A Trágica História de Orfeu e Eurídice

A história de amor de Orfeu e Eurídice é uma das maiores tragédias da mitologia grega, mas você conhece bem a história desse amor condenado? Continue lendo para aprender mais!

A trágica história de Orfeu e Eurídice é uma das grandes histórias de amor da mitologia grega. Enquanto muitos casamentos e casos amorosos eram unilaterais ou violentos, o poeta e sua noiva eram um casal que realmente se amava.

O casal estava condenado, no entanto, a nunca poder desfrutar de sua vida juntos. Assim como eles foram unidos pelo casamento, eles foram separados pela morte.

A imagem de Orfeu descendo ao submundo para trazer de volta seu amor perdido é uma das mais duradouras e românticas da mitologia grega. Seu amor, e a bela maneira como ele o expressou, teve o poder de levar até mesmo Hades à misericórdia.

A triste história de Orfeu e Eurídice é mais do que apenas um conto romântico. Foi também um conto central na fundação de um dos grupos secretos mais influentes e intrigantes do mundo antigo!

A Trágica História de Orfeu e Eurídice

O Início da Vida de Orfeu

A história de Orfeu e Eurídice é melhor preservada nas obras dos poetas romanos. Ovídio e Virgílio escreveram o conto em sua totalidade, com pequenas variações.

Os historiadores sabem, no entanto, que a história foi contada muito antes de seu tempo. O próprio Orfeu aparece em muitas outras obras e há referências ao seu amor por Eurídice em vários textos gregos antigos.

A maioria das fontes concordou que Orfeu era filho de Apolo e uma ninfa. Sua mãe era mais comumente chamada de Calíope, a Musa cujo domínio particular era a poesia épica.

Apolo era o deus da música e recebeu seu instrumento, a lira, de seu meio-irmão Hermes. Os poetas do mundo antigo normalmente tocavam a lira como parte de suas recitações, então Orfeu herdou uma afinidade pela música e pela poesia de ambos os pais.

Reconhecendo que seu filho era naturalmente inclinado ao desempenho, Apolo presenteou Orfeu com uma lira quando ele era criança. Ele rapidamente dominou seu uso e sua mãe o ensinou a escrever belas palavras para acompanhar sua forma de tocar.

Orfeu logo ganhou aclamação como o maior músico e poeta do mundo. Sua aclamação se espalhou, particularmente entre aqueles que eram devotos de Apolo.

Um desses devotos era Quíron, o sábio centauro que treinou Hércules e muitos heróis e semideuses. Quando soube que um dos príncipes que ele havia criado, Jasão, estava prestes a embarcar em uma épica viagem marítima, Quíron o aconselhou a incluir Orfeu entre a tripulação.

Quíron disse a Jasão que ele precisaria dos serviços do músico quando navegasse pela ilha das Sirenes. O Argo e sua tripulação só passaram por esta ilha porque foram desviados milhares de quilômetros do curso, então Quíron pode ter sido inspirado pelos poderes proféticos de Apolo para sugerir Orfeu como um Argonauta.

Jasão atendeu ao conselho do centauro e pediu a Orfeu que o acompanhasse. O músico se tornou um dos muitos heróis a bordo do Argo, incluindo Hércules, Dióscuro, Atalanta e Telamon.

Como Quíron havia previsto, o Argo passou pela ilha das Sereias em sua sinuosa jornada de volta. Orfeu pegou sua lira e começou a cantar uma canção própria, abafando o som dos sedutores monstros marinhos.

O Casamento de Eurídice

Após suas aventuras a bordo do Argo, Orfeu encontrou uma bela jovem chamada Eurídice. Eles se apaixonaram profundamente um pelo outro e se prepararam para viver uma longa vida juntos.

Fontes antigas dão dois relatos do infortúnio que se abateu sobre Eurídice. A maioria dos relatos dizia que ela estava no campo com um grupo de ninfas quando se deparou com a tragédia.

Alguns relatos afirmavam que Eurídice estava tão feliz em seu casamento com Orfeu que dançava constantemente. Enquanto ela dançava por um campo com suas companheiras ninfas, ela não prestou atenção e acidentalmente pisou em uma víbora.

Outras histórias, no entanto, dizem que ela foi mordida pela cobra enquanto fugia em vez de dançar. Alguns diziam que um sátiro estava dominado pelo desejo por ela, enquanto outros afirmavam que o meio-irmão de seu marido, Aristeu, era seu perseguidor.

No entanto, ela se deparou com a cobra, Eurídice quase imediatamente morreu de seu veneno.

Orfeu expressou sua dor da maneira mais natural para ele. Sentou-se com sua lira e compôs um poema de tal beleza comovente que todos os seres vivos choraram junto com ele.

Versões posteriores da história adicionaram outra camada de tragédia à morte de Eurídice. Alguns escritores afirmaram que Orfeu perdeu sua noiva no dia do casamento.

Ovídio escreveu que Himeneu, o deus do casamento, supervisionou pessoalmente a cerimônia que uniu Orfeu e Eurídice. Embora o casal estivesse profundamente apaixonado, o deus do casamento previu com tristeza que sua união e a alegria que isso lhes trazia não duraria.

Neste relato, Eurídice foi morta durante as celebrações de seu casamento. Orfeu perdeu a mulher que amava antes de terem a chance de viver como marido e mulher.

Orfeu no Submundo

Orfeu estava tão consumido pela dor que resolveu trazer Eurídice de volta.

Muitas versões da história não contam como Orfeu tomou a decisão de ir ao submundo ou Mundo Inferior em busca de sua noiva. Alguns, no entanto, alegaram que Apolo ou uma das ninfas o convenceram a fazer a jornada.

Poucas pessoas na mitologia grega entraram com sucesso no submundo antes de suas próprias mortes, e menos ainda sobreviveram para retornar à terra dos vivos novamente. Orfeu jogou a cautela ao vento, no entanto; sem Eurídice, ele não se importava se morresse.

Orfeu entrou no Mundo Inferior através de um portão perto da cidade de Taenarum. A caverna ali era o mesmo portão que Hércules havia usado em sua busca para tirar Cérbero do reino de Hades.

Orfeu desceu pela escuridão até cruzar o rio que marcava a fronteira do Mundo Inferior. Uma vez que ele entrou na terra dos mortos, ele começou a cantar.

Todas as coisas são devidas a você, e embora na terra

acontece que podemos demorar um pouco,

lenta ou rapidamente, devemos ir para um

morada; e será a nossa casa final.

Longa e tenazmente você possuirá

domínio inquestionável da raça humana.

Ela também será sua para governar, quando estiver cheia

de idade, ela deve ter vivido os dias de sua

anos atribuídos. Então eu te peço

posse de seus poucos dias como uma benção.

Mas se o destino me negar esta oração

para minha verdadeira esposa, minha mente constante deve manter

me sempre para que eu não possa voltar —

e você pode triunfar na morte de dois!

- Ovídio, Metamorfoses

O Trato Com Hades

Em vez de vagar pelo Mundo Inferior em busca de sua noiva perdida, Orfeu ficou no lugar e cantou um poema enquanto o compunha.

Em seu poema, ele chamou os habitantes do submundo para ajudá-lo em sua busca. Ele assegurou-lhes que pretendia prejudicar, embora reconhecesse que sua aparição no reino de Hades pode ter sido ilegal, mas foi forçado a visitá-los por causa de sua dor insuportável.

Enquanto cantava sobre seu amor por Eurídice e a dor que sentia desde a morte dela, os moradores do Submundo ficaram encantados com sua música. Aqueles que podiam se reuniram enquanto ele tocava, enquanto outros se esforçavam para ouvir a bela e comovente canção.

Entre aqueles que ouviram Orfeu cantar no submundo estavam:

  • Espíritos – o reino de Hades era amplamente povoado por espíritos sem forma dos mortos. Ovídio afirmou que todos eles pararam de andar sem rumo e choraram quando ouviram Orfeu cantar.
  • Cérbero – Muitas fontes dizem que o cão de Hades foi um dos primeiros a ser atraído por Orfeu. O enorme cão de três cabeças estava sentado ao lado do poeta, embalado pela música.
  • Tântalo – Atormentado pela fome e sede constantes, o rei perverso parou de se agarrar à comida e à água que estavam fora de seu alcance, esquecendo sua tortura por causa da canção de Orfeu.
  • Íxion – A canção do poeta era tão cativante que a roda flamejante, à qual Ixion estava obrigado por tentar agredir Hera, parou de girar.
  • Tício – O gigante que havia ameaçado Leto teve seu fígado arrancado por abutres no submundo. Tanto ele como os abutres pararam para ouvir o lamento de Orfeu.
  • As Danaides – Quarenta e nove filhas de Danaus foram enviadas ao Tártaro por assassinarem seus maridos, forçadas a encher uma piscina usando apenas jarros vazando. Eles também esqueceram seu trabalho enquanto Orfeu jogava.
  • Sísifo – O rei perverso, segundo Ovídio, sentava-se na pedra que empurrava sem parar para ouvir a música.
  • As Fúrias – Pela primeira e única vez, as Fúrias choraram pela tristeza e injustiça de uma morte.

Finalmente, Perséfone e Hades se aproximaram do músico. A rainha do Mundo Inferior ficou muito comovida com suas palavras tristes e bela interpretação.

Perséfone chamou o fantasma de Eurídice para que Orfeu pudesse vê-la novamente. Incapaz de negar o pedido de misericórdia de sua esposa, Hades concordou em permitir que Eurídice voltasse à terra dos vivos com o marido.

Permitir que uma sombra deixasse seu reino era quase inédito, no entanto, Hades impôs uma condição ao casal. Como sinal de sua fé e obediência, Orfeu teria que levar sua noiva à superfície sem nunca voltar a olhar para ela.

Orfeu rapidamente partiu para o mundo dos vivos. Eurídice seguiu alguns passos atrás dele e ele teve o cuidado de nunca olhar para ela. Embora o caminho fosse íngreme, ele não arriscou quebrar seu acordo com Hades voltando para ajudá-la a subir.

À medida que se aproximavam cada vez mais da superfície, no entanto, Orfeu ficou mais preocupado. Eurídice estava subindo atrás dele em silêncio, e ele temia que ela pudesse ter ficado para trás.

Ovídio disse que os dois estavam quase no portão quando as preocupações de Orfeu o dominaram e ele se virou para se certificar de que Eurídice ainda estava atrás dele. Outros disseram que ele chegou à superfície e voltou excitado, esquecendo que sua esposa estava alguns passos atrás dele e, portanto, ainda no submundo.

Ao se virar, Orfeu quebrou seu acordo com Hades. Eurídice foi puxada de volta para o submundo mais uma vez.

Ovídio lamentou a perda e tentou voltar ao Submundo para tentar novamente. Caronte e os outros guardiões do reino de Hades não o deixariam passar novamente, no entanto, e ele foi forçado a admitir que havia perdido Eurídice para sempre.

A Morte de Orfeu

De acordo com muitos escritores, Orfeu nunca se recuperou da dor de perder sua amada esposa duas vezes. Ele evitou as mulheres e se tornou uma figura reclusa.

Sua mãe Calíope havia se casado com o rei da Trácia, então Orfeu passou seus últimos anos perto dela. Embora vivesse no reino de sua mãe, no entanto, ele se consolava pouco por estar perto dela.

O relato mais conhecido de sua morte dizia que Orfeu evitou os deuses, assim como outras pessoas.

O poeta estava zangado porque nenhum dos deuses do Olimpo interveio para salvar Eurídice. Enquanto ele já havia composto belos hinos em homenagem aos deuses, ele deu as costas a todos eles, exceto Apolo.

Certa manhã, Orfeu saiu para prestar seus respeitos a Apolo enquanto o sol nascia. Ele fez isso perto de um oráculo de Dionísio, no entanto.

Um grupo de Ménades trácias, também conhecidas como Bacantes, Tíades ou Bassárides, em frenesi de sua adoração ao deus do vinho, reconheceu o músico que uma vez honrou seu deus também. Furiosas por ele ter abandonado sua adoração a Dionísio, elas o despedaçaram.

Outra história de sua morte também incluiu um grupo de mulheres trácias, mas o motivo para matá-lo era muito diferente.

Esta história afirmava que Orfeu havia, de fato, se tornado um devoto seguidor de Dionísio em seus últimos anos. O culto do deus do vinho permitiu que ele esquecesse sua dor.

Orfeu espalhou o culto de Dionísio para muitos lugares, incluindo a Trácia. As mulheres não apenas abraçaram Dionísio, mas também foram atraídas pela bela música e poesia de Orfeu.

Após a morte de Eurídice, no entanto, Orfeu havia renunciado ao amor pelas mulheres. Embora tivesse alguns casos entre os jovens da Trácia, não prestava atenção às mulheres que o cercavam.

As mulheres trácias não estavam acostumadas a esse tipo de desatenção e ficaram furiosas com isso. Enfurecidas, eles o mataram por recusar seus avanços.

Embora os detalhes dessas histórias difiram, ambos terminaram com sua morte nas mãos das Ménades trácias. Depois que ele foi despedaçado, sua cabeça e lira flutuaram rio abaixo em direção ao mar.

Apesar de ter morrido, Orfeu continuou a criar sua bela e triste música. Se ouvia o som da lira e o canto enquanto seus restos flutuavam.

O povo de Lesbos recuperou sua cabeça e construiu um santuário em torno dela. Quando Apolo soube disso, ele finalmente silenciou as canções de seu filho.

Os restos mortais de Orfeu foram finalmente devolvidos às Musas. Elas fizeram de sua lira uma constelação e enterraram o que restava de seu corpo no sopé do Monte Olimpo.

A alma do poeta retornou ao Mundo Inferior, onde lhe foi concedido um lugar nas Ilhas dos Bem-Aventurados. Lá, ele finalmente se reuniu com Eurídice, para nunca mais se separar um do outro.

Uma terceira versão, menos comum, da morte do poeta afirmava que ele foi morto por Zeus.

Quando Orfeu voltou ao mundo dos vivos, ele sabia o que ninguém mais sabia. Ele era o único homem vivo que tinha visto o Mundo Inferior e falado com seus habitantes.

Orfeu começou a contar às pessoas sobre as coisas que tinha visto e aprendido no reino de Hades. Como isso violava as leis naturais que separavam os vivos dos mortos, Zeus o matou por compartilhar esses segredos.

A sabedoria secreta de Orfeu se tornaria a base de alguns dos cultos mais conhecidos do mundo antigo.

Cultos de Mistério

A maioria dos mitos gregos conhecidos foi amplamente compartilhada em templos e espaços públicos do mundo antigo. Os poemas, peças e livros em que baseamos nosso conhecimento eram amplamente lidos e baseados em histórias com as quais a maioria dos gregos estaria familiarizada.

No entanto, outra versão mais secreta da religião grega existia no mundo antigo. Além da religião dominante, várias seitas pregavam diferentes versões dos mitos e deuses de seus vizinhos.

Esses grupos eram conhecidos como os cultos de mistério. Várias dessas escolas existiram em todo o mundo grego durante as eras clássica e helenística.

Muitos desses cultos eram intensamente focados nos segredos do submundo e no que acontecia com as pessoas após a morte. Como alguém que desceu à terra dos mortos e sobreviveu, Orfeu era uma figura importante em seus ensinamentos.

Uma escola, Orfismo, afirmava que sua seita havia sido estabelecida pelo próprio Orfeu. Alegaram que seus segredos, que não eram compartilhados com ninguém fora de seu grupo, haviam sido dados a eles pelo poeta.

Os órficos afirmavam que Orfeu era um seguidor de Dionísio. Ele havia reformado a adoração ao deus, no entanto, para enfatizar o vinho como um símbolo, e não como um intoxicante.

Alguns historiadores acreditam que os primeiros ensinamentos órficos podem ter visto o poeta como um aspecto de Dionísio. Enquanto mitos mais tradicionais ligavam Orfeu a Apolo, os órficos enfatizavam sua conexão com Dionísio.

Para eles, Dionísio era um deus do submundo. Ensinaram que ele havia encarnado duas vezes; sua primeira encarnação foi o filho de Zeus e Perséfone.

Vendo Zeus e Hades como aspectos do mesmo deus, isso fez do deus do vinho a descendência do deus e da deusa do submundo. Orfeu o reverenciava não pelo vinho que fazia, mas por seus laços com Perséfone e o reino dos mortos.

Muitos historiadores também acreditam que o envolvimento de Eurídice na história pode ter sido um elemento posterior que não era original da crença órfica. Em vez disso, eles pensavam que ele poderia ter ido para o submundo por outro motivo, possivelmente para trazer Hécate ao mundo dos vivos.

Os mistérios órficos são atestados pelo menos desde os séculos 5 e 6 aC. Foi um dos cultos de mistério mais bem estabelecidos e amplamente seguidos do mundo antigo.

De fato, muitos escritores conhecidos da Era Clássica incluíram elementos dos ensinamentos órficos em suas obras. Embora os membros dos mistérios fossem proibidos de divulgar tudo o que sabiam, muitas pessoas parecem ter conhecimento de pelo menos alguns ensinamentos dos órficos.

Platão, Sócrates, Heródoto e Eurípedes incluíram algumas crenças órficas em seus escritos. Embora muitas vezes abordassem essas lendas de um ponto de vista filosófico e não como prova doutrinária, sua familiaridade com o material sugere que eles tinham alguma base na tradição órfica.

Alguns estudiosos acreditam que os textos órficos conhecidos podem ter sido escritos por algumas dessas figuras. Pitágoras, em particular, está ligado a muitas das obras do culto.

Os ensinamentos de Pitágoras refletiam tanto os dos mistérios órficos que muitos historiadores ao longo dos tempos acreditavam que era óbvio que ele havia sido iniciado no culto. Alguns até afirmaram que ele escreveu muitos dos textos que sobrevivem hoje.

Enquanto os órficos afirmavam que seus poemas e hinos haviam sido escritos pelo próprio poeta mítico, muitos creditaram pelo menos alguns deles a outros notáveis ​​escritores gregos. Se Pitágoras e outros filósofos conhecidos escreveram ou não os hinos órficos, talvez nunca se saiba, mas os historiadores acreditam que eles estavam geralmente familiarizados com os ensinamentos do culto dos mistérios.

A Tragédia de Orfeu e Eurídice

Na mitologia grega, Orfeu era um poeta e músico habilidoso. Era geralmente dito que ele era o filho de Apolo e da Musa Calíope.

Ele foi levado como um dos Argonautas de Jasão na busca pelo Velocino de Ouro. Tocando sua lira e cantando alto, ele abafou o canto das sereias e salvou a tripulação de ser tentada por elas.

Depois de retornar de sua viagem, ele se apaixonou por uma jovem chamada Eurídice. Eles se casaram, mas ela foi tragicamente morta por uma picada de cobra no dia do casamento.

Desprovido, Orfeu desceu ao submundo para encontrar seu amor perdido. Ele cantou um lamento de tamanha beleza e tristeza que os moradores do Submundo ficaram com pena.

Mesmo Hades foi inspirado a mostrar misericórdia depois de ouvir a canção do poeta. Ele concordou em liberar Eurídice de volta ao mundo dos vivos.

Para recuperá-la, porém, Orfeu teria que levá-la de volta à superfície sem se virar para olhá-la. Quando ele violou este acordo pouco antes de ambos estarem seguros no mundo dos vivos, Eurídice foi levada de volta ao reino de Hades para sempre.

Várias lendas existiam sobre a própria morte do poeta. As histórias mais comuns dizem que ele foi morto por Ménades trácias, seja por negligenciar os ritos de Dionísio ou por recusar seus avanços.

Orfeu e sua descida ao submundo eram populares na religião grega dominante, mas eram histórias particularmente importantes para os cultos secretos de mistérios que proliferaram nos séculos V e VI. Um deles, o Orfismo, afirmava que o poeta havia revelado os segredos da morte a seus seguidores.

Embora esses cultos fossem secretos por natureza, os escritos de vários filósofos proeminentes demonstram uma familiaridade com os ensinamentos órficos. Se homens como Pitágoras e Sócrates foram iniciados no culto pode nunca ser conhecido, mas seus escritos mostram que o Orfismo era um aspecto importante da crença antiga.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem