Quem Era Heimdall na Mitologia Nórdica?

O deus nórdico Heimdall é mais conhecido como o vigia na ponte do arco-íris, mas há mais para o deus do que seu papel como guardião? Continue lendo para descobrir!

A imagem mais icônica do deus nórdico Heimdall é dele soprando seu grande chifre Gjallarhorn para anunciar o início do Ragnarok. O vigia da ponte Bifrost soou o alarme que alertou os Nove Mundos para a última batalha.

Embora esta seja certamente uma parte importante da história de Heimdall, há muito mais sobre o deus do que seu papel como o observador na ponte.

Heimdall apareceu em muitos mitos conhecidos, muitas vezes em um papel coadjuvante. Embora muitas dessas aparições possam parecer pequenas, em conjunto elas o tornam um dos deuses mais bem atestados do panteão nórdico.

Essas aparições também mostram que o papel de Heimdall era muito maior do que o de um guardião típico. Ele tinha conexões com muitos deuses, elementos e aspectos do mundo humano.

Mesmo que Heimdall seja lembrado por soprar sua trompa, as evidências encontradas nas lendas que o cercam mostram que ele pode ter sido realmente um dos deuses mais importantes da mitologia nórdica.

Quem Era Heimdall na Mitologia Nórdica?

As Nove Mães de Heimdall

Diz-se que Heimdall era filho de Odin e de nove mães.

Embora as fontes anteriores não mencionem o nome dessas mães, uma fonte posterior lista as nove mulheres pelo nome. Diz que todas as nove o geraram e ele nasceu com a força da terra e o gelo do mar.

Embora não esteja claramente declarado na fonte, a menção do mar levou alguns historiadores a especular sobre as identidades precisas das mães de Heimdall.

Aegir e Ran às vezes são erroneamente chamadas de deus e deusa do mar, mas na verdade eram jötnar. Elas eram amigas dos deuses e deram uma festa famosa na qual várias divindades proeminentes, incluindo Heimdall, estavam presentes.

Uma fonte menciona que Aegir e Ran tiveram nove filhas. Como as ninfas da mitologia grega, essas filhas do governante do mar personificavam as ondas.

Muitas pessoas acreditam que as nove filhas de Aegir também foram as nove mães de Heimdall. Elas são o único grupo de nove mulheres mencionadas em fontes nórdicas sobreviventes e esta interpretação se encaixaria na ideia do nascimento de Heimdall envolvendo o mar.

A maioria das fontes concorda, entretanto, que seu pai era Odin. Isso o tornou um meio-irmão dos deuses Aesir mais proeminentes, incluindo Baldur e Thor.

É também digno de nota que a conexão entre Odin e o número nove tem importância além do nascimento de Heimdall.

O número aparece frequentemente em textos e imagens que têm um significado mágico. Quando Odin se sacrificou, por exemplo, ele ficou pendurado em Yggdrasil por nove dias. A viagem para Hel também levou nove dias em Sleipnir e havia Nove Mundos na cosmologia nórdica.

A união de Odin e o número nove, portanto, parece implicar que o nascimento de Heimdall teve um significado particular. Ao contrário de outros deuses, cujo parentesco é mais típico ou nem sequer mencionado, desde o nascimento Heimdall parece ter sido considerado uma figura particularmente poderosa ou influente.

Soando a Buzina

De todos os mitos nos quais ele aparece, o mais familiar para muitas pessoas é o papel que ele desempenhará em Ragnarok. A imagem de Heimdall no início da batalha é tão icônica que apareceu na arte e até mesmo em selos postais por séculos.

Um dos papéis de Heimdall era o de vigia dos deuses. Ele é chamado de seu guardião e seus sentidos superiores são mencionados várias vezes.

Ele morava em um castelo chamado Himinbjorg. Ele estava posicionado na extremidade Asgardiana da ponte Bifrost para que Heimdall ficasse imediatamente ciente se alguém tentasse entrar no mundo dos deuses.

Esse seria o caso nos eventos que antecederam o Ragnarok. Depois de três anos de inverno, os muitos monstros amarrados que haviam perturbado os deuses no passado se libertariam e invadiriam Midgard.

Os gigantes do fogo de Muspelheim, liderados por seu terrível comandante Surt, marchariam pela terra até chegarem ao Bifrost. Quando eles começaram a cruzá-la, Heimdall percebeu imediatamente.

Heimdall soprou seu grande chifre, o Gjallarhorn, para alertar os outros deuses sobre a invasão. A buzina sendo tocada sinalizou o início oficial do Ragnarok, a última batalha dos deuses.

De acordo com a Edda em Prosa, cada um dos deuses enfrentou um oponente diferente no campo de batalha. Heimdall não enfrentou um monstro, mas o próprio Loki.

Loki já tinha sido amigo dos deuses, mas seu comportamento travesso tinha se tornado cada vez mais malicioso até que ele causou diretamente a morte de Baldur. Ele estava amarrado, assim como seus filhos monstruosos.

Loki e sua prole foram os principais antagonistas de Ragnarok. Alguns estudiosos acreditam que outros monstros, como Surt, foram adicionados por escritores posteriores e a família de Loki foi originalmente os únicos inimigos do conto.

Para Heimdall enfrentar Loki, portanto, significa que ele estava posicionado contra a fonte da ameaça. Loki não era o inimigo mais forte fisicamente, mas era seu pai e líder.

Como acontece com muitos desses pares, a luta terminaria em destruição mútua. Heimdall e Loki matariam um ao outro, nenhum deles sobrevivendo à última batalha.

A Audição de Heimdall

Por causa de sua importância na narrativa de Ragnarok, o chifre de Heimdall costuma ser seu atributo definidor. Existem detalhes nas fontes sobreviventes que tornam este chifre um tópico de discussão ainda mais interessante para os historiadores.

O chifre de Heimdall não é o único com o nome de Gjallarhorn mencionado nos textos. Isso é incomum, pois os nomes dos itens eram tipicamente tão únicos quanto os nomes dos deuses que os carregavam.

O outro Gjallarhorn pertencia a Mímir, a cabeça desencarnada do deus do conhecimento. Não era, no entanto, usado da mesma forma que o de Heimdall.

Mímir usava seu Gjallarhorn como um recipiente para beber. A cada dia, de acordo com algumas fontes, ele bebia do poço que continha todo o conhecimento do mundo. Em uma ocasião, ele permitiu que Odin bebesse dessa água mágica também.

Alguns estudiosos acreditam que os dois chifres podem ter sido o mesmo. Gjallarhorn pode ter sido o recipiente para bebidas que deu a Odin um pouco de seu conhecimento e então foi usado para anunciar Ragnarok, o evento que seu conhecimento o informou.

Uma pista para isso está em uma passagem da Edda Poética que descreve o conhecimento da volva, ou vidente, que disse a Odin o que aconteceria em Ragnarok. Ela disse, de acordo com algumas traduções, que o chifre de Heimdall estava sob a árvore sagrada, Yggdrasil.

Isso estaria de acordo com sua identificação como o chifre que Mímir usou. Seu poço também estava sob uma das raízes de Yggdrasil.

Algumas traduções mais recentes, entretanto, colocaram em questão essa interpretação clássica.

A palavra usada no texto original em nórdico antigo é hljóð, que tradicionalmente é traduzida como "chifre". Alguns estudiosos linguísticos notaram, entretanto, que esta palavra não é usada para chifre em nenhum outro lugar nos textos nórdicos antigos.

Em vez disso, eles teorizam que uma tradução mais provável é "ouvir". A passagem então diz:

Ela sabe que a audição de Heimdall está escondida

sob a árvore sagrada radiante;

ela vê, derramando, a torrente lamacenta

da aposta do Pai dos Mortos; você

entendeu ainda, ou o que mais? - Edda Poética, Völuspá

"A audição de Heimdall" faria pouco sentido neste contexto se não fosse pelo fato de que outro deus também uma vez deixou um de seus sentidos debaixo da árvore.

Quando Odin bebeu do Poço de Mímir, ele teve que sacrificar algo de si mesmo. Ele tirou um de seus olhos e o jogou na água, levando fontes posteriores às vezes a dizer que a visão de Odin foi deixada lá.

Uma possível interpretação desta passagem, portanto, é que o Gjallarhorn não foi o que Heimdall deixou no Poço de Mímir. Ele pode ter feito um sacrifício, como Odin, e perdido uma orelha.

Se for esse o caso, ele reforça o argumento de que Heimdall estava intrinsecamente ligado a conceitos de magia, o tipo de conhecimento que Odin sempre buscou. Também deixa claro que ele era muito mais do que apenas o guardião da ponte para Asgard.

Muitas histórias na mitologia nórdica parecem aludir aos eventos de Ragnarok, mesmo que a conexão não seja feita com clareza. Este pode ser um desses casos, já que Heimdall provavelmente teria ouvido os gigantes de fogo antes de cruzarem o Bifrost se ele não tivesse dado uma orelha.

Embora esta seja uma nova interpretação que não é aceita por todos os estudiosos, ela abre a possibilidade de Heimdall ser uma figura muito mais importante na mitologia nórdica do que se pensava.

Nomes e Kennings

Como outros deuses da mitologia nórdica, Heimdall era conhecido por uma variedade de nomes.

Muitos deles eram kennings, um tipo de descrição poética comum na cultura nórdica. Esses kennings foram projetados não apenas para mostrar o talento do poeta, mas também para testar o conhecimento do ouvinte ou leitor.

Esses kennings geralmente se referem a algumas das lendas mais conhecidas de Heimdall. Ele é chamado, por exemplo, de "inimigo de Loki" ou "filho de nove mães".

Ao contrário de alguns outros deuses, no entanto, Heimdall também foi ocasionalmente referido por outros nomes inteiramente. Embora os kennings e outros títulos sejam geralmente fáceis de entender, alguns dos nomes de Heimdall nunca foram traduzidos.

Eles incluem:

  • Hallinskidi: Este nome é obscuro e nenhuma tradução definitiva foi feita. Alguns acreditam que pode vir de um termo para chifres assimétricos e remontar a um deus carneiro anterior.
  • Gullintani: “Aquele com dentes de ouro.” O ouro também era chamado de "dentes de Heimdall" no kennings.
  • Vindler: também escrito Vindhler, isso pode significar "vento do mar" ou "aquele que protege contra o vento". Isso foi considerado mais uma evidência de que Heimdall era filho de deusas do mar.

Como seus nomes alternativos, o próprio de Heimdall não foi capaz de ser traduzido diretamente.

Uma teoria proeminente é que o nome pode ser traduzido aproximadamente como "aquele que ilumina o mundo". Isso, em conjunto com seus kennings e mitos, levou a algumas teorias sobre as origens de Heimdall.

Como o nome não tem uma tradução direta em nórdico antigo ou em outra língua germânica primitiva, é provável que Heimdall tenha surgido como um personagem antes que essas línguas fossem faladas. Isso significaria que ele era uma figura muito mais velha do que alguns outros deuses e criaturas da mitologia nórdica.

Vários dos kennings e nomes de Heimdall se referem ao ouro. Isso não é incomum no nórdico antigo, mas em muitas culturas o ouro estava especificamente ligado ao sol.

Outras conexões com o sol podem ser vistas na teoria de que Heimdall já foi associado a carneiros. Em muitas culturas, como no Egito, deuses com cabeça de carneiro representavam o sol.

Heimdall também pode ter surgido do mar. Isso é comum com muitas deusas do amanhecer e divindades do sol matinal, porque o sol geralmente nasce sobre a água da perspectiva das comunidades litorâneas.

Esses kennings, combinados com a possível interpretação do nome de Heimdall referindo-se à luz, podem indicar que ele já foi considerado um deus do sol. Embora esse domínio não fosse mais totalmente mantido, vestígios dele permaneceram na língua.

Um traço também pode ter permanecido no famoso posto de Heimdall. Ele foi posicionado como guardião da ponte Bifrost, que muitas vezes era retratada como um arco-íris.

O outro deus mais intimamente ligado às histórias do Bifrost era Thor, o deus do trovão, que nadava em água fervente em vez de atravessar o Bifrost. Se Heimdall já foi um deus do sol, esses dois representariam o sol e a chuva, os elementos necessários para fazer o arco-íris aparecer.

Heimdall e a Humanidade

Outro nome por que Heimdall às vezes era conhecido era Rig. Este não era um nome poético ou uma alternativa, porém, mas um pseudônimo.

Como Odin, Heimdall às vezes ia a Midgard disfarçado de humano. Quando ele fazia isso, ele usava o nome Rig.

Um poema dinamarquês relata a visita mais famosa de Heimdall a Midgard como Rig e os efeitos que teve na cultura humana.

De acordo com a lenda, nos primeiros dias da humanidade Heimdall assumiu a personalidade de Rig para ver como a humanidade vivia. Ele vagou pelas estradas, ficando com várias famílias enquanto viajava.

Ele gostou do costume de ser hospitaleiro com cada família por três noites antes de continuar seu caminho. Para cada casal com quem ele ficou, ele deu conselhos valiosos sobre como administrar suas propriedades e realizar seu trabalho.

Fora desse costume, ele também passou uma daquelas noites com as esposas de cada família. Nove meses depois, nasceram três crianças.

O primeiro filho, Thrall, era brutal e feio. Ele se tornou o ancestral dos escravos, a classe mais baixa de escravos da cultura nórdica.

O segundo filho de Rig foi Jarl. Ele era forte e vigoroso e se tornou o ancestral dos fazendeiros e trabalhadores livres.

O terceiro menino era Karl, o ancestral dos guerreiros. Ele era um menino bonito que amava aventura, caça e luta.

Alguns anos depois, Jarl teve seu próprio filho. Kon não era apenas um lutador corajoso como seu pai, mas também era excepcionalmente sábio e justo.

Rig reapareceu naquele dia e adotou seu neto como se fosse seu. Ele ensinou Kon a ler e escrever runas antes de dizer-lhe para atacar e reivindicar terras para si.

Kon se tornou o ancestral de reis e chefes. Seus descendentes não foram apenas grandes guerreiros, mas também homens sábios e bem educados.

Heimdall não foi, portanto, o primeiro ancestral da humanidade, mas foi a origem das classes sociais da cultura nórdica. Ele foi homenageado em poemas e kennings por ter influência sobre a humanidade e a Edda Poética chamou toda a humanidade de "filhos de Heimdall".

Interpretando o Deus Heimdall

Enquanto muitas culturas deixavam os domínios de seus deuses bem claros, a religião nórdica pagã era frequentemente mais obscura. Cada deus estava associado a coisas específicas, mas muitos deuses tinham domínios incertos.

Heimdall, em particular, forneceu um quebra-cabeça para os historiadores. Embora seu papel como vigia dos deuses seja claro, há evidências de que ele era uma figura muito mais proeminente.

Ele é mencionado em textos sobreviventes mais do que muitos dos outros deuses. Além de histórias como a de Rig que giram em torno dele, ele também desempenha um papel importante em contos de outros deuses.

Quando o martelo de Thor, Mjolnir, foi roubado, por exemplo, foi Heimdall quem propôs a manobra que permitiu ao deus do trovão recuperá-lo. Nesse caso, ele foi descrito como tendo o dom da previsão, um traço tipicamente associado aos usuários de magia.

Em uma história semelhante, Freya procurou sua ajuda quando seu colar, Brisingamen, foi roubado. Ele rastreou o ladrão, Loki, que se disfarçou como uma foca para se esconder, e se transformou para lutar contra ele e reconquistar o torque de Freya.

Esta história não apenas mostra a capacidade de Heimdall de mudar de forma e lutar, mas também o liga a Freya. Embora ele não seja mencionado de outra forma em relação à bem-amada deusa, um relato de Ragnarok sugere que ele usa o colar dela na batalha.

Em outros casos, ele foi descrito como sendo o mais brilhante dos Aesir com uma pele de cor branca pura. Essas descrições de brilho são frequentemente usadas para deuses especialmente honrados e nobres, particularmente Baldur.

Heimdall também é o deus principal, depois de Odin, a quem se atribui a participação na criação da humanidade. O fato de a humanidade ser chamada de “filhos de Heimdall” mostra a importância atribuída ao seu papel.

Os deuses criadores costumam estar entre os mais proeminentes em seus panteões. Identificar Heimdall com a criação da humanidade como o ancestral das classes sociais provavelmente implica que ele era visto como um deus principal.

A batalha de Heimdall contra Loki na luta final de Ragnarok também implica um alto nível de importância. Fenrir era o inimigo mais perigoso em uma luta física, mas Loki desempenhou um papel importante em muitas histórias como o ex amigo dos deuses e mais tarde antagonista.

A maioria dos historiadores acredita que muitos dos detalhes de Ragnarok na Edda em Prosa foram invenções do autor, que viveu muito depois de sua Islândia natal ter sido oficialmente cristianizada. A inimizade de Heimdall com Loki, no entanto, é mencionada em várias outras fontes.

Todos esses detalhes dão aos historiadores a impressão de que Heimdall era muito mais do que os vigias dos deuses. Mesmo que sua caracterização tenha mudado ao longo do tempo, é claro que, pelo menos em algum ponto, Heimdall era um dos deuses mais poderosos do panteão.

A Importância de Heimdall

O deus nórdico Heimdall aparece em muitos textos. Coletivamente, eles fazem dele um dos deuses mais bem atestados da mitologia nórdica.

Ele é mais lembrado por tocar a buzina que anunciou o início do Ragnarok. Posicionado para proteger a ponte Bifrost, ele foi o primeiro a ver as forças inimigas avançando em direção a Asgard.

Embora essa caracterização do vigia dos deuses seja o dever mais conhecido de Heimdall, outras histórias mostram que ele provavelmente era um deus com um domínio muito mais amplo.

Seu nome, assim como muitas das alternativas às vezes utilizadas, parece referir-se ao sol. Isso é possivelmente reforçado por uma nova associação com ouro.

Ele também está conectado ao mar. A identificação mais provável para as nove mães de Heimdall são as filhas de Aegir e Ran, um grupo de jötnar do mar parecido com ninfas.

As histórias mostram Heimdall como um ancestral da maior parte da humanidade. Ele teve três filhos humanos que se tornaram os ancestrais das classes sociais da Era Viking.

Ele está conectado a Odin, que era seu pai, e às ideias de magia e conhecimento que são frequentemente vistas nos mitos de Odin.

Finalmente, em Ragnarok Heimdall foi colocado contra talvez o maior inimigo dos deuses. Embora Loki não fosse o mais perigoso de se lutar, sua proeminência como um antagonista dos deuses o tornava seu inimigo mais constante.

Todas essas evidências apontam para o fato de que Heimdall era provavelmente um deus muito proeminente no panteão nórdico. Embora agora seja caracterizado como o guarda estacionado na ponte, ele era provavelmente um dos mais poderosos deuses Aesir.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem