Cinco Coisas Que Você Não Sabia Sobre Deméter na Mitologia Grega

Se tudo que você sabe sobre Deméter é a história do rapto de sua filha, você está perdendo muito da história dela. Aqui estão cinco coisas que você provavelmente não sabia sobre a deusa Deméter na mitologia grega!

O papel de Deméter na mitologia grega era como a deusa dos grãos. Ela era responsável pelo crescimento das safras que alimentavam a humanidade.

Muitos historiadores acreditam que Deméter servia como uma deusa-mãe. Ela era outro aspecto de Gaia, a deusa primordial da terra e, possivelmente, sua própria mãe Reia.

Havia muito mais em Deméter, no entanto, do que apenas seu papel como doadora de alimentos. Como mãe da rainha do submundo, ela era uma figura importante nas crenças sobre a morte e a vida após a morte.

Esses papéis são vistos na história mais conhecida de Deméter. Depois que sua filha foi levada para o submundo, a mãe preocupada procurou o mundo incansavelmente para trazê-la de volta.

Embora o sequestro de Perséfone seja a história mais famosa de Deméter, havia muito mais nela do que seu papel de mãe. Alguns dos fatos e histórias menos conhecidos sobre Deméter na mitologia grega mostram que ela era uma personagem muito mais complexa do que muitas pessoas poderiam pensar!

Cinco Coisas Que Você Não Sabia Sobre Deméter na Mitologia Grega

O Nome de Deméter Significava Que Ela Era Uma Deusa-Mãe

Historiadores e linguistas debatem há muito tempo como Deméter conseguiu seu nome. Das muitas possibilidades, porém, quase todas concordam que se referia a ela como uma deusa-mãe.

Como muitos deuses e deusas gregos, as origens exatas do nome de Deméter são desconhecidas. Os linguistas sabem que a palavra provavelmente antecede as formas do grego faladas no mundo antigo, mas não conseguem identificar exatamente como o nome entrou na língua grega.

É possível que uma forma antiga do nome de Deméter seja referenciada em escritos sobreviventes da cultura minoica. A palavra fonética da-ma-te, entretanto, não parece se referir a uma deusa.

Em vez de procurar uma fonte direta para o nome, historiadores e linguistas confiaram na interpretação de suas possíveis raízes. O nome de Deméter parece ser anterior à mitologia grega.

A maioria acredita que as duas últimas sílabas de seu nome, -meter, eram originalmente -mater. Ele tem ligações claras para idiomas em toda a Europa e Índia.

A palavra -mater é a raiz para “mãe” em muitos idiomas. É a base para a palavra inglesa, grego moderno “mitera”, alemão “Mutter” e palavras semelhantes em muitas outras línguas.

Os linguistas acreditam que esta é uma das raízes mais antigas das línguas indo-europeias. É possivelmente uma das raízes mais antigas, mesmo antes do desenvolvimento do protoindo-europeu.

Muitas línguas não indo-europeias têm palavras semelhantes. Do zulu "umama" ao tailandês "mae", muitos idiomas usam sons semelhantes em suas palavras para "mãe".

A inclusão de -mater no nome de uma deusa associada à maternidade e à agricultura não é, portanto, surpreendente. O nome de Deméter na mitologia grega aponta para o fato de que ela era reverenciada como uma deusa-mãe, provavelmente bem antes de muitos dos mitos familiares serem contados.

Os linguistas têm menos certeza, no entanto, sobre o outro elemento no nome de Deméter. O De Antes de "mãe" tem sido uma fonte de debate.

Alguns sugeriram que pode estar relacionado a uma palavra arcaica para "terra". Neste caso, o nome de Deméter teria literalmente sinalizado que ela era a Mãe Terra.

Outros duvidam dessa interpretação, entretanto, pois há pouca evidência que De denota a terra em línguas intimamente relacionadas ao grego.

Alguns acreditam que, em vez disso, foi relacionado ao nome Despoina. O nome dessa deusa veio da antiga raiz Dem-, ou casa.

Os defensores dessa interpretação acreditam que o nome de Deméter  foi originalmente em algum momento como Demsmater, a "Mãe da Casa".

Deméter, no entanto, sempre foi associada à agricultura, mais do que à família.

Em vez disso, uma teoria provável é que seu nome contém o deo arcaico, uma palavra geral para um deus ou deusa. Essa raiz comum influenciou os nomes de deuses gregos como Zeus, o Júpiter romano e divindades mais distantes como o Danu irlandês.

Se o nome de Deméter vier da raiz deo, isso indicaria que ela era mais amplamente considerada uma deusa-mãe. Antes de ser especificamente associada aos grãos, Deméter pode ter sido uma figura materna muito parecida com Gaia.

Ela Tinha um Símbolo de Flor Surpreendente

Como a maioria dos deuses e deusas da mitologia grega, Deméter tinha certos símbolos intimamente associados a ela. Eles a identificaram na arte e foram vistos como sinais de sua presença na terra.

Como era de se esperar, Deméter estava intimamente identificada com os grãos que ela fazia crescer. Muitas vezes ela era mostrada carregando feixes de grãos ou a cornucópia, um sinal de generosidade agrícola.

Além das plantas que eram úteis como alimento, no entanto, Deméter também tinha um símbolo botânico que está menos obviamente associado ao seu domínio. Sua flor sagrada era a papoula.

Deméter às vezes era mostrada em obras de arte segurando uma papoula ou com as flores perto dela. Além disso, alguns escritores antigos mencionaram as papoulas como parte dos trajes das sacerdotisas de Deméter.

Esses símbolos não foram escolhidos aleatoriamente. O povo da Grécia antiga tinha um motivo para associar a deusa dos grãos às papoulas.

Muitas espécies de papoulas cresciam no mundo antigo. A mais comum em grande parte da Europa crescia como erva daninha em campos cultivados.

Antes da invenção dos herbicidas modernos, as papoulas eram abundantes nos campos de toda a Europa. Enquanto elas cresciam selvagens, elas prosperavam onde a terra havia sido limpa.

Por esta razão, as flores vermelhas brilhantes eram associadas à agricultura. As papoulas eram o símbolo de Deméter porque cresciam entre os grãos que ela supervisionava.

Alguns historiadores acreditam, entretanto, que pode ter havido outra razão para a deusa ser associada às papoulas.

Na Creta minoica, foram feitas imagens de uma deusa adornada com papoulas vermelhas. Ela não só usava as flores, mas também as cápsulas das sementes.

O uso dessas cápsulas na medicina já havia sido descoberto há muito tempo. Embora nem todas as espécies de papoula tenham os mesmos efeitos, algumas são usadas para fazer ópio.

Os historiadores acreditam que a deusa cretense pode indicar que o ópio era produzido para fins medicinais ou rituais na ilha. Sua deusa pode ter sido associada aos efeitos narcóticos da planta.

Este simbolismo está de acordo com o papel de Deméter como uma deusa do submundo. Particularmente nos cultos de mistério, ela era uma deusa que fazia a ponte entre a vida e a morte.

Os efeitos do ópio em entorpecer os sentidos e produzir sono tornavam-no um símbolo adequado para uma deusa com ligações com o Mundo Inferior. Como flor de Deméter, pode ter sido um símbolo antigo de seu domínio sobre o ciclo de morte e renascimento.

Deméter Queimou Uma Criança

Uma das histórias menos conhecidas sobre Deméter na mitologia grega é semelhante a outro conto famoso.

Sempre que os deuses apareciam na terra, houve várias histórias sobre o que eles fizeram lá. Diferentes grupos e cidades frequentemente afirmavam que tinham uma conexão pessoal com a divindade desde seu tempo na terra.

A visita mais famosa de Deméter ao mundo humano foi após o sequestro de sua filha, Perséfone. Depois que Perséfone foi levada por Hadese, Deméter passou dias vagando pelo mundo em busca dela.

Uma das cidades que alegou ter sido visitada por Deméter durante sua busca foi Elêusis. Disfarçada de uma mulher mais velha, ela foi recebida pelo Rei Celeu e sua esposa, a Rainha Metanira.

A rainha deu à luz dois filhos tarde na vida e o mais novo, Demofonte, ainda era um bebê. Ao ver a convidada que havia chegado ao seu palácio, Metanira viu uma oportunidade para o filho.

Apesar de seu disfarce, o rei e a rainha reconheceram a divindade de Deméter. Eles pediram que ela cuidasse de seu filho e, assim, passasse um pouco de seu poder para ele.

As crianças que foram amamentadas por deusas receberam alguma quantidade de divindade delas. Se Deméter cuidasse de seu filho, o rei e a rainha sabiam, ele se tornaria mais nobre, mais forte e mais bonito do que os outros homens.

Deméter concordou, feliz em abençoar o bebê em troca da hospitalidade de seus pais. Ela prometeu que seus encantos o manteriam a salvo de bruxaria e doenças infantis.

Durante sua estada em Elêusis, Deméter se apegou ao jovem Demofonte. Ela passou a amar o bebê e decidiu que, em vez de simples amuletos e bênçãos, conferiria a ele plena divindade.

Para fazer isso, Deméter ungiu a criança com ambrosia. Ela então o segurou sobre o fogo para lentamente queimar sua mortalidade.

Enquanto fazia isso, no entanto, Metanira entrou. Ela gritou ao ver seu filho bebê sendo segurado sobre as chamas.

Deméter estava com raiva porque a rainha a havia interrompido e que Metanira pensava que ela faria mal ao bebê. Ela puxou o bebê para longe do fogo e repreendeu a rainha.

Estúpidos são vocês mortais e estúpidos para prever a sua sorte, seja do bem ou do mal, que virá sobre você. Pois agora, em sua negligência, você operou loucura além da cura; pois - seja testemunha do juramento dos deuses, a água implacável de Styx - eu teria feito seu querido filho imortal e incansável todos os seus dias e teria concedido a ele honra eterna, mas agora ele não pode de forma alguma escapar da morte e do destino . No entanto, a honra infalível sempre repousará sobre ele, porque ele se deitou de joelhos e dormiu em meus braços. Mas, com o passar dos anos e quando ele estiver no auge, os filhos dos Eleusinos sempre travarão guerras e lutas terríveis entre si continuamente.

- Hino homérico 2 a Deméter 212 ff

Tendo amaldiçoado a cidade, Deméter  saiu furiosamente para continuar sua busca. Demofonte não se tornou um deus, mas cresceu com as bênçãos que lhe foram conferidas como filho adotivo de uma deusa.

Esta história remonta pelo menos ao século 6 ou 7 AC. Isso o torna mais antigo do que a primeira narrativa conhecida de uma história semelhante, mas mais conhecida.

A tentativa de Deméter de tornar Demofonte imortal é quase idêntica à história de como Tétis tentou tornar seu filho Aquiles imortal. Bebês ungidos e queimados, mas foram interrompidos antes que pudessem completar o processo.

Os historiadores acreditam que esta história foi tirada de um conto popular que existia antes de as lendas serem escritas. Foi tão popular e duradouro que a história do favorecimento de Deméter ao príncipe de Elêusis se tornou parte da lenda de um dos heróis mais famosos da Guerra de Tróia.

Os Elêusianos alegaram que Deméter começou a lamentar sua raiva apressada contra a cidade. Depois que Perséfone foi encontrada, a deusa decidiu conceder uma bênção à família do rei, afinal.

Demofonte não foi feito imortal, mas ele foi abençoado por Deméter de outras maneiras. Quando ela voltou, Deméter procurou o irmão mais velho do príncipe.

Ela decidiu compartilhar o dom da agricultura com a humanidade para que eles próprios pudessem cultivar alimentos, em vez de depender inteiramente dela. Ela escolheu Triptólemo , o filho mais velho do rei e rainha de Elêusis, para espalhar suas instruções.

Deméter ensinou Triptólemo  a semear, cuidar das plantas e transformar os grãos em farinha. Ela então o instruiu a ir a todas as populações da humanidade e ensiná-las por sua vez.

Para ajudar Triptólemo a espalhar seu conhecimento, Deméter deu a ele uma carruagem alada puxada por um par de grandes serpentes.

Triptólemo viajou para muitas terras e compartilhou o conhecimento da agricultura com eles. O povo o recebeu calorosamente até que ele chegou à terra bárbara da Cítia.

Os citas mataram uma das serpentes que puxavam a carruagem e expulsaram Triptólemo de seu reino. Por isso, Deméter jurou que eles nunca aprenderiam a cultivar seus próprios alimentos e viveriam para sempre vidas selvagens.

O povo de Elêusis acreditava que Triptólemo  voltou para sua cidade natal e estabeleceu o culto a Deméter lá. Seu relacionamento próximo com a deusa deu-lhe uma visão única de sua natureza.

Esse culto se tornou os mistérios de Elêusis, uma seita secreta que reverenciava Deméter e Perséfone acima de todas as outras divindades. Eles tinham seus próprios templos para Triptólemo, que acreditavam ser bem-vindo entre os deuses por seu serviço à humanidade.

A Deusa Mãe Tinha um Temperamento Terrível

Uma das razões pelas quais Deméter mostrou tanto favor para a cidade de Elêusis é porque ela foi bem recebida lá. Este não foi o caso com a maioria dos lugares que ela visitou.

Houve muitas histórias de pessoas tratando mal a deusa enquanto ela procurava Perséfone. Esses mitos destacam a ira da deusa.

Enquanto outros deuses como Poseidon e Hera eram bem conhecidos por suas punições, Deméter era geralmente vista como uma figura mais carinhosa e gentil. Algumas lendas, entretanto, mostravam que ela era tão capaz de fúria e vingança quanto os outros deuses do Olimpo.

Alguns daqueles que foram amaldiçoados por Deméter incluem:

  • Ascalabus - Depois de dias procurando sem comida, água ou descanso, Deméter recebeu um copo de bebida de cevada de uma senhora idosa. Quando um menino chamado Ascalabus zombou da maneira gananciosa com que ela bebia, Deméter o transformou em uma lagartixa.
  • Colontas - Homem de Argos, recusava-se a mostrar hospitalidade ou qualquer respeito a Deméter quando ela procurava um lugar para descansar. Em vingança, Deméter incendiou sua casa, matando-o no incêndio. Como sua filha havia tentado ajudá-la, no entanto, Deméter a levou para o santuário de Hermione para se tornar uma sacerdotisa.
  • Ascalaphus - Quando o daemon do Submundo disse a Deméter que Perséfone havia comido comida do Submundo e, portanto, não seria capaz de retornar totalmente, a deusa ficou tão furiosa que o transformou em um lagarto ou em uma coruja.
  • Minta - Depois que Demeter descobriu que Perséfone havia sido forçada a se casar com Hades, uma ninfa chamada Minta se gabou de que seria capaz de tirar o deus do Submundo de sua nova noiva. Deméter a transformou em uma planta de hortelã pelo insulto.
  • As sirenes - de acordo com alguns, as sirenes eram as ninfas que estavam com Perséfone quando ela foi abduzida. Deméter as transformou em monstros por não protegerem sua filha.

O pior da ira de Deméter, no entanto, foi direcionada a seus irmãos.

Zeus, o rei dos deuses, havia feito o plano para o sequestro de Perséfone. Depois que Deméter soube o que havia acontecido com sua filha, ela usou todo o seu poder para ameaçá-lo.

A deusa dos grãos negligenciou seus deveres enquanto procurava por Perséfone, então as colheitas já estavam começando a cair. Se Zeus não ordenasse o retorno de sua filha, no entanto, ela negaria permanentemente à humanidade seus dons.

Isso teria pouco efeito direto sobre os olímpicos, já que eles viviam de ambrosia em vez de grãos. Seria desastroso para as pessoas que os adoravam, entretanto.

Se o povo da Terra morresse de fome em massa, os deuses e deusas não teriam mais adoradores. Eles não receberiam mais os sacrifícios que os tornavam mais poderosos.

De acordo com alguns, Deméter causou uma grande fome ao redor do mundo até que ela foi capaz de ver Perséfone novamente. Seu poder como mãe da agricultura era tão grande que até Zeus teve que ceder à sua vontade.

Outra história diz, entretanto, que foi seu outro irmão que causou a grande fome.

Alguns cultos misteriosos acreditavam que Poseidon havia agredido Deméter durante sua busca por Perséfone. Ela assumiu a forma de uma égua para escapar dele, mas ele se transformou em um cavalo para persegui-lo.

Como resultado, Deméter deu à luz dois filhos. Despoina era uma deusa dos mistérios e Árion nasceu na forma de um cavalo imortal.

Deméter estava furiosa com o irmão, tanto pela agressão quanto pelo fato de ter ocorrido enquanto ela estava de luto pela perda da filha. Ela se retirou para uma caverna, vestida com vestes negras de luto, e recebeu o nome de Deméter Erínia - Deméter Furiosa.

Sua raiva levou Deméter a ignorar seus deveres na terra. As colheitas murcharam e as pessoas rapidamente começaram a morrer de fome.

Não havia nada que qualquer um dos outros deuses pudesse fazer para acabar com a fome mundial causada pela fúria de Deméter. Só quando ela saiu da caverna e se banhou é que a grande fome acabou.

Embora Deméter não demonstrasse sua raiva com a mesma frequência de muitos outros deuses da mitologia grega, quando o fez foi uma força poderosa.

Deméter Tinha Uma Espada Dourada

Embora algumas deusas da mitologia grega fossem associadas à guerra e ao armamento, essas tendiam a ser a exceção. Atena e sua comitiva eram mulheres de guerra, mas deusas mais maternais como Deméter raramente eram mostradas em cenas de luta.

Durante a Titanomaquia, por exemplo, dizem que deusas de todos os tipos se refugiaram na casa de Oceano. As deusas olímpicas, titãs e ninfas foram mantidas longe da guerra.

As coisas eram diferentes, porém, quando os deuses lutaram contra o gigante. Tanto na arte quanto na literatura, todos os atletas olímpicos foram mostrados participando da luta.

Algumas imagens mostravam Deméter enfrentando os gigantes com uma lança em uma das mãos e uma tocha acesa na outra. Outras representações da guerra com os gigantes, no entanto, podem ter dado a Deméter um de seus nomes mais surpreendentes.

Em algumas obras de arte, a deusa materna da agricultura é mostrada lutando contra os gigantes com uma espada enorme.

Provavelmente era uma espada dourada, embora a pintura grega de vasos mostrasse figuras em vermelho ou preto em vez de coloridas. Um dos epítetos de Deméter era Krysaoros - A Senhora da Espada Dourada.

Fora das imagens da Gigantomaquia, existem poucas referências a Deméter realmente carregando tal espada. Como uma deusa materna, ela parecia ter pouca utilidade para tal arma.

Alguns historiadores acreditam, no entanto, que as imagens da espada de Deméter se desenvolveram ao longo do tempo. Originalmente não era uma espada, mas uma foice.

Uma foice, que geralmente é usada para cortar grãos, seria um instrumento adequado para Deméter como uma deusa agrícola. Era uma ferramenta prática de cultivo que também podia servir de arma quando fosse necessário.

Na verdade, houve alguns escritores que mencionaram que Deméter possuía tal foice. A sua não era uma ferramenta comum, entretanto.

Algumas pessoas acreditavam que Deméter havia recuperado a foice que havia sido usada por seu pai, Cronos. Feito de um metal forte, tinha sido usado para castrar Urano e tirar seu poder sobre os Titãs.

A espada de Deméter, portanto, pode ter sido muito mais do que uma simples arma. Originalmente um tipo diferente de lâmina, era uma relíquia poderosa com uma conexão com a história de como os deuses chegaram ao poder.

Mais do Que a Mãe de Perséfone

Embora a lenda mais famosa de Deméter na mitologia grega seja seu papel no sequestro de Perséfone, ela foi uma deusa importante muito além desta história.

Sua mitologia e seu nome mostram que ela era vista como uma mãe para mais do que apenas uma deusa. Com “mãe” fazendo parte de seu nome, a deusa dos grãos era vista como uma figura que dava vida a toda a raça humana.

Deméter fazia os grãos crescerem e ensinou a raça humana a cultivar seu próprio alimento. De acordo com a lenda, quando ela foi impedida de tornar um príncipe infante imortal, ela deu a seu irmão mais velho a tarefa de ensinar agricultura ao povo da terra.

Seu símbolo sagrado de flores, a papoula, também mostra o papel de Deméter na agricultura e além. Enquanto as papoulas eram associadas aos campos cultivados nos quais cresciam como ervas daninhas, seu uso em seu simbolismo também pode ter feito referência aos efeitos narcóticos do ópio em seu papel como uma deusa do submundo.

Embora fosse vista como uma figura materna amorosa, Deméter também tinha um temperamento terrível. Particularmente durante sua busca por Perséfone, ela amaldiçoou e puniu severamente aqueles que não conseguiram ajudá-la ou zombaram de seu sofrimento.

Isso incluía os deuses. Seu poder como a deusa das colheitas era tão grande que até Zeus e Poseidon foram afetados quando ela causou uma grande fome de raiva e tristeza.

Algumas imagens fazem referência ao poder de Deméter de outra maneira. Ela às vezes é mostrada lutando contra os inimigos dos deuses como A Senhora da Espada Dourada.

Os historiadores acreditam que a espada de Deméter pode ter sido originalmente uma foice, uma referência tanto ao seu papel na agricultura quanto à história da derrota de Urano por Cronos. Era outra forma de mostrar o grande poder da deusa dos grãos.

Embora muitas pessoas conheçam Deméter apenas por seu papel na história de Perséfone, havia muito mais nela do que aparenta. Na mitologia grega, Deméter era uma deusa do cuidado maternal, do ciclo da morte e do poder vingativo.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Formulário de contato