Mais Histórias de Teseu da Mitologia Grega

Se tudo o que você sabe sobre Teseu é que ele matou o Minotauro, você conhece apenas metade da história! Continue lendo para descobrir mais aventuras de Teseu na mitologia grega!

A história de Teseu e o Minotauro é um dos contos mais conhecidos da mitologia grega. O jovem herói usou astúcia e habilidades de luta para matar um monstro feroz e aterrorizante.

A derrota do Minotauro é apenas uma das lendas de Teseu, no entanto. Como muitos outros heróis, havia muitas histórias contadas sobre sua vida e outras aventuras.

Isso é especialmente verdade porque Teseu era um lendário rei da cidade de Atenas. Como a cidade tinha uma rica cultura literária, muitas histórias sobrevivem das façanhas do herói.

Teseu derrotou muitos monstros antes de encontrar o Minotauro e teve muitas aventuras depois. Como um dos maiores heróis da mitologia grega, Teseu tinha uma mitologia que ia muito além de sua luta contra o Minotauro!

Mais Histórias de Teseu da Mitologia Grega

As Seis Provas de Teseu

Quando Teseu partiu da terra natal de sua mãe, ele teve sua escolha de duas rotas para chegar a Atenas. Viajar por mar era mais seguro, mas a rota terrestre oferecia mais oportunidades de glória.

O jovem herói escolheu a rota terrestre mais perigosa entre Trezena e Atenas. Isso o levou perto de seis monstros ctônicos que ele teria que derrotar para chegar a Atenas e reivindicar seu lugar como herdeiro do rei Egeu.

Em Epidauro, Teseu encontrou Peripetes, um bandido do submundo. Peripetes empunhava uma enorme clava que ele usava para jogar seus oponentes na terra.

Periphetes era forte, mas também tinha apenas um olho e era coxo de uma perna. Teseu conseguiu vencê-lo e roubar seu icônico taco de bronze.

A próxima entrada para o Mundo Inferior que ele passou era perto do Istmo de Corinto. Era guardada por Sínis, que matava seus inimigos de maneira particularmente cruel.

Sínis dobrou dois pinheiros jovens um para o outro e amarrou seus oponentes entre eles. Quando as árvores se separaram, seus inimigos foram divididos ao meio.

Teseu conseguiu matar Sínis com sua própria armadilha. Ele então seduziu a filha do bandido. Mais tarde, ela deu à luz Melanipo, que fundou os assentamentos de Caria.

Perto de Crommyon, ele derrotou a selvagem Porca Crommyoniana. Às vezes se dizia que a porca selvagem destrutiva era a mãe do temível Javali calidônio.

O quarto local era um penhasco perto de Megara, onde outro bandido, Sciron, chutava viajantes incautos para o lado para a morte. Teseu o jogou do penhasco antes que ele tivesse a chance de atacar, e seu corpo foi comido por uma monstruosa tartaruga marinha.

Perto de Elêusis, Teseu foi desafiado para uma luta livre por Cercyon. Ele foi o primeiro homem a derrotar o rei local, que havia matado todas as outras pessoas que ele havia desafiado e derrotado antes.

Teseu finalmente encontrou Procrustes, o Esticador, nas planícies de Elêusis. Procrustes matava suas vítimas sob o pretexto de hospitalidade.

Procrustes oferecia aos transeuntes uma de suas duas camas, cada uma de um tamanho estranho. Se eles escolhessem a cama mais curta, ele os faria caber cortando seus pés, mas se eles escolhessem a cama mais longa, ele os esticava até a morte.

Teseu virou a mesa neste último patife, cortando suas pernas e sua cabeça.

Cada um dos inimigos que Teseu enfrentou na estrada guardava uma entrada para o Mundo Inferior. Ao derrotá-los, ele não apenas provou ser um herói, mas também um mestre sobre as forças mortais.

Medeia e o Touro de Maratona

Quando Teseu finalmente chegou a Atenas, não foi imediatamente recebido como filho do rei.

Ele não anunciou sua identidade ao entrar na cidade, preferindo ver onde estava e obter primeiro uma medida para a corte de seu pai. Por causa disso, o rei Egeu não foi a primeira pessoa que conheceu lá.

Em vez disso, ele foi visto pela esposa do rei. Ele se casou com a bruxa Medeia, que era uma mulher astuta e impiedosa.

Medeia era observadora o suficiente para reconhecer imediatamente as semelhanças entre o recém-chegado e seu marido. Ela temia com razão que a chegada de um herdeiro legítimo ao trono de Atenas ameaçasse sua própria posição.

Como Egeu não tinha filhos, assumiu-se que o filho de Medeia, Medus, seria nomeado seu herdeiro. A chegada de Teseu ameaçou esse plano.

Medeia esperava que ela pudesse se livrar do pretenso príncipe antes que seu marido soubesse de sua chegada. Ela pediu a Teseu, como herói, que provasse sua coragem matando o Touro de Maratona.

O touro era, de fato, o touro cretense que gerou o Minotauro. Depois que foi trazido para o continente como um dos trabalhos de Hércules, ele se soltou e corria solto por toda a área.

O touro finalmente se instalou perto de Maratona e estava destruindo terras agrícolas e aldeias lá. Derrotá-lo, que tinha sido uma tarefa digna de Hércules, realmente testaria as habilidades de Teseu.

Teseu estava à altura da tarefa, no entanto. Para desespero de Medeia, ele conseguiu capturar o Touro de Creta e trazê-lo de volta a Atenas para ser sacrificado.

A busca para matar o touro testou mais do que sua destreza física, no entanto. Também demonstrou sua nobreza de caráter.

A caminho de Maratona, Teseu foi acolhido por uma viúva idosa chamada Hecale. Ela lhe deu comida e abrigo de uma tempestade e jurou que ofereceria um sacrifício a Zeus se Teseu conseguisse derrotar o touro.

Ao retornar, Teseu visitou a cabana de Hecale para contar a ela sobre seu sucesso e agradecê-la por sua hospitalidade. Ele descobriu que ela havia morrido naquele dia, no entanto.

Teseu enterrou Hecale e completou os sacrifícios que ela jurou dar. Incapaz de agradecê-la, ele mais tarde a honrou dando o nome dela a um dos distritos da Ática, tornando seus cidadãos seus descendentes honorários.

O Barco de Teseu

Quando Teseu voltou de matar o Minotauro com os jovens atenienses sobreviventes, sua mente estava preocupada. Ele passou por uma grande provação e foi instruído por Atena a deixar para trás Ariadne, a mulher que ele amava, para que ela pudesse se casar com um deus.

Ele esqueceu uma promessa ao pai, portanto, de que usaria o barco para sinalizar o resultado de sua busca. O barco que levou os jovens atenienses a Creta levava velas negras de luto, mas se conseguisse prometera trocar as velas por brancas.

Quando Egeu viu velas negras aparecerem no horizonte, portanto, ele acreditou que seu filho havia falhado. Teseu, junto com os outros rapazes e moças, foi vítima do Minotauro.

Desesperado com a perda de seu recém-descoberto herdeiro, Egeu se jogou no mar. Mais tarde foi nomeado o mar Egeu em sua memória.

Teseu, portanto, retornou a Atenas como um herói, mas também para lamentar a morte de seu pai, causada por sua própria negligência. De acordo com Plutarco, ele manteve seu barco no porto como um memorial tanto para Egeu quanto para os jovens que foram enviados ao Minotauro antes de sua chegada.

O barco teve que ser mantido em condições de navegar para honrar um voto a Apolo. Após o sucesso de Teseu, o barco era levado a Delos todos os anos para homenagear o deus por apoiar os atenienses contra o Minotauro.

Com o tempo, o barco começou a mostrar sinais de decadência. Quando as pranchas apodreceram ou as velas se rasgaram, Teseu ordenou que fossem substituídas para manter o memorial.

Eventualmente, todas as peças do barco foram substituídas. Não havia uma única prancha original do barco que retornou de Creta.

O barco de Teseu não era um mito, mas um problema filosófico. Em que ponto, perguntou Plutarco, o barco no porto de Atenas não era mais o barco que vinha de Creta?

Plutarco questionou se o barco de Teseu ainda existia depois que todas as tábuas foram substituídas. Enquanto a galera cerimonial ainda era chamada de barco de Teseu, Plutarco desafiou seus leitores a decidir se realmente se poderia dizer que ainda era o mesmo barco.

Os Centauros no Casamento

As aventuras de Teseu continuaram muito depois de ele se tornar rei de Atenas. Algumas delas envolveram seu amigo mais próximo, Pirítoo.

Pirítoo era o rei dos Lápitas, uma tribo lendária da Tessália. Os dois se tornaram amigos por causa de um desafio.

Pirítoo tinha ouvido falar da força do rei ateniense, mas queria ver por si mesmo se as histórias eram verdadeiras. Para testar Teseu, ele roubou o gado de Maratona e os expulsou da Ática.

Teseu perseguiu e logo alcançou o ladrão de gado travesso. Eles se prepararam para lutar, mas ficaram tão impressionados um com o outro que decidiram se tornar amigos.

De acordo com algumas fontes, Pirítoo finalmente conseguiu ver a força de Teseu durante a caça ao javali Calidônio. Enquanto Atalanta, a poderosa caçadora foi declarada vencedora por desferir o primeiro golpe contra a fera, Pirítoo e Teseu continuaram impressionados com as habilidades um do outro.

Homero fez referência a uma história perdida na Ilíada na qual os dois amigos uniram forças para destruir “uma tribo selvagem de montanhas”. Na Ilíada, Nestor descreveu isso como um encontro entre os homens mais fortes da história e os inimigos mais fortes possíveis.

Uma história de Teseu e Pirítoo que sobreviveu, no entanto, é o relato da festa de casamento deste último.

Pirítoo casou-se com Hipodâmia. Como gesto de paz e amizade, os centauros que viviam nas montanhas da Tessália foram convidados para a festa de casamento.

Os centauros, no entanto, eram notoriamente mal-educados. Eles beberam muito vinho na festa e em seu estado de embriaguez decidiram sequestrar as mulheres e os meninos ao redor deles, incluindo a noiva.

Os Lápitas o perseguiram. Liderados por Teseu e Pirítoo, eles derrotaram facilmente os centauros, tornando-os praticamente extintos na Tessália.

De acordo com Ovídio, Teseu lutou contra Eurito, o mais forte e feroz de todos os centauros. Ele havia instigado o sequestro, então Teseu não lhe mostrou misericórdia.

Teseu no Hades

Em uma história bem conhecida, no entanto, Teseu não foi o salvador de uma mulher sequestrada. Em vez disso, ele fazia parte do plano para levá-la.

Teseu e Pirítoo certa vez decidiram que, como filhos de Poseidon e Zeus, respectivamente, deveriam se casar com filhas dos deuses em vez de mulheres mortais. Eles conspiraram juntos para sequestrar duas das filhas de Zeus e forçá-las a se casar.

Teseu escolheu Helena, que ainda era uma jovem na época. Eles a sequestraram e a deixaram sob a custódia de sua mãe, Aethra, até que ela tivesse idade suficiente para se casar.

Helena logo foi resgatada por seus irmãos, Castor e Pólux, mas Teseu e Pirítoo decidiram continuar com a segunda metade de seu plano.

Pirítoo havia escolhido uma noiva ainda mais renomada, e uma que seria mais difícil de sequestrar. Ele queria se casar com Perséfone.

Perséfone já era a esposa de Hades, mas Teseu e Pirítoo não se intimidaram. Eles viajaram para o submundo para encontrar e roubar sua rainha.

Eles vagaram pelo Submundo sem rumo sem encontrar o paradeiro de Perséfone. Vencido pela exaustão, Teseu sentou-se em uma pedra para descansar.

Assim que se sentou, porém, foi tomado pela paralisia. Incapaz de se mover, ele não pôde ajudar Pirítoo quando seu amigo começou a gritar.

Pirítoo foi atacado pelas Fúrias, os espíritos vingadores que puniam os criminosos. Sua trama para sequestrar Perséfone foi uma afronta aos deuses, e as Fúrias foram impiedosas em sua punição.

Enquanto elas levavam Pirítoo embora, Teseu permaneceu imobilizado na rocha. Ele ficou lá por meses, sofrendo tanto por si mesmo quanto por seu melhor amigo.

Um adiamento finalmente veio quando Hércules foi enviado ao submundo durante seus trabalhos para capturar Cérbero, o cão de Hades. Quando reconheceu Teseu, pediu a Hades e Perséfone que mostrassem misericórdia ao heroico rei.

Perséfone concordou em libertar Teseu, já que o plano não era dele. Pirítoo, no entanto, não pôde ser salvo das Fúrias.

Fedra e Hipólito

Teseu acabou se casando com uma mulher mortal que era neta, não filha, de Zeus. Sua esposa era Fedra, filha do rei Minos e irmã mais nova de seu primeiro amor, Ariadne.

O casal teve dois filhos juntos, mas havia pouco amor entre eles. Eventualmente, os pensamentos de Fedra começaram a vagar para outro homem.

Aquele homem, infelizmente, era o filho mais velho de seu marido. Hipólito era filho de Teseu e da rainha amazônica Hipólita.

De acordo com alguns relatos, seu amor por seu enteado não era inteiramente culpa de Fedra. Afrodite a amaldiçoou quando Hipólito desprezou a deusa para seguir Ártemis.

Como seguidor de Ártemis, Hipólito fez voto de castidade. Mesmo que Fedra não fosse sua madrasta, ele ainda a teria rejeitado por devoção à sua deusa.

Fedra estava tão apaixonada por seu enteado que decidiu que não poderia viver sem ele. Antes de se matar, porém, ela escreveu uma carta a Teseu.

Para evitar que sua reputação fosse manchada pela morte, Fedra alegou que Hipólito a havia agredido e ela estava cometendo suicídio para se poupar da vergonha. Quando Teseu ouviu essa mentira, ficou furioso.

Poseidon havia concedido a seu filho o poder de fazer três desejos. Teseu usou o primeiro deles para amaldiçoar seu próprio filho.

A maldição fez com que os cavalos de Hipólito ficassem assustados com a visão de um monstro marinho. Assustados, eles correram soltos e arrastaram seu dono até a morte. Teseu estava convencido de que a justiça havia sido feita, até que Ártemis lhe contou a verdade do engano de Fedra.

Ártemis jurou que ela se vingaria de um dos seguidores de Afrodite em troca.

Nos últimos anos, surgiu a crença de que Asclépio havia ressuscitado Hipólito e ele vivia no Lácio, na Itália. As garotas ofereciam mechas de cabelo para ele antes de seus casamentos.

Teseu na Mitologia Grega

Teseu foi considerado um dos heróis mais poderosos e influentes da mitologia grega. Embora ele seja mais conhecido por derrotar o Minotauro, ele teve muitas outras aventuras ao longo de sua vida.

Em sua viagem a Atenas, no entanto, Teseu se provou ao escolher uma rota mais difícil. Ele ganhou sua reputação como um herói forte e astuto ao derrotar seis guardiões do Submundo ao longo do caminho.

Ele também derrotou uma besta lendária com laços estreitos com o Minotauro. Medeia esperava matá-lo enviando-o para lutar contra o Touro de Maratona, que era outro nome para o Touro Cretense. Em vez disso, no entanto, ele prevaleceu e sua traição foi exposta.

Teseu às vezes era um personagem falho, no entanto. Sua imprudência ao retornar de Creta levou à morte de seu pai por suicídio.

Teseu guardou o barco no qual retornou como memorial e para uso cerimonial. Plutarco escreveu isso em um dos paradoxos filosóficos mais famosos do mundo antigo, a questão do barco de Teseu.

Teseu também conspirou contra os deuses ajudando seu amigo na tentativa de sequestrar Perséfone. Enquanto ele acabou sendo resgatado do Submundo por Hércules, seu amigo Pirítoo, Rei dos Lápitas, foi entregue às Fúrias.

A tragédia atingiu dentro de sua própria família, também. Uma mentira de sua esposa infiel fez com que Teseu amaldiçoasse seu próprio filho, que era inocente dos crimes dos quais foi acusado.

De acordo com um relato sobrevivente, Teseu acabou perdendo o apoio do povo de Atenas. Ele foi assassinado por um rival, mas acabou homenageado novamente em sua cidade natal como um de seus maiores heróis e reis.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem