Prometeu: O Titã Que Deu o Fogo ao Homem

Você provavelmente já ouviu o nome Prometeu antes, mas quão bem você conhece a história do Titã que foi punido por ajudar a humanidade?

Muitas figuras da mitologia grega aparecem apenas em uma ou duas histórias. Às vezes, suas histórias eram contadas apenas em um determinado lugar ou por um breve período.

Outros personagens se avultam, figurando em muitos mitos. Os deuses e heróis mais famosos aparecem constantemente, parecendo ter uma participação em todas as histórias que os gregos antigos já contaram.

Mas alguns personagens desempenham um papel diferente. Eles surgem uma e outra vez, mas não são tão centrais para a história como alguém como Zeus ou Hermes.

Uma dessas figuras constantes na mitologia grega é o Titã Prometeu. Ele aparece repetidamente nas lendas da Grécia antiga, mas mesmo as histórias mais famosas sobre ele envolvem outros deuses e heróis dos quais as pessoas se lembram mais vividamente.

Desde o momento em que Zeus lutou pela primeira vez para ser o rei dos deuses até que Hércules empreendeu seus famosos trabalhos, Prometeu estava lá.

Ele não era um dos maiores deuses da Grécia. Mesmo assim, muito depois da era antiga, ele perdurou como um símbolo importante na arte e na literatura.

Então, quem foi Prometeu e como ele figura em alguns dos mitos mais conhecidos da Grécia?

Prometeu: O Titã Que Deu Fogo ao Homem

Prometeu Era Um Amigo Dos Deuses

Antes que os deuses do Olimpo assumissem o poder, o universo era governado pelos Titãs. Urano, os céus, e Gaia, a terra, deram à luz essa geração mais antiga de deuses.

Prometeu era um dos filhos do titã Jápeto. Sua mãe era a Oceânide Clímene, uma das 3.000 filhas de Oceano.

Depois dos doze Titãs, Gaia deu à luz mais seis filhos, mas os três Ciclopes e três Hecatônquiros, ou Cem-mãos, foram odiados por seu pai e escondidos. Enquanto os Titãs tinham posições sob o governo de seu pai, os filhos mais monstruosos de Gaia foram presos.

Gaia pediu aos Titãs que punissem seu pai pela maneira como ele tratou os Cem-Mãos e os Ciclopes. Seu filho, Cronos, era o único dos doze disposto a lutar contra Urano.

Cronos se tornou o novo governante dos Titãs com a derrota de Urano. Ele rapidamente se tornou um tirano, obcecado em manter sua posição.

Acreditando que um de seus filhos um dia se tornaria poderoso o suficiente para derrubá-lo, ele engoliu cada um dos bebês de sua esposa Reia ao nascer.

Reia escondeu seu sexto filho, Zeus, na ilha de Creta para salvá-lo. A titã enganou seu marido para engolir uma pedra, em vez disso, enrolando-a em cobertores.

Zeus cresceu até a idade adulta e acabou voltando para desafiar seu pai.

Com a ajuda de Métis, uma das Oceânides, ele enganou Cronos para que engolisse uma mistura de mostarda e vinho que o obrigaria a vomitar. Quando Cronos vomitou as crianças que havia engolido, eles se juntaram a seu irmão para derrubar o governo dos Titãs.

A guerra resultante contra a primeira geração de deuses é chamada de Titanomaquia. Por dez anos os deuses lutaram entre si pelo controle do universo.

Apesar de serem titãs, Prometeu e seu irmão Epimeteu ficaram do lado de Zeus na guerra. Seu irmão Atlas era um dos principais generais do lado de Cronos.

Na peça Prometeu Acorrentado, do século 5 aC, o escritor Ésquilo expande o papel que Prometeu desempenhou na guerra contra seus companheiros Titãs. Na peça, Prometeu afirma ter aconselhado os Titãs a não irem à guerra.

O nome Prometeu geralmente é traduzido como "previsão". Prometeu teve a clarividência de saber que a guerra não seria vencida pela força pura, mas pela astúcia e inteligência.

Quando os titãs se recusaram a ouvir sua profecia e insistiram em uma guerra contra os deuses arrogantes, Prometeu juntou-se aos olímpicos contra eles. Sua visão e sabedoria ajudaram Zeus a ganhar vantagem muitas vezes.

Conforme a guerra se arrastava, Gaia eventualmente ficou do lado de Zeus também. Ela contou a eles onde seus filhos monstruosos, os Cem-mãos e os Ciclopes, foram presos.

Zeus e seus aliados libertaram os filhos de Gaia para lutar com eles. Com a ajuda dos monstros, Zeus foi finalmente capaz de derrotar Cronos.

Os Titãs foram lançados na parte mais profunda do Tártaro, o submundo infernal, e os Hecatônquiros foram colocados como seus guardas. Prometeu, como um dos poucos a ficar do lado dos deuses mais jovens, recebeu um lugar de honra no Olimpo.

Zeus se tornou o novo rei dos deuses, com seus irmãos governando ao lado dele. Eles estabeleceram um novo trono no Monte Olimpo.

Cada olímpico recebeu domínio sobre um aspecto diferente da Terra. Seus aliados na guerra receberam dons e responsabilidades próprias.

Valorizado por sua visão, Prometeu se tornou um dos conselheiros mais valiosos e confiáveis ​​do novo rei. Ele era frequentemente consultado para mediar disputas e prevenir desastres.

Infelizmente para Prometeu, o bom favor que ele havia conquistado durante a Titanomaquia não duraria.

O Truque em Mecone

Embora Prometeu fosse amigo dos olímpicos, ele realmente amava os humanos.

Os gregos tinham muitos mitos diferentes sobre a criação da humanidade, mas de acordo com alguns escritos, foi o próprio Prometeu quem criou os primeiros mortais. Esopo, por exemplo, afirmou que o Titã moldou os primeiros homens de barro e lágrimas.

Prometeu é frequentemente mostrado na arte de modelar homens de barro.

De acordo com Platão, os deuses criaram os homens, mas Prometeu foi quem deu a eles seus maiores presentes.

Seu irmão Epimeteu, cujo nome significava “reflexão tardia”, havia dado aos animais, descuidadamente, todas as melhores ferramentas para a sobrevivência.

Os animais tinham pelos para mantê-los aquecidos e dentes e garras afiadas para se defender e caçar para comer. Os humanos eram fracos e vulneráveis ​​em comparação.

Vendo que os humanos não tinham defesas naturais contra a natureza ou os elementos, Prometeu teve pena deles. Ele roubou as habilidades mecânicas de Hefesto e a sabedoria de Atena e as deu aos humanos para que pudessem sobreviver e prosperar.

Algumas histórias também dizem que esta foi a primeira vez que Prometeu deu aos humanos o presente do fogo. Porém, não seria o último.

Independentemente de como o relacionamento começou, estava claro que Prometeu amava os mortais.

Infelizmente, Zeus nem sempre compartilhou esse amor. O rei dos deuses deu pouca atenção à humanidade até que chegou o momento de ele reclamar sua parte no que eles produziram.

A divisão entre Prometeu e o rei dos deuses começou por causa de um sacrifício. Os deuses e os homens concordaram que cada um deveria receber uma parte da comida que os humanos criavam, mas nenhuma das partes concordou em como dividir o sacrifício.

Humanos e deuses se encontraram em um local chamado Mecone para resolver o assunto.

Zeus recorreu a Prometeu, que sempre lhe deu bons conselhos, para determinar a melhor maneira de dividir um touro de sacrifício. Era óbvio que Zeus achava que as melhores partes do animal deveriam ser reservadas para os deuses, mas Prometeu tinha outras ideias.

O Titã criou duas pilhas. O primeiro tinha os melhores cortes de carne, mas estava coberto por peles ásperas e restos nada apetitosos. O segundo tinha alguns pedaços ricos de carne gordurosa por cima, mas escondidos por baixo não havia nada além de ossos.

Diante da escolha, Zeus escolheu o sacrifício que parecia mais atraente por cima, mas consistia principalmente de ossos por baixo.

Prometeu enganou o rei dos deuses, e os humanos ficaram com a melhor parte do que plantaram. Daquele dia em diante, os templos gregos ofereceram sacrifícios de ossos e gordura aos deuses, enquanto os humanos comiam a melhor carne.

Embora Zeus fosse conhecido por sua sabedoria e justiça, ele também tinha a reputação de se irritar facilmente. A trapaça que lhe roubou a melhor parte do sacrifício deixou o rei furioso, e ele jurou que se vingaria de Prometeu e da moral que ajudara.

Prometeu e as Punições do Homem

Zangado por parecer um idiota e receber apenas ossos como sacrifício, Zeus queria vingança contra a humanidade.

Os humanos ganharam os melhores pedaços de carne, mas isso não significava nada se a carne não pudesse ser cozida. Zeus tirou o fogo dos humanos, uma forma mesquinha de punição por ganharem as melhores partes do boi.

Prometeu, que sempre foi solidário com os humanos, viu como essa punição realmente era terrível para a humanidade. Ele sabia que os humanos dependiam do fogo para mais do que cozinhar.

Sem o fogo, eles não podiam se manter aquecidos. Ficar no escuro os tornou mais vulneráveis ​​a ataques de animais e monstros.

Prometeu estava determinado a ajudar mais uma vez os humanos. Ele decidiu roubar o fogo dos próprios deuses.

Prometeu, porém, que estava acostumado a maquinar, planejado por seus próprios esforços para trazer de volta o fogo que havia sido tirado dos homens. Então, quando os outros estavam longe, ele se aproximou do fogo Zeus ​​e com um pedacinho deste fechado em um caule de erva-doce veio alegremente, parecendo voar, não correr, jogando o caule para que o ar fechado com seus vapores não apagasse a chama em um espaço tão estreito.

Sua corrida para salvar os homens do frio e da escuridão foi mais tarde comemorada em uma cerimônia anual em Atenas. Os corredores formariam um revezamento, passando uma tocha até que o último corredor a usasse para acender um fogo sacrificial para Atena.

Este revezamento continua até hoje na tradição da tocha olímpica. A tradição ateniense se espalhou pela Grécia com a Olimpíada original e hoje a tocha circunda o globo.

Quando sua primeira tentativa de punir a humanidade falhou, Zeus bolou outro plano.

Ele foi até Hefesto, o ferreiro dos deuses, com ordens de fazer uma bela mulher de barro. Ele chamou essa mulher de Pandora.

Sabendo que Epimeteu não era dotado da visão de seu irmão, Zeus enviou Pandora até ele. Prometeu advertiu seu irmão para não confiar na bela mulher, mas Epimeteu ignorou o aviso.

Pandora, entretanto, carregava um terrível segredo.

Depois de se casar com Epimeteu, Pandora abriu a jarra que carregava consigo. Nele, Zeus e os deuses colocaram todos os males que atormentariam os homens.

Doenças, enfermidades e outros tipos de azar surgiram voando. A única coisa que ela conseguiu salvar na jarra foi esperança.

Pandora liberou todas as punições das quais Prometeu não pôde salvar a humanidade. Seu jarro de azar marcou o fim da pacífica Era Dourada e introduziu problemas dos quais os homens nunca poderiam se livrar.

Zeus finalmente se vingou dos homens pelo truque de Mecone.

A Rocha e a Águia

Prometeu: O Titã Que Deu Fogo ao Homem
A humanidade foi punida, mas Zeus ainda queria que Prometeu pagasse por sua trapaça. Com mais raiva ainda quando o Titã roubou o fogo tirado dos homens, Zeus veio com uma punição verdadeiramente horrível para Prometeu.

Zeus levou o Titã cativo e o levou para um desfiladeiro desolado nas montanhas do Cáucaso.

Ele ordenou que Hefesto prendesse Prometeu às rochas com correntes inquebráveis. Embora o ferreiro relutasse em infligir punição a um companheiro imortal, ele não tinha escolha a não ser obedecer à vontade do rei.

Zeus enviou uma grande águia para atacar Prometeu. O pássaro puxava o fígado do Titã, engolindo-o antes de voar.

A punição foi contínua. Todas as noites, o corpo do Titã curava-se magicamente e todos os dias a águia voltava para atacar novamente.

Prometeu seria torturado assim, dia após dia, até que Zeus permitisse que ele fosse libertado.

Prometeu e Zeus provaram ser deuses orgulhosos e teimosos. Prometeu não expiaria por desobedecer a Zeus. Zeus não perdoaria Prometeu.

A tortura do Titã continuou por séculos. Alguns dizem que durou 30.000 anos.

Ésquilo detalhou a punição de Prometeu em sua peça Prometeu Acorrentado. A primeira parte de uma trilogia sobre o famoso Titã, Prometeu Acorrentado é a única das três peças a sobreviver 2.500 anos depois.

Em Prometeu Acorrentado, Prometeu é visitado por várias outras figuras da mitologia grega e conta-lhes sua história, bem como suas visões do futuro.

Hefesto e dois dos capangas de Zeus, Cratos e Bia, aparecem no início da peça para prender Prometeu.

As Oceânides, ninfas do mar, chegam em uma carruagem alada. Elas pedem a Prometeu que conte como ele irritou Zeus o suficiente para merecer uma punição tão horrível e são solidários com sua dor.

Oceano, o pai das Oceânides, voa nas costas de um dragão. Ele se oferece para interceder junto a Zeus em nome do Titã, mas Prometeu avisa que isso apenas direcionaria a raiva do rei para o próprio Oceano.

A ninfa Io encontra Prometeu. Outrora sacerdotisa de Hera, ela atraiu a atenção de Zeus. Ele a transformou em um touro branco para escondê-la de sua esposa, mas Hera soube de Io e enviou uma mosca para atormentá-la. Io passou anos vagando pelo mundo na tentativa de evitar os avanços de Zeus e o ciúme de Hera.

Finalmente, o deus Hermes chega com uma demanda de Zeus. Quando Prometeu se recusa a usar sua previsão profética para o benefício de Zeus, Hermes avisa que o rei ficará ainda mais furioso.

Prometeu diz a Io que ela dará à luz o filho de Zeus, Épafo. Muitas gerações depois, um dos descendentes de Épafo daria à luz um grande arqueiro.

Somente quando esse arqueiro nascesse, Prometeu seria libertado.

Embora as últimas obras de Ésquilo, Prometeu Acorrentado e Prometeu, o Portador do Fogo não sobrevivam, outras fontes nos dizem que o arqueiro na profecia era provavelmente Hércules. Mas muitas gerações se passariam antes que aquele grande herói pudesse libertar Prometeu.

Prometeu e o Dilúvio

Apesar de suportar milhares de anos de tortura, Prometeu continuou a ajudar os humanos, mesmo quando isso ia contra os comandos de Zeus.

A Era Dourada terminou com as maldições de Pandora, e Zeus destruiu os homens da Era da Prata durante o cativeiro de Prometeu. O mundo estava agora na Era do Bronze, e mais uma vez Zeus ficou com raiva da humanidade.

Como antes, sua raiva foi desencadeada por um sacrifício. O rei da Arcádia sacrificou um menino em nome dos deuses.

Zeus e os outros olímpicos ficaram enojados com esse ato. Os homens da Era do Bronze eram conhecidos por sua violência, mas o sacrifício de uma criança era cruel demais para os deuses ignorarem.

Zeus decidiu que a humanidade estava além da redenção e deveria ser destruída.

Mais uma vez, Prometeu seria aquele que salvaria a humanidade da destruição completa. Embora ele não pudesse impedir Zeus de exterminar os homens cruéis da Era do Bronze, Prometeu garantiria que a raça humana continuaria na Era dos Heróis.

Mesmo estando ainda preso por correntes inquebráveis, Prometeu teve um filho, Deucalião. Os escritores antigos fornecem diferentes versões de quem era a mãe de Deucalião, mas a maioria diz que ela era uma das Oceânides.

Quando Zeus ordenou que Poseidon inundasse o mundo e destruísse a raça humana, Prometeu avisou seu filho para encontrar segurança. Deucalião e sua esposa, Pirra, fugiram para o topo da montanha.

Algumas versões da história dizem que Prometeu aconselhou Deucalião a construir um baú para armazenar as provisões que ele e sua esposa precisariam. Os dois flutuaram no baú para a segurança de um terreno elevado.

A maioria dos historiadores acredita que partes da lenda, incluindo o baú de Deucalião, foram influenciadas por histórias de Noé e outros mitos do dilúvio no Oriente Próximo. Na época do final do Império Romano, a lenda de Deucalião chega a dizer que ele construiu uma arca para se salvar do diluvio.

Quando o dilúvio terminou, Deucalião e Pirra foram alguns dos poucos humanos que sobreviveram.

Seu primeiro ato foi oferecer um sacrifício a Zeus por poupá-los. Em seguida, eles oraram nos templos de muitos deuses e deusas diferentes por orientação sobre como poderiam repovoar a Terra.

Um oráculo disse-lhes para jogar os ossos de suas mães sobre os ombros enquanto caminhavam. Deucalião interpretou corretamente isso como pedras - Gaia, a terra, foi a mãe de toda a criação.

As pedras que Deucalião jogou se tornaram uma nova raça de homens, enquanto as de Pirra se tornaram mulheres.

Os humanos que surgiram das pedras de Deucalião e Pirra se espalharam por toda a terra. Com os outros sobreviventes que encontraram, eles repovoaram o mundo.

Seu próprio filho, Heleno, se tornou o ancestral do povo grego. Eles se autodenominavam helenos em sua homenagem, e até hoje a cultura grega é frequentemente chamada de helênica.

Ao avisar Deucalião, Prometeu mais uma vez salvou a humanidade da destruição. Desta vez, porém, ele e as pessoas que ajudou não seriam punidos.

Zeus ficou satisfeito com o sacrifício que Deucalião e Pirra haviam feito em sua homenagem e viu que eles eram devotados aos deuses. Ele permitiu que as pessoas que eles criaram florescessem, começando a Era dos Heróis.

Hércules Liberta o Titã

Quando Zeus destruiu o povo da Era do Bronze, alguns sobreviveram, exceto Deucalião e Pirra. Io, então, voltou à sua forma humana, e seu filho Épafo estava no Egito na época e foi poupado.

Nove gerações depois, o descendente de Épafo, Perseu, nasceu. Perseu cresceu e se tornou um dos heróis mais lendários do mundo.

Perseu resgatou e se casou com a princesa africana Andrômeda. Um de seus filhos, Electrião, se tornou pai de uma bela mulher chamada Alcmena.

Como era o caso de muitas mulheres bonitas da mitologia grega, Alcmena chamou a atenção de Zeus.

Depois que Zeus a enganou disfarçando-se de marido, Alcmena deu à luz um filho. Ela chamou seu bebê de Hércules em um esforço para agradar Hera, a esposa ciumenta de Zeus.

Os Doze Trabalhos de Hércules estão entre as lendas mais famosas e memoráveis ​​da mitologia grega. Concluí-los daria a Hércules seu lugar entre os deuses do Monte Olimpo.

Sua décima primeira tarefa, roubar as maçãs do jardim das Hespérides, o colocaria no caminho para libertar Prometeu.

As Hespérides eram lindas ninfas do pôr-do-sol e seu jardim ficava no extremo oeste. Nela cresciam maçãs douradas que, segundo se dizia, concediam a imortalidade a qualquer um que mordesse uma delas.

As Hespérides, no entanto, serviram a Hera. Ela havia enviado um dragão de cem cabeças para proteger as maçãs.

A caminho do jardim, Hércules passou pelo desfiladeiro onde Prometeu estava acorrentado.

Já tendo matado muitas das maiores feras do mundo, ele não hesitou ao ver a grande águia que tinha vindo comer o fígado do Titã. Ele a abateu com flechas, cumprindo a profecia que Prometeu fizera a Io sobre um grande arqueiro que seria descendente de sua linhagem.

Hércules foi capaz de quebrar as correntes que prendiam Prometeu à pedra, o que não teria sido possível se Zeus não tivesse permitido. O rei dos deuses finalmente libertou Prometeu de sua tortura.

Como agradecimento por sua liberdade, Prometeu ajudou Hércules a completar sua tarefa.

O irmão de Prometeu, Atlas, que segurava a terra sobre os ombros como punição por lutar contra Zeus na Titanomaquia, era o pai das Hespérides. Prometeu disse ao herói onde encontrar Atlas, que poderia entrar no jardim ileso.

Sem a orientação de Prometeu, Hércules não teria sido capaz de derrotar as ninfas e o dragão e nunca teria se tornado um dos deuses.

As histórias não são claras sobre o que aconteceu com Prometeu depois que ele foi libertado de sua tortura. A peça final da trilogia de Ésquilo pode ter fornecido detalhes, mas apenas alguns pequenos fragmentos permanecem.

Prometeu Acorrentado sugere que o Titã finalmente disse a Zeus que ter um filho com a deusa do mar Tétis custaria a ele seu trono. Essa foi a informação que Hermes exigiu ao final da peça.

Prometeu disse a Io que só ele poderia salvar Zeus. Os dois estavam em um impasse há milhares de anos sobre a identidade da mulher que poderia levar à queda de Zeus.

Para evitar que a profecia de Prometeu se cumprisse, Zeus ordenou que Tétis se casasse com um mortal. Seu filho Aquiles se tornou um dos heróis mais famosos da Grécia.

Zeus manteve seu poder e Prometeu ganhou sua liberdade ajudando o rei.

O Legado de Prometeu

Ao longo dos séculos, as lendas sobre Prometeu cresceram e mudaram. Ele se tornou uma figura importante na mitologia, criando e salvando a humanidade continuamente.

Ésquilo ajudou a consolidar o lugar de Prometeu na cultura com sua famosa peça. O Titã recebeu uma voz e personalidade que ressoou nas pessoas através dos tempos.

Prometeu tornou-se uma figura com a qual as pessoas queriam se identificar. Ele foi um personagem que defendeu a humanidade mesmo quando isso resultou em punição extrema.

Embora os gregos antigos possam ter interpretado a história da punição de Prometeu como um aviso contra desafiar os deuses, pensadores posteriores admiraram a coragem e determinação que Prometeu demonstrou.

Prometeu se tornou um símbolo de rebelião justa e liberdade de pensamento.

Quando Percy Blythe Shelley imaginou sua própria versão de Prometeu Acorrentado no século 19, ele escreveu um personagem que se recusou a se submeter à tirania de Zeus. Prometeu permaneceu desafiador, ilustrando o triunfo do intelecto humano sobre a obediência cega.

Creditado por dar aos humanos sabedoria e o conhecimento de ferramentas para ajudá-los a avançar, Prometeu se tornou um símbolo do intelectualismo e do pensamento criativo.

Obras de rebelião contra instituições religiosas ou governos opressores frequentemente faziam alusão a Prometeu. Os pensadores modernos o admiravam por estar disposto a se sacrificar em defesa da liberdade intelectual.

Na arte, Prometeu é uma figura popular desde a era romana. Enquanto os artistas do passado usaram a história de sua criação da humanidade como um paralelo à criação bíblica de Adão, os artistas modernos abraçaram Prometeu como uma forma de mostrar os ideais modernos com um tema clássico.

Um exemplo conhecido de Prometeu na arte é a escultura de bronze dele no Rockefeller Center de Nova York. Um dos marcos mais famosos da cidade, celebra a inovação humana.

De um titã profético a uma alegoria do poder da mente humana, Prometeu perdurou por milhares de anos. Embora nem todo mundo conheça os mitos por trás do nome, ao conceder sabedoria aos humanos e arriscar-se para garantir sua sobrevivência, Prometeu é um símbolo tão importante agora quanto era no passado antigo.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem