encontrar a princesa Andrômeda enquanto ela estava acorrentada às rochas e prestes a ser devorada por um monstro do mar.

Contos posteriores, no entanto, adicionaram um encontro com Atlas no meio da lenda de Perseu. Conforme a influência grega alcançou novas partes do mundo, novas histórias foram inventadas para explicar as coisas que eles encontraram em terras estrangeiras.

Nessas adições posteriores à mitologia, datando do século 1 a.C em diante, Atlas se tornou um pastor. Suas terras eram ricas e abundantes, com rebanhos de ovelhas e um pomar de lindos frutos dourados.

Essas histórias situam seu jardim na Líbia, um termo genérico na literatura grega para todo o Norte da África. O covil da Medusa estava bem, e Andrômeda era uma princesa da Etiópia.

Cansado de sua busca, Perseu pediu ao gigantesco Titã permissão para descansar lá por um tempo antes de continuar.

Era costume na cultura grega que um homem se apresentasse contando sua linhagem e as ações feitas por ele e seus ancestrais. Nessa tradição, e na esperança de ganhar favores, Perseu se anunciou como filho de Zeus.

Atlas, no entanto, havia recebido uma profecia muito antes de Tétis que dizia que quando um filho de Zeus viesse para suas terras, o homem iria contaminar seu pomar e tomar suas preciosas maçãs para sempre.

Com medo de que seu pomar e terras fossem destruídos, o Titã gritou ameaças ao herói em vez de recebê-lo. A discussão rapidamente veio aos golpes, o mais forte dos Titãs lutando com o filho de um deus.

Mesmo um herói tão grande como Perseu não era páreo para a força de Atlas, porém, e o homem logo se viu agarrado.

Como último recurso, ele gritou para o Titã que tinha um presente para ele. Ele enfiou a mão na bolsa e tirou a cabeça decepada da Medusa.

O Titã foi transformado em pedra no momento em que olhou para o rosto da Górgona.

Os gregos da era helenística criaram esse mito para explicar a criação da cordilheira do Atlas no norte da África. Voando alto nas nuvens, eles disseram que as montanhas mantinham o céu no alto, assim como seu homônimo fizera em vida.

O detalhe das maçãs douradas desempenha um papel muito maior em outro mito grego, o dos doze trabalhos de Hércules.

Tendo sido levado à loucura por Hera a ponto de matar sua esposa e filhos em um frenesi, Hércules recebeu doze tarefas impossíveis para se provar digno de redenção. Se ele administrasse todas elas, ele seria inocentado de seus pecados e recebido no Olimpo como um dos deuses.

Uma dessas tarefas era roubar uma maçã dourada do jardim das Hespérides.

As Hespérides eram quatro ninfas, irmãs, que estavam a serviço de Hera. Dizia-se que as maçãs que cresciam em seu pomar davam o presente da imortalidade a qualquer homem que as comesse.

As Hespérides e suas maçãs brilhavam com a rica luz dourada do pôr do sol, o domínio das ninfas.

Roubar uma maçã não seria uma tarefa fácil. Além das ninfas, o jardim era guardado por um dragão terrível chamado Ladão. As macieiras tinham sido um presente de casamento de Gaia para Hera, e a rainha do Olimpo estava empenhada em mantê-las seguras.

O jardim estava escondido em um local secreto na extremidade do mundo, cercado por muros altos que nenhum homem poderia escalar.

A primeira coisa que Héracles teve que fazer em sua busca por uma maçã dourada foi encontrar o jardim. Ele começou a pesquisar o mundo em busca de uma pista sobre seu paradeiro.

Em suas viagens, ele encontrou Prometeu. O irmão de Atlas irritou Zeus e, como punição, foi amarrado a uma montanha com correntes inquebráveis.

O próprio Prometeu não pôde ajudar Hércules, mas disse ao herói onde poderia encontrar ajuda. As Hespérides eram filhas de seu irmão, Atlas.

Como seu pai, Atlas seria capaz de entrar no jardim das ninfas sem se deixar abater. Em vez de ter que lutar para passar pelo grande dragão, ele estaria livre para colher uma maçã como desejasse.

Seguindo as instruções que Prometeu lhe deu, Hércules percorreu seu caminho até o local onde Atlas mantinha a cúpula do céu.

Quando o herói pediu a Atlas para ir ao jardim das Hespérides em seu lugar, o Titã ficou feliz em obedecer. O único problema era que ele estava preso segurando o céu e, obviamente, não podia simplesmente sair.

Desesperado para conseguir a maçã, Hércules se ofereceu para assumir o dever odioso do Titã. Depois de eras suportando o enorme peso, Atlas estava ansioso para aceitar a oferta do herói.

Finalmente livre de seu fardo, Atlas foi ao jardim e colheu não uma, mas três maçãs douradas. Muitas imagens de Atlas fariam referência a esta parte da história, colocando as três maçãs de suas filhas em suas mãos ou a seus pés.

Quando ele voltou, no entanto, Atlas não estava ansioso para desistir de sua nova liberdade tão rapidamente. Ele disse a Hércules, que ainda estava segurando o céu, que achava melhor se entregasse as maçãs para ele.

Hércules sentiu a armadilha do Titã e sabia que Atlas não tinha intenção de retornar para pegar de volta seu fardo. Ele pretendia deixar Hércules segurando seu fardo para sempre.

Hércules concordou, mas por meio de um truque devolveu a esfera a Atlas. Seguindo o conselho de Prometeu, ele pediu a Atlas para tomar o céu enquanto ele colocava uma almofada em sua cabeça. Ao ouvir isso, Atlas colocou as maçãs no chão e livrou Hércules da esfera. Assim, Hércules os recolheu e partiu.

Atlas tentou enganar Hércules para que levasse seu fardo, mas o herói enganou o Titã.

Algumas histórias dizem que Hércules teve pena de Atlas no final, no entanto.

Depois de entregar as maçãs de ouro e completar seu trabalho, Hércules voltou ao Titã. Ele ergueu os grandes pilares que supostamente sustentavam o céu, livrando Atlas de segurá-lo ele mesmo.

No Estreito de Gibraltar, formações rochosas gêmeas ainda levam o nome romano do herói e são chamadas de Pilares de Hércules. As duas rochas, uma na Espanha e outra no continente africano, marcam o fim do Mediterrâneo e os confins do mundo grego.

Na mesma viagem, Hércules foi capaz de libertar Prometeu de suas correntes inquebráveis. Eventualmente, todos os Titãs seriam libertados do Tártaro também.

Nada disso teria sido possível se não tivesse sido permitido pelo rei dos deuses. Zeus finalmente decidiu acabar com as punições que aplicou milhares de anos antes.

Os Filhos do Titã

As Hespérides não eram os únicos filhos de Atlas. Sua prole não era tão numerosa quanto a de muitos deuses do Olimpo, mas muitos eram dignos de nota.

Ao contrário de Zeus ou Apolo, Atlas não tinha liberdade para perseguir ninfas ou aparecer para mulheres mortais. Ele não podia mudar sua forma ou levar suas amantes para ilhas distantes.

No entanto, ele ainda conseguiu gerar vários filhos ao longo dos anos.

Além das Hespérides, os filhos de Atlas incluíam:

  • As Plêiades - As sete irmãs são lembradas pela constelação de estrelas brilhantes que leva seu nome.
  • Maia - Uma das mais famosas das Plêiades, ela se tornou a mãe de Hermes.
  • Electra - Outra das Plêiades, seu filho com Zeus, Dardano ou Dárdanos, tornou-se a ancestral do povo troiano. Ela às vezes é chamada de irmã perdida porque sua dor após a derrota de Tróia foi tão grande que sua estrela desapareceu de teu céu.
  • As Híades - Compartilhando seu nome com um aglomerado de estrelas na cabeça de Touro, elas eram ninfas da chuva que cai. As cinco estrelas do Híades tornaram-se visíveis no início da estação chuvosa grega.
  • Hyas - O único filho citado de Atlas, ele era irmão das Híades. Quando ele foi morto por uma leoa enquanto buscava água, suas irmãs choraram tanto que passaram a personificar a chuva. Hyas era lembrado nas estrelas como Aquário, que nunca esteve no céu ao mesmo tempo que Leo.
  • Calipso - tendo se apaixonado profundamente por ele, esta ninfa manteve Odisseu cativo por sete anos enquanto ele viajava para casa após a Guerra de Tróia. Ela não iria soltá-lo até que fosse ordenada por Zeus.
  • Maira - Outra estrela ninfa, ela foi associada com a ascensão de Sirius, a estrela canina, e o calor brutal do solstício de verão. Embora as lendas sobre sua morte não tenham sobrevivido, ela foi uma das pessoas vistas por Odisseu em sua jornada para o Hades, o submundo.

A esposa de Atlas, Pleione, era a mãe da maioria de seus filhos. As Plêiades foram nomeadas em sua homenagem, e as Híades e seu irmão provavelmente eram seus filhos também.

Pleione costuma ser considerada uma das Epimélides, as ninfas das ovelhas, e seu nome se refere à multiplicação de rebanhos.

A ligação com Pleione pode ser uma das razões pelas quais mitos posteriores de Perseu fizeram de Atlas um pastor encarregado de muitos animais.

O neto de Pleione continuaria a conexão da família com os rebanhos. Seu neto Hermes se tornou, depois de roubar o gado de seu meio-irmão, o deus patrono do gado e da pecuária.

As filhas de Atlas estavam consistentemente ligadas às estrelas e ao mar.

Enquanto ele segurava os próprios céus, as estrelas de suas filhas teriam feito parte de seu fardo. Como inventor da navegação, é justo que suas filhas tenham sido as estrelas que os marinheiros usaram para encontrar o seu caminho.

A Esfera de Atlas

A imagem do grande Titã segurando o céu sobre os ombros tornou-se um dos temas favoritos dos artistas.

Embora grande parte da arte em si não tenha sobrevivido até os dias atuais, os escritores antigos descrevem as imagens de Atlas que viram nos palácios e templos de seus dias.

Uma descrição do grande templo de Zeus em Olímpia, onde os primeiros Jogos Olímpicos foram celebrados, inclui uma imagem de Atlas durante sua visita de Hércules. De acordo com o escritor, esta cena foi retratada muitas vezes no templo de Zeus.

Uma pintura do século III em Nápoles supostamente mostrava a cena em detalhes vívidos. O escritor da descrição descreve o suor na testa do Titã e a impressão de que ele estava ofegante, exausto pelo grande trabalho de segurar os céus.

A arte grega anterior mostrava o Titã de várias maneiras. Algumas peças o mostravam segurando a base de um pilar que se estendia além da moldura, outras mostravam um grande disco em seus ombros.

Mas a imagem de Atlas com uma grande orbe esférica nas costas é a mais familiar para nós. Conforme os gregos e, mais tarde, os romanos mostraram sua habilidade em esculpir em pedra, o globo se equilibrando nos ombros do Titã tornou-se uma maneira de visualizar a história e mostrar as habilidades dos artistas.

A maneira como Atlas é tipicamente mostrado na arte é provavelmente o motivo pelo qual muitas pessoas presumem que ele segurou a terra em vez do céu.

A representação usual é um homem musculoso, curvado e ajoelhado com um grande globo nos ombros.

Os gregos imaginavam os céus como uma abóbada curva com massa e uma forma física muito parecida com o solo. Em escultura e pintura, isso era geralmente representado como uma esfera, detalhada com as linhas ondulantes dos ventos e corpos celestes.

Embora possamos pensar no globo como uma representação moderna, os estudiosos gregos reconheceram a forma esférica da Terra já no século 5 a.C. Aristóteles notou a forma redonda do planeta no século 4 a.C e, dentro de cem anos, os matemáticos gregos calcularam sua circunferência com surpreendente precisão.

A abóbada dos céus era um reino semelhante ao mundo físico e era mostrada da mesma maneira. Com sua forma esférica e nuvens em redemoinho, o globo tradicionalmente sustentado por Atlas na arte é fácil de confundir com o planeta Terra.

A estátua mais antiga do Titã sobrevivente é conhecida como Atlas Farnésio. Datada do século 2 DC, a estátua de mármore de 2,10 metros de altura é uma cópia romana de uma peça grega antiga.

O orbe familiar de Atlas é coberto com padrões de redemoinho de baixo relevo que, em uma inspeção mais próxima, refletem quase todas as constelações estabelecidas pela cosmologia grega.

Estudiosos modernos, examinando os detalhes da escultura, acreditam que ela pode representar a posição das estrelas como teriam sido em meados do século II d.C, talvez dando uma pista para a criação da obra grega original.

Atlas ofereceu mais do que apenas uma oportunidade de mostrar o cosmos na arte greco-romana.

Os gregos e romanos frequentemente retratavam os ideais da forma humana na arte, e os escultores, em particular, orgulhavam-se de sua capacidade de capturar os detalhes da forma humana. A figura de Atlas fornecia o tema perfeito para mostrar os músculos tensos e as proporções perfeitas de um homem idealmente musculoso.

O Atlas Farnésio , como a escultura mais antiga do personagem, serviria de modelo para imagens do Titã em tempos posteriores.

Provavelmente, o exemplo moderno mais conhecido é a estátua de Atlas na Praça Rockefeller de Nova York. Embora este famoso Atlas de bronze tenha uma esfera estilizada como uma série de anéis, sua pose e físico estão de acordo com a longa tradição que começou com a escultura greco-romana.

O Deus da Resistência

Atlas se tornou um assunto favorito na arte mais do que apenas sua forma.

A arte greco-romana, assim como a mitologia que a inspirou, costumava usar figuras lendárias como personificações de traços humanos.

Embora a história de Atlas tenha começado com ele sendo o inimigo dos deuses, ele passou a simbolizar um atributo muito positivo. Durante as eras que passou sob o peso dos céus, Atlas se tornou a personificação da resistência.

Apesar do sofrimento físico sob o qual os escritores gregos o descreveram, Atlas nunca vacilou em sua tarefa. Ele nunca deixou os céus caírem.

Apesar do único episódio em que ele tentou passar seu fardo para Hércules, Atlas também não parecia lutar contra sua punição. Enquanto outros titãs e semideuses se tornaram inimigos dos olímpicos e conspiraram contra eles, Atlas era visto como estoico em cumprir seu dever.

Atlas foi forçado a carregar seu fardo sozinho, sem ninguém para ajudá-lo a sustentar a grande massa dos céus. Sua autossuficiência tornou-se um atributo admirado.

Essa imagem de perseverança em face das dificuldades atraiu a sensibilidade grega. Seu sofrimento foi invocado para inspirar os homens a seguir em frente, apesar das adversidades.

Esse espírito de força e coragem diante de uma tarefa aparentemente intransponível ajudou a imagem de Atlas a continuar no mundo moderno.

Mesmo na Europa medieval, onde muitos aspectos da cultura pagã anterior eram desaprovados, Atlas aparece em entalhes decorativos nos suportes de pilares e arcos.

Os templos antigos às vezes apresentam colunas em forma de humanos, e algumas delas foram interpretadas como sendo de Atlas. Como Atlas, eles costumam ser descritos como se estivessem se esforçando com o peso do prédio.

Esta tradição artística foi mantida em tempos mais modernos. O mundialmente famoso Museu Hermitage apresenta dez enormes atlantes em sua entrada.

Talvez seja apropriado que a figura mitológica associada à resistência extrema tenha se mantido como um símbolo por mais de dois mil anos.

Nossos Muitos Lembretes de Atlas

No mundo de hoje, existem muitas lembranças de Atlas e seu famoso castigo.

Por sua associação com o globo e seu estudo mitológico do oceano, seu nome vive na cartografia. Um livro moderno de mapas é chamado de atlas e muitos lugares ao redor do mundo têm seus nomes.

Atlas ainda está associado à força e resistência física. Famosos fisiculturistas e lutadores o adotaram no século passado para se ligar a um lendário homem forte.

Atlas aparece na mídia, incluindo histórias em quadrinhos e videogames. Seja como um super-herói, um vilão ou o nome de uma empresa, seu nome é usado em associação com o poder.

Na verdade, muitas empresas do mundo real também carregam o nome de Atlas. Seja para denotar o alcance mundial ou a força de seu produto, o Titã é usado para comercializar de tudo, desde livros a aviões.

Adequadamente para o ser que sustentava os céus, seu nome também é frequentemente usado na astronomia. Atlas é uma lua de Saturno, um sistema de detecção de asteroides e, combinando com as histórias de sua filha, uma estrela nas Plêiades.

De um símbolo de derrota e punição, Atlas cresceu e se tornou um modelo de força. Mesmo as pessoas que nunca ouviram seu mito sabem seu nome.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem